Vaccari Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Vaccari

Mexeu com nossos corruptos, mexeu comigo

Por Wanfil em Corrupção

17 de Abril de 2015

Bancada federal do PT no Ceará posa contra a terceirização. Não sensibilizou, mas o time continua unido pelo instinto de autopreservação. Não mexam com o Vaccari!

Bancada federal do PT no Ceará posa contra a terceirização. Não sensibilizou, mas o time continua unido pelo instinto de autopreservação. Não mexam com o Vaccari!

A prisão do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores João Vaccari Netto, acusado, entre outras coisas, de lavagem de dinheiro, ofuscou a mobilização que próceres da sigla vinham fazendo contra o Projeto de Lei 4.330, que amplia as possibilidades de terceirização no Brasil. O movimento foi batizado de “mexeu no direito do trabalhador, mexeu comigo”.

Sem entrar no mérito do projeto agora, do ponto de vista de estratégia política, além de tirar o foco das notícias sobre corrupção, a iniciativa se pretendia uma espécie de volta às raízes do antigo PT de lutas. É a tentativa de resgatar o prestígio perdido, inclusive entre muitos dos seus militantes, decepcionados com medidas que de fato mexeram em direitos trabalhistas, como as recentes mudanças que dificultam o acesso ao seguro desemprego, ou no caso dos cortes para pensionistas. A ideia não sensibilizou o público, desconfiado com tantos escândalos, mas acenava internamente com uma possível mudança na agenda negativa que abateu o partido. A prisão de Vaccari trouxe o PT de volta ao noticiário policial.

O comando nacional do partido reagiu com uma nota em solidariedade ao companheiro preso por corrupção, repetindo a postura adotada diante da condenação dos mensaleiros José Dirceu e José Genuíno, tratados como heróis de sua causa.

E assim, a semana que começou com petistas animados para a campanha “mexeu no direito do trabalhador, mexeu comigo”, termina com todos reunidos no “mexeu com nossos presos por corrupção, mexeu comigo”.

Publicidade

Guimarães diz que prisão de tesoureiro é política! Não é bem assim, deputado

Por Wanfil em Corrupção

16 de Abril de 2015

O deputado federal José Guimarães, líder do governo na Câmara Federal, disse que a prisão de João Vaccari Netto, ex-tesoureiro do PT, foi uma ação política. É o que diz o jornalista Josias de Souza, em seu blog no portal UOL, que tem a Tribuna do Ceará entre seus parceiros.

“Eu acho que é uma prisão política. Não há milagre, não há mão divina nessa história. Vários outros partidos tiveram doações de empresas investigadas pela Lava Jato e foram registradas pelo TSE da mesma forma”. Segundo Josias de Souza, foi o que disse Guimarães. A Tribuna Band News FM, do grupo Jangadeiro, tentou contato com o deputado, sem sucesso, por causa de reuniões políticas e votações na Câmara.

Esse é um raciocínio que outras lideranças do PT estão trabalhando, mas não é bem assim. Vaccari não foi preso por ter recebido, em nome do PT, doações de empresas contratadas pela Petrobras, mas pelo fato de que algumas delas empresas confessaram ter repassado dinheiro desviado da estatal para entregar ao ex-tesoureiro. A lógica é simples: por estar no poder, o PT indica os diretores da Petrobras, responsáveis pelos contratos com as empreiteiras. Milagre seria o esquema ter sido montado para beneficiar os adversários do PT.

Outro ponto: é claro que todos registraram as doações da mesma forma no TSE! Quem declararia dinheiro de propina? É justamente para descobrir quem usou as doações eleitorais para disfarçar ilegalidades que Lava Jato está em curso. Doações, em si, são previstas em lei. A questão, é saber a verdadeira origem desse dinheiro. O destino todos já sabem.

Morte matada ou morte morrida?
Por último, um esclarecimento. Governistas em geral andam dizendo que o PT afastou João Vaccari do cargo. Errado. Foi ele quem pediu afastamento. A diferença é significativa. A saída do tesoureiro não se deu por ação de assepsia, mas por estratégia de defesa de ambos.

O partido divulgou nota de solidariedade ao companheiro preso por corrupção.

Publicidade

Guimarães diz que prisão de tesoureiro é política! Não é bem assim, deputado

Por Wanfil em Corrupção

16 de Abril de 2015

O deputado federal José Guimarães, líder do governo na Câmara Federal, disse que a prisão de João Vaccari Netto, ex-tesoureiro do PT, foi uma ação política. É o que diz o jornalista Josias de Souza, em seu blog no portal UOL, que tem a Tribuna do Ceará entre seus parceiros.

“Eu acho que é uma prisão política. Não há milagre, não há mão divina nessa história. Vários outros partidos tiveram doações de empresas investigadas pela Lava Jato e foram registradas pelo TSE da mesma forma”. Segundo Josias de Souza, foi o que disse Guimarães. A Tribuna Band News FM, do grupo Jangadeiro, tentou contato com o deputado, sem sucesso, por causa de reuniões políticas e votações na Câmara.

Esse é um raciocínio que outras lideranças do PT estão trabalhando, mas não é bem assim. Vaccari não foi preso por ter recebido, em nome do PT, doações de empresas contratadas pela Petrobras, mas pelo fato de que algumas delas empresas confessaram ter repassado dinheiro desviado da estatal para entregar ao ex-tesoureiro. A lógica é simples: por estar no poder, o PT indica os diretores da Petrobras, responsáveis pelos contratos com as empreiteiras. Milagre seria o esquema ter sido montado para beneficiar os adversários do PT.

Outro ponto: é claro que todos registraram as doações da mesma forma no TSE! Quem declararia dinheiro de propina? É justamente para descobrir quem usou as doações eleitorais para disfarçar ilegalidades que Lava Jato está em curso. Doações, em si, são previstas em lei. A questão, é saber a verdadeira origem desse dinheiro. O destino todos já sabem.

Morte matada ou morte morrida?
Por último, um esclarecimento. Governistas em geral andam dizendo que o PT afastou João Vaccari do cargo. Errado. Foi ele quem pediu afastamento. A diferença é significativa. A saída do tesoureiro não se deu por ação de assepsia, mas por estratégia de defesa de ambos.

O partido divulgou nota de solidariedade ao companheiro preso por corrupção.