Edital de privatização de serviços do Parque Nacional de Jericoacoara é suspenso

IMPEDIMENTO

Edital de privatização de serviços do Parque Nacional de Jericoacoara é suspenso

Após anúncio do Governo Federal de que concederia setores de serviços às empresas privadas, Prefeitura de Jijoca vai acionar a Justiça

Por Tribuna do Ceará em Ceará

2 de outubro de 2018 às 15:58

Há 2 meses
Jeri é um dos destinos turísticos mais famosos no Brasil. (Foto: Cláudia Trivella / Fotos Públicas)

Jeri é um dos destinos turísticos mais famosos no Brasil. (FOTO: Cláudia Trivella / Fotos Públicas)

Após anúncio de que o Governo Federal pretende conceder setores de serviços do Parque Nacional de Jericoacoara à iniciativa privada, a Prefeitura de Jijoca de Jericoacoara avisou que vai entrar na Justiça contra a decisão. Enquanto o impasse não é resolvido, o edital foi suspenso.

A área é administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), ligado ao Ministério do Meio Ambiente, que publicaria o edital de concessão.

A intenção era incentivar o turismo ecológico fazendo com que serviços como administração da bilheteria, camping, estacionamentos e esportes de aventura fossem concedidos às empresas, como forma de aumentar os investimentos em infraestrutura.

A Prefeitura de Jijoca alega que, de acordo com o edital, a empresa que conseguir a concessão pode cobrar uma taxa de acesso de R$ 28,00 por dia, o que inviabilizaria a taxa de turismo sustentável de R$ 5,00 por dia paga pelo turista e que já é cobrada pelo Município. Enquanto não é tomada decisão, o edital foi suspenso pelo ICMbio.

Jericoacoara já foi eleita um dos 15 destinos mais legais do mundo para se visitar. Segundo o Ministério do Turismo, por meio da Setur-CE, desde o início das operações do aeroporto regional no entorno do Parque Nacional de Jericoacoara, em 2017, o turismo aumentou na região 28,46%. Até a metade de 2018, foram 704.65 visitantes.

Só em julho recebeu 40 vezes mais turistas que o número de sua população. No ano passado, durante o mesmo período, foram 548.764 entre fluxo doméstico e internacional.

Publicidade

Dê sua opinião

IMPEDIMENTO

Edital de privatização de serviços do Parque Nacional de Jericoacoara é suspenso

Após anúncio do Governo Federal de que concederia setores de serviços às empresas privadas, Prefeitura de Jijoca vai acionar a Justiça

Por Tribuna do Ceará em Ceará

2 de outubro de 2018 às 15:58

Há 2 meses
Jeri é um dos destinos turísticos mais famosos no Brasil. (Foto: Cláudia Trivella / Fotos Públicas)

Jeri é um dos destinos turísticos mais famosos no Brasil. (FOTO: Cláudia Trivella / Fotos Públicas)

Após anúncio de que o Governo Federal pretende conceder setores de serviços do Parque Nacional de Jericoacoara à iniciativa privada, a Prefeitura de Jijoca de Jericoacoara avisou que vai entrar na Justiça contra a decisão. Enquanto o impasse não é resolvido, o edital foi suspenso.

A área é administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), ligado ao Ministério do Meio Ambiente, que publicaria o edital de concessão.

A intenção era incentivar o turismo ecológico fazendo com que serviços como administração da bilheteria, camping, estacionamentos e esportes de aventura fossem concedidos às empresas, como forma de aumentar os investimentos em infraestrutura.

A Prefeitura de Jijoca alega que, de acordo com o edital, a empresa que conseguir a concessão pode cobrar uma taxa de acesso de R$ 28,00 por dia, o que inviabilizaria a taxa de turismo sustentável de R$ 5,00 por dia paga pelo turista e que já é cobrada pelo Município. Enquanto não é tomada decisão, o edital foi suspenso pelo ICMbio.

Jericoacoara já foi eleita um dos 15 destinos mais legais do mundo para se visitar. Segundo o Ministério do Turismo, por meio da Setur-CE, desde o início das operações do aeroporto regional no entorno do Parque Nacional de Jericoacoara, em 2017, o turismo aumentou na região 28,46%. Até a metade de 2018, foram 704.65 visitantes.

Só em julho recebeu 40 vezes mais turistas que o número de sua população. No ano passado, durante o mesmo período, foram 548.764 entre fluxo doméstico e internacional.