Tribuna Band News FM Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Tribuna Band News FM

“Espero muita solidariedade de Eunício”, diz Roberto Cláudio

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

02 de Fevereiro de 2017

Roberto Cláudio, prefeito de Fortaleza, em entrevista à rádio TBN, do Sistema Jangadeiro

O prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT) concedeu entrevista à rádio Tribuna Band News FM (101.7), na manhã desta quinta-feira. Perguntei ao prefeito como ele vê a eleição de Eunício Oliveira (PMDB) para a presidência do Senado, ocorrida ontem. Lembrei, mais para os ouvintes, que cabe ao Senado aprovar operações financeiras externas – como empréstimos e financiamentos – para a União, estados e municípios.

Polido e conciso, Roberto Cláudio desejou sorte ao senador e disse esperar “muita solidariedade com o Ceará e com Fortaleza”. A respeito de eventuais implicações na articulação política aqui no Estado, com desdobramentos nas eleições de 2018 – perguntei feita pela jornalista Jéssica Welma, do portal Tribuna do Ceará -, o prefeito saiu pela tangente, afirmando que as demandas administrativas da prefeitura exigem toda sua atenção e energia, deixando questões políticas em segundo plano.

A resposta combina com o estilo pessoal de Roberto Cláudio, mas também revela o cuidado do gestor com as necessidades e obrigações institucionais sob sua responsabilidade. Resta saber se o restante do PDT seguirá essa mesma linha de cautela.

Publicidade

Deputados governistas criam CPIs fakes para impedir investigação do Acquario Ceará. Coisa linda…

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

20 de Maio de 2015

Meu comentário desta quarta-feira na coluna Política, da Tribuna Band News FM.

A oposição na Assembleia Legislativa do Ceará, com o PMDB à frente, conseguiu 14 assinaturas para instalar a CPI do Acquario Ceará. O objetivo é investigar as denúncias de irregularidades publicadas na imprensa e questionadas pelo Ministério Público e a Justiça, especialmente no que diz respeito à dispensa de licitação e ao empréstimo feito junto a um banco dos Estados Unidos, sem sede no Brasil.

Acontece que na hora de protocolar a o pedido os opositores ficaram sabendo que outras três comissões já estavam na fila, por iniciativa de parlamentares governistas: uma para apurar fraudes no seguro DPVAT, outra para a questão do narcotráfico e mais uma sobre exploração sexual.

Essa quantidade de solicitações impede a criação de uma nova CPI. É que o Regimento Interno da AL, no seu Artigo 53, Parágrafo 3º, não permite o funcionamento simultâneo de mais de duas comissões parlamentares. Na prática, sabendo disso, os governistas correram para lotar a fila de espera com pedidos de última hora e assim sabotar um direito básico da oposição e do próprio parlamento.

O truque, aliás, é velho. Em 2010, os então deputados pelo PSB, Roberto Cláudio (hoje prefeito de Fortaleza) e Edson Silva protocolaram as comissões da Pirataria e do Narcotráfico – que não deram em nada, claro – só para impedir a CPI do Castelão. Dessa vez nem disfarçaram e repetiram até o mesmo tema de uma: narcotráfico.

Ocorre que, segundo o já citado regimento interno da Assembleia Legislativa, uma CPI necessita ter, obrigatoriamente, fato determinado a ser investigado (Art. 53, Parágrafo 1º, Inciso I). No presente caso, somente a CPI do Seguro DPVAT atende a esse requisito. Tráfico de drogas e exploração sexual são crimes abrangentes, sem autores específicos. A quem acusam nesses dois pedidos? A ninguém, pois são de mentira.

É claro que existe aí uma disputa política. A oposição, com um pouco de organização, conseguiu colocar o governo contra a parede. Quando isso acontece (como é próprio das democracias), é preciso que o comando da casa atue como magistrado, sem tomar parte, atendo-se ao andamento correto dos processos. É preciso preservar, acima de tudo, as instituições.

Diante de tudo isso, dos precedentes e do modo como foram feitas as coisas, essas CPIs artificiais, criadas para cassar do parlamento o direito (que é também dever) de investigar atos do governo, devem ser indeferidas pelo presidente Zezinho Albuquerque (PROS), já que estão flagrantemente em desacordo com os preceitos do regimento e da própria noção de respeito à população.

Caso contrário, o legislativo cearense se colocará de humilhantemente de joelhos perante os interesses do executivo. Será a escolha definitiva entre a autonomia e a submissão total.

Notas

– A CPI do narcotráfico foi solicitada pela deputada Rachel Marques, do PT; a da exploração sexual é obra da deputada Bethrose, do PRP (alguém já conhecia o PRP?); a do DPVAT é iniciativa do deputado José Sarto, da sigla de aluguel PROS;

– Zezinho Albuquerque foi eleito com os votos da oposição também, com exceção do PSOL.

Publicidade

Sobre a entrevista com Camilo na Band News: só falta combinar com os russos

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

06 de Janeiro de 2015

Camilo Santana no estúdio da Tribuna Band News.

Camilo Santana no estúdio da Tribuna Band News

Em entrevista na rádio Tribuna Band News nesta terça-feira, o governador Camilo Santana reafirmou a necessidade de cortar gastos de custeio e elencou seca, segurança e saúde como prioridades de sua gestão. Ao falar sobre esses temas, o governador voltou a defender novas fontes de financiamento para a saúde, anunciou uma campanha de uso racional da água e se comprometeu, mais uma vez, a dialogar de forma aberta com policiais militares e a corrigir distorções salariais na corporação.

Leia mais: Camilo Santana vai discutir ações de combate à violência no Ceará com especialistas do Rio.

Participei da entrevista, no programa do Nonato Albuquerque, junto com a jornalista Jocasta Pimentel. A impressão que tive foi de um gestor comprometido com o que diz. Camilo não esconde ou diminui a gravidade dos problemas que hoje afligem os cearenses, não promete milagres e diz sem rodeios que soluções precisam caber no orçamento.

O compromisso com o diálogo e com a responsabilidade fiscal é bom presságio e as primeiras declarações da nova gestão parecem convergir para essa disposição.

Esse é o famoso momento em que o novo gestor pode contar com a paciência de todos, uma vez que tudo ainda é novidade. Assim como nos casamentos, inícios de governo são repletos de esperanças e boas intenções, que serão testadas ao longo do tempo. Estar disposto a dialogar, por exemplo, não é garantia de acordo, embora seja um avanço considerável em relação à gestão anterior. Em muitos momentos – às vezes em momentos cruciais -, impasses paralisam negociações. É nessa hora que as juras são colocadas à prova.

Os russos
A estratégia está montada e a equipe devidamente escalada para o jogo. Existe a consciência de que nada será fácil, mas o grupo está confiante. No país das metáforas futebolísticas, o quadro lembra a vez em que o técnico da Seleção Brasileira na Copa da Suécia (58), Vicente Feola, reuniu o time para mostrar como os jogadores deveriam atuar contra a União Soviética na primeira fase da competição. Resumindo, cada um fazendo conforme o orientado, o gol sairia e a vitória estaria garantida. Ao final da preleção, Mané Garrincha, que era reserva, indagou: “Tudo bem, seu Feola, mas o senhor já combinou tudo isso com os russos?”.

Moral da história: preleção é preleção, jogo é jogo.

PS. Garrincha jogou e o Brasil venceu os russos e depois ganhou sua primeiro título em 58. Pelé, outro reserva, também virou titular durante o torneio.

Publicidade

Policlínica no Ceará se iguala aos hospitais dos EUA e deixa o Sul com “dor de cotovelo”? Menos, pessoal…

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

09 de dezembro de 2013

Meu comentário desta segunda-feira na rádio Tribuna Bandnews:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/12/POLITICA_WANDERLEYFILHO_0912_SEGUNDA_156.mp3″]

 

Texto

A inauguração da policlínica regional do município de Tianguá, na última sexta-feira (6), foi marcada por declarações carregadas de emoção.

– O governador Cid Gomes (Pros) declarou que o equipamento “não tem diferença nenhuma para as clínicas dos Estados Unidos”.

– No embalo, o secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, Odorico Monteiro, não deixou por menos e afirmou que o feito “está provocando inveja, deixando o Sul do país com dor de cotovelo”.

– Tocado por esse espírito de exaltação fraterna, o deputado Zezinho Albuquerque (Pros), presidente da Assembleia Legislativa, anunciou que “Cid Gomes está transformando os sonhos do Ceará em realidade”, com “a construção da melhor rede de saúde do país”.

É natural que gestores públicos tenham orgulho das obras que entregam. É compreensível o entusiasmo. As policlínicas são uma boa iniciativa e têm tudo para dar certo. Inauguradas, vamos torcer para que funcionem corretamente e que tragam os resultados esperados.

Mas esses arroubos desmedidos que anunciam milagres a toda hora, acabam distorcendo a realidade e criando ilusões. Quem não lembra dos elogios rasgados com que aduladores aplaudiam os investimentos em segurança pública, lá no início da atual gestão? Deu no que deu! E sem as devidas cobranças e correções, a área é hoje o grande fiasco do governo, apesar de ser uma das que mais recebem recursos.

As policlínicas constituem um avanço e são realmente importantes, mas não fazem do sistema de saúde do Ceará a melhor do Brasil, muito menos iguala a nossa realidade com a dos EUA. Se ficarem doentes, esses políticos agora festejam a obra, não irão procurar a unidade de Tianguá, mas o hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

O resto é exagero alimentado pelo clima de palanque eleitoral.

leia tudo sobre

Publicidade

Comissões fantasmas na Câmara e as desculpas esfarrapadas de sempre

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

17 de outubro de 2013

Meu comentário na Coluna Política desta quinta-feira, na rádio Tribuna Bandnews 101.7 FM, sobre a denúncia de comissões fantasmas na Câmara Municipal de Fortaleza.

Trecho

“Infelizmente, casos assim se multiplicam Brasil afora e Ceará adentro. Esses cabides de emprego para acomodar indicações políticas são vistos como coisa natural nos parlamentos. Tem funcionário fantasma na Câmara que recebe sem trabalhar há pelo menos 20 anos. Jornalista fantasma então, nem se fala…”.

Para ouvir a íntegra:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/10/POLÍTICA-WANDERLEY-FILHO-Comissões-fantasmas-e-desculpas-esfarrapadas.mp3″]

Publicidade

Na Tribuna BandNews FM: Que tal um plebiscito local sobre a saúde?

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

04 de julho de 2013

Minha coluna desta quinta na Tribuna BandNews FM – 101.7.

Médicos protestam em Fortaleza por melhores condições de trabalho. Quem conhece um, sabe o que eles passam. Foto: Tribuna do Ceará

Médicos protestam em Fortaleza por melhores condições de trabalho, enquanto políticos propõem um plebiscito para a obra do Acquário. Foto: Tribuna do Ceará

Agora, de repente, é grande a quantidade de governantes e parlamentares que enxergam nas consultas populares a solução para os males do Brasil. É evidente que se trata de uma reação aos protestos que cobram mais ética e eficiência nos gastos públicos, é o esboço improvisado de uma resposta que possa vir a acalmar a indignação geral contra a corrupção e a incompetência.

Nesse espírito, foi aprovado ontem, com folga, na Câmara Municipal de Fortaleza, o requerimento que pede regime de urgência no projeto de um plebiscito para saber se a população aprova ou rejeita o projeto do aquário do Ceará, do governo estadual.

A iniciativa, aliás, conta com o apoio do governador Cid Gomes, mas a questão é bem mais complicada do que parece.

A Lei Orgânica do município não exige que o tema do plebiscito seja trabalhado em campanha de esclarecimento, nem determina que a questão seja apresentada de forma clara e objetiva, como acontece com as constituições estadual e federal (ver mais no post A moda plebiscitária chegou ao Ceará).

Por se tratar de um assunto que envolve temas complexas, como legislação ambiental e economia, sobre as quais nem os próprios vereadores chegaram a um acordo, são muitas as dúvidas que ainda devem ser esclarecidas.

Enquanto isso, no mesmo dia em que o plebiscito era discutido na câmara, médicos fizeram um protesto em frente ao Palácio da Abolição pedindo melhores condições de trabalho. Quem conhece um médico, tem um parente nessa área, sabe o que eles passam, quando tentam socorrer as pessoas improvisando macas, sem remédios para ministrar, sem explicações para oferecer aos acompanhantes, sem material hospitalar.

Sobre isso, não há quem peça um plebiscito, porque todos sabem que serão reprovados em qualquer consulta. Porque isso depende exclusivamente da qualidade do trabalho de quem administra a área e de quem deve fiscalizar a aplicação dos recursos: justamente, os governantes e os parlamentares.

Mais fácil é fazer plebiscito sobre um tema que não queime o filme de ninguém. Dá a impressão de que algo está sendo feito, enquanto tudo continua como sempre foi.

Confira o áudio:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/07/POLITICA-WANDERLEY-FILHO-0407_214.mp3″]

 

Publicidade

Sobre os protestos: Se você não pode com eles, junte-se a eles!

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

22 de junho de 2013

Transcrição do meu comentário deste sábado na Tribuna BandNews FM 101.7

Governantes elogiam os protestos porque não têm alternativa. Não há como respondê-los, pois eles querem uma nova cultura política. Foto: Tribuna do Ceará

Governantes elogiam os protestos porque não têm alternativa. Não há como respondê-los, pois eles querem uma nova cultura política. Foto: Tribuna do Ceará

Cid Gomes falou sobre as mobilizações populares que marcaram a semana no Brasil e no Ceará, especialmente em Fortaleza. Segundo o governador, os manifestantes estão cobrando que a capacidade demonstrada na construção dos estádios para a Copa do Mundo seja a mesma para ações de educação, saúde e segurança pública.

Olha, é isso mesmo! Embora a fala do governador obviamente procure amenizar o tom crítico das manifestações, o fato é que elas estão longe de ser um elogio às poucas obras que foram feitas para a competição: o que elas enfatizam mesmo é a desaprovação em relação a tudo o que NÃO é feito.

A questão é que a prioridade verificada nos compromissos dos governos com a Fifa contrasta com a falta de resultados observada nos compromissos assumidos com o eleitor em diversas outras áreas. Esse é o ponto.

As declarações foram dadas em entrevista após um evento no Centro de Convenções. Em seguida, Cid foi à Assembleia Legislativa, onde participou de uma reunião com um grupo de manifestantes. Na ocasião, ele afirmou que irá investigar possíveis excessos cometidos pela polícia e revelou que pode fazer um plebiscito sobre a construção do aquário na Praia de Iracema, que é um dos pontos criticados em diversas várias manifestações.

É o seguinte: pela natureza de suas atividades, políticos utilizam técnicas de comunicação com a destreza de profissionais. Assim, com serenidade, o governador elogia os protestos e minimiza a participação de vândalos nos eventos para ganhar a simpatia do público e tentar, de quebra, descolar a imagem da sua gestão das críticas feitas nas ruas. Ele consegue enaltecer seus próprios feitos ao mesmo tempo em que diz concordar com a essência dos protestos, que condenam justamente os gestores públicos. É a velha estratégia do famoso ditado: se você não pode com o inimigo, junte-se a ele.

Tudo isso faz parte do jogo. Mas é bom lembrar que esse sentimento que tomou conta do Brasil não se resume uma pontual exigência por mais competência gerencial. É isso, mas também é um grito de basta contra uma cultura política que se caracteriza, sobretudo, pelas alianças de conveniência, os escândalos e os favorecimentos, em detrimento das convicções, da ética e do respeito aos cidadãos.

Publicidade

Fé na fraude, crença na impunidade e desprezo pelo mérito

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

03 de junho de 2013

Texto desenvolvido a partir do meu comentário desta segunda na Tribuna BandNews FM – 101.7

A cultura da trapaça que nasce da aposta na impunidade. O crime não é fruto apenas das adversidades, mas antes das falhas morais.

A cultura da trapaça que nasce da aposta na impunidade. O crime não é fruto apenas das adversidades, mas antes das falhas morais.

Sete pessoas foram presas no domingo (2) em Fortaleza, acusadas de fraudar concursos públicos. Segundo o Ministério Público do Ceará, que conduziu a investigação junto com a polícia, a quadrilha já vinha sendo investigada há algum tempo e foi flagrada, coincidentemente, durante uma prova para o próprio MP.

No país da impunidade, muitos acreditam que errado é fazer o certo e que certo é fazer o errado, alimentando a cultura do “se dar bem a qualquer custo”.

Muito se diz que a violência e o crime prosperam no Brasil principalmente por causa da falta de educação formal e da pobreza, uma meia-verdade que enconbre um preconceito antigo e influente. Não foram miseráveis ignorantes que tentaram comprar uma vaga no serviço público por 30 mil reais, preço cobrado pela quadrilha. Nesses casos, a educação e a posição social serviram apenas para sofisticar o tipo de crime cometido. O problema não é de escolaridade ou de classe, é, primordialmente, uma questão moral.

Gente assim não se acha criminosa, pelo contrário!, acredita que apenas faz o que todos fazem. Olham para as presidências de algumas casas legislativas, para os indicados de certas estatais, secretarias e ministérios, para algumas prefeituras e governos estaduais, e concluem, por dedução lógica, que a trapaça é a única garantia de sucesso e legítima prova de sagacidade. Não se imaginam de forma alguma párias e corruptos. Não raro, pegos em flagrante, ainda se consideram vítimas injustiçadas.

O pior é não se trata de uma prática restrita a poucos. Na verdade, a inspiração que motivou os clientes da quadrilha dos concursos está disseminada em outras paragens, desde os golpes contra o Bolsa Família e a Previdência Social, até compra de atestado médico para faltar o trabalho, oferta de propina a fiscais, voto em troca de dinheiro, e por aí vai.

Farsantes, trapaceiros, bandidos e corruptos existem em todos os países. A diferença é como cada um deles pune e inibe esses maus elementos, ou, dito de outro modo, como protegem a maioria honesta. O grupo que atuava em concursos foi pegos, mas com mandados de prisão temporária. Ainda que sejam condenados, daqui a pouco estarão todos soltos e a cultura da impunidade continuará firme e forte, sustentando grandes e pequenos trambiqueiros às custas da gente trabalhadora que vive imersa em suas obrigações, sem ter como se mobilizar, crentes de que não há mais jeito para mudar a realidade. Quem haverá de discordar?

leia tudo sobre

Publicidade

Ah, se o problema da segurança no Ceará fosse apenas denúncias de milícias…

Por Wanfil em Segurança, Tribuna Band News FM

25 de Maio de 2013

Meu comentário deste sábado na rádio Tribuna BandNews FM 101.7

Durante toda esta semana falamos sobre a questão da segurança pública, como parte da série especial Por um Ceará mais Seguro, do Sistema Jangadeiro.

As matérias mostraram que as autoridades da área estão cientes da gravidade da situação. Vimos ainda que outros estados conseguiram, com razoável sucesso, mobilizar a sociedade na tarefa de reduzir a criminalidade.

Mas, diante disso, fica a pergunta: O que falta então para fazer recuar a violência no Ceará?

Acusei aqui na coluna para a politização negativa desse debate, que acaba se perdendo em discussões sem efeito prático. Agora os responsáveis por garantir a segurança no estado pautam o problema a partir de denúncias de supostas milícias formadas por policiais militares, como se essa fosse a causa dos absurdos índices criminalísticos no estado.

Se existem milícias, que sejam investigadas, claro, e que seus membros sejam punidos, mas a verdade é que nem de longe essa será a solução para o descontrole que se vê nas ruas.

Em entrevista exibida aqui na Tribuna BandNews, o promotor de Justiça José Filho revelou que 92% dos assassinatos cometidos no estado não tem seus autores identificados. Ou seja, existe uma grave deficiência nos setores investigativos da polícia, falha que resulta em mais impunidade, em mais estímulo para os criminosos.

Esse é apenas um exemplo, entre tantos outros, de erros que podem ser estudados e devidamente corrigidos. Os desafios são grandes e se acumulam. As medidas adotadas até o momento não surtem efeito. E o pior é que, diante do agravamento da situação, boa parte das lideranças políticas do Ceará fecha os olhos para a realidade que os desafia e que assusta a população. Preferem acreditar que a gestão vai bem e que tudo não passa de intriga de adversários. Como diz o ditado, o pior cego é o que não quer ver.

Todas as matérias da série por um ceará mais seguro podem ser conferidas no site Tribuna do Ceará.

Para ouvir o comentário:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/05/POLITICA_WANDERLEY-FILHO_2505-T-0210.mp3″]

Publicidade

Governador, os inimigos não são os policiais, são os bandidos! Ou: Contando os mortos

Por Wanfil em Segurança, Tribuna Band News FM

16 de Maio de 2013

Meu comentário desta quinta na rádio Tribuna BandNews FM 101.7

Na noite da última segunda-feira (13) um estudante universitário foi assassinado vítima de uma tentativa de assalto no bairro Luciano Cavalcante, em Fortaleza.

Diariamente, assistimos impotentes a escalada da violência no Ceará.  Cada vez mais novas tragédias são registradas, mais vidas são interrompidas, de tal modo que nos resta somente conferir, incrédulos, a contagem de mortos subir assustadoramente, como só se vê nas guerras.

De acordo com dados divulgados ontem (15) pela Secretaria de Segurança, 1.356 pessoas foram assassinadas no Ceará somente nos quatro primeiros meses do ano. Na capital, foram registrados 661 homicídios, o que corresponde a um aumento de 30% na comparação com o ano passado.

Enquanto isso, o Governo do Estado anuncia as negociações com as associações de policiais militares estão encerradas, criando um impasse de consequências imprevisíveis, entre as quais, uma nova greve da PM.

Pior ainda é ver as autoridades responsáveis pela área dizerem que o descontentamento da corporação inteira é obra de apenas meia dúzia de líderes que agem para atingir politicamente o governo.

A essa altura, fechar os olhos e os ouvidos para as reivindicações dos policiais e subestimar a insatisfação generalizada que os motiva apenas revela que o comando não sabe o que fazer para resolver o problema, deixando no ar, de quebra, a suspeita de que o que está ruim pode piorar.

O momento deveria ser de apaziguamento, de diálogo, de humildade para reconhecer falhas, de revisão de estratégias e de novas propostas! É preciso lembrar o governo de que o seu verdadeiro inimigo não são os policiais, mas os bandidos! Eles é que precisam “sentir o braço firme da lei”.

Portanto, agir para criar mais impasses e constrangimentos, desmotivando ainda mais as forças de seguranças, e justo quando a criminalidade explode, é de uma irresponsabilidade que somente poderá ser medida na macabra contagem de mortos que não para de subir. Mas aí poderá ser tarde demais para qualquer um de nós ou de nossos amigos e familiares.

Para ouvir o comentário:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/05/POLITICA_WANDERLEY-FILHO_1605-T-0217.mp3″]

Publicidade

Governador, os inimigos não são os policiais, são os bandidos! Ou: Contando os mortos

Por Wanfil em Segurança, Tribuna Band News FM

16 de Maio de 2013

Meu comentário desta quinta na rádio Tribuna BandNews FM 101.7

Na noite da última segunda-feira (13) um estudante universitário foi assassinado vítima de uma tentativa de assalto no bairro Luciano Cavalcante, em Fortaleza.

Diariamente, assistimos impotentes a escalada da violência no Ceará.  Cada vez mais novas tragédias são registradas, mais vidas são interrompidas, de tal modo que nos resta somente conferir, incrédulos, a contagem de mortos subir assustadoramente, como só se vê nas guerras.

De acordo com dados divulgados ontem (15) pela Secretaria de Segurança, 1.356 pessoas foram assassinadas no Ceará somente nos quatro primeiros meses do ano. Na capital, foram registrados 661 homicídios, o que corresponde a um aumento de 30% na comparação com o ano passado.

Enquanto isso, o Governo do Estado anuncia as negociações com as associações de policiais militares estão encerradas, criando um impasse de consequências imprevisíveis, entre as quais, uma nova greve da PM.

Pior ainda é ver as autoridades responsáveis pela área dizerem que o descontentamento da corporação inteira é obra de apenas meia dúzia de líderes que agem para atingir politicamente o governo.

A essa altura, fechar os olhos e os ouvidos para as reivindicações dos policiais e subestimar a insatisfação generalizada que os motiva apenas revela que o comando não sabe o que fazer para resolver o problema, deixando no ar, de quebra, a suspeita de que o que está ruim pode piorar.

O momento deveria ser de apaziguamento, de diálogo, de humildade para reconhecer falhas, de revisão de estratégias e de novas propostas! É preciso lembrar o governo de que o seu verdadeiro inimigo não são os policiais, mas os bandidos! Eles é que precisam “sentir o braço firme da lei”.

Portanto, agir para criar mais impasses e constrangimentos, desmotivando ainda mais as forças de seguranças, e justo quando a criminalidade explode, é de uma irresponsabilidade que somente poderá ser medida na macabra contagem de mortos que não para de subir. Mas aí poderá ser tarde demais para qualquer um de nós ou de nossos amigos e familiares.

Para ouvir o comentário:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/05/POLITICA_WANDERLEY-FILHO_1605-T-0217.mp3″]