Sequência de filmes com youtubers mostra que a onda veio para ficar, avalia fenômeno teen que virou filme
ENTREVISTA EXCLUSIVA

Sequência de filmes com youtubers mostra que a onda veio para ficar, avalia fenômeno teen que virou filme

Christian Figueiredo veio a Fortaleza assistir à pré-estreia do seu filme “Eu fico Loko” em uma sessão especial com os fãs

Por Deborah Tavares em Celebridades

12 de janeiro de 2017 às 07:00

Há 1 mês
Christian tem 22 anos e é um fenômeno no YouTube (FOTO: Deborah Tavares)

Christian tem 22 anos e é um fenômeno no YouTube (FOTO: Deborah Tavares/Tribuna do Ceará)

Com milhões de inscritos, fenômenos como Christian Figueiredo mostram que os youtubers vieram para ficar. Seu sucesso é tamanho que atravessa o mundo da internet, e eles acabam virando temas para programas de televisão, livros e até filmes.

O canal de Christian no YouTube, o “Eu Fico Loko”, conta com “nada menos” que 7 milhões de fãs que, agora, esperam ver a história inspirada na vida do catarinense de 22 anos nas telas do cinema.

Nesta quarta-feira (11) o youtuber veio a Fortaleza para assistir à pré-estreia do seu filme, que leva o mesmo nome do canal, em uma sessão especial com os fãs. O longa aborda como um garoto, pouco popular na escola, ficou famoso na internet.

Em entrevista exclusiva ao Tribuna do Ceará, feita durante visita de Christian ao Sr. Barbeiro, o youtuber falou um pouco sobre expectativa com o filme, sua carreira e sua experiência no Ceará. Confira o bate-papo:

Fazer vídeos era um hobby que virou trabalho. Como foi essa experiência?
É engraçado quando o hobby vira trabalho porque ele continua sendo um hobby, você se diverte fazendo, acho que o trabalho tem que ser divertido. Quando eu saí de casa, tinha 18 anos e falei: “mãe, tô indo morar sozinho, vou tentar o YouTube agora”. Foi aí que eu comecei a me dedicar mesmo à produção de conteúdo. Era dia e noite, porque era a casa inteira pra mim, pra criar e aí começou a dar mais certo. Quando eu comecei a me dedicar de verdade à essa brincadeira, o canal estourou.

Como foi passar de uma pessoa desconhecida para alguém com uma influência enorme?
Hoje em dia eu me vejo com muita responsabilidade por falar até com pessoas mais novas do que eu. É um leque de pessoas muito grande e uma responsabilidade muito grande. Mas, como o meu conteúdo é de entretenimento, eu gosto de entreter, de me comunicar e nunca ditar alguma regra. Acho que é por isso que eu consigo falar com todas as gerações que me assistem.

Você passou por uma transição: foi do YouTube para as telas do cinema. Qual a sensação?
Quando eu comecei no YouTube, tinha 15 anos de idade e foi tudo uma brincadeira, um hobby. Do nada esse hobby começou a se profissionalizar, a virar um trabalho. O canal começou a bombar no 4º ano de existência, agora ele já tem 6. Assim que eu saí de casa em 2014, lancei um livro, e dois anos depois veio a chance de transformar esse livro em um filme. Foi uma experiência incrível.

Você acha que o filme com o universo da internet veio para ficar?
O YouTube está cheio de criador de conteúdo com um material muito legal, muito criativo e, agora com o YouTube estourando, a gente começa a ver a mídia tradicional, os outros veículos valorizando muito a gente. O nosso conteúdo e o cinema são uma prova do valor que a internet tem para o entretenimento. Com certeza vão ter muitos outros canais, muitos outros youtubers indo para as telonas com projetos bem legais.

O filme da Kéfera, o “É fada”, foi um dos filmes de maior bilheteria em 2016. Como você espera ver o “Eu Fico Loko” em 2017?

Eu tô bem confiante com o filme. A gente conseguiu instigar bastante o público, quem me assiste na internet. A minha ideia era como aproximar o público do meu filme, então eu tive a ideia de fazer um making off antes de o filme lançar. Durante 5 meses, comecei a soltar os bastidores no meu canal dando spoilers do filme para instigar a galera ir ao cinema, então acho que isso atraiu bastante o público. Acho que eu me garanti com a galera que me assiste, agora é trazer essa massa que não me assiste para o cinema.

Qual mensagem você quer passar com o filme para o seu público?
Eu espero passar uma mensagem de união familiar, o quanto a minha família foi importante para mim nessa trajetória. O quanto minha mãe, meu pai, minha irmã e, principalmente, minha vó apoiaram o meu hobby, o papel da minha vó no filme é essencial e, na minha vida, foi essencial. É trazer a importância da família e dos amigos próximos, para o seu trabalho e na formação do seu caráter

Qual a sua dica para quem está começando no YouTube?
Minha dica é persistência. Eu, para bombar, demorei 4 anos. Então é ter uma boa ideia na cabeça, criatividade e ir fazendo sem ficar deslumbrado. Não pensar em número, pensar em conteúdo primeiro. O número vai ser consequência.

Agora você entrou para o meio do cinema. Quais filmes marcaram sua infância?
Sempre fui um cinéfilo de filme de terror, então minha mãe, quando viu que eu gostava, começou a me indicar os clássicos. O iluminado, Psicose, Exorcista, A profecia, os que marcaram minha infância foram esses.

Você foi convidado por uma barbearia de Fortaleza para ter “um dia de beleza”. Como cuida do seu cabelo?
Eu uso esse estilo “loko” mesmo, meu cabelo é fino, mas adoro pentear de forma despenteada. Com minha rotina de muitas viagens, meu cabelo resseca muito, aí a saída é fazer hidratação. E para deixar sempre assim “lokão”, uma cêra tipo gel funciona muito.

O que te chama atenção quando vem ao Ceará?
Eu vim para o Ceará com meu livro há um ano e falei que precisava voltar pra cá com tempo. Eu, normalmente, tô aqui sem tempo, eu quero ir à praia, quero curtir esse sol maravilhoso. Eu saio de São Paulo, que é só poluição, trânsito, buzina, aí você vem pra cá e fala ‘pô, eu tô no paraíso’. Eu daria tudo para morar aqui. Vocês estão no paraíso, não tem porque querer sair daqui.

*A entrevista exclusiva foi feita junto ao Clube Cinema, site parceiro do Tribuna do Ceará.

Publicidade

Dê sua opinião

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Sequência de filmes com youtubers mostra que a onda veio para ficar, avalia fenômeno teen que virou filme

Christian Figueiredo veio a Fortaleza assistir à pré-estreia do seu filme “Eu fico Loko” em uma sessão especial com os fãs

Por Deborah Tavares em Celebridades

12 de janeiro de 2017 às 07:00

Há 1 mês
Christian tem 22 anos e é um fenômeno no YouTube (FOTO: Deborah Tavares)

Christian tem 22 anos e é um fenômeno no YouTube (FOTO: Deborah Tavares/Tribuna do Ceará)

Com milhões de inscritos, fenômenos como Christian Figueiredo mostram que os youtubers vieram para ficar. Seu sucesso é tamanho que atravessa o mundo da internet, e eles acabam virando temas para programas de televisão, livros e até filmes.

O canal de Christian no YouTube, o “Eu Fico Loko”, conta com “nada menos” que 7 milhões de fãs que, agora, esperam ver a história inspirada na vida do catarinense de 22 anos nas telas do cinema.

Nesta quarta-feira (11) o youtuber veio a Fortaleza para assistir à pré-estreia do seu filme, que leva o mesmo nome do canal, em uma sessão especial com os fãs. O longa aborda como um garoto, pouco popular na escola, ficou famoso na internet.

Em entrevista exclusiva ao Tribuna do Ceará, feita durante visita de Christian ao Sr. Barbeiro, o youtuber falou um pouco sobre expectativa com o filme, sua carreira e sua experiência no Ceará. Confira o bate-papo:

Fazer vídeos era um hobby que virou trabalho. Como foi essa experiência?
É engraçado quando o hobby vira trabalho porque ele continua sendo um hobby, você se diverte fazendo, acho que o trabalho tem que ser divertido. Quando eu saí de casa, tinha 18 anos e falei: “mãe, tô indo morar sozinho, vou tentar o YouTube agora”. Foi aí que eu comecei a me dedicar mesmo à produção de conteúdo. Era dia e noite, porque era a casa inteira pra mim, pra criar e aí começou a dar mais certo. Quando eu comecei a me dedicar de verdade à essa brincadeira, o canal estourou.

Como foi passar de uma pessoa desconhecida para alguém com uma influência enorme?
Hoje em dia eu me vejo com muita responsabilidade por falar até com pessoas mais novas do que eu. É um leque de pessoas muito grande e uma responsabilidade muito grande. Mas, como o meu conteúdo é de entretenimento, eu gosto de entreter, de me comunicar e nunca ditar alguma regra. Acho que é por isso que eu consigo falar com todas as gerações que me assistem.

Você passou por uma transição: foi do YouTube para as telas do cinema. Qual a sensação?
Quando eu comecei no YouTube, tinha 15 anos de idade e foi tudo uma brincadeira, um hobby. Do nada esse hobby começou a se profissionalizar, a virar um trabalho. O canal começou a bombar no 4º ano de existência, agora ele já tem 6. Assim que eu saí de casa em 2014, lancei um livro, e dois anos depois veio a chance de transformar esse livro em um filme. Foi uma experiência incrível.

Você acha que o filme com o universo da internet veio para ficar?
O YouTube está cheio de criador de conteúdo com um material muito legal, muito criativo e, agora com o YouTube estourando, a gente começa a ver a mídia tradicional, os outros veículos valorizando muito a gente. O nosso conteúdo e o cinema são uma prova do valor que a internet tem para o entretenimento. Com certeza vão ter muitos outros canais, muitos outros youtubers indo para as telonas com projetos bem legais.

O filme da Kéfera, o “É fada”, foi um dos filmes de maior bilheteria em 2016. Como você espera ver o “Eu Fico Loko” em 2017?

Eu tô bem confiante com o filme. A gente conseguiu instigar bastante o público, quem me assiste na internet. A minha ideia era como aproximar o público do meu filme, então eu tive a ideia de fazer um making off antes de o filme lançar. Durante 5 meses, comecei a soltar os bastidores no meu canal dando spoilers do filme para instigar a galera ir ao cinema, então acho que isso atraiu bastante o público. Acho que eu me garanti com a galera que me assiste, agora é trazer essa massa que não me assiste para o cinema.

Qual mensagem você quer passar com o filme para o seu público?
Eu espero passar uma mensagem de união familiar, o quanto a minha família foi importante para mim nessa trajetória. O quanto minha mãe, meu pai, minha irmã e, principalmente, minha vó apoiaram o meu hobby, o papel da minha vó no filme é essencial e, na minha vida, foi essencial. É trazer a importância da família e dos amigos próximos, para o seu trabalho e na formação do seu caráter

Qual a sua dica para quem está começando no YouTube?
Minha dica é persistência. Eu, para bombar, demorei 4 anos. Então é ter uma boa ideia na cabeça, criatividade e ir fazendo sem ficar deslumbrado. Não pensar em número, pensar em conteúdo primeiro. O número vai ser consequência.

Agora você entrou para o meio do cinema. Quais filmes marcaram sua infância?
Sempre fui um cinéfilo de filme de terror, então minha mãe, quando viu que eu gostava, começou a me indicar os clássicos. O iluminado, Psicose, Exorcista, A profecia, os que marcaram minha infância foram esses.

Você foi convidado por uma barbearia de Fortaleza para ter “um dia de beleza”. Como cuida do seu cabelo?
Eu uso esse estilo “loko” mesmo, meu cabelo é fino, mas adoro pentear de forma despenteada. Com minha rotina de muitas viagens, meu cabelo resseca muito, aí a saída é fazer hidratação. E para deixar sempre assim “lokão”, uma cêra tipo gel funciona muito.

O que te chama atenção quando vem ao Ceará?
Eu vim para o Ceará com meu livro há um ano e falei que precisava voltar pra cá com tempo. Eu, normalmente, tô aqui sem tempo, eu quero ir à praia, quero curtir esse sol maravilhoso. Eu saio de São Paulo, que é só poluição, trânsito, buzina, aí você vem pra cá e fala ‘pô, eu tô no paraíso’. Eu daria tudo para morar aqui. Vocês estão no paraíso, não tem porque querer sair daqui.

*A entrevista exclusiva foi feita junto ao Clube Cinema, site parceiro do Tribuna do Ceará.