Celular ligado pode derrubar um avião? Veja 8 mitos e verdades sobre viagens aéreas

DESCUBRA

Celular ligado pode derrubar um avião? Veja 8 mitos e verdades sobre viagens aéreas

Embora os acidentes sejam raros e não signifiquem queda, o pouso e a decolagem são os momentos em que os pilotos têm menos tempo de decisão

Por Tribuna do Ceará em Turismo

5 de novembro de 2017 às 07:15

Há 12 meses
Confira as verdades e mitos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Confira as verdades e mitos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Quem nunca viajou de avião e fez as seguintes perguntas: a aeronave pode voar com apenas um motor? O pouso e a decolagem são os momentos mais perigosos? As portas podem abrir em pleno voo? O assento realmente boia?

Diferentemente dos pilotos e da tripulação, que recebem treinamentos e informações sobre os detalhes mais técnicos das aeronaves, os passageiros, por desconhecerem muitos itens de segurança, podem alimentar dúvidas, questionamentos e muitos mitos sobre as funcionalidades do avião.

Para quem tem medo de voar, isso pode ser particularmente importante, pois a pessoa cria pensamentos disfuncionais, justamente pela falta de conhecimento técnico da aviação.

“Notamos em nossos atendimentos e em nossos cursos que há muito desconhecimento sobre os aspectos técnicos da aviação. Por isso, como parte do nosso protocolo de tratamento para o medo de voar, estão incluídas aulas com pilotos e outros profissionais da aviação para quebrar esses mitos”, diz a psicóloga Fernanda Queiroz, cofundadora da VOE Psicologia, primeira empresa especializada no tratamento do medo de voar.

– Avião pode voar com um motor só. Verdade.
Para mantê-los no ar em constante movimento, os aviões comerciais modernos são equipados com dois ou mais motores. Caso haja alguma pane em algum motor, o outro assume toda a sustentação da aeronave e passa a exercer um pouco mais de força para compensar esta falta.

– O pouso e a decolagem são mais os momentos mais perigosos. Verdade.
Embora os acidentes sejam raros e não signifique uma queda, o pouso e a decolagem são os momentos em que os pilotos têm menos tempo de decisão para manobras de emergência. Estatísticas divulgadas pela Boeing (2009) mostram que 43% dos acidentes com vítimas acontecem durante a fase de decolagem, desde a aceleração do avião na pista até a chegada à altitude de cruzeiro. O momento da descida e do pouso correspondem a 41% dos incidentes. Segundo levantamento da Boeing, apenas 16% dos desastres fatais são registrados durante o voo de cruzeiro, quando o avião está com altitude e velocidade estabilizadas.

– Pássaros podem derrubar um avião. Depende.
Grandes aves podem causar sérios danos e até derrubar uma aeronave. Isso só aconteceria se o choque fosse no motor ou na turbina com força suficiente para causar estragos nas palhetas, que são as hélices que sugam o ar. Partes do animal e das hélices podem entrar no motor, fazendo com que a turbina pegue fogo e pare de funcionar.

Entretanto, acidentes com grandes aves não são comuns, já que as turbinas podem suportar colisões com objetos de até 3,6 kg (o urubu pesa 1,5 kg), e os aviões voam a altitudes muito maiores do que as alcançadas por pássaros.

– A porta do avião pode ser aberta em pleno voo. Mito.
As portas só podem ser abertas se a pressão no interior e no exterior da aeronave forem virtualmente a mesma, algo impossível durante um voo comercial. Isso só acontece mesmo na ficção.

– Um raio pode derrubar um avião. Mito.
Tempestades e raios não aumentam o risco de acidente, já que a aeronave é preparada para este tipo de situação. Se uma descarga elétrica atingir o avião, o máximo que pode acontecer é danificar o sistema, mas não chega a comprometer a segurança. Caso isso aconteça, uma inspeção completa será realizada logo depois da aterrissagem.

– O meio do avião é mais seguro no caso de queda.
“Estar no lugar certo na hora certa”. Mais ou menos. Com base nos dados da agência que regula a aviação civil nos Estados Unidos (a FAA), a revista Time divulgou um levantamento que mostrou uma maior segurança em que quem fica na parte traseira do avião e na poltrona do meio. Já houve acidentes no Brasil em que sobreviveram apenas pessoas sentadas nos últimos assentos. Mas não se trata de uma regra e tudo depende das causas e circunstâncias do acidente, ou ainda do fator.

– O assento vira uma boia. Verdade.
Muita gente acredita que os avisos sobre os assentos flutuantes, que permitiriam um pouso na água, não passam de um artifício para manter a tranquilidade dos passageiros. Mas, na verdade, os assentos flutuantes possuem certificação de órgãos competentes, podendo suportar pesos acima de 100 Kg.

– Celular ligado pode derrubar o avião. Mito.
Este é um assunto bastante debatido no setor aéreo. Segundo relatório de 2014 da Agência Europeia para Segurança da Aviação, dispositivos eletrônicos não representam um risco para a segurança, ficando a cargo da companhia aérea liberar ou não o uso a bordo. Inclusive há diversas empresas, como Emirates, Virgin e British Airways, que oferecem serviços de chamadas durante voos.

Publicidade

Dê sua opinião

DESCUBRA

Celular ligado pode derrubar um avião? Veja 8 mitos e verdades sobre viagens aéreas

Embora os acidentes sejam raros e não signifiquem queda, o pouso e a decolagem são os momentos em que os pilotos têm menos tempo de decisão

Por Tribuna do Ceará em Turismo

5 de novembro de 2017 às 07:15

Há 12 meses
Confira as verdades e mitos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Confira as verdades e mitos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Quem nunca viajou de avião e fez as seguintes perguntas: a aeronave pode voar com apenas um motor? O pouso e a decolagem são os momentos mais perigosos? As portas podem abrir em pleno voo? O assento realmente boia?

Diferentemente dos pilotos e da tripulação, que recebem treinamentos e informações sobre os detalhes mais técnicos das aeronaves, os passageiros, por desconhecerem muitos itens de segurança, podem alimentar dúvidas, questionamentos e muitos mitos sobre as funcionalidades do avião.

Para quem tem medo de voar, isso pode ser particularmente importante, pois a pessoa cria pensamentos disfuncionais, justamente pela falta de conhecimento técnico da aviação.

“Notamos em nossos atendimentos e em nossos cursos que há muito desconhecimento sobre os aspectos técnicos da aviação. Por isso, como parte do nosso protocolo de tratamento para o medo de voar, estão incluídas aulas com pilotos e outros profissionais da aviação para quebrar esses mitos”, diz a psicóloga Fernanda Queiroz, cofundadora da VOE Psicologia, primeira empresa especializada no tratamento do medo de voar.

– Avião pode voar com um motor só. Verdade.
Para mantê-los no ar em constante movimento, os aviões comerciais modernos são equipados com dois ou mais motores. Caso haja alguma pane em algum motor, o outro assume toda a sustentação da aeronave e passa a exercer um pouco mais de força para compensar esta falta.

– O pouso e a decolagem são mais os momentos mais perigosos. Verdade.
Embora os acidentes sejam raros e não signifique uma queda, o pouso e a decolagem são os momentos em que os pilotos têm menos tempo de decisão para manobras de emergência. Estatísticas divulgadas pela Boeing (2009) mostram que 43% dos acidentes com vítimas acontecem durante a fase de decolagem, desde a aceleração do avião na pista até a chegada à altitude de cruzeiro. O momento da descida e do pouso correspondem a 41% dos incidentes. Segundo levantamento da Boeing, apenas 16% dos desastres fatais são registrados durante o voo de cruzeiro, quando o avião está com altitude e velocidade estabilizadas.

– Pássaros podem derrubar um avião. Depende.
Grandes aves podem causar sérios danos e até derrubar uma aeronave. Isso só aconteceria se o choque fosse no motor ou na turbina com força suficiente para causar estragos nas palhetas, que são as hélices que sugam o ar. Partes do animal e das hélices podem entrar no motor, fazendo com que a turbina pegue fogo e pare de funcionar.

Entretanto, acidentes com grandes aves não são comuns, já que as turbinas podem suportar colisões com objetos de até 3,6 kg (o urubu pesa 1,5 kg), e os aviões voam a altitudes muito maiores do que as alcançadas por pássaros.

– A porta do avião pode ser aberta em pleno voo. Mito.
As portas só podem ser abertas se a pressão no interior e no exterior da aeronave forem virtualmente a mesma, algo impossível durante um voo comercial. Isso só acontece mesmo na ficção.

– Um raio pode derrubar um avião. Mito.
Tempestades e raios não aumentam o risco de acidente, já que a aeronave é preparada para este tipo de situação. Se uma descarga elétrica atingir o avião, o máximo que pode acontecer é danificar o sistema, mas não chega a comprometer a segurança. Caso isso aconteça, uma inspeção completa será realizada logo depois da aterrissagem.

– O meio do avião é mais seguro no caso de queda.
“Estar no lugar certo na hora certa”. Mais ou menos. Com base nos dados da agência que regula a aviação civil nos Estados Unidos (a FAA), a revista Time divulgou um levantamento que mostrou uma maior segurança em que quem fica na parte traseira do avião e na poltrona do meio. Já houve acidentes no Brasil em que sobreviveram apenas pessoas sentadas nos últimos assentos. Mas não se trata de uma regra e tudo depende das causas e circunstâncias do acidente, ou ainda do fator.

– O assento vira uma boia. Verdade.
Muita gente acredita que os avisos sobre os assentos flutuantes, que permitiriam um pouso na água, não passam de um artifício para manter a tranquilidade dos passageiros. Mas, na verdade, os assentos flutuantes possuem certificação de órgãos competentes, podendo suportar pesos acima de 100 Kg.

– Celular ligado pode derrubar o avião. Mito.
Este é um assunto bastante debatido no setor aéreo. Segundo relatório de 2014 da Agência Europeia para Segurança da Aviação, dispositivos eletrônicos não representam um risco para a segurança, ficando a cargo da companhia aérea liberar ou não o uso a bordo. Inclusive há diversas empresas, como Emirates, Virgin e British Airways, que oferecem serviços de chamadas durante voos.