A vitória do ensino sobre a distância
A vitória do ensino sobre a distância
Varal de fotos em xilogravura
cordel

Preste atenção, meu senhor
Nas histórias que vou contar
São causos de gente de luta
Que não mede esforços pra estudar
Vão no rumo do ensino superior
Pra uma vida melhor conquistar

cordel

Há quem diga que elas moram longe
Longe de quê, meu senhor?
Hoje as distâncias são poucas
Quando se tem computador
O que precisa é abrir os caminhos
Com tecnologia pro povo desde menino

cordel

É assim que o ensino no Ceará
Aposta na educação à distância
Porque desigualdade só se vence
Quando novos caminhos se alcança
E assim a gente vai vendo
A vitória do ensino sobre a distância.

Expediente

  • Reportagem: Jéssica Welma
  • Design: Felp Soares
  • Videomaker: Nasion Frota e Iago Monteiro
  • Edição: Rafael Luis Azevedo
  • Fotografia: Jéssica Welma e Iago Monteiro
  • Implementação: Index Digital

O número de matrículas na modalidade à distância no Brasil só cresce, atingindo quase 1,5 milhão de pessoas em 2016. O modelo já representa uma participação de 18,6% do total de matrículas da educação superior, segundo o Censo da Educação Superior do Ministério da Educação (MEC).

O Mapa do Ensino Superior no Brasil de 2017 mostra o Ceará como responsável por 2,2% das matrículas na modalidade, o 14° no ranking entre os estados. Dos 184 municípios cearenses, 41 deles contabilizam educação presencial no banco de dados dos MEC. Quando a realidade considera o ensino a distância, o número quase duplica: 78 cidades, mas a abrangência é ainda maior.

Diante desse cenário, o Tribuna do Ceará conversou com especialistas, professores e alunos da modalidade e percorreu estradas pelo Litoral Oeste, nas cidades de Itapipoca e Itarema, para conhecer de perto uma mudança operada, muitas vezes, “de longe”, através da tecnologia e de uma forma diferente de tratar a aprendizagem.

Uma das apostas na educação à distância é levar o ensino para regiões onde o acesso presencial é dificultado. Em um país de dimensões continentais e marcado por desigualdades sociais e econômicas, aliar tecnologia e ensino para democratizar a educação não é apenas inovação, é necessidade.

Ainda assim, o Estado possui lacunas geográficas em que nada chega. Os desafios persistem, especialmente na inclusão digital, mas, com a democratização e a descentralização do conhecimento, o futuro já começa a ter contornos mais promissores.

Apesar de as instituições privadas serem as pioneiras da educação superior à distância e concentrarem a maior parte das matrículas na modalidade, o foco desta reportagem é nas instituições de ensino público e na importância de uma educação gratuita e de qualidade para quem precisa.

Esse acesso foi proporcionado a partir da criação da Universidade Aberta do Brasil (UAB) pelo MEC, em 2005, com o intuito de expandir a oferta de cursos superiores em instituições públicas. De lá para cá, a educação à distância chega a cada vez mais pessoas e instiga mudanças de paradigmas nos tradicionais modelos de ensino.

Em Itapipoca, há um dos polos de apoio ao ensino a distância mais antigos. Já Itarema é um dos mais recentes municípios a receber um polo da UAB no Ceará.

EAD PÚBLICO NO CEARÁ