Nem todo mundo se adequa ao jejum intermitente; saiba se é o seu caso

SAIBA COMO FUNCIONA

Nem todo mundo se adequa ao jejum intermitente; saiba se é o seu caso

O jejum intermitente consiste na queima de gorduras de reserva do organismo. Mas o método não é indicado para todo mundo

Por Daniel Rocha em Bem-Estar

25 de novembro de 2017 às 06:45

Há 2 meses

O método consiste na queima de gordura reserva do organismo (FOTO: Freepik)

Algumas pessoas estão aderindo ao jejum intermitente para perder alguns quilos e conquistar o peso ideal. O método consiste em intercalar períodos de jejum com os da alimentação para que o corpo utilize o “estoque” de gordura, reduzindo a massa gorda.

De acordo com a nutricionista Ismênia Marques, a pessoa que adere a essa técnica fica sem comer por algumas horas para conseguir o resultado desejado. As informações são do programa Tribuna Band News FM, da Tribuna BandNews FM.

Ismênia explica que há diversos tipos de jejum. Há o de 12 horas, quando o praticante deixa a última refeição para as 20h e come novamente às 8h do outro dia. Tem o jejum de 16h, que é o mais praticado, em que a pessoa come às 20h e deixa a próxima refeição até às 12h.

De acordo com a nutricionista, o mais comum é o de 16h, mas ela alerta que não pode ser realizado todos os dias. O ideal é que ocorra por duas ou três vezes na semana. Ismênia explica que, durante o período sem alimentação, é recomendado ingerir líquidos sem calorias, como água e chás.

Apesar dos resultados desse método, nem todo mundo está apto para aderir. “Pessoas que têm transtornos de ansiedade não podem fazer porque você passa longos períodos sem se alimentar. A pessoa com esse transtorno precisa estar comendo carboidratos para a manutenção das funções do cérebro”, explica. Além desse público, gestantes, crianças e adolescentes também não estão permitidos adotar a técnica.

De acordo com Ismênia Marque, estudos mostram que o jejum intermitente tem ajudado na saúde cardiovascular e na longevidade, sem contar de facilitar o processo de emagrecimento. Além disso, recomenda que as pessoas que têm interesse no método façam a técnica aos poucos.

“Como algumas pessoas não têm o metabolismo eficiente de queima de gordura, podem se sentir mal. Mas isso é algo momentâneo. O ideal é que a pessoa vá entrando no jejum aos poucos”, recomenda.

Por esse motivo, a orientação é que se inicie com períodos curtos, com refeições ricas de alimentos saudáveis, como frutas e verduras, antes e depois do jejum. Além disso, para que não tenha complicações, a dieta deve ser repassada por um profissional de nutrição.

Confira a entrevista feita pela Tribuna Band News. 

 

Publicidade

Dê sua opinião

SAIBA COMO FUNCIONA

Nem todo mundo se adequa ao jejum intermitente; saiba se é o seu caso

O jejum intermitente consiste na queima de gorduras de reserva do organismo. Mas o método não é indicado para todo mundo

Por Daniel Rocha em Bem-Estar

25 de novembro de 2017 às 06:45

Há 2 meses

O método consiste na queima de gordura reserva do organismo (FOTO: Freepik)

Algumas pessoas estão aderindo ao jejum intermitente para perder alguns quilos e conquistar o peso ideal. O método consiste em intercalar períodos de jejum com os da alimentação para que o corpo utilize o “estoque” de gordura, reduzindo a massa gorda.

De acordo com a nutricionista Ismênia Marques, a pessoa que adere a essa técnica fica sem comer por algumas horas para conseguir o resultado desejado. As informações são do programa Tribuna Band News FM, da Tribuna BandNews FM.

Ismênia explica que há diversos tipos de jejum. Há o de 12 horas, quando o praticante deixa a última refeição para as 20h e come novamente às 8h do outro dia. Tem o jejum de 16h, que é o mais praticado, em que a pessoa come às 20h e deixa a próxima refeição até às 12h.

De acordo com a nutricionista, o mais comum é o de 16h, mas ela alerta que não pode ser realizado todos os dias. O ideal é que ocorra por duas ou três vezes na semana. Ismênia explica que, durante o período sem alimentação, é recomendado ingerir líquidos sem calorias, como água e chás.

Apesar dos resultados desse método, nem todo mundo está apto para aderir. “Pessoas que têm transtornos de ansiedade não podem fazer porque você passa longos períodos sem se alimentar. A pessoa com esse transtorno precisa estar comendo carboidratos para a manutenção das funções do cérebro”, explica. Além desse público, gestantes, crianças e adolescentes também não estão permitidos adotar a técnica.

De acordo com Ismênia Marque, estudos mostram que o jejum intermitente tem ajudado na saúde cardiovascular e na longevidade, sem contar de facilitar o processo de emagrecimento. Além disso, recomenda que as pessoas que têm interesse no método façam a técnica aos poucos.

“Como algumas pessoas não têm o metabolismo eficiente de queima de gordura, podem se sentir mal. Mas isso é algo momentâneo. O ideal é que a pessoa vá entrando no jejum aos poucos”, recomenda.

Por esse motivo, a orientação é que se inicie com períodos curtos, com refeições ricas de alimentos saudáveis, como frutas e verduras, antes e depois do jejum. Além disso, para que não tenha complicações, a dieta deve ser repassada por um profissional de nutrição.

Confira a entrevista feita pela Tribuna Band News.