5 acontecimentos que completam 50 anos em 2018 e que podem cair no Enem

ATENÇÃO AS DICAS

5 acontecimentos que completam 50 anos em 2018 e que podem cair no Enem

Esses fatos têm grandes chances de cair no Enem. Ter um bom conhecimento é necessário para se dar bem no vestibular

Por Tribuna do Ceará em Enem

22 de Abril de 2018 às 07:15

Há 1 mês
Pessoas escrevendo em livros em referência as dicas para o Enem

Os fatos completam 50 anos em 2018 (FOTO: Freepick)

Ter um bom nível de conhecimento dos principais acontecimentos históricos é essencial para se dar bem no vestibular. Um critério que pode ser utilizado pelas instituições para incluir determinado evento nas questões de conhecimentos gerais ou de história é o “aniversário” do fato.

Pensando nisto, os professores do Stoodi, cursinho à distância com foco no Enem e pré-vestibular, reuniram cinco acontecimentos históricos que completam 50 anos em 2018 e podem ser tema nos vestibulares deste ano.

Os fatos aconteceram, portando, em 1968, ano que ficou marcado por diversas manifestações políticas e culturais em todo o mundo e que, por esse motivo, ficou conhecido como “o ano que não terminou”.

Confira a lista

1. AI-5
O que o vestibulando precisa saber: o Ato Institucional nº5 foi decretado em 13 de dezembro, durante o governo militar do presidente Costa e Silva, e vigorou por 10 anos, eliminando os direitos civis. O AI-5 estabeleceu a censura prévia de meios de comunicação, livros, músicas e peças de teatro, demitiu sumariamente juízes e outros funcionários públicos, e fechou o Congresso Nacional por diversos meses.

2. Assassinato de Martin Luther King
O que o vestibulando precisa saber: ativista dos direitos civis no Estados Unidos, o pastor Martin Luther King tornou-se o principal líder do movimento negro no país. Foi assassinado em 4 de abril em Memphis, cidade dos Estado do Tenesse, aos 39 anos. Ganhador do Nobel da Paz, seu discurso mais conhecido se chama “I Have a Dream” e foi feito durante a marcha sobre Washington, em 1963.
Uma dica de estudo que a prova pode exigir são informações sobre a trajetória do líder, cobrar qual era o contexto do país na época e pode pedir para o aluno determinar quais as consequências do assassinato.

3. Maio de 68
O que o estudante precisa saber é que foi uma série de manifestações estudantis na França que culminaram em uma greve geral no país, agregando integrantes de diferentes idades e classes sociais. Com uma natureza eminentemente progressiva, o movimento fazia oposição ao governo do general Charles de Gaulle.

4. Primavera de Praga
O movimento político composto por intelectuais e trabalhadores liderado pelo eslovaco Alexander Dubček, chefe do estado da Tchecoslováquia, e que buscava colocar em prática reformas liberalizantes. Começou em 5 de janeiro e se estendeu até 21 de agosto, quando as tropas militares dos países socialistas do Leste Europeu e da União Soviética, integrantes do Pacto de Varsóvia, invadiram o país para por fim à revolução.

Uma dica de estudo é lembrar de que a Primavera de Praga está diretamente relacionada à Guerra Fria, já que se constituía em ameaça ao regime socialista.

5. Ofensiva do Ted (Invasão do Vietnã do Sul)
O aluno precisa saber que a Guerra do Vietnã começou em 1959, durou 16 anos e foi travada entre os governos do Vietnã do Norte (comunista, comandado por Ho Chi Min e apoiado militante pela União Soviética e China) e Vietnã do Sul (ditadura militar acolhida por países anticomunistas como Estados Unidos, Coreia do Sul, Austrália e Tailândia).

Também chamada de Segunda Guerra da Indochina, suas batalhas aconteceram no Vietnã, Laos e Camboja. O ponto de virada da guerra em favor do Vietnã do Norte foi a estratégia que ficou conhecida como “Ofensiva do Tet” uma invasão surpresa em 30 de junho de 1968 por parte dos vietcongues em mais de 100 cidades do Vietnã do Sul, que culminou na tomada da embaixada norte-americana em Saigon. Essa foi considerado o marco decisivo na guerra porque foi responsável por mobilizar a opinião pública norte-americana contra o conflito. A derrota provocou, nos anos seguintes, mudanças significativas na política externa do país.

Publicidade

Dê sua opinião

ATENÇÃO AS DICAS

5 acontecimentos que completam 50 anos em 2018 e que podem cair no Enem

Esses fatos têm grandes chances de cair no Enem. Ter um bom conhecimento é necessário para se dar bem no vestibular

Por Tribuna do Ceará em Enem

22 de Abril de 2018 às 07:15

Há 1 mês
Pessoas escrevendo em livros em referência as dicas para o Enem

Os fatos completam 50 anos em 2018 (FOTO: Freepick)

Ter um bom nível de conhecimento dos principais acontecimentos históricos é essencial para se dar bem no vestibular. Um critério que pode ser utilizado pelas instituições para incluir determinado evento nas questões de conhecimentos gerais ou de história é o “aniversário” do fato.

Pensando nisto, os professores do Stoodi, cursinho à distância com foco no Enem e pré-vestibular, reuniram cinco acontecimentos históricos que completam 50 anos em 2018 e podem ser tema nos vestibulares deste ano.

Os fatos aconteceram, portando, em 1968, ano que ficou marcado por diversas manifestações políticas e culturais em todo o mundo e que, por esse motivo, ficou conhecido como “o ano que não terminou”.

Confira a lista

1. AI-5
O que o vestibulando precisa saber: o Ato Institucional nº5 foi decretado em 13 de dezembro, durante o governo militar do presidente Costa e Silva, e vigorou por 10 anos, eliminando os direitos civis. O AI-5 estabeleceu a censura prévia de meios de comunicação, livros, músicas e peças de teatro, demitiu sumariamente juízes e outros funcionários públicos, e fechou o Congresso Nacional por diversos meses.

2. Assassinato de Martin Luther King
O que o vestibulando precisa saber: ativista dos direitos civis no Estados Unidos, o pastor Martin Luther King tornou-se o principal líder do movimento negro no país. Foi assassinado em 4 de abril em Memphis, cidade dos Estado do Tenesse, aos 39 anos. Ganhador do Nobel da Paz, seu discurso mais conhecido se chama “I Have a Dream” e foi feito durante a marcha sobre Washington, em 1963.
Uma dica de estudo que a prova pode exigir são informações sobre a trajetória do líder, cobrar qual era o contexto do país na época e pode pedir para o aluno determinar quais as consequências do assassinato.

3. Maio de 68
O que o estudante precisa saber é que foi uma série de manifestações estudantis na França que culminaram em uma greve geral no país, agregando integrantes de diferentes idades e classes sociais. Com uma natureza eminentemente progressiva, o movimento fazia oposição ao governo do general Charles de Gaulle.

4. Primavera de Praga
O movimento político composto por intelectuais e trabalhadores liderado pelo eslovaco Alexander Dubček, chefe do estado da Tchecoslováquia, e que buscava colocar em prática reformas liberalizantes. Começou em 5 de janeiro e se estendeu até 21 de agosto, quando as tropas militares dos países socialistas do Leste Europeu e da União Soviética, integrantes do Pacto de Varsóvia, invadiram o país para por fim à revolução.

Uma dica de estudo é lembrar de que a Primavera de Praga está diretamente relacionada à Guerra Fria, já que se constituía em ameaça ao regime socialista.

5. Ofensiva do Ted (Invasão do Vietnã do Sul)
O aluno precisa saber que a Guerra do Vietnã começou em 1959, durou 16 anos e foi travada entre os governos do Vietnã do Norte (comunista, comandado por Ho Chi Min e apoiado militante pela União Soviética e China) e Vietnã do Sul (ditadura militar acolhida por países anticomunistas como Estados Unidos, Coreia do Sul, Austrália e Tailândia).

Também chamada de Segunda Guerra da Indochina, suas batalhas aconteceram no Vietnã, Laos e Camboja. O ponto de virada da guerra em favor do Vietnã do Norte foi a estratégia que ficou conhecida como “Ofensiva do Tet” uma invasão surpresa em 30 de junho de 1968 por parte dos vietcongues em mais de 100 cidades do Vietnã do Sul, que culminou na tomada da embaixada norte-americana em Saigon. Essa foi considerado o marco decisivo na guerra porque foi responsável por mobilizar a opinião pública norte-americana contra o conflito. A derrota provocou, nos anos seguintes, mudanças significativas na política externa do país.