Policial faz parto raro de bebê que nasceu dentro da bolsa amniótica em Chaval

"EMPELICADO"

Policial faz parto raro de bebê que nasceu dentro da bolsa amniótica em Chaval

A criança nasceu na manhã desta quarta-feira (11), no município de Chaval, no interior do Ceará, envolvido pela bolsa da mãe

Por Daniel Rocha em Ceará

12 de julho de 2018 às 15:26

Há 6 dias
Nascimento de bebê em chaval

O policial estava em serviço quando recebeu o pedido de ajuda (Foto: Arquivo Pessoal)

Um chamado diferente, mas com um final feliz. O policial Antônio Batista dos Santos atendeu a um pedido de socorro para ajudar uma gestante em trabalho de parto. O agente seguiu até a residência para ajudar a família e realizou o raro parto de um bebê “empelicado” . A criança nasceu na manhã desta quarta-feira (11), no município de Chaval, a 400 km de Fortaleza. Tanto o filho quanto a mãe passam bem e já estão em casa.

O policial estava circulando pelo centro do município de Chaval quando foi surpreendido por uma mulher que pediu socorro para uma gestante que estava dando à luz o filho. O agente seguiu até a residência e, ao entrar no quarto da mulher, a criança já estava saindo do corpo da mãe.

A criança nasceu envolvida pelo saco amniótico, em uma espécie de “bolha”. Esse é um tipo raro de parto, que acontece a cada 80 mil nascimentos, quando o feto nasce sem romper a bolsa da mãe. Diz-se também que, nesse caso, o bebê nasceu “empelicado”.

Para ajudar no parto, Antônio elevou o quadril da gestante, que estava deitada na cama, com um travesseiro. O marido e uma vizinha estavam em casa, mas não sabiam o que fazer, segundo conta o policial. “O bebê estava envolvido pela placenta e enrolado com o cordão umbilical”, ressalta.

Ao ver a situação e a responsabilidade, confessou ter tido medo. Era a primeira vez que estava auxiliando um parto, mas a missão lhe exigia tranquilidade para orientar a mãe durante o nascimento do filho.

Ele pediu para a mulher respirar fundo nos momentos das contrações e, em poucos minutos, Caik nasceu. Antônio o colocou em seus braços, retirou a pele da bolsa e deu um “tapinha” para o bebê expelir o líquido amniótico. No primeiro choro, entregou a criança à mãe e buscou um atendimento especializado para a família. “Eu o envolvi com uns lençós e entreguei para a mãe. Fui buscar ajuda especializada no hospital”, relembra.

Ao retornar com uma enfermeira, mãe e filho foram encaminhados na viatura para o Hospital Elizete Pacheco. Ao sair da residência com o bebê nos braços, o policial foi aplaudido e os vizinhos comemoram pelo nascimento de Caik. “Segurei as lágrimas”, conta. O bebê e a mãe ficaram sob observação médica na quarta-feira (12) e, no mesmo dia, receberam alta médica.

Fortaleza

Também na manhã da quarta-feira, um policial militar fez o parto do bebê de uma moradora de rua, no Centro de Fortaleza. Os policiais militares, Sd N. Silva, Sd Pereira, Sd Germano, Sd Leite e Sd Fernandes faziam a segurança da Praça quando encontraram a mãe, de apenas 16 anos, sentindo fortes dores. A jovem vive nas ruas e estava acompanhada pelo pai da criança.

Publicidade

Dê sua opinião

"EMPELICADO"

Policial faz parto raro de bebê que nasceu dentro da bolsa amniótica em Chaval

A criança nasceu na manhã desta quarta-feira (11), no município de Chaval, no interior do Ceará, envolvido pela bolsa da mãe

Por Daniel Rocha em Ceará

12 de julho de 2018 às 15:26

Há 6 dias
Nascimento de bebê em chaval

O policial estava em serviço quando recebeu o pedido de ajuda (Foto: Arquivo Pessoal)

Um chamado diferente, mas com um final feliz. O policial Antônio Batista dos Santos atendeu a um pedido de socorro para ajudar uma gestante em trabalho de parto. O agente seguiu até a residência para ajudar a família e realizou o raro parto de um bebê “empelicado” . A criança nasceu na manhã desta quarta-feira (11), no município de Chaval, a 400 km de Fortaleza. Tanto o filho quanto a mãe passam bem e já estão em casa.

O policial estava circulando pelo centro do município de Chaval quando foi surpreendido por uma mulher que pediu socorro para uma gestante que estava dando à luz o filho. O agente seguiu até a residência e, ao entrar no quarto da mulher, a criança já estava saindo do corpo da mãe.

A criança nasceu envolvida pelo saco amniótico, em uma espécie de “bolha”. Esse é um tipo raro de parto, que acontece a cada 80 mil nascimentos, quando o feto nasce sem romper a bolsa da mãe. Diz-se também que, nesse caso, o bebê nasceu “empelicado”.

Para ajudar no parto, Antônio elevou o quadril da gestante, que estava deitada na cama, com um travesseiro. O marido e uma vizinha estavam em casa, mas não sabiam o que fazer, segundo conta o policial. “O bebê estava envolvido pela placenta e enrolado com o cordão umbilical”, ressalta.

Ao ver a situação e a responsabilidade, confessou ter tido medo. Era a primeira vez que estava auxiliando um parto, mas a missão lhe exigia tranquilidade para orientar a mãe durante o nascimento do filho.

Ele pediu para a mulher respirar fundo nos momentos das contrações e, em poucos minutos, Caik nasceu. Antônio o colocou em seus braços, retirou a pele da bolsa e deu um “tapinha” para o bebê expelir o líquido amniótico. No primeiro choro, entregou a criança à mãe e buscou um atendimento especializado para a família. “Eu o envolvi com uns lençós e entreguei para a mãe. Fui buscar ajuda especializada no hospital”, relembra.

Ao retornar com uma enfermeira, mãe e filho foram encaminhados na viatura para o Hospital Elizete Pacheco. Ao sair da residência com o bebê nos braços, o policial foi aplaudido e os vizinhos comemoram pelo nascimento de Caik. “Segurei as lágrimas”, conta. O bebê e a mãe ficaram sob observação médica na quarta-feira (12) e, no mesmo dia, receberam alta médica.

Fortaleza

Também na manhã da quarta-feira, um policial militar fez o parto do bebê de uma moradora de rua, no Centro de Fortaleza. Os policiais militares, Sd N. Silva, Sd Pereira, Sd Germano, Sd Leite e Sd Fernandes faziam a segurança da Praça quando encontraram a mãe, de apenas 16 anos, sentindo fortes dores. A jovem vive nas ruas e estava acompanhada pelo pai da criança.