Em velório, mãe toca os instrumentos de baterista da TUF morto no Clássico-Rei


Em velório, mãe toca os instrumentos de baterista da TUF morto no Clássico-Rei

O velório e o enterro de Jullian Souza, baleado a caminho do Castelão no domingo (13), foram marcados pela emoção. A torcida divulgou vídeo

Por Matheus Ribeiro em Futebol cearense

15 de Março de 2016 às 10:08

Há 3 anos
Jullian foi morto com um tiro nas costas momentos antes do Clássico-Rei (FOTO: Divulgação)

Jullian Souza foi morto com um tiro nas costas momentos antes do Clássico-Rei (FOTO: Reprodução)

Foi marcado por muita emoção e homenagens o enterro do corpo do torcedor do Fortaleza, de 21 anos, morto no último domingo (13), após um confronto entre torcidas organizadas do Fortaleza e do Ceará, no Bairro Siqueira, em Fortaleza, quando ia com amigos para o estádio Castelão.

Amigos, familiares e torcedores acompanharam de perto o funeral de Jullian Souza, que aconteceu na sede da Torcida Organizada do Fortaleza (TUF), em que o jovem fazia parte como baterista. Durante o velório, que aconteceu na tarde de segunda-feira (14), familiares e amigos homenagearam o jovem tocando músicas e hinos da organizada.

Amigos de Jullian, que preferiram não se identificar, revelaram em entrevista ao programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, que o rapaz era uma pessoa muito calma. “Ele vai fazer muita falta, era um amigo de infância que a gente perde por causa da violência”, relatou um dos amigos.

Investigações

A morte do torcedor tricolor está sendo investigada pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo o irmão do torcedor, Júlio de Sousa Cavalcante, o disparo que atingiu Jullian teria sido efetuado por um policial militar que estava de serviço e tentava conter os confrontos.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) nega a participação da polícia na morte do torcedor, uma vez que os policiais militares são orientados a “não utilizarem armas letais na dispersão de grupos”.

Antes do Clássico-Rei, válido pelo Campeonato Cearense, outros 10 torcedores ficaram feridos após agressões com paus e pedras, além de dois policiais, atingidos por rojões atirados por vândalos.

Confira a homenagem ao torcedor: (Clique para ver em melhor resolução)

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15798764″]

Publicidade

Dê sua opinião

Em velório, mãe toca os instrumentos de baterista da TUF morto no Clássico-Rei

O velório e o enterro de Jullian Souza, baleado a caminho do Castelão no domingo (13), foram marcados pela emoção. A torcida divulgou vídeo

Por Matheus Ribeiro em Futebol cearense

15 de Março de 2016 às 10:08

Há 3 anos
Jullian foi morto com um tiro nas costas momentos antes do Clássico-Rei (FOTO: Divulgação)

Jullian Souza foi morto com um tiro nas costas momentos antes do Clássico-Rei (FOTO: Reprodução)

Foi marcado por muita emoção e homenagens o enterro do corpo do torcedor do Fortaleza, de 21 anos, morto no último domingo (13), após um confronto entre torcidas organizadas do Fortaleza e do Ceará, no Bairro Siqueira, em Fortaleza, quando ia com amigos para o estádio Castelão.

Amigos, familiares e torcedores acompanharam de perto o funeral de Jullian Souza, que aconteceu na sede da Torcida Organizada do Fortaleza (TUF), em que o jovem fazia parte como baterista. Durante o velório, que aconteceu na tarde de segunda-feira (14), familiares e amigos homenagearam o jovem tocando músicas e hinos da organizada.

Amigos de Jullian, que preferiram não se identificar, revelaram em entrevista ao programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, que o rapaz era uma pessoa muito calma. “Ele vai fazer muita falta, era um amigo de infância que a gente perde por causa da violência”, relatou um dos amigos.

Investigações

A morte do torcedor tricolor está sendo investigada pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo o irmão do torcedor, Júlio de Sousa Cavalcante, o disparo que atingiu Jullian teria sido efetuado por um policial militar que estava de serviço e tentava conter os confrontos.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) nega a participação da polícia na morte do torcedor, uma vez que os policiais militares são orientados a “não utilizarem armas letais na dispersão de grupos”.

Antes do Clássico-Rei, válido pelo Campeonato Cearense, outros 10 torcedores ficaram feridos após agressões com paus e pedras, além de dois policiais, atingidos por rojões atirados por vândalos.

Confira a homenagem ao torcedor: (Clique para ver em melhor resolução)

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15798764″]