Cuidado com as pegadinhas na prova de inglês do Enem

RETA FINAL

Cuidado com as pegadinhas na prova de inglês do Enem

De acordo com os microdados do Enem, a média de acertos de questões de Inglês é de 45% e a de Espanhol de apenas 34%

Por Hayanne Narlla em Vestibular

31 de outubro de 2016 às 06:45

Há 2 anos
dicionario

(FOTO: Divulgação)

Desde 2010, o Enem passou a cobrar conhecimentos em línguas estrangeiras, que podem ser Inglês ou Espanhol. Das 45 questões totais da área de linguagens, códigos e suas tecnologias, 5, são da língua estrangeira escolhida pelo aluno no ato da inscrição. Ou seja, representação de 11%, suficientes para fazer a diferença no resultado e, consequentemente, na classificação dos processos seletivos das universidades.

O inglês, embora seja totalmente diferente da Língua Portuguesa, esteve presente no currículo de aulas do Ensino Fundamental e Médio. Além disso, a língua é conhecida mundialmente e serve como canal de comunicação entre pessoas em todo o exterior, no entanto, grande parte dos candidatos que não estudaram nenhum dos dois idiomas, acaba escolhendo o espanhol pela proximidade com o português. Contudo, aqueles que escolhem o inglês acabam apresentando um desempenho melhor. De acordo com os microdados do Enem, a média de acertos de questões de Inglês é de 45% e a de Espanhol de apenas 34%.

“A prova de inglês do Enem não é difícil, verificando realmente o que é básico e necessário para quem vai precisar ler em inglês na sua vida acadêmica ou profissional. Para isso é bom que o candidato tenha uma boa prática de leitura, com domínio do vocabulário básico e, de preferência, esteja habituado a utilizar as estratégias de leitura mais importantes” conta o professor Amadeu Marques, autor do livro “Inglês para o Enem” da DISAL Editora.

Confira as dicas de inglês:

1. Ordem regular das frases
Foco na ordem, isto é, sujeito + verbo + complementos (adjetivos, objetos ou adjuntos adverbiais).

2. Tempos verbais

Atente para o tempo da ação e a sequência dos fatos. Se, por exemplo, houver o uso do “past perfect”, isso indica que uma ação ocorreu antes de outra.

3. Conjunções
Podem dar diferentes sentidos às frases, dependendo do que indicam: causa (“because”, “as”), finalidade (“so”, “therefore”), oposição (“but”, “although”) ou junção de ideias (“and”, “moreover”).

4. Voz passiva
Dá ênfase à ação realizada em detrimento do sujeito. Por exemplo: “The roads were repaired in a very short time” (As rodovias foram consertadas em muito pouco tempo). O uso da voz passiva indica que a prioridade no texto é o conserto e a rapidez e não quem o fez.

5. Reported speech
O uso do discurso indireto (ex: “John said that he loved Susan” ou John disse que ele amava Susan) é importante para percebermos que a opinião sobre o assunto apresentado no texto é referente à outra pessoa e não ao autor. Isso pode indicar o complemento a um argumento ou uma oposição de ideias.

6. Adjuntos adverbiais
São essenciais à interpretação do texto, pois indicam quando (“when”), onde (“where”), por quanto tempo (“how long”) e, principalmente, como (“how”) uma ação foi feita.

7. Artigos
Preste atenção na diferença entre artigos indefinidos (“a”, “an”) e definido (“the”). Eles mostram não só se um objeto foi mencionado pela primeira vez (“a”, “an”) como sua singularidade ou pluralidade (“a book”, “the books”).

8. Pronomes
É essencial saber se eles se referem a pessoas, objetos ou animais (singular ou plural). É importante também reconhecer se eles são pessoais ou possessivos, por exemplo, pois isso pode trazer inferências erradas sobre o texto.

9. Phrasal verbs
São verbos que mudam de significado de acordo com a preposição ou advérbio que o complementam, como: “get up” (levantar-se), “get in” (entrar), “get out” (sair). Como há uma lista muita extensa de “phrasal verbs”, atenha-se aos mais comuns. Procure uma lista com os mais usados e os decore em contexto para facilitar a associação deles e seus significados.

10. Pronomes relativos
Eles são usados para se evitar a repetição de palavras no início de uma nova oração. Por exemplo: “This is the man who robbed the bank last night.” (Este é o homem que assaltou o banco na noite passada) Como eles variam de acordo com a palavra que substituem, fique atento: a) “which”: para coisas e animais – “I bought a dog which is very cute”; b) “who”/”whom”: pessoas – “I met the girl who got A in the test last week”, “I met the girl to whom you sent flowers yesterday”; c) “whose”: possessivo – “That is the man whose car was stolen two weeks ago”, “That is the dog whose tail was cut by the veterinarian”.

Publicidade

Dê sua opinião

RETA FINAL

Cuidado com as pegadinhas na prova de inglês do Enem

De acordo com os microdados do Enem, a média de acertos de questões de Inglês é de 45% e a de Espanhol de apenas 34%

Por Hayanne Narlla em Vestibular

31 de outubro de 2016 às 06:45

Há 2 anos
dicionario

(FOTO: Divulgação)

Desde 2010, o Enem passou a cobrar conhecimentos em línguas estrangeiras, que podem ser Inglês ou Espanhol. Das 45 questões totais da área de linguagens, códigos e suas tecnologias, 5, são da língua estrangeira escolhida pelo aluno no ato da inscrição. Ou seja, representação de 11%, suficientes para fazer a diferença no resultado e, consequentemente, na classificação dos processos seletivos das universidades.

O inglês, embora seja totalmente diferente da Língua Portuguesa, esteve presente no currículo de aulas do Ensino Fundamental e Médio. Além disso, a língua é conhecida mundialmente e serve como canal de comunicação entre pessoas em todo o exterior, no entanto, grande parte dos candidatos que não estudaram nenhum dos dois idiomas, acaba escolhendo o espanhol pela proximidade com o português. Contudo, aqueles que escolhem o inglês acabam apresentando um desempenho melhor. De acordo com os microdados do Enem, a média de acertos de questões de Inglês é de 45% e a de Espanhol de apenas 34%.

“A prova de inglês do Enem não é difícil, verificando realmente o que é básico e necessário para quem vai precisar ler em inglês na sua vida acadêmica ou profissional. Para isso é bom que o candidato tenha uma boa prática de leitura, com domínio do vocabulário básico e, de preferência, esteja habituado a utilizar as estratégias de leitura mais importantes” conta o professor Amadeu Marques, autor do livro “Inglês para o Enem” da DISAL Editora.

Confira as dicas de inglês:

1. Ordem regular das frases
Foco na ordem, isto é, sujeito + verbo + complementos (adjetivos, objetos ou adjuntos adverbiais).

2. Tempos verbais

Atente para o tempo da ação e a sequência dos fatos. Se, por exemplo, houver o uso do “past perfect”, isso indica que uma ação ocorreu antes de outra.

3. Conjunções
Podem dar diferentes sentidos às frases, dependendo do que indicam: causa (“because”, “as”), finalidade (“so”, “therefore”), oposição (“but”, “although”) ou junção de ideias (“and”, “moreover”).

4. Voz passiva
Dá ênfase à ação realizada em detrimento do sujeito. Por exemplo: “The roads were repaired in a very short time” (As rodovias foram consertadas em muito pouco tempo). O uso da voz passiva indica que a prioridade no texto é o conserto e a rapidez e não quem o fez.

5. Reported speech
O uso do discurso indireto (ex: “John said that he loved Susan” ou John disse que ele amava Susan) é importante para percebermos que a opinião sobre o assunto apresentado no texto é referente à outra pessoa e não ao autor. Isso pode indicar o complemento a um argumento ou uma oposição de ideias.

6. Adjuntos adverbiais
São essenciais à interpretação do texto, pois indicam quando (“when”), onde (“where”), por quanto tempo (“how long”) e, principalmente, como (“how”) uma ação foi feita.

7. Artigos
Preste atenção na diferença entre artigos indefinidos (“a”, “an”) e definido (“the”). Eles mostram não só se um objeto foi mencionado pela primeira vez (“a”, “an”) como sua singularidade ou pluralidade (“a book”, “the books”).

8. Pronomes
É essencial saber se eles se referem a pessoas, objetos ou animais (singular ou plural). É importante também reconhecer se eles são pessoais ou possessivos, por exemplo, pois isso pode trazer inferências erradas sobre o texto.

9. Phrasal verbs
São verbos que mudam de significado de acordo com a preposição ou advérbio que o complementam, como: “get up” (levantar-se), “get in” (entrar), “get out” (sair). Como há uma lista muita extensa de “phrasal verbs”, atenha-se aos mais comuns. Procure uma lista com os mais usados e os decore em contexto para facilitar a associação deles e seus significados.

10. Pronomes relativos
Eles são usados para se evitar a repetição de palavras no início de uma nova oração. Por exemplo: “This is the man who robbed the bank last night.” (Este é o homem que assaltou o banco na noite passada) Como eles variam de acordo com a palavra que substituem, fique atento: a) “which”: para coisas e animais – “I bought a dog which is very cute”; b) “who”/”whom”: pessoas – “I met the girl who got A in the test last week”, “I met the girl to whom you sent flowers yesterday”; c) “whose”: possessivo – “That is the man whose car was stolen two weeks ago”, “That is the dog whose tail was cut by the veterinarian”.