Artesão do sertão cearense se inspira na natureza para produzir peças artísticas
QUIXERAMOBIM

Artesão do sertão cearense se inspira na natureza para produzir peças artísticas

Flávio Borges diz que não é possível viver de arte. Artesão depende de eventos religiosos para ganhar dinheiro com arte

Por Matheus Ribeiro em Cultura

29 de janeiro de 2017 às 06:45

Há 1 mês

Artesão se inspira na natureza para elaborar peças (FOTO: Jangadeiro FM)

Quixeramobim, a 216 quilômetros de Fortaleza, tem se tornado um verdadeiro celeiro de artistas plásticos. De acordo com a associação dos artesãos do município, a cidade tem hoje aproximadamente 200 artesãos.

Entre os artesãos, o artista plástico Flávio Borges tem chamado atenção pelas belas peças de decoração que são inspiradas nas coisas da natureza.

Em entrevista à Jangadeiro FM, o artista explicou de onde tira inspiração para fazer seus materiais. “A inspiração que nós temos em relação ao artesanato é tirado da própria natureza, tirado do dia a dia, das coisas que vemos no nosso cotidiano e, a partir disso, nós vamos criando as coisas”, afirmou.

Galhos de árvores, conchas do mar e cabaças, dentre outros materiais oriundos da caatinga sertaneja e da praia, são usados como matéria-prima para a arte de Flávio, e acabam se transformando em porta-canetas, luminárias, mandalas, cortinas, artefatos decorativos para jardins, entre outras peças. 

O trabalho do artesão ganha visibilidade em eventos como a Festa do Padroeiro, quando as peças são expostas ao público. Em meio a todas as dificuldades, Flávio afirma que é inviável promover o sustento da família através da atividade do artesanato.

“O artesanato você expõe onde tem oportunidade, não há um canto fixo para você vender suas peças. No entanto, hoje, não é possível sobreviver com o artesanato, porque ficamos dependendo dos eventos que acontecem durante o ano”, explicou.

Para tentar ganhar a vida com arte, Flávio transformou a sala de casa em um ateliê, onde fabrica e expõe as peças. O artesão cobra mais apoio do poder público e sugere a criação de um espaço para que os artistas da região possam expor seus trabalhos, fator que pode gerar emprego e renda para Quixeramobim.

Confira a reportagem de Reges Andrade e Gabrielly Frutuoso para a Rede Jangadeiro FM:

 

Arte é produzida na sala da casa do artesão
1/3

Arte é produzida na sala da casa do artesão

(FOTO: Jangadeiro FM)

Arte é produzida na sala da casa do artesão
2/3

Arte é produzida na sala da casa do artesão

(FOTO: Jangadeiro FM)

Arte é produzida na sala da casa do artesão
3/3

Arte é produzida na sala da casa do artesão

(FOTO: Jangadeiro FM)

Publicidade

Dê sua opinião

QUIXERAMOBIM

Artesão do sertão cearense se inspira na natureza para produzir peças artísticas

Flávio Borges diz que não é possível viver de arte. Artesão depende de eventos religiosos para ganhar dinheiro com arte

Por Matheus Ribeiro em Cultura

29 de janeiro de 2017 às 06:45

Há 1 mês

Artesão se inspira na natureza para elaborar peças (FOTO: Jangadeiro FM)

Quixeramobim, a 216 quilômetros de Fortaleza, tem se tornado um verdadeiro celeiro de artistas plásticos. De acordo com a associação dos artesãos do município, a cidade tem hoje aproximadamente 200 artesãos.

Entre os artesãos, o artista plástico Flávio Borges tem chamado atenção pelas belas peças de decoração que são inspiradas nas coisas da natureza.

Em entrevista à Jangadeiro FM, o artista explicou de onde tira inspiração para fazer seus materiais. “A inspiração que nós temos em relação ao artesanato é tirado da própria natureza, tirado do dia a dia, das coisas que vemos no nosso cotidiano e, a partir disso, nós vamos criando as coisas”, afirmou.

Galhos de árvores, conchas do mar e cabaças, dentre outros materiais oriundos da caatinga sertaneja e da praia, são usados como matéria-prima para a arte de Flávio, e acabam se transformando em porta-canetas, luminárias, mandalas, cortinas, artefatos decorativos para jardins, entre outras peças. 

O trabalho do artesão ganha visibilidade em eventos como a Festa do Padroeiro, quando as peças são expostas ao público. Em meio a todas as dificuldades, Flávio afirma que é inviável promover o sustento da família através da atividade do artesanato.

“O artesanato você expõe onde tem oportunidade, não há um canto fixo para você vender suas peças. No entanto, hoje, não é possível sobreviver com o artesanato, porque ficamos dependendo dos eventos que acontecem durante o ano”, explicou.

Para tentar ganhar a vida com arte, Flávio transformou a sala de casa em um ateliê, onde fabrica e expõe as peças. O artesão cobra mais apoio do poder público e sugere a criação de um espaço para que os artistas da região possam expor seus trabalhos, fator que pode gerar emprego e renda para Quixeramobim.

Confira a reportagem de Reges Andrade e Gabrielly Frutuoso para a Rede Jangadeiro FM:

 

Arte é produzida na sala da casa do artesão
1/3

Arte é produzida na sala da casa do artesão

(FOTO: Jangadeiro FM)

Arte é produzida na sala da casa do artesão
2/3

Arte é produzida na sala da casa do artesão

(FOTO: Jangadeiro FM)

Arte é produzida na sala da casa do artesão
3/3

Arte é produzida na sala da casa do artesão

(FOTO: Jangadeiro FM)