Novo Cangaço
Novo Cangaço

Motorizados, armados de fuzis e pistolas, os "novos cangaceiros" sitiam municípios cearenses. A ação acontece sempre da mesma forma. Um grupo segue até o destacamento da Polícia Militar e criva de balas as paredes do prédio e as viaturas no local. Enquanto isso, outra parte da quadrilha explode a agência bancária, rouba o dinheiro e parte mata adentro.

O especial do portal Tribuna do Ceará faz um raio-x dessa nova categoria de assaltos a bancos que causam terror nas cidades interioranas brasileiras, principalmente as cearenses. O 'modus operandi' dos “novos cangaceiros” tem semelhança com o velho cangaço, o qual o bando também era grande e preferia atacar pequenas cidades. Mas, independente de velho ou novo, o “Cangaço” ainda é sinônimo de medo e insegurança.

Numa pequena cidade do interior cearense, a vida segue como em qualquer lugar do mundo. As pessoas se conhecem pelo nome e a rotina segue a mesma desde sempre. Longe das grandes cidade do estado, a polícia trabalha com dificuldade e em pequeno número. Isso quando há efetivo policial na cidade. São essas as localidades preferidas e escolhidas pelos “Novos Cangaceiros” em suas ações.

ilustra
ilustra

Motorizados e armados de fuzis e pistolas, os “Novos Cangaceiros” sitiam esses municípios no Ceará. Primeiro, um grupo segue até o destacamento da Polícia Militar e criva de balas as paredes do prédio e as viaturas no local. Impedindo assim que os policiais entrem em ação.

Seja com informação privilegiada ou coleta de dados na cidade, o banco escolhido para ser assaltado sempre está abastecido com o dinheiro do mês. Encapuzados, a outra parte da quadrilha explode a agência bancária com dinamite e faz a limpa nos cofres e caixas da agência.

ilustra
ilustra

Na fuga, seja com veículos de grande porte ou com carros incendiados, interditam as vias de acesso ao município e partem mata adentro. Sob ameaça dos criminosos, a população é obrigada a ficar dentro de casa e após a ação do “Novo Cangaço” a cidade é tomada pelo medo e a insegurança.

Ataques por região

Número de ataques a banco no Ceará (dados do Sindicato dos Bancários): total de 136 ataques – atualizado em 4/12/2013

Mapa

Região

Ocorrências

  • Pecém - 1
  • Aquiraz - 1
  • Cascavel - 1
  • Eusébio - 1
  • Horizonte - 1
  • Maraguape - 1
  • São Gonçalo do Amarante - 2
  • Itaitinga - 3
  • Maracanaú - 4
  • Fortaleza - 40
  • Ibaretama - 1
  • Canindé - 1
  • Quixadá - 2
  • Paramoti - 2
  • Tejuçuoca - 2
  • Quixeramobim - 3
  • Monsenhor Tabosa - 4
  • Boa Viagem - 3
  • Jaguaribe – 1
  • Morada Nova – 1
  • Nova Jaguaribara – 1
  • São João do Jaguaribe – 1
  • Aracati – 3
  • Varzéa Alegre – 1
  • Iguatu – 1
  • Crato – 1
  • Juazeiro do Norte – 1
  • Barro – 1
  • Mauriti – 1
  • Catarina – 1
  • Penaforte – 1
  • Lavras da Mangabeira – 2
  • Acarape – 1
  • Redenção – 1
  • Aratuba – 1
  • Palmácia – 3
  • Baturité – 3
  • Aiuaba – 1
  • Acopiara – 1
  • Pedra Branca – 1
  • Pentecoste – 1
  • Senador Pompeu – 1
  • Tamboril – 1
  • Parambu – 2
  • Solonópole – 2
  • Viçosa do Ceará – 1
  • Senador Sá – 1
  • Acaraú – 1
  • Jijoca de Jericoacoara – 1
  • Barroquinha – 1
  • Senador Sá – 1
  • Uruburetama – 1
  • Umirim – 1
  • Pires Ferreira – 1
  • Itarema - 2
  • Apuiarés – 2
  • Meruoca – 3
  • Pindoretama – 2
  • São Luís do Curu – 2
  • Pacujá – 1
  • São Benedito – 1
  • Coreaú – 1
  • Frecheirinha – 1
  • Paraipaba – 3

Expediente:

Diretora de Jornalismo: Isabela Martin
Gerente de Plataforma Digital: Helcio Brasileiro
Editor de Conteúdo Especial: Daniel Herculano
Pesquisa, textos e reportagens: Daniel Herculano e Roberta Tavares
Coordenador de Jornalismo Online: Felipe Lima