Número de pais na fila de adoção é 4 vezes maior que o de crianças em abrigos no Ceará

ESPECIAL

Número de pais na fila de adoção é 4 vezes maior que o de crianças em abrigos no Ceará

Atualmente, são 140 crianças nos abrigos do Estado para 580 pretendentes a pais na fila para adoção. “O problema é que não há pretendentes com perfil compatível com essas crianças”

Por Tribuna Bandnews FM em Ceará

16 de agosto de 2018 às 07:15

Há 2 meses
adoção

Candidatos a pais precisam passar por preparação para adotar crianças (FOTO: Freepik)

Confira a primeira de duas reportagens especiais que a Tribuna BandNews FM preparou sobre o tema adoção neste mês de agosto. Os avanços e desafios do processo legal de adoção no Ceará são os aspectos abordados na primeira matéria, feita pela repórter Juliana Marques.

O processo legal de adoção no Ceará exige paciência e esforços em conjunto. Os pretendentes a pais precisam se inscrever no Cadastro Nacional da Adoção, uma ferramenta digital que auxilia os juízes das Varas da Infância, na condução dos procedimentos em todo o país.

Eles preenchem seus dados no formulário com o perfil da criança que desejam, como a faixa etária, cor, sexo, se pode estar vinculada a irmãos ou ter alguma deficiência. Do outro lado, o setor de cadastro de adoção do Juizado da Infância e da Juventude do Ceará fica responsável por fazer o cruzamento dos dados. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estabelece que a criança e o adolescente devem ser criados em sua família de origem; mas, esgotada todas as alternativas de reinserção, a adoção é o melhor caminho.

Lançado em 2008, o Cadastro Nacional de Adoção facilitou o processo em vários sentidos, como explica o chefe do setor no Fórum Clóvis Beviláqua, Deusimar Rodrigues.

“Otimizou muito a adoção no Brasil, porque evitou aquelas entregas à sombra da Justiça. Com o cadastro, o judiciário tem total controle sobre os pretendes, porque através do Cadastro Nacional de Adoção a pessoa que quer adotar vai se submeter a uma avaliação psicossocial formada por uma equipe jurídica, psicólogo, assistente social, pedagogo, que vão visitar a residência desse pretendente. Ele vai fazer um curso preparatório, para então estar devidamente preparado para assumir a missão de criar um filho”, disse Deusimar.

Para a família, que aguarda ansiosa a tão sonhada assinatura do juiz legitimando a adoção, parece que esse dia nunca vai chegar. Mas, ainda segundo Deusimar Rodrigues, existem diversos motivos que não dependem apenas da justiça para a agilizar o processo.

“O grande problema é que não há nenhum com o perfil compatível com essas crianças que estão nos abrigos. As crianças são todas acima de 10 anos de idade, ou são grupos de irmãos, ou são portadores de alguma doença incurável e, portanto, não se encaixam no perfil desses pretendentes”, explicou o chefe do setor no fórum Clóvis Beviláqua.

Atualmente, são 140 crianças nos abrigos do Estado para quase 580 pretendentes a pais na fila para adoção.

Confira a reportagem completa de Juliana Marques para a Tribuna BandNews FM:

Publicidade

Dê sua opinião

ESPECIAL

Número de pais na fila de adoção é 4 vezes maior que o de crianças em abrigos no Ceará

Atualmente, são 140 crianças nos abrigos do Estado para 580 pretendentes a pais na fila para adoção. “O problema é que não há pretendentes com perfil compatível com essas crianças”

Por Tribuna Bandnews FM em Ceará

16 de agosto de 2018 às 07:15

Há 2 meses
adoção

Candidatos a pais precisam passar por preparação para adotar crianças (FOTO: Freepik)

Confira a primeira de duas reportagens especiais que a Tribuna BandNews FM preparou sobre o tema adoção neste mês de agosto. Os avanços e desafios do processo legal de adoção no Ceará são os aspectos abordados na primeira matéria, feita pela repórter Juliana Marques.

O processo legal de adoção no Ceará exige paciência e esforços em conjunto. Os pretendentes a pais precisam se inscrever no Cadastro Nacional da Adoção, uma ferramenta digital que auxilia os juízes das Varas da Infância, na condução dos procedimentos em todo o país.

Eles preenchem seus dados no formulário com o perfil da criança que desejam, como a faixa etária, cor, sexo, se pode estar vinculada a irmãos ou ter alguma deficiência. Do outro lado, o setor de cadastro de adoção do Juizado da Infância e da Juventude do Ceará fica responsável por fazer o cruzamento dos dados. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estabelece que a criança e o adolescente devem ser criados em sua família de origem; mas, esgotada todas as alternativas de reinserção, a adoção é o melhor caminho.

Lançado em 2008, o Cadastro Nacional de Adoção facilitou o processo em vários sentidos, como explica o chefe do setor no Fórum Clóvis Beviláqua, Deusimar Rodrigues.

“Otimizou muito a adoção no Brasil, porque evitou aquelas entregas à sombra da Justiça. Com o cadastro, o judiciário tem total controle sobre os pretendes, porque através do Cadastro Nacional de Adoção a pessoa que quer adotar vai se submeter a uma avaliação psicossocial formada por uma equipe jurídica, psicólogo, assistente social, pedagogo, que vão visitar a residência desse pretendente. Ele vai fazer um curso preparatório, para então estar devidamente preparado para assumir a missão de criar um filho”, disse Deusimar.

Para a família, que aguarda ansiosa a tão sonhada assinatura do juiz legitimando a adoção, parece que esse dia nunca vai chegar. Mas, ainda segundo Deusimar Rodrigues, existem diversos motivos que não dependem apenas da justiça para a agilizar o processo.

“O grande problema é que não há nenhum com o perfil compatível com essas crianças que estão nos abrigos. As crianças são todas acima de 10 anos de idade, ou são grupos de irmãos, ou são portadores de alguma doença incurável e, portanto, não se encaixam no perfil desses pretendentes”, explicou o chefe do setor no fórum Clóvis Beviláqua.

Atualmente, são 140 crianças nos abrigos do Estado para quase 580 pretendentes a pais na fila para adoção.

Confira a reportagem completa de Juliana Marques para a Tribuna BandNews FM: