Perfil no Instagram resgata quem são as pessoas que dão nomes às ruas de Fortaleza
RUAS BIOGRÁFICAS

Perfil no Instagram resgata quem foram as pessoas que dão nomes às ruas de Fortaleza

O “Ruas Biográficas”, mantido pelo jornalista cearense Emmanuel Montenegro, já existe há dois anos

Por Ana Clara Jovino em Fotografia

20 de dezembro de 2016 às 07:00

Há 5 meses
s3://jgdprod us/wp content/uploads/sites/5/2016/12/ruas2

O projeto traz microbiografias das pessoas que denominam as ruas, avenidas, alamedas e travessas da capital do Ceará (FOTO: Reprodução)

Para resgatar a história de Fortaleza, o jornalista cearense Emmanuel Montenegro resolveu desenvolver o projeto Ruas Biográficas, em que ele conta a história das pessoas que dão nomes as ruas de Fortaleza.

O projeto traz microbiografias das pessoas que denominam as ruas, avenidas, alamedas e travessas da capital.

A inspiração veio em um dia que Emmanuel caminhava pela cidade e se deparou com uma placa biográfica, a da rua José Lourenço. Isso porque na época em que o prefeito de Fortaleza era Juracy Magalhães, o jornalista Cláudio Pereira, que era presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Fortaleza (Funcet), teve a iniciativa de colocar placas biográficas nas ruas.

Então, Emmanuel achou uma boa ideia e decidiu resgatar o projeto. “Eu fiquei pensando em como poderia desenvolver o projeto na atualidade e me dei conta que tenho a internet disponível para isso. Pensei na plataforma que iria utilizar e achei que o Instagram foi a que mais se aplicou”.

Além do “Ruas Biográficas”, Emmanuel é proprietário da Edições BPM, uma empresa que escreve biografias por encomenda. Ele relata que já trabalhou em redações e em assessorias, mas foi na escrita que se encontrou.

“Se alguém quiser escrever uma biografia, quiser homenagear alguém com uma biografia, eu faço a pesquisa sobre a pessoa e escrevo”, esclarece o jornalista.

Atualmente, o perfil do Instagram “Ruas Biográficas” tem 188 fotos de placas de ruas com uma biografia resumida da pessoa que nomeia aquela rua. O jornalista explica que ele quem tira as fotos das ruas no seu dia-a-dia e realiza as pesquisas no final de semana, quando tem tempo livre.

“A pesquisa é a parte que mais precisa de tempo, porque não publico enquanto não tiver seguro com as informações. O primeiro local que busco é na internet, também acho muitas informações em livros e em teses de mestrados”.

Emmanuel diz que recebe muitos pedidos para fazer biografias de diversas ruas de Fortaleza. Então, a partir de agora, ele quer começar a receber a colaboração dos fortalezenses, para que enviem fotos das placas ruas que eles querem saber mais sobre quem a nomeia.

“Quero que as pessoas comecem a mandar as fotos, então eu realizo a pesquisa. Porque eu tiro foto das placas das ruas que eu ando, não dá para eu ir para um lugar só para tirar a foto de uma placa, então se as pessoas começarem a mandar, vai facilitar”, esclarece Emmanuel.

Ele diz que seu principal objetivo é despertar a curiosidade das pessoas. “Eu quero que se interessem em conhecer as pessoas que fazem parte da história da cidade que elas vivem”, conclui.

Publicidade

Dê sua opinião

RUAS BIOGRÁFICAS

Perfil no Instagram resgata quem foram as pessoas que dão nomes às ruas de Fortaleza

O “Ruas Biográficas”, mantido pelo jornalista cearense Emmanuel Montenegro, já existe há dois anos

Por Ana Clara Jovino em Fotografia

20 de dezembro de 2016 às 07:00

Há 5 meses
s3://jgdprod us/wp content/uploads/sites/5/2016/12/ruas2

O projeto traz microbiografias das pessoas que denominam as ruas, avenidas, alamedas e travessas da capital do Ceará (FOTO: Reprodução)

Para resgatar a história de Fortaleza, o jornalista cearense Emmanuel Montenegro resolveu desenvolver o projeto Ruas Biográficas, em que ele conta a história das pessoas que dão nomes as ruas de Fortaleza.

O projeto traz microbiografias das pessoas que denominam as ruas, avenidas, alamedas e travessas da capital.

A inspiração veio em um dia que Emmanuel caminhava pela cidade e se deparou com uma placa biográfica, a da rua José Lourenço. Isso porque na época em que o prefeito de Fortaleza era Juracy Magalhães, o jornalista Cláudio Pereira, que era presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Fortaleza (Funcet), teve a iniciativa de colocar placas biográficas nas ruas.

Então, Emmanuel achou uma boa ideia e decidiu resgatar o projeto. “Eu fiquei pensando em como poderia desenvolver o projeto na atualidade e me dei conta que tenho a internet disponível para isso. Pensei na plataforma que iria utilizar e achei que o Instagram foi a que mais se aplicou”.

Além do “Ruas Biográficas”, Emmanuel é proprietário da Edições BPM, uma empresa que escreve biografias por encomenda. Ele relata que já trabalhou em redações e em assessorias, mas foi na escrita que se encontrou.

“Se alguém quiser escrever uma biografia, quiser homenagear alguém com uma biografia, eu faço a pesquisa sobre a pessoa e escrevo”, esclarece o jornalista.

Atualmente, o perfil do Instagram “Ruas Biográficas” tem 188 fotos de placas de ruas com uma biografia resumida da pessoa que nomeia aquela rua. O jornalista explica que ele quem tira as fotos das ruas no seu dia-a-dia e realiza as pesquisas no final de semana, quando tem tempo livre.

“A pesquisa é a parte que mais precisa de tempo, porque não publico enquanto não tiver seguro com as informações. O primeiro local que busco é na internet, também acho muitas informações em livros e em teses de mestrados”.

Emmanuel diz que recebe muitos pedidos para fazer biografias de diversas ruas de Fortaleza. Então, a partir de agora, ele quer começar a receber a colaboração dos fortalezenses, para que enviem fotos das placas ruas que eles querem saber mais sobre quem a nomeia.

“Quero que as pessoas comecem a mandar as fotos, então eu realizo a pesquisa. Porque eu tiro foto das placas das ruas que eu ando, não dá para eu ir para um lugar só para tirar a foto de uma placa, então se as pessoas começarem a mandar, vai facilitar”, esclarece Emmanuel.

Ele diz que seu principal objetivo é despertar a curiosidade das pessoas. “Eu quero que se interessem em conhecer as pessoas que fazem parte da história da cidade que elas vivem”, conclui.