Prática exagerada de exercícios físicos pode desencadear doença: a vigorexia


Prática exagerada de exercícios físicos pode desencadear doença: a vigorexia

Na 4ª matéria da série “Vida Saudável”, psicóloga alerta sobre os prejuízos que a busca pelo corpo perfeito pode trazer ao indivíduo. Isso não é saúde, é doença

Por Rosana Romão em Bem-Estar

9 de março de 2015 às 11:00

Há 4 anos
Vigorexicos raramente admitem sua condição, por isso o diagnóstico e o início do tratamento costumam ser instituídos tardiamente. (Flickr/ Creative Commons/ Nutrição e esporte)

Vigorexicos raramente admitem sua condição, por isso o diagnóstico e o início do tratamento costumam ser instituídos tardiamente. (Flickr/ Creative Commons/ Nutrição e esporte)

Praticar uma atividade física regularmente para deixar o corpo em forma é super saudável e indicado pelos médicos. Porém, quando o indivíduo passa a exagerar nos exercícios, indo além da carga horária de treinos e mostrando-se dependente da suplementação em busca de apresentar um corpo perfeito, a situação pode não ser tão saudável.

Ao se olhar no espelho, eles veem sua própria imagem de forma distorcida. Apesar de musculosos, enxergam-se franzinos. Esses sintomas são referentes à vigorexia, um subtipo do transtorno dismórfico corporal, distúrbio classificado como uma das manifestações do espectro do Transtorno Obsessivo-Compulsivo – TOC. Porém, portadores da vigorexia raramente admitem sua condição. Em consequência disso, o diagnóstico e o início do tratamento costumam ser instituídos tardiamente.

Quem sofre dessa doença psicológica apresenta sintomas como insônia, ritmo cardíaco alterado mesmo em repouso, depressão, irritabilidade, impotência, ansiedade, perda de apetite, dores musculares, maior suscetibilidade a infecções, maior incidência de lesões, tremores, desinteresse por atividades ou assuntos que não sejam ligados à atividade física intensa e cansaço. O indivíduo esquece de si, dos familiares e amigos em busca do que acredita ser o “corpo perfeito”.

Segundo a psicóloga Lívia Vieira, da rede de saúde Hapvida, a insegurança, emocional fragilizado e o fator sociocultural são sintomas que predispõem a doença, além dos desequilíbrios de neurotransmissores do sistema nervoso central. Quando acometido pela vigorexia, o indivíduo se manifesta infeliz, insatisfeito e apresenta imagem negativa e distorcida do próprio corpo. Por isso, vivem em uma constante busca pelo corpo perfeito, de acordo com os padrões de beleza impostos pela mídia. Segundo a profissional, os homens são os que mais sofrem com esse transtorno.

Em geral, o vigoréxico está sempre insatisfeito. Mesmo que tenha músculos e uma boa fisionomia, ao se olhar no espelho, se vê fraco e magro. Por isso encontram nos exercícios físicos a cura para o seu problema. Entretanto, como o corpo que consideram perfeito é um ideal inatingível, em razão dos sentimentos de inferioridade e da visão deformada da própria aparência, essas pessoas estão mais sujeitas a desenvolver quadros de depressão e ansiedade.

“O vigoréxico necessita de apoio médico, de nutricionista, preparador físico, psicólogo e psiquiatra. Seu emocional necessita de apoio e orientação, necessita tomar consciência do mal que estava impondo a si mesmo”, alerta a médica. Além disso, o apoio familiar é fundamental para o tratamento. E mesmo após o tratamento é importante que o indivíduo persista em manter o acompanhamento profissional.

Acompanhe a série “Vida Saudável”:

1) Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil (24/2)

2) Uso excessivo de equipamentos eletrônicos prejudica visão (26/2)

3) Brincar é coisa séria, e precisa ser tarefa diária de toda criança (2/3)

4) Mulheres têm 7 vezes mais chances do que homens de apresentar disfunção hormonal (5/3)

5) Prática exagerada de exercícios físicos pode desencadear doença: a vigorexia (9/3)

6) Descubra como amenizar a calvície (12/3)

7) Confira dicas para evitar chulé (16/3)

8) Alimentação adequada é remédio contra a osteoporose (19/3)

9) O que é pé diabético? (23/3)

10) O que comer antes e após a atividade física (26/3)

11) Saiba como trabalhar o estresse pós-traumático (30/3)

12) Enxaqueca tem cura (2/4)

13) Conheça os sintomas da febre Chikungunya (6/4)

14) O que é mordida cruzada? (9/4)

15) Saúde bucal é essencial para uma boa gestação (13/4)

16) Dietas malucas: fuja delas (16/4)

17) Conheça as vantagens do parto normal (20/4)

18) O tabu do sexo na gravidez (23/4)

19) Saiba como se alimentar direito durante a gestação (27/4)

20) Proteção é essencial para evitar a Aids (30/4)

Publicidade

Dê sua opinião

Prática exagerada de exercícios físicos pode desencadear doença: a vigorexia

Na 4ª matéria da série “Vida Saudável”, psicóloga alerta sobre os prejuízos que a busca pelo corpo perfeito pode trazer ao indivíduo. Isso não é saúde, é doença

Por Rosana Romão em Bem-Estar

9 de março de 2015 às 11:00

Há 4 anos
Vigorexicos raramente admitem sua condição, por isso o diagnóstico e o início do tratamento costumam ser instituídos tardiamente. (Flickr/ Creative Commons/ Nutrição e esporte)

Vigorexicos raramente admitem sua condição, por isso o diagnóstico e o início do tratamento costumam ser instituídos tardiamente. (Flickr/ Creative Commons/ Nutrição e esporte)

Praticar uma atividade física regularmente para deixar o corpo em forma é super saudável e indicado pelos médicos. Porém, quando o indivíduo passa a exagerar nos exercícios, indo além da carga horária de treinos e mostrando-se dependente da suplementação em busca de apresentar um corpo perfeito, a situação pode não ser tão saudável.

Ao se olhar no espelho, eles veem sua própria imagem de forma distorcida. Apesar de musculosos, enxergam-se franzinos. Esses sintomas são referentes à vigorexia, um subtipo do transtorno dismórfico corporal, distúrbio classificado como uma das manifestações do espectro do Transtorno Obsessivo-Compulsivo – TOC. Porém, portadores da vigorexia raramente admitem sua condição. Em consequência disso, o diagnóstico e o início do tratamento costumam ser instituídos tardiamente.

Quem sofre dessa doença psicológica apresenta sintomas como insônia, ritmo cardíaco alterado mesmo em repouso, depressão, irritabilidade, impotência, ansiedade, perda de apetite, dores musculares, maior suscetibilidade a infecções, maior incidência de lesões, tremores, desinteresse por atividades ou assuntos que não sejam ligados à atividade física intensa e cansaço. O indivíduo esquece de si, dos familiares e amigos em busca do que acredita ser o “corpo perfeito”.

Segundo a psicóloga Lívia Vieira, da rede de saúde Hapvida, a insegurança, emocional fragilizado e o fator sociocultural são sintomas que predispõem a doença, além dos desequilíbrios de neurotransmissores do sistema nervoso central. Quando acometido pela vigorexia, o indivíduo se manifesta infeliz, insatisfeito e apresenta imagem negativa e distorcida do próprio corpo. Por isso, vivem em uma constante busca pelo corpo perfeito, de acordo com os padrões de beleza impostos pela mídia. Segundo a profissional, os homens são os que mais sofrem com esse transtorno.

Em geral, o vigoréxico está sempre insatisfeito. Mesmo que tenha músculos e uma boa fisionomia, ao se olhar no espelho, se vê fraco e magro. Por isso encontram nos exercícios físicos a cura para o seu problema. Entretanto, como o corpo que consideram perfeito é um ideal inatingível, em razão dos sentimentos de inferioridade e da visão deformada da própria aparência, essas pessoas estão mais sujeitas a desenvolver quadros de depressão e ansiedade.

“O vigoréxico necessita de apoio médico, de nutricionista, preparador físico, psicólogo e psiquiatra. Seu emocional necessita de apoio e orientação, necessita tomar consciência do mal que estava impondo a si mesmo”, alerta a médica. Além disso, o apoio familiar é fundamental para o tratamento. E mesmo após o tratamento é importante que o indivíduo persista em manter o acompanhamento profissional.

Acompanhe a série “Vida Saudável”:

1) Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil (24/2)

2) Uso excessivo de equipamentos eletrônicos prejudica visão (26/2)

3) Brincar é coisa séria, e precisa ser tarefa diária de toda criança (2/3)

4) Mulheres têm 7 vezes mais chances do que homens de apresentar disfunção hormonal (5/3)

5) Prática exagerada de exercícios físicos pode desencadear doença: a vigorexia (9/3)

6) Descubra como amenizar a calvície (12/3)

7) Confira dicas para evitar chulé (16/3)

8) Alimentação adequada é remédio contra a osteoporose (19/3)

9) O que é pé diabético? (23/3)

10) O que comer antes e após a atividade física (26/3)

11) Saiba como trabalhar o estresse pós-traumático (30/3)

12) Enxaqueca tem cura (2/4)

13) Conheça os sintomas da febre Chikungunya (6/4)

14) O que é mordida cruzada? (9/4)

15) Saúde bucal é essencial para uma boa gestação (13/4)

16) Dietas malucas: fuja delas (16/4)

17) Conheça as vantagens do parto normal (20/4)

18) O tabu do sexo na gravidez (23/4)

19) Saiba como se alimentar direito durante a gestação (27/4)

20) Proteção é essencial para evitar a Aids (30/4)