Procurador da República no Ceará entra na Justiça contra Ciência sem Fronteiras

Procurador da República no Ceará entra na Justiça contra Ciência sem Fronteiras

Os estudantes reclamavam de que a iniciativa, que concede bolsas de estudos em cursos de ensino superior, tinha suspendido mais de 20 cursos

Por Jackson Cruz em Ceará

27 de novembro de 2012 às 18:30

Há 4 anos

Após as abertura das inscrições para o programa Ciência sem Fronteiras (CsF), do governo federal, circulou nas redes sociais um protesto contra o processo de seleção nas redes sociais, como o Facebook. Os estudantes reclamavam de que a iniciativa, que concede bolsas de estudos em cursos de ensino superior, tinha suspendido a participação de mais de 20 cursos.

ciencia sem fronteiras

O banner foi divulgado no Facebook como protesto contra o programa. Foto: Reprodução

 

A nova chamada do CsF impede a participação da maioria de estudantes da área de humanas. Publicidade, Artes Plásticas, Cinema e Jornalismo, além de graduações na área de saúde, como Enfermagem e Fisioterapia, foram excluídas da lista. Apesar do programa ter como foco a área tecnológica, estudantes de humanas conseguiam se candidatar em uma área chamada “indústria criativa”.

Depoimento 

A estudante de Publicidade Thaís Esmeraldo foi a primeira a recorrer à Justiça do Ceará para que a exclusão não acontecesse. “Eu estava acompanhando até antes do edital de julho ter saído. Fiquei esperando a abertura da segunda chamada, que era dividida por áreas. A que eu acho que meu curso se encaixa era na indústria criativa. No dia que foi aberta as inscrições, houve uma retificação que delimitava os cursos, excluindo a Publicidade”, contou.

Segundo a estudante, a prova da segunda chamada daria o ingresso a universidade no exterior no mês de setembro de 2013, enquanto a primeira chamada seria para janeiro de 2013. “Tem gente da Publicidade que fez a primeira chamada e vai em janeiro, isso com o mesmo edital”, ressaltou.

Thaís ainda lamentou os custos que teve com a preparação para sua viagem a Londres. “Tenho prova marcada para o dia 8 de dezembro, em Brasília, de proficiência em inglês britânico, o IELTS [International English Language Testing System]”, disse. O exame é pago e possui validade de 2 anos.

Processo na Justiça

O procurador da República no Ceará, Oscar Costa Filho, afirmou que houve o pedido de uma medida liminar na Justiça para preservar os termos do edital original. “Esse é um problema de moralidade administrativa. Ninguém quer interromper chamada, mas é para que ela se dê para todos. Você não pode condicionar o aluno o ano todo, e no dia em que a disputa vai ser iniciada fazer um apartheid”, esclareceu.

De acordo com o procurador, o juiz deve ouvir o governo federal e, até sexta-feira (30), deve decidir sobre o caso. “Acho que o juiz vai conceder a liminar, porque vai ter uma enxurrada de decisões judiciais individuais no país todo, por causa disso. Concorrer é um direito do aluno. A liminar é para esse ano, no próximo ano o governo pode fazer as adaptações no edital”, contou.

O programa

Os candidatos podem pleitear o benefício na modalidade “sanduíche”, em que parte da graduação é realizada no exterior, para os seguintes países: Austrália, Alemanha, Canadá, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Holanda, Hungria, Itália, Japão, Noruega, Portugal e Suécia.

Para concorrer, é preciso ser brasileiro, estar matriculado em um curso de nível superior em uma das áreas prioritárias do programa, haver cumprido entre 20% e 90% do currículo do curso e se comprometer, após a conclusão da graduação, a permanecer no Brasil por um período equivalente ao dobro da duração do curso no exterior.

Gostou? Compartilhe!

Publicidade

Dê sua opinião

Procurador da República no Ceará entra na Justiça contra Ciência sem Fronteiras

Os estudantes reclamavam de que a iniciativa, que concede bolsas de estudos em cursos de ensino superior, tinha suspendido mais de 20 cursos

Por Jackson Cruz em Ceará

27 de novembro de 2012 às 18:30

Há 4 anos

Após as abertura das inscrições para o programa Ciência sem Fronteiras (CsF), do governo federal, circulou nas redes sociais um protesto contra o processo de seleção nas redes sociais, como o Facebook. Os estudantes reclamavam de que a iniciativa, que concede bolsas de estudos em cursos de ensino superior, tinha suspendido a participação de mais de 20 cursos.

ciencia sem fronteiras

O banner foi divulgado no Facebook como protesto contra o programa. Foto: Reprodução

 

A nova chamada do CsF impede a participação da maioria de estudantes da área de humanas. Publicidade, Artes Plásticas, Cinema e Jornalismo, além de graduações na área de saúde, como Enfermagem e Fisioterapia, foram excluídas da lista. Apesar do programa ter como foco a área tecnológica, estudantes de humanas conseguiam se candidatar em uma área chamada “indústria criativa”.

Depoimento 

A estudante de Publicidade Thaís Esmeraldo foi a primeira a recorrer à Justiça do Ceará para que a exclusão não acontecesse. “Eu estava acompanhando até antes do edital de julho ter saído. Fiquei esperando a abertura da segunda chamada, que era dividida por áreas. A que eu acho que meu curso se encaixa era na indústria criativa. No dia que foi aberta as inscrições, houve uma retificação que delimitava os cursos, excluindo a Publicidade”, contou.

Segundo a estudante, a prova da segunda chamada daria o ingresso a universidade no exterior no mês de setembro de 2013, enquanto a primeira chamada seria para janeiro de 2013. “Tem gente da Publicidade que fez a primeira chamada e vai em janeiro, isso com o mesmo edital”, ressaltou.

Thaís ainda lamentou os custos que teve com a preparação para sua viagem a Londres. “Tenho prova marcada para o dia 8 de dezembro, em Brasília, de proficiência em inglês britânico, o IELTS [International English Language Testing System]”, disse. O exame é pago e possui validade de 2 anos.

Processo na Justiça

O procurador da República no Ceará, Oscar Costa Filho, afirmou que houve o pedido de uma medida liminar na Justiça para preservar os termos do edital original. “Esse é um problema de moralidade administrativa. Ninguém quer interromper chamada, mas é para que ela se dê para todos. Você não pode condicionar o aluno o ano todo, e no dia em que a disputa vai ser iniciada fazer um apartheid”, esclareceu.

De acordo com o procurador, o juiz deve ouvir o governo federal e, até sexta-feira (30), deve decidir sobre o caso. “Acho que o juiz vai conceder a liminar, porque vai ter uma enxurrada de decisões judiciais individuais no país todo, por causa disso. Concorrer é um direito do aluno. A liminar é para esse ano, no próximo ano o governo pode fazer as adaptações no edital”, contou.

O programa

Os candidatos podem pleitear o benefício na modalidade “sanduíche”, em que parte da graduação é realizada no exterior, para os seguintes países: Austrália, Alemanha, Canadá, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Holanda, Hungria, Itália, Japão, Noruega, Portugal e Suécia.

Para concorrer, é preciso ser brasileiro, estar matriculado em um curso de nível superior em uma das áreas prioritárias do programa, haver cumprido entre 20% e 90% do currículo do curso e se comprometer, após a conclusão da graduação, a permanecer no Brasil por um período equivalente ao dobro da duração do curso no exterior.

Gostou? Compartilhe!