Artista cearense obtém nota máxima em Prêmio da Fundação Nacional de Artes

EM BRASÍLIA

Artista cearense obtém nota máxima em Prêmio da Fundação Nacional de Artes

Diego de Santos teve seu projeto “Poema 193” aprovado e agora terá a chance de realizar uma exposição individual no Distrito Federal

Por Lyvia Rocha em Cultura

31 de Janeiro de 2017 às 06:30

Há 11 meses
premio-funarte-diego-cearense

Diego de Santos conquistou a nota máxima no Prêmio da Funarte (FOTO: Divulgação)

Diego de Santos foi contemplado pelo Prêmio de Arte Contemporânea 2015 – Atos Visuais Funarte Brasília, com a nota máxima da produção ‘Poema 193’.

Agora, o artista plástico cearense terá a oportunidade de ter o trabalho exposto na Galeria Fayga Ostrower, em Brasília, no dia 15 de fevereiro até o dia 2 de abril. A exposição tem curadoria da artista visual brasiliense, Yana Tamayo.

O artista sempre confiou no seu projeto, mas ainda relembra com felicidade a alegria de ter sido aprovado com a melhor nota. “Sabia que tinha um bom projeto e torcia pela aprovação, mas não esperava a nota máxima. Me senti imensamente feliz e orgulhoso pelo meu trabalho, estou realizando um sonho”, lembra emocionado Diego.

Ele e sua equipe estão em ritmo de pré-produção para embarcarem em fevereiro representando o Ceará, no Distrito Federal. “Foram dezenas de inscrições de todo o Brasil e explodimos de alegria quando saiu o resultado. Agora, estamos contando os dias para a mostra” conta Renata Damasceno, produtora cultural.

O título do projeto é uma alusão ao número do Corpo de Bombeiros, já que a exposição tratará de uma problemática dos incêndios criminosos. “Nos vídeos é possível observar registros de conchas em chamas, em analogia com a estrutura de um lar e com o fogo saindo de seu interior. Uma forma de tratar poeticamente da problemática dos incêndios criminosos que atingem favelas e moradias precárias (por isso o número dos bombeiros “193” no título)”, revela Diego.

Nos desenhos, o artista utiliza a técnica de fixação da fuligem e o uso de diferentes processos de queima, além da utilização das condições climáticas naturais e da parafina para a realização dos desenhos. “A superfície do papel, posicionada acima da chama da lamparina, recebe toda a fuligem liberada pelo fogo e nunca é possível determinar a imagem a ser gerada.

Em alguns momentos, antes de fixar a fuligem com verniz, submeto aquele desenho à ação do lugar: esqueço-os na parede ou no chão para que insetos caminhem sobre eles, deixando rastros; aproveito raros serenos, deixando que gotículas de água da chuva fina intervenham sobre a fuligem. Sujeitar os trabalhos a situações promovidas pelo entorno faz de “Poema 193” um irrecusável convite à realização conjunta: eu e os efeitos do espaço ao redor” esclarece, de Santos.

A exposição conta com ação educativa com mediadores para receber o público espontâneo, bem como grupos de visita. Haverá também um educativo dedicado à acessibilidade, como texto curatorial em braile e maquete tátil com elementos do processo de criação das obras.

Serviço:
Exposição “Poema 193”
Artista: Diego de Santos
Curadoria: Yana Tamayo
Galeria Fayga Ostrower
Complexo Cultural Funarte Brasília
Eixo Monumental, Setor de Divulgação Cultural (entre a torre de TV e o Centro de Convenções). Brasília – DF.
Abertura: dia 15 de fevereiro, quarta-feira, às 19h.
Visitação: de 16 de fevereiro a 2 de abril, de terça a domingo, de 10h às 21h.
Entrada franca
Informações: (61) 3322-2076 / 3322-2029 e no site da Funarte

Publicidade

Dê sua opinião

EM BRASÍLIA

Artista cearense obtém nota máxima em Prêmio da Fundação Nacional de Artes

Diego de Santos teve seu projeto “Poema 193” aprovado e agora terá a chance de realizar uma exposição individual no Distrito Federal

Por Lyvia Rocha em Cultura

31 de Janeiro de 2017 às 06:30

Há 11 meses
premio-funarte-diego-cearense

Diego de Santos conquistou a nota máxima no Prêmio da Funarte (FOTO: Divulgação)

Diego de Santos foi contemplado pelo Prêmio de Arte Contemporânea 2015 – Atos Visuais Funarte Brasília, com a nota máxima da produção ‘Poema 193’.

Agora, o artista plástico cearense terá a oportunidade de ter o trabalho exposto na Galeria Fayga Ostrower, em Brasília, no dia 15 de fevereiro até o dia 2 de abril. A exposição tem curadoria da artista visual brasiliense, Yana Tamayo.

O artista sempre confiou no seu projeto, mas ainda relembra com felicidade a alegria de ter sido aprovado com a melhor nota. “Sabia que tinha um bom projeto e torcia pela aprovação, mas não esperava a nota máxima. Me senti imensamente feliz e orgulhoso pelo meu trabalho, estou realizando um sonho”, lembra emocionado Diego.

Ele e sua equipe estão em ritmo de pré-produção para embarcarem em fevereiro representando o Ceará, no Distrito Federal. “Foram dezenas de inscrições de todo o Brasil e explodimos de alegria quando saiu o resultado. Agora, estamos contando os dias para a mostra” conta Renata Damasceno, produtora cultural.

O título do projeto é uma alusão ao número do Corpo de Bombeiros, já que a exposição tratará de uma problemática dos incêndios criminosos. “Nos vídeos é possível observar registros de conchas em chamas, em analogia com a estrutura de um lar e com o fogo saindo de seu interior. Uma forma de tratar poeticamente da problemática dos incêndios criminosos que atingem favelas e moradias precárias (por isso o número dos bombeiros “193” no título)”, revela Diego.

Nos desenhos, o artista utiliza a técnica de fixação da fuligem e o uso de diferentes processos de queima, além da utilização das condições climáticas naturais e da parafina para a realização dos desenhos. “A superfície do papel, posicionada acima da chama da lamparina, recebe toda a fuligem liberada pelo fogo e nunca é possível determinar a imagem a ser gerada.

Em alguns momentos, antes de fixar a fuligem com verniz, submeto aquele desenho à ação do lugar: esqueço-os na parede ou no chão para que insetos caminhem sobre eles, deixando rastros; aproveito raros serenos, deixando que gotículas de água da chuva fina intervenham sobre a fuligem. Sujeitar os trabalhos a situações promovidas pelo entorno faz de “Poema 193” um irrecusável convite à realização conjunta: eu e os efeitos do espaço ao redor” esclarece, de Santos.

A exposição conta com ação educativa com mediadores para receber o público espontâneo, bem como grupos de visita. Haverá também um educativo dedicado à acessibilidade, como texto curatorial em braile e maquete tátil com elementos do processo de criação das obras.

Serviço:
Exposição “Poema 193”
Artista: Diego de Santos
Curadoria: Yana Tamayo
Galeria Fayga Ostrower
Complexo Cultural Funarte Brasília
Eixo Monumental, Setor de Divulgação Cultural (entre a torre de TV e o Centro de Convenções). Brasília – DF.
Abertura: dia 15 de fevereiro, quarta-feira, às 19h.
Visitação: de 16 de fevereiro a 2 de abril, de terça a domingo, de 10h às 21h.
Entrada franca
Informações: (61) 3322-2076 / 3322-2029 e no site da Funarte