Quase 240 mil cearenses terão benefício para superar extrema pobreza


Quase 240 mil cearenses terão benefício para superar extrema pobreza

A Região Nordeste será, novamente, a maior beneficiada com o acréscimo no pagamento

Por Tribuna do Ceará em Ceará

17 de março de 2013 às 15:31

Há 6 anos

Começou nesta sexta-feira (15) o pagamento do Benefício para Superação da Extrema Pobreza (BSP) para famílias que mesmo com o Bolsa Família ainda vivem situação de extrema pobreza. No Ceará, 239.983 serão beneficiadas, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Além do BSP, o governo federal também começou a pagar na última sexta o Bolsa Família para 13,8 milhões de famílias em todo o Brasil. Num montante superior a R$ 2 bilhões, o pagamento ocorre até o dia 28 deste mês, como prevê o calendário anual.

Quase 240 mil em extrema pobreza

A Região Nordeste será, novamente, a maior beneficiada com o acréscimo no pagamento. Bahia, Pernambuco, Maranhão e Ceará são os estados com maiores quantidades de beneficiários da complementação de renda nesta 3ª etapa. Somados o Bolsa Família e o BSP, o Nordeste recebe mensalmente um montante superior a R$ 1 bilhão. Esses recursos ajudam a movimentar a economia da região.

De acordo com o diretor do Departamento de Benefícios do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Walter Emura, a complementação é fundamental na estratégia de superação da extrema pobreza. “Esse valor a mais, com certeza, vai fazer diferença para essas famílias.”

Sobre o benefício

Lançado em maio de 2012, o BSP assegurou inicialmente renda mensal superior a R$ 70 por pessoa às famílias do Programa Bolsa Família com crianças de até 6 anos. Em dezembro, houve a primeira expansão para os beneficiários com crianças e adolescentes até 15 anos.

Com o pagamento deste mês, não haverá mais família no Bolsa Família com renda mensal inferior a R$ 70 por pessoa. Esse é o valor usado como referência pelo Plano Brasil Sem Miséria e representa o primeiro passo para que esse público possa superar a situação de extrema pobreza, que envolve outras variáveis além da renda. A concessão é automática e as famílias recebem avisos sobre o novo benefício em seus extratos bancários de pagamento.

Publicidade

Dê sua opinião

Quase 240 mil cearenses terão benefício para superar extrema pobreza

A Região Nordeste será, novamente, a maior beneficiada com o acréscimo no pagamento

Por Tribuna do Ceará em Ceará

17 de março de 2013 às 15:31

Há 6 anos

Começou nesta sexta-feira (15) o pagamento do Benefício para Superação da Extrema Pobreza (BSP) para famílias que mesmo com o Bolsa Família ainda vivem situação de extrema pobreza. No Ceará, 239.983 serão beneficiadas, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Além do BSP, o governo federal também começou a pagar na última sexta o Bolsa Família para 13,8 milhões de famílias em todo o Brasil. Num montante superior a R$ 2 bilhões, o pagamento ocorre até o dia 28 deste mês, como prevê o calendário anual.

Quase 240 mil em extrema pobreza

A Região Nordeste será, novamente, a maior beneficiada com o acréscimo no pagamento. Bahia, Pernambuco, Maranhão e Ceará são os estados com maiores quantidades de beneficiários da complementação de renda nesta 3ª etapa. Somados o Bolsa Família e o BSP, o Nordeste recebe mensalmente um montante superior a R$ 1 bilhão. Esses recursos ajudam a movimentar a economia da região.

De acordo com o diretor do Departamento de Benefícios do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Walter Emura, a complementação é fundamental na estratégia de superação da extrema pobreza. “Esse valor a mais, com certeza, vai fazer diferença para essas famílias.”

Sobre o benefício

Lançado em maio de 2012, o BSP assegurou inicialmente renda mensal superior a R$ 70 por pessoa às famílias do Programa Bolsa Família com crianças de até 6 anos. Em dezembro, houve a primeira expansão para os beneficiários com crianças e adolescentes até 15 anos.

Com o pagamento deste mês, não haverá mais família no Bolsa Família com renda mensal inferior a R$ 70 por pessoa. Esse é o valor usado como referência pelo Plano Brasil Sem Miséria e representa o primeiro passo para que esse público possa superar a situação de extrema pobreza, que envolve outras variáveis além da renda. A concessão é automática e as famílias recebem avisos sobre o novo benefício em seus extratos bancários de pagamento.