Alunas de Senador Pompeu criam plataforma para denúncias de agressões domésticas contra mulheres

"VIOLENTÔMETRO"

Alunas do Ceará criam plataforma para denúncias de agressões domésticas contra mulheres

A motivação foram os constantes relatos de casos de agressões domésticas informados pelas mulheres da cidade de Senador Pompeu

Por Tribuna do Ceará em Ceará

3 de dezembro de 2018 às 07:15

Há 4 meses
alunas, centro igualdade de gênero

Alunas criam Centro de Pesquisa Continuada Pela Igualdade de Gênero. (FOTO: Divulgação)

Um grupo de alunas do ensino médio de uma escola de Senador Pompeu, no interior do Ceará, criou o “Centro de Pesquisa Continuada pela Igualdade de Gênero Nísia Floresta”, que conta com um “Violentômetro”, ferramenta que auxilia mulheres a identificar comportamentos de parceiros abusivos. A motivação foram os constantes relatos de casos de agressões domésticas informados pelas mulheres da cidade.

O intuito das estudantes da Escola Estadual de Educação Profissional Professor José Augusto Torres é transformar a realidade, promovendo o diálogo sobre igualdade de direitos. O projeto foi um dos premiados da 4ª edição do Desafio Criativos da Escola.

Como forma de definir a atuação do primeiro centro de estudos e pesquisas a questionar a situação feminina na escola e na região, as participantes decidiram se apropriar do tema a partir de leituras e consumo de filmes sobre a história do sufrágio feminino, além de mergulharem em pesquisas sobre casos de violência contra a mulher no estado do Ceará.

Depois, aplicaram uma pesquisa na própria escola para mapear a realidade da violência de gênero sofrida pelas colegas. Para ajudar, passaram a divulgar o “Violentômetro”, uma ferramenta inovadora que auxilia mulheres a identificarem ações e comportamentos típicos de parceiros abusivos. Os resultados dessa pesquisa foram apresentados durante a semana escolar “Maria da Penha”, e apontavam que muitas adolescentes eram vítimas desse tipo de violência.

Para apoiá-las, o grupo promoveu debates, inclusive em outros colégios, e trabalhou temas relacionados ao feminismo. Após essas rodadas, o próximo passo será escrever um livro que reúna histórias e depoimentos potentes compartilhados nessas conversas, que contam com a presença de figuras de destaque na comunidade.

Esta é a quarta vez consecutiva que um projeto do Ceará é premiado no Desafio Criativos da Escola. A cerimônia de premiação dos 11 projetos selecionados será no dia 4 de dezembro, no Teatro Câmara, em Fortaleza, com a participação de três estudantes e um educador de cada um dos grupos selecionados.

Publicidade

Dê sua opinião

"VIOLENTÔMETRO"

Alunas do Ceará criam plataforma para denúncias de agressões domésticas contra mulheres

A motivação foram os constantes relatos de casos de agressões domésticas informados pelas mulheres da cidade de Senador Pompeu

Por Tribuna do Ceará em Ceará

3 de dezembro de 2018 às 07:15

Há 4 meses
alunas, centro igualdade de gênero

Alunas criam Centro de Pesquisa Continuada Pela Igualdade de Gênero. (FOTO: Divulgação)

Um grupo de alunas do ensino médio de uma escola de Senador Pompeu, no interior do Ceará, criou o “Centro de Pesquisa Continuada pela Igualdade de Gênero Nísia Floresta”, que conta com um “Violentômetro”, ferramenta que auxilia mulheres a identificar comportamentos de parceiros abusivos. A motivação foram os constantes relatos de casos de agressões domésticas informados pelas mulheres da cidade.

O intuito das estudantes da Escola Estadual de Educação Profissional Professor José Augusto Torres é transformar a realidade, promovendo o diálogo sobre igualdade de direitos. O projeto foi um dos premiados da 4ª edição do Desafio Criativos da Escola.

Como forma de definir a atuação do primeiro centro de estudos e pesquisas a questionar a situação feminina na escola e na região, as participantes decidiram se apropriar do tema a partir de leituras e consumo de filmes sobre a história do sufrágio feminino, além de mergulharem em pesquisas sobre casos de violência contra a mulher no estado do Ceará.

Depois, aplicaram uma pesquisa na própria escola para mapear a realidade da violência de gênero sofrida pelas colegas. Para ajudar, passaram a divulgar o “Violentômetro”, uma ferramenta inovadora que auxilia mulheres a identificarem ações e comportamentos típicos de parceiros abusivos. Os resultados dessa pesquisa foram apresentados durante a semana escolar “Maria da Penha”, e apontavam que muitas adolescentes eram vítimas desse tipo de violência.

Para apoiá-las, o grupo promoveu debates, inclusive em outros colégios, e trabalhou temas relacionados ao feminismo. Após essas rodadas, o próximo passo será escrever um livro que reúna histórias e depoimentos potentes compartilhados nessas conversas, que contam com a presença de figuras de destaque na comunidade.

Esta é a quarta vez consecutiva que um projeto do Ceará é premiado no Desafio Criativos da Escola. A cerimônia de premiação dos 11 projetos selecionados será no dia 4 de dezembro, no Teatro Câmara, em Fortaleza, com a participação de três estudantes e um educador de cada um dos grupos selecionados.