Empresários e moradores temem enxurrada de turistas com a chegada de aeroporto em Jeri

IMPACTO AMBIENTAL

Empresários e moradores temem enxurrada de turistas com a chegada de aeroporto em Jeri

Aeroporto será inaugurado no dia 24. Para quem mora ou trabalha em Jericoacoara, turismo predatório será ameaça ao ecossistema local

Por Lucas Barbosa em Ceará

12 de junho de 2017 às 06:45

Há 1 ano

Temor é de que o paraíso seja descaracterizado (FOTO: Divulgação/CVC)

A inauguração do Aeroporto do Pólo Turístico de Jericoacoara, a 287 km de Fortaleza, previsto para o dia 24 de junho, traz preocupações de ordem ambiental. Há o temor de que o aumento no número de visitantes esperado possa refletir em um turismo predatório, descaracterizando o ecossistema da região, um dos paraísos turísticos do Brasil mais conhecidos no mundo.

A presidente da Associação Empresarial Eu Amo Jeri, Sônia Cavalcante, é uma das que demonstra essa preocupação. Para ela, a cidade de Jijoca de Jericoacoara não solucionou problemas em aspectos básicos para receber os turistas — embora reconheça esforço do poder público para mudar a situação. Sônia também critica a “mania de querer fazer turismo massivo”.

“Acaba estragando o local, vai perdendo o charme. Do ponto de vista ecológico, não é positivo”, diz, afirmando temer, sobretudo, pelo Parque Nacional de Jericoacoara (PNJ). “Pessoalmente, tenho medo dos impactos trazidos pelo aeroporto. Mas medo não resolve nada. Desejamos boa sorte”.

O presidente do Conselho Comunitário de Jericoacoara, Elenildo Veríssimo, destaca que falta fiscalização no PNJ. Ele diz que nenhuma das quatro guaritas do parque funciona. Já a praia sofreria com invasões ilegais.

Elenildo se diz despreocupado com relação ao serviço ofertado pela rede privada — rede hoteleira, restaurantes, dentre outros — preocupando-se, mesmo, com o poder público. “Se tiver cinco ou seis turistas doentes, não vai ter estrutura”, exemplifica.

Os impactos são admitidos pelo Governo do Estado. Para contorná-los, a Secretaria de Turismo (Setur) anunciou o planejamento de uma série de ações em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), “para preservar as características de Jeri”. 

“Estamos trabalhando para melhorar e controlar acesso, estacionamento, coleta de lixo, água, esgoto, entre outras questões”, afirmou o secretário Arialdo Pinho. Fazem parte do esforço as prefeituras de Jijoca de Jericoacoara, Camocim e Cruz.

Segundo o chefe do PNJ, Jerônimo Martins, as medidas incluem, dentre outras, delimitação da Unidade de Conservação (UC), otimização da gestão de resíduos sólidos e líquidos, melhoria das principais vias internas destinadas a veículos autorizados, controle do acesso nos quatros postos de informação e a retirada de rebanhos bovino e asininos da unidade.

O acordo de cooperação elaborado ainda prevê a implementação de estruturas de apoio à visitação nos principais pontos turísticos, como mirantes, escadarias e plataformas de acesso no Serrote e Pedra Furada.

“As medidas previstas para a gestão da UC” — afirma Jerônimo — “auxiliarão na maior efetividade das ações de proteção no Parque”, reconhecendo haver carência de recursos humanos e infraestrutura para atender à demanda da unidade.

Aeroporto recebe o primeiro voo no dia 24 próximo (FOTO: Divulgação/Carlos Gibaja/Governo do Ceará)

De acordo com o ICMBio, 760 mil pessoas visitaram a unidade de conservação (UC) em 2016. O Conselho Comunitário de Jericoacoara afirma serem previstos entre 800 e 900 mil turistas neste ano em Jijoca de Jericoacoara.

O aeroporto

Com a inauguração do aeroporto, que fica no município vizinho de Cruz, a distância entre Fortaleza e Jericoacoara deve cair de cinco para uma hora de viagem. Conforme a Setur, já estão confirmados voos para o dia 24 de junho, São Paulo (Congonhas)/Jericoacoara, pela companhia aérea Gol, e, a partir de julho, dois pela Azul — Campinas/Jericoacoara (semanal) e Recife/Jericoacoara (quatro vezes por semana).

Na última quinta-feira (1º), a CVC anunciou já estarem à venda os pacotes da viagem Congonhas/Jericoacoara. A viagem custa a partir de R$ 1.598 por pessoa para um pacote de oito dias, já contando serviços como hospedagem.

O investimento total no aeroporto foi orçado em R$ 73,9 milhões, custeados pelo Tesouro do Estado e pelo Ministério do Turismo.

Publicidade

Dê sua opinião

IMPACTO AMBIENTAL

Empresários e moradores temem enxurrada de turistas com a chegada de aeroporto em Jeri

Aeroporto será inaugurado no dia 24. Para quem mora ou trabalha em Jericoacoara, turismo predatório será ameaça ao ecossistema local

Por Lucas Barbosa em Ceará

12 de junho de 2017 às 06:45

Há 1 ano

Temor é de que o paraíso seja descaracterizado (FOTO: Divulgação/CVC)

A inauguração do Aeroporto do Pólo Turístico de Jericoacoara, a 287 km de Fortaleza, previsto para o dia 24 de junho, traz preocupações de ordem ambiental. Há o temor de que o aumento no número de visitantes esperado possa refletir em um turismo predatório, descaracterizando o ecossistema da região, um dos paraísos turísticos do Brasil mais conhecidos no mundo.

A presidente da Associação Empresarial Eu Amo Jeri, Sônia Cavalcante, é uma das que demonstra essa preocupação. Para ela, a cidade de Jijoca de Jericoacoara não solucionou problemas em aspectos básicos para receber os turistas — embora reconheça esforço do poder público para mudar a situação. Sônia também critica a “mania de querer fazer turismo massivo”.

“Acaba estragando o local, vai perdendo o charme. Do ponto de vista ecológico, não é positivo”, diz, afirmando temer, sobretudo, pelo Parque Nacional de Jericoacoara (PNJ). “Pessoalmente, tenho medo dos impactos trazidos pelo aeroporto. Mas medo não resolve nada. Desejamos boa sorte”.

O presidente do Conselho Comunitário de Jericoacoara, Elenildo Veríssimo, destaca que falta fiscalização no PNJ. Ele diz que nenhuma das quatro guaritas do parque funciona. Já a praia sofreria com invasões ilegais.

Elenildo se diz despreocupado com relação ao serviço ofertado pela rede privada — rede hoteleira, restaurantes, dentre outros — preocupando-se, mesmo, com o poder público. “Se tiver cinco ou seis turistas doentes, não vai ter estrutura”, exemplifica.

Os impactos são admitidos pelo Governo do Estado. Para contorná-los, a Secretaria de Turismo (Setur) anunciou o planejamento de uma série de ações em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), “para preservar as características de Jeri”. 

“Estamos trabalhando para melhorar e controlar acesso, estacionamento, coleta de lixo, água, esgoto, entre outras questões”, afirmou o secretário Arialdo Pinho. Fazem parte do esforço as prefeituras de Jijoca de Jericoacoara, Camocim e Cruz.

Segundo o chefe do PNJ, Jerônimo Martins, as medidas incluem, dentre outras, delimitação da Unidade de Conservação (UC), otimização da gestão de resíduos sólidos e líquidos, melhoria das principais vias internas destinadas a veículos autorizados, controle do acesso nos quatros postos de informação e a retirada de rebanhos bovino e asininos da unidade.

O acordo de cooperação elaborado ainda prevê a implementação de estruturas de apoio à visitação nos principais pontos turísticos, como mirantes, escadarias e plataformas de acesso no Serrote e Pedra Furada.

“As medidas previstas para a gestão da UC” — afirma Jerônimo — “auxiliarão na maior efetividade das ações de proteção no Parque”, reconhecendo haver carência de recursos humanos e infraestrutura para atender à demanda da unidade.

Aeroporto recebe o primeiro voo no dia 24 próximo (FOTO: Divulgação/Carlos Gibaja/Governo do Ceará)

De acordo com o ICMBio, 760 mil pessoas visitaram a unidade de conservação (UC) em 2016. O Conselho Comunitário de Jericoacoara afirma serem previstos entre 800 e 900 mil turistas neste ano em Jijoca de Jericoacoara.

O aeroporto

Com a inauguração do aeroporto, que fica no município vizinho de Cruz, a distância entre Fortaleza e Jericoacoara deve cair de cinco para uma hora de viagem. Conforme a Setur, já estão confirmados voos para o dia 24 de junho, São Paulo (Congonhas)/Jericoacoara, pela companhia aérea Gol, e, a partir de julho, dois pela Azul — Campinas/Jericoacoara (semanal) e Recife/Jericoacoara (quatro vezes por semana).

Na última quinta-feira (1º), a CVC anunciou já estarem à venda os pacotes da viagem Congonhas/Jericoacoara. A viagem custa a partir de R$ 1.598 por pessoa para um pacote de oito dias, já contando serviços como hospedagem.

O investimento total no aeroporto foi orçado em R$ 73,9 milhões, custeados pelo Tesouro do Estado e pelo Ministério do Turismo.