Depois de tragédia em 2014, montanhista cearense inicia nova tentativa de subida ao Everest

Depois de tragédia em 2014, montanhista cearense inicia nova tentativa de subida ao Everest

Rosier Alexandre, que tenta finalizar o projeto Sete Cumes, estava no grupo que conviveu com uma avalanche no ano passado. No total, 16 pessoas morreram

Por Lucas Catrib em Perfil

25 de março de 2015 às 11:00

Há 2 anos
Rosier Alexandre iniciará nova tentativa de subida ao Everest, no Nepal (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier Alexandre iniciará nova tentativa de subida ao Everest, no Nepal (FOTO: arquivo pessoal)

Um paredão difícil de se avistar o fim, uma analogia simples para o Everest. O imponente monte asiático, de aproximadamente 8.844 metros, é novamente alvo do montanhista Rosier Alexandre. Em 2014, o cearense teve que desistir da tentativa por conta de uma avalanche. Agora, a partir da próxima terça (31), a iniciativa de conquistar o último objetivo de escalada para a finalização do projeto Sete Cumes, que consiste na subida da maior montanha de cada continente.

O plano de viagem já está definido. O país a ser desbravado de novo é o Nepal, um das nações que contempla a cordilheira do Himalaia. No dia 4 de abril, Rosier segue em caminhada para o campo base. A previsão é que 10 dias depois o local seja alcançado. Depois, uma espécie de estudo sobre o acesso para alcançar o topo.

“A ideia é chegar entre o dia 20 e 25 de maio. São dois meses praticamente. Se contabilizar tudo quase dois. Para descer aproximadamente uns 6 a 7 dias. Eu estou melhor, mais bem preparado. Mudamos a rota, vai ficar mais longa, aumenta duas horas. Em compensação é um local de menos propensão aos riscos”, explica o montanhista natural de Monsenhor Tabosa, município a 241 km de Fortaleza.

Experiência

Rosier Alexandre teve uma tentativa frustrada em 2014 no próprio Everest (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier Alexandre teve uma tentativa frustrada em 2014 no próprio Everest (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier se tornou um montanhista de elite em 2004, depois da subida no Cerro Vallecitos (5.500m), que fica na Argentina. O também empresário foi o primeiro nordestino a escalar o Aconcágua (6.962m), a maior montanha da Terra que não está localizada na Ásia. O projeto atual, Sete Cumes, só foi finalizado até hoje por dois brasileiros.

“Estou muito tranquilo. O ano passado, a gente estava bem preparado, hoje estou muito bem preparado. O clima (de lá) só se sabe quando você está lá, por isso a gente tem 6 a 7 dias extras na manga”, indica.

O guia do montanhista de 46 anos será Garrett Madison, um norte-americano que subiu seis vezes ao topo do próprio Everest e foi o próprio chefe da expedição mal sucedida ao cume do monte em 2014.

“Neste ano, somos 7. É uma empresa americana, mais os guias locais. O meu guia é o recordista americano de subidas ao Everest nos últimos 10 anos. É o melhor guia”, ressalta. Rosier ainda completa: “O problema foi com a natureza, avalanche. Eu estou melhor, mais bem preparado”.

Rosier novamente estará no Himalaia (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier novamente estará no Himalaia (FOTO: arquivo pessoal)

Desastre

Na tentativa de 2014, um grande bloco de gelo deslizou da montanha e matou 16 pessoas que tentavam chegar ao cume do Everest. Três sherpas nepalenses, nativos que auxiliavam na subida, estavam entre as vítimas. Rosier estava em um nível abaixo, por isso não foi atingido.

“É um sonho, sonho grande. Eu não desisto de nada que é importante para mim. Quanto as mortes, é uma coisa que assusta, mas não pode paralisar a gente. Eu tenho medo, medo de altura, mas eu gosto de fazer um paralelo com acidente de avião. Volta e meia tem acidentes. A mesma coisa na montanha”, finaliza o ex-agricultor, que morou na roça até os 15 anos.

Só falta alcançar o topo do Everest para Rosier Alexandre completar o projeto Sete Cumes (FOTO: arquivo pessoal)

Só falta alcançar o topo do Everest para Rosier Alexandre completar o projeto Sete Cumes (FOTO: arquivo pessoal)

Publicidade

Dê sua opinião

Depois de tragédia em 2014, montanhista cearense inicia nova tentativa de subida ao Everest

Rosier Alexandre, que tenta finalizar o projeto Sete Cumes, estava no grupo que conviveu com uma avalanche no ano passado. No total, 16 pessoas morreram

Por Lucas Catrib em Perfil

25 de março de 2015 às 11:00

Há 2 anos
Rosier Alexandre iniciará nova tentativa de subida ao Everest, no Nepal (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier Alexandre iniciará nova tentativa de subida ao Everest, no Nepal (FOTO: arquivo pessoal)

Um paredão difícil de se avistar o fim, uma analogia simples para o Everest. O imponente monte asiático, de aproximadamente 8.844 metros, é novamente alvo do montanhista Rosier Alexandre. Em 2014, o cearense teve que desistir da tentativa por conta de uma avalanche. Agora, a partir da próxima terça (31), a iniciativa de conquistar o último objetivo de escalada para a finalização do projeto Sete Cumes, que consiste na subida da maior montanha de cada continente.

O plano de viagem já está definido. O país a ser desbravado de novo é o Nepal, um das nações que contempla a cordilheira do Himalaia. No dia 4 de abril, Rosier segue em caminhada para o campo base. A previsão é que 10 dias depois o local seja alcançado. Depois, uma espécie de estudo sobre o acesso para alcançar o topo.

“A ideia é chegar entre o dia 20 e 25 de maio. São dois meses praticamente. Se contabilizar tudo quase dois. Para descer aproximadamente uns 6 a 7 dias. Eu estou melhor, mais bem preparado. Mudamos a rota, vai ficar mais longa, aumenta duas horas. Em compensação é um local de menos propensão aos riscos”, explica o montanhista natural de Monsenhor Tabosa, município a 241 km de Fortaleza.

Experiência

Rosier Alexandre teve uma tentativa frustrada em 2014 no próprio Everest (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier Alexandre teve uma tentativa frustrada em 2014 no próprio Everest (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier se tornou um montanhista de elite em 2004, depois da subida no Cerro Vallecitos (5.500m), que fica na Argentina. O também empresário foi o primeiro nordestino a escalar o Aconcágua (6.962m), a maior montanha da Terra que não está localizada na Ásia. O projeto atual, Sete Cumes, só foi finalizado até hoje por dois brasileiros.

“Estou muito tranquilo. O ano passado, a gente estava bem preparado, hoje estou muito bem preparado. O clima (de lá) só se sabe quando você está lá, por isso a gente tem 6 a 7 dias extras na manga”, indica.

O guia do montanhista de 46 anos será Garrett Madison, um norte-americano que subiu seis vezes ao topo do próprio Everest e foi o próprio chefe da expedição mal sucedida ao cume do monte em 2014.

“Neste ano, somos 7. É uma empresa americana, mais os guias locais. O meu guia é o recordista americano de subidas ao Everest nos últimos 10 anos. É o melhor guia”, ressalta. Rosier ainda completa: “O problema foi com a natureza, avalanche. Eu estou melhor, mais bem preparado”.

Rosier novamente estará no Himalaia (FOTO: arquivo pessoal)

Rosier novamente estará no Himalaia (FOTO: arquivo pessoal)

Desastre

Na tentativa de 2014, um grande bloco de gelo deslizou da montanha e matou 16 pessoas que tentavam chegar ao cume do Everest. Três sherpas nepalenses, nativos que auxiliavam na subida, estavam entre as vítimas. Rosier estava em um nível abaixo, por isso não foi atingido.

“É um sonho, sonho grande. Eu não desisto de nada que é importante para mim. Quanto as mortes, é uma coisa que assusta, mas não pode paralisar a gente. Eu tenho medo, medo de altura, mas eu gosto de fazer um paralelo com acidente de avião. Volta e meia tem acidentes. A mesma coisa na montanha”, finaliza o ex-agricultor, que morou na roça até os 15 anos.

Só falta alcançar o topo do Everest para Rosier Alexandre completar o projeto Sete Cumes (FOTO: arquivo pessoal)

Só falta alcançar o topo do Everest para Rosier Alexandre completar o projeto Sete Cumes (FOTO: arquivo pessoal)