Time amador revela mais craques do que Ceará e Fortaleza


Time amador revela mais craques do que Ceará e Fortaleza

Situado no subúrbio da capital cearense, o Estação vai se firmando como o celeiro de craques cearenses, superando até os grandes times do estado

Por Caio Costa em Futebol

27 de Março de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Osvaldo, Mota e Walfrido deram seus primeiros passos no futebol com a camisa do Estação

Osvaldo, Mota e Walfrido deram seus primeiros passos no futebol com a camisa do Estação

 

Nem Ceará, nem Fortaleza. O maior e mais produtivo celeiro de craques do futebol cearense é o Estação. Do modesto clube do subúrbio da capital cearense, despontaram para os gramados do Brasil nomes como Mota, Osvaldo e a revelação do futebol local em 2014, o volante Walfrido.

No comando deste fenômeno, está o professor de Educação Física e técnico de futebol José Neto, que não esconde o orgulho das conquistas do seu time. Como a Copa Danone, competição sub-12, que o time venceu na etapa regional, superando clubes profissionais.

“Somos o único clube a disputar todas os campeonatos de base do Estadual. Temos equipes do sub-9 até o sub-20, cada uma com comissão técnica completa”, pontua o treinador.

Hoje, de acordo com Neto, mais de 160 garotos treinam no Estação, sonhando em repetir um dia os caminhos traçados por Mota ou Osvaldo, que conquistaram títulos importantes por Cruzeiro e São Paulo, respectivamente, e ganharam projeção nacional.

Além dos exemplos citados, atletas como o meia Raffael (Borussia Mönchengladbach -ALE), o lateral-esquerdo Ronny (Hertha Berlim-ALE) e o volante Dudu Cearense (ex-Seleção Brasileira), também participaram do projeto do Estação, mas não chegaram a ser federados pelo clube.

Talento made in Ceará

A cada ano, o Estação se notabiliza por revelar bons jogadores. Neto faz questão de frisar o acompanhamento que os jovens talentos recebem no clube, desde muito cedo.

“Osvaldo e Walfrido, por exemplo, começaram com a gente no futsal, com apenas sete anos. Estudaram na escola que ajuda o clube e só saíram daqui já para os juvenis do Fortaleza”, lembrou o treinador.

Entretanto, a fábrica de craques não para por aí, e alguns atletas formados pelo Estação já estão começando a ganhar espaço pelo Brasil. Um deles é Ícaro Michel, meia do Fluminense.

“Ele saiu daqui, já foi convocado para a seleção brasileira e o Wanderley Luxemburgo chegou a aproveitá-lo no time profissional. É muito bom jogador”.

Atualmente, clubes como Corinthians, Grêmio, Ceará e Fortaleza, por exemplo, contam em suas equipes de base com jogadores do Estação.

Iberson Kemps é um dos talentos promissores do Estação

Iberson Kemps é um dos talentos promissores do Estação Foto: Caio Costa

Joia com nome de craque argentino

Em meio aos garotos que treinavam sob o sol forte, um deles deixa um verdadeiro brilho nos olhos do experiente treinador. Trata-se de Iberson Kemps, um menino de 12 anos, de pouca altura, muito talento e que mesmo jovem já virou objeto de cobiça de grandes clubes.

“Esse garoto já jogou três competições nacionais e foi o bola de ouro (melhor jogador) em todas elas. Nunca dá pra afirmar se vai ser um grande jogador, mas é um monstro”.

A fama de Kemps, batizado desta forma em homenagem ao argentino Mário Kempes, artilheiro e campeão da Copa do Mundo de 1978, ultrapassou os limites do Ceará e chegou ao Corinthians.

“Por ele ter apenas 12 anos, não pode se mudar para lá. Então ele irá até São Paulo algumas vezes por ano, para treinar no clube”.

Reconhecer talentos

Questionado se é fácil identificar um talento, Neto explica que dá sim para notar rapidamente se o garoto é talentoso em pouco tempo de observação, mas afirma que a dedicação é o fator fundamental para o sucesso.

“Parece mentira: o Osvaldo era reserva aqui, mas trabalhou forte e venceu”.

Treino do Estação
1/6

Treino do Estação

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

A equipe Sub-12 do Estação, campeã da Copa Danone
2/6

A equipe Sub-12 do Estação, campeã da Copa Danone

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

O clube do subúrbio de Fortaleza acabou de vencer a Copa Danone Sub-12
3/6

O clube do subúrbio de Fortaleza acabou de vencer a Copa Danone Sub-12

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa
4/6

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

O clube conta com mais de 160 garotos atuando em cinco categorias, do sub-9 ao Sub-20

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um
5/6

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um

O clube conta com mais de 160 garotos atuando em cinco categorias, do sub-9 ao Sub-20

O técnico José Neto é responsável pelo jovens talentos do Estação
6/6

O técnico José Neto é responsável pelo jovens talentos do Estação

O clube conta com mais de 160 garotos atuando em cinco categorias, do sub-9 ao Sub-20

Dinheiro

Como todo clube amador, o Estação não possui grandes receitas. Todo o projeto, com cinco equipes de base, é bancado basicamente por patrocínios, doações e percentagens da venda de atletas que surgiram em seu gramado.

Além disso, para sobreviver, o clube precisa enfrentar a ação de alguns empresários, que – literalmente – já roubaram jogadores para levar a outros estados.

“Tem um garoto (o treinador não quis revelar o nome), que apareceu bem, muito talentoso. Um empresário chegou, pagou à família uma casa e o levou para um time do Sul, sem que nós soubéssemos”.

De acordo com o clube, são gastos R$ 10 mil por mês para manter o Estação funcionando em sua plenitude, bancando os salários das comissões técnicas, transporte de atletas, o aluguel de campo, material de treinamento, uniformes de jogo e medicamento de primeiros socorros.

Parcerias

O Estação conta com parcerias de diversas formas para manter o clube e os atletas. A mais notável delas é com o Colégio Darwin, que dá bolsas de estudo para alguns jogadores. Osvaldo e Walfrido, por exemplo, foram dois que usufruíram do benefício.

Apesar não ter sido federados pelo Estação, o irmãos Ronny e Raffael, ambos ambos atualmente no futebol alemão, e o volante Dudu Cearense, hoje no OFI Creta, da Grécia, também são frutos do projeto e estudaram no mesmo colégio.

> LEIA MAIS

Competições

Apesar de exportar jogadores para clubes de todo o país, o Estação não disputa as principais competições de base do Brasil, como a Taça São Paulo de Futebol Júnior e a Taça BH.

Segundo José Neto o time cearense não é convidado para atuar neste torneios por não possuir equipe profissional, o que o tira dos rankings nacionais. “Não recebemos convites por conta disso”, finalizou.

Profissionalismo?

Apesar do sonho de um dia ter uma equipe de profissionais, o treinador disse que a possibilidade é mínima, devido aos grandes custos para manter um elenco.

Figuras---jogadores

Publicidade

Dê sua opinião

Time amador revela mais craques do que Ceará e Fortaleza

Situado no subúrbio da capital cearense, o Estação vai se firmando como o celeiro de craques cearenses, superando até os grandes times do estado

Por Caio Costa em Futebol

27 de Março de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Osvaldo, Mota e Walfrido deram seus primeiros passos no futebol com a camisa do Estação

Osvaldo, Mota e Walfrido deram seus primeiros passos no futebol com a camisa do Estação

 

Nem Ceará, nem Fortaleza. O maior e mais produtivo celeiro de craques do futebol cearense é o Estação. Do modesto clube do subúrbio da capital cearense, despontaram para os gramados do Brasil nomes como Mota, Osvaldo e a revelação do futebol local em 2014, o volante Walfrido.

No comando deste fenômeno, está o professor de Educação Física e técnico de futebol José Neto, que não esconde o orgulho das conquistas do seu time. Como a Copa Danone, competição sub-12, que o time venceu na etapa regional, superando clubes profissionais.

“Somos o único clube a disputar todas os campeonatos de base do Estadual. Temos equipes do sub-9 até o sub-20, cada uma com comissão técnica completa”, pontua o treinador.

Hoje, de acordo com Neto, mais de 160 garotos treinam no Estação, sonhando em repetir um dia os caminhos traçados por Mota ou Osvaldo, que conquistaram títulos importantes por Cruzeiro e São Paulo, respectivamente, e ganharam projeção nacional.

Além dos exemplos citados, atletas como o meia Raffael (Borussia Mönchengladbach -ALE), o lateral-esquerdo Ronny (Hertha Berlim-ALE) e o volante Dudu Cearense (ex-Seleção Brasileira), também participaram do projeto do Estação, mas não chegaram a ser federados pelo clube.

Talento made in Ceará

A cada ano, o Estação se notabiliza por revelar bons jogadores. Neto faz questão de frisar o acompanhamento que os jovens talentos recebem no clube, desde muito cedo.

“Osvaldo e Walfrido, por exemplo, começaram com a gente no futsal, com apenas sete anos. Estudaram na escola que ajuda o clube e só saíram daqui já para os juvenis do Fortaleza”, lembrou o treinador.

Entretanto, a fábrica de craques não para por aí, e alguns atletas formados pelo Estação já estão começando a ganhar espaço pelo Brasil. Um deles é Ícaro Michel, meia do Fluminense.

“Ele saiu daqui, já foi convocado para a seleção brasileira e o Wanderley Luxemburgo chegou a aproveitá-lo no time profissional. É muito bom jogador”.

Atualmente, clubes como Corinthians, Grêmio, Ceará e Fortaleza, por exemplo, contam em suas equipes de base com jogadores do Estação.

Iberson Kemps é um dos talentos promissores do Estação

Iberson Kemps é um dos talentos promissores do Estação Foto: Caio Costa

Joia com nome de craque argentino

Em meio aos garotos que treinavam sob o sol forte, um deles deixa um verdadeiro brilho nos olhos do experiente treinador. Trata-se de Iberson Kemps, um menino de 12 anos, de pouca altura, muito talento e que mesmo jovem já virou objeto de cobiça de grandes clubes.

“Esse garoto já jogou três competições nacionais e foi o bola de ouro (melhor jogador) em todas elas. Nunca dá pra afirmar se vai ser um grande jogador, mas é um monstro”.

A fama de Kemps, batizado desta forma em homenagem ao argentino Mário Kempes, artilheiro e campeão da Copa do Mundo de 1978, ultrapassou os limites do Ceará e chegou ao Corinthians.

“Por ele ter apenas 12 anos, não pode se mudar para lá. Então ele irá até São Paulo algumas vezes por ano, para treinar no clube”.

Reconhecer talentos

Questionado se é fácil identificar um talento, Neto explica que dá sim para notar rapidamente se o garoto é talentoso em pouco tempo de observação, mas afirma que a dedicação é o fator fundamental para o sucesso.

“Parece mentira: o Osvaldo era reserva aqui, mas trabalhou forte e venceu”.

Treino do Estação
1/6

Treino do Estação

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

A equipe Sub-12 do Estação, campeã da Copa Danone
2/6

A equipe Sub-12 do Estação, campeã da Copa Danone

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

O clube do subúrbio de Fortaleza acabou de vencer a Copa Danone Sub-12
3/6

O clube do subúrbio de Fortaleza acabou de vencer a Copa Danone Sub-12

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa
4/6

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um verdadeiro celeiro de craques do futebol cearense Foto: Caio Costa

O clube conta com mais de 160 garotos atuando em cinco categorias, do sub-9 ao Sub-20

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um
5/6

O Tribuna do Ceará foi conhecer o Estação, um

O clube conta com mais de 160 garotos atuando em cinco categorias, do sub-9 ao Sub-20

O técnico José Neto é responsável pelo jovens talentos do Estação
6/6

O técnico José Neto é responsável pelo jovens talentos do Estação

O clube conta com mais de 160 garotos atuando em cinco categorias, do sub-9 ao Sub-20

Dinheiro

Como todo clube amador, o Estação não possui grandes receitas. Todo o projeto, com cinco equipes de base, é bancado basicamente por patrocínios, doações e percentagens da venda de atletas que surgiram em seu gramado.

Além disso, para sobreviver, o clube precisa enfrentar a ação de alguns empresários, que – literalmente – já roubaram jogadores para levar a outros estados.

“Tem um garoto (o treinador não quis revelar o nome), que apareceu bem, muito talentoso. Um empresário chegou, pagou à família uma casa e o levou para um time do Sul, sem que nós soubéssemos”.

De acordo com o clube, são gastos R$ 10 mil por mês para manter o Estação funcionando em sua plenitude, bancando os salários das comissões técnicas, transporte de atletas, o aluguel de campo, material de treinamento, uniformes de jogo e medicamento de primeiros socorros.

Parcerias

O Estação conta com parcerias de diversas formas para manter o clube e os atletas. A mais notável delas é com o Colégio Darwin, que dá bolsas de estudo para alguns jogadores. Osvaldo e Walfrido, por exemplo, foram dois que usufruíram do benefício.

Apesar não ter sido federados pelo Estação, o irmãos Ronny e Raffael, ambos ambos atualmente no futebol alemão, e o volante Dudu Cearense, hoje no OFI Creta, da Grécia, também são frutos do projeto e estudaram no mesmo colégio.

> LEIA MAIS

Competições

Apesar de exportar jogadores para clubes de todo o país, o Estação não disputa as principais competições de base do Brasil, como a Taça São Paulo de Futebol Júnior e a Taça BH.

Segundo José Neto o time cearense não é convidado para atuar neste torneios por não possuir equipe profissional, o que o tira dos rankings nacionais. “Não recebemos convites por conta disso”, finalizou.

Profissionalismo?

Apesar do sonho de um dia ter uma equipe de profissionais, o treinador disse que a possibilidade é mínima, devido aos grandes custos para manter um elenco.

Figuras---jogadores