MPF requer implantação de novos leitos de UTI neonatal no Cariri - Noticias


MPF requer implantação de novos leitos de UTI neonatal no Cariri

Os procuradorse alegam que o número reduzido de leitos para o tratamento intensivo de recém-nascidos resulta em problemas graves

Por Tribuna do Ceará em Ceará

23 de maio de 2011 às 19:07

Há 8 anos

O Ministério Público Federal entrou com uma ação civil pública contra a União e o Estado do Ceará pedindo a criação de 12 novos leitos de UTI neonatal para atender a população do Cariri, na Região Sul do Estado.

Segundo o MPF, o número reduzido de leitos para o tratamento intensivo de recém-nascidos resulta em problemas graves, uma vez que as unidades ofertadas nos hospitais São Vicente de Paulo, em Barbalha, e São Lucas, em Juazeiro do Norte, são insuficientes para atender à demanda.

Em dezembro do ano passado, o MPF realizou vistoria nos hospitais onde há UTI neonatal e confirmou a existência de apenas 15 leitos para atender toda a região do Cariri, com 931 mil habitantes. Na época, o MPF deu um prazo de 60 dias para União e Estado implantarem os leitos de UTI neonatal, o que não aconteceu.

De acordo com o relato de profissionais de saúde e com os demais dados coletados em inquérito civil público que embasou a ação, recém-nascidos acabam sendo acomodados em berçários sem equipamentos apropriados e sem incubadoras. Segundo o exposto no requerimento, existe rodízio com os pacientes da UTI neonatal, conforme a gravidade do caso e agravamento da situação clínica de cada um. Outros pacientes são encaminhados para a capital em veículos inadequados, num trajeto de mais de 530km.

Na ação, o MPF requer à Justiça Federal que seja determinado à União e ao Estado do Ceará que iniciem em 60 dias os procedimentos necessários para a implantação de 12 leitos de UTI Neonatal, trabalho que deverá estar concluído até o final do ano.

Redação Jangadeiro Online, com informações do MPF

Publicidade

Dê sua opinião

MPF requer implantação de novos leitos de UTI neonatal no Cariri

Os procuradorse alegam que o número reduzido de leitos para o tratamento intensivo de recém-nascidos resulta em problemas graves

Por Tribuna do Ceará em Ceará

23 de maio de 2011 às 19:07

Há 8 anos

O Ministério Público Federal entrou com uma ação civil pública contra a União e o Estado do Ceará pedindo a criação de 12 novos leitos de UTI neonatal para atender a população do Cariri, na Região Sul do Estado.

Segundo o MPF, o número reduzido de leitos para o tratamento intensivo de recém-nascidos resulta em problemas graves, uma vez que as unidades ofertadas nos hospitais São Vicente de Paulo, em Barbalha, e São Lucas, em Juazeiro do Norte, são insuficientes para atender à demanda.

Em dezembro do ano passado, o MPF realizou vistoria nos hospitais onde há UTI neonatal e confirmou a existência de apenas 15 leitos para atender toda a região do Cariri, com 931 mil habitantes. Na época, o MPF deu um prazo de 60 dias para União e Estado implantarem os leitos de UTI neonatal, o que não aconteceu.

De acordo com o relato de profissionais de saúde e com os demais dados coletados em inquérito civil público que embasou a ação, recém-nascidos acabam sendo acomodados em berçários sem equipamentos apropriados e sem incubadoras. Segundo o exposto no requerimento, existe rodízio com os pacientes da UTI neonatal, conforme a gravidade do caso e agravamento da situação clínica de cada um. Outros pacientes são encaminhados para a capital em veículos inadequados, num trajeto de mais de 530km.

Na ação, o MPF requer à Justiça Federal que seja determinado à União e ao Estado do Ceará que iniciem em 60 dias os procedimentos necessários para a implantação de 12 leitos de UTI Neonatal, trabalho que deverá estar concluído até o final do ano.

Redação Jangadeiro Online, com informações do MPF