Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil


Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil

Na 1ª matéria da série “Vida Saudável”, o Tribuna do Ceará conversa com psicóloga sobre o prejuízo que a criança que não é acostumada ao “não” leva para a vida adulta

Por Rosana Romão em Bem-Estar

24 de fevereiro de 2015 às 13:00

Há 4 anos
Lembre de que o exemplo educa mais que a palavra. (FOTO: Agência Brasil)

Lembre de que o exemplo educa mais que a palavra, ensina psicóloga entrevistada pelo Tribuna do Ceará (FOTO: Agência Brasil)

Compra!
Qual o pai e a mãe que nunca ouviu isso dos filhos? Em alguns casos, pode ser um pedido inocente. Porém, há crianças tomadas pelo consumismo, e por isso os pais devem estar atentos aos sintomas. Se os pais sempre dizem sim ao filho, a criança entenderá que seus desejos serão realizados sem que precise lutar por eles, podendo se tornar uma pessoa mimada e com dificuldades para buscar seus objetivos de vida.

Ao nascer, o bebê passa a expressar seus desejos, através do choro, do olhar e do toque. Aprende a se comunicar, transmitindo para a mãe que está com fome ou frio, por exemplo. O bebê vai se desenvolvendo e aprende outras formas de expressar o seu desejo. Por isso, de acordo com Marcela Clementino, psicóloga da rede Hapvida, crianças que convivem com limites e exemplos saudáveis consequentemente se tornarão adultos mais saudáveis e seguros.

“Quando uma criança ouve um ‘não’ diante de um desejo seu, ela aprende a lidar com as frustrações. Dessa forma, ela entende que as coisas não acontecem na hora e do jeito que ela quer”, explica a psicóloga. Isso fará com que a criança se torne um adulto que sabe lidar com as dificuldades que a vida traz, o que consequentemente traz menos sofrimento e também uma melhor relação com as outras pessoas.

Fique atento aos sinais

 Os pais devem ficar atentos às atividades dos filhos que podem incentivar o consumismo desenfreado, como a televisão e a internet, monitorando o que veem, pois a criança ainda não tem discernimento para distinguir a fantasia da realidade. Também não possui capacidade crítica para avaliar se há necessidade de ter aquele bem que está sendo vendido.

É necessário averiguar se a influência ao consumismo não vem dos próprios pais, e depois conversar com o filho fazendo uma reflexão, perguntando se a criança precisa mesmo de tudo o que tem. Já na alimentação, os pais precisam entender a importância que o ato traz para a saúde e para o desenvolvimento da criança.

O mais importante de tudo é que os pais sejam exemplo para o seu filho, pois essa é a melhor forma dele aprender. “De nada adianta dizer que ele tem que comer fruta se os pais não comem, ou que não precisa de tantos brinquedos se a mãe compra uma roupa nova todo dia”, detalha a psicóloga Marcela Clementino. Ela aponta ainda que na hora de fazer as compras, os pais devem ser objetivos e seguros. É importante explicar para o filho e para si mesmo o motivo por qual estão adquirindo aquele produto e não desviar do foco, lembrando sempre da importância de dizer “não”.

Acompanhe a série “Vida Saudável”:

1) Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil (24/2)

2) Uso excessivo de equipamentos eletrônicos prejudica visão (26/2)

3) Brincar é essencial na infância (2/3)

4) Saiba a diferença entre hipo e hipertireoidismo (5/3)

5) O que é vigorexia? (9/3)

6) Descubra como amenizar a calvície (12/3)

7) Confira dicas para evitar chulé (16/3)

8) Alimentação adequada é remédio contra a osteoporose (19/3)

9) O que é pé diabético? (23/3)

10) O que comer antes e após a atividade física (26/3)

11) Saiba como trabalhar o estresse pós-traumático (30/3)

12) Enxaqueca tem cura (2/4)

13) Conheça os sintomas da febre Chikungunya (6/4)

14) O que é mordida cruzada? (9/4)

15) Saúde bucal é essencial para uma boa gestação (13/4)

16) Dietas malucas: fuja delas (16/4)

17) Conheça as vantagens do parto normal (20/4)

18) O tabu do sexo na gravidez (23/4)

19) Saiba como se alimentar direito durante a gestação (27/4)

20) Proteção é essencial para evitar a Aids (30/4)

Publicidade

Dê sua opinião

Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil

Na 1ª matéria da série “Vida Saudável”, o Tribuna do Ceará conversa com psicóloga sobre o prejuízo que a criança que não é acostumada ao “não” leva para a vida adulta

Por Rosana Romão em Bem-Estar

24 de fevereiro de 2015 às 13:00

Há 4 anos
Lembre de que o exemplo educa mais que a palavra. (FOTO: Agência Brasil)

Lembre de que o exemplo educa mais que a palavra, ensina psicóloga entrevistada pelo Tribuna do Ceará (FOTO: Agência Brasil)

Compra!
Qual o pai e a mãe que nunca ouviu isso dos filhos? Em alguns casos, pode ser um pedido inocente. Porém, há crianças tomadas pelo consumismo, e por isso os pais devem estar atentos aos sintomas. Se os pais sempre dizem sim ao filho, a criança entenderá que seus desejos serão realizados sem que precise lutar por eles, podendo se tornar uma pessoa mimada e com dificuldades para buscar seus objetivos de vida.

Ao nascer, o bebê passa a expressar seus desejos, através do choro, do olhar e do toque. Aprende a se comunicar, transmitindo para a mãe que está com fome ou frio, por exemplo. O bebê vai se desenvolvendo e aprende outras formas de expressar o seu desejo. Por isso, de acordo com Marcela Clementino, psicóloga da rede Hapvida, crianças que convivem com limites e exemplos saudáveis consequentemente se tornarão adultos mais saudáveis e seguros.

“Quando uma criança ouve um ‘não’ diante de um desejo seu, ela aprende a lidar com as frustrações. Dessa forma, ela entende que as coisas não acontecem na hora e do jeito que ela quer”, explica a psicóloga. Isso fará com que a criança se torne um adulto que sabe lidar com as dificuldades que a vida traz, o que consequentemente traz menos sofrimento e também uma melhor relação com as outras pessoas.

Fique atento aos sinais

 Os pais devem ficar atentos às atividades dos filhos que podem incentivar o consumismo desenfreado, como a televisão e a internet, monitorando o que veem, pois a criança ainda não tem discernimento para distinguir a fantasia da realidade. Também não possui capacidade crítica para avaliar se há necessidade de ter aquele bem que está sendo vendido.

É necessário averiguar se a influência ao consumismo não vem dos próprios pais, e depois conversar com o filho fazendo uma reflexão, perguntando se a criança precisa mesmo de tudo o que tem. Já na alimentação, os pais precisam entender a importância que o ato traz para a saúde e para o desenvolvimento da criança.

O mais importante de tudo é que os pais sejam exemplo para o seu filho, pois essa é a melhor forma dele aprender. “De nada adianta dizer que ele tem que comer fruta se os pais não comem, ou que não precisa de tantos brinquedos se a mãe compra uma roupa nova todo dia”, detalha a psicóloga Marcela Clementino. Ela aponta ainda que na hora de fazer as compras, os pais devem ser objetivos e seguros. É importante explicar para o filho e para si mesmo o motivo por qual estão adquirindo aquele produto e não desviar do foco, lembrando sempre da importância de dizer “não”.

Acompanhe a série “Vida Saudável”:

1) Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil (24/2)

2) Uso excessivo de equipamentos eletrônicos prejudica visão (26/2)

3) Brincar é essencial na infância (2/3)

4) Saiba a diferença entre hipo e hipertireoidismo (5/3)

5) O que é vigorexia? (9/3)

6) Descubra como amenizar a calvície (12/3)

7) Confira dicas para evitar chulé (16/3)

8) Alimentação adequada é remédio contra a osteoporose (19/3)

9) O que é pé diabético? (23/3)

10) O que comer antes e após a atividade física (26/3)

11) Saiba como trabalhar o estresse pós-traumático (30/3)

12) Enxaqueca tem cura (2/4)

13) Conheça os sintomas da febre Chikungunya (6/4)

14) O que é mordida cruzada? (9/4)

15) Saúde bucal é essencial para uma boa gestação (13/4)

16) Dietas malucas: fuja delas (16/4)

17) Conheça as vantagens do parto normal (20/4)

18) O tabu do sexo na gravidez (23/4)

19) Saiba como se alimentar direito durante a gestação (27/4)

20) Proteção é essencial para evitar a Aids (30/4)