Antônio Dionísio, aposentado

“Eu tenho prazer na minha vida e nos meus amigos que me festejam”

IMG_6980Embora a área da saúde tenha passado por avanços, e com o cearense vivendo mais, é fundamental iniciativas que possam contribuir com qualidade de vida.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o Ceará foi o quinto estado que apresentou maior aumento na expectativa de vida. Em 1980, o cearense tinha uma das taxas mais baixas do país (58,96 anos). No período de 30 anos houve a elevação e, em 2010, atingiu mais de setenta e dois anos.

O aposentado Antônio Dionísio, de 112 anos é um exemplo disso, ele é o homem mais velho do Crato. Ele conta que uma das razões para se ter uma vida tão longa. “Eu tenho prazer na minha vida e nos meus amigos que me festejam”, define. Seu Dionísio não é o único com mais de 100 anos na região, outras 10 pessoas já ultrapassaram um século de vida no Crato e cerca de três mil já estão acima dos oitenta.

Em 2013, os médicos do Cariri realizaram 21 transplantes, entre córneas e rins. O avanço da medicina no interior do estado foi decisivo para uma melhoria de vida da população.

O avanço da saúde abriu a janela de novas oportunidades a aposentada Luzia Agostinho. Há cinco anos uma úlcera quase a deixou cega, depois de duas cirurgias fora do estado, ela encontrou no Cariri a chance de fazer pelo SUS um novo transplante de córnea. “Era triste, você olhar pros cantos e não ver as coisas. Era tudo branco, não tem condição, não presta, é ruim.

Conheça outras histórias do especial “O Ceará pelos Cearenses”.


Voltar