Caminhoneiros mantêm bloqueios em rodovias no CE no 7º dia de greve

INTERDIÇÕES CONTINUAM

Caminhoneiros mantêm bloqueios em rodovias do Ceará no 7º dia de paralisação

A paralisação chega ao sétimo dia e provoca ainda uma crise no abastecimento de combustíveis em Fortaleza e no interior

Por Tribuna do Ceará em Ceará

27 de Maio de 2018 às 13:14

Há 3 meses
BR-116 segue interditada (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

BR-116 segue interditada (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

Os caminhoneiros em greve na Grande Fortaleza mantêm bloqueios parciais em rodovias no Ceará no 7º dia de paralisações. Na BR-116, uma concentração acontece nas proximidade do quilômetro 40, à altura do município de Horizonte, na Região Metropolitana.

Na manhã de domingo (27), o bloqueio era feito nos dois sentidos da via, embora houvesse uma faixa livre para o tráfego de outros veículos. Também há interdição no km 18, nos dois sentidos da rodovia. No local, a categoria protesta ao som do hino nacional e com bandeiras do Brasil.

A paralisação chega ao sétimo dia e provoca ainda uma crise no abastecimento de combustíveis em Fortaleza e cidades vizinhas, além das principais cidades do Interior.

Além do bloqueio parcial nas proximidades de Horizonte, um dos trechos mais movimentados e importantes para a circulação de motoristas e cargas no Estado, há outros pontos com paralisação de caminhoneiros no estado. A maioria dos pontos bloqueados fica em rodovias federais, mas a Polícia Rodoviária Federal (PRF), no Ceará, opta agora por não informar mais o balanço sobre a situação das vias. Os dados serão divulgados nacionalmente. 

No sábado (26), houve abastecimento em parte dos postos da Capital. O estoque foi garantido por uma operação de órgãos de segurança no Mucuripe, onde fica localizado o terminal de tancagem de combustíveis que são descarregados pelo transporte marítimo no porto e que são escoados na cidade por caminhões.

O terminal registra bloqueios nos arredores, mas efetivos do Batalhão de Choque asseguraram a entrada e a saída de caminhões-tanque para abastecer postos, frotas de veículos e viaturas do serviço público e o Aeroporto Internacional Pinto Martins.

Um dos maiores impactos causados pela paralisação dos caminhoneiros é a crise no abastecimento dos supermercados e redes de varejo. De acordo com a Associação Cearense de Supermercados (Acesu), ainda na sexta-feira, os estoques de carne – branca e vermelha – estão em situação crítca. O fato acontece porque a principal distribuidora de proteína do Estado, a BRF, suspendeu o carregamento de caminhões para o Ceará em razão dos bloqueios e de eventuais perdas e prejuízos.

Já o Sindiônibus assegura o funcionamento normal da frota de transporte público.

Publicidade

Dê sua opinião

INTERDIÇÕES CONTINUAM

Caminhoneiros mantêm bloqueios em rodovias do Ceará no 7º dia de paralisação

A paralisação chega ao sétimo dia e provoca ainda uma crise no abastecimento de combustíveis em Fortaleza e no interior

Por Tribuna do Ceará em Ceará

27 de Maio de 2018 às 13:14

Há 3 meses
BR-116 segue interditada (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

BR-116 segue interditada (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

Os caminhoneiros em greve na Grande Fortaleza mantêm bloqueios parciais em rodovias no Ceará no 7º dia de paralisações. Na BR-116, uma concentração acontece nas proximidade do quilômetro 40, à altura do município de Horizonte, na Região Metropolitana.

Na manhã de domingo (27), o bloqueio era feito nos dois sentidos da via, embora houvesse uma faixa livre para o tráfego de outros veículos. Também há interdição no km 18, nos dois sentidos da rodovia. No local, a categoria protesta ao som do hino nacional e com bandeiras do Brasil.

A paralisação chega ao sétimo dia e provoca ainda uma crise no abastecimento de combustíveis em Fortaleza e cidades vizinhas, além das principais cidades do Interior.

Além do bloqueio parcial nas proximidades de Horizonte, um dos trechos mais movimentados e importantes para a circulação de motoristas e cargas no Estado, há outros pontos com paralisação de caminhoneiros no estado. A maioria dos pontos bloqueados fica em rodovias federais, mas a Polícia Rodoviária Federal (PRF), no Ceará, opta agora por não informar mais o balanço sobre a situação das vias. Os dados serão divulgados nacionalmente. 

No sábado (26), houve abastecimento em parte dos postos da Capital. O estoque foi garantido por uma operação de órgãos de segurança no Mucuripe, onde fica localizado o terminal de tancagem de combustíveis que são descarregados pelo transporte marítimo no porto e que são escoados na cidade por caminhões.

O terminal registra bloqueios nos arredores, mas efetivos do Batalhão de Choque asseguraram a entrada e a saída de caminhões-tanque para abastecer postos, frotas de veículos e viaturas do serviço público e o Aeroporto Internacional Pinto Martins.

Um dos maiores impactos causados pela paralisação dos caminhoneiros é a crise no abastecimento dos supermercados e redes de varejo. De acordo com a Associação Cearense de Supermercados (Acesu), ainda na sexta-feira, os estoques de carne – branca e vermelha – estão em situação crítca. O fato acontece porque a principal distribuidora de proteína do Estado, a BRF, suspendeu o carregamento de caminhões para o Ceará em razão dos bloqueios e de eventuais perdas e prejuízos.

Já o Sindiônibus assegura o funcionamento normal da frota de transporte público.