refinaria Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

refinaria

Negócios da China

Por Wanfil em Ceará

20 de setembro de 2017

Os chineses estudam construir uma refinaria no Ceará; os chineses avaliam financiar a saúde pública estadual (o que ganharão com isso?); os chineses estão de olho na geração de energia por essas bandas; os chineses podem concluir o aquário que já consumiu R$ 130 milhões dos contribuintes cearenses; os chineses descobriram o Ceará. É o que anuncia, dia sim, dia não, o governo do Estado.

Tomara que tudo dê tudo certo, é claro. Ser otimista nunca é demais, embora a experiência recente recomende prudência. As promessas de saltos desenvolvimentistas já tiveram como protagonistas a parceria entre os governos estadual e federal na era petista, a inigualável competência gerencial da mãe do PAC e a Petrobras pré-Lava-Jato. Como a realidade não correspondeu às expectativas geradas de quatro em quatro anos, a solução é fugir reciclar as esperanças acenando com novas possibilidades e novos protagonistas. Agora, no Ceará, a solução vem da China.

Publicidade

A mais nova refinaria do Ceará

Por Wanfil em Ceará

25 de Janeiro de 2017

O assessor Especial de Assuntos Internacionais do Governo do Ceará, Antonio Balhmann, esteve na China onde “iniciou trabalhos de formatação para a implantação da refinaria”. Na semana passada, o governo estadual anunciou que  investidores do Irã também mostraram interesse na instalação de uma refinaria no Ceará.

Tomara que dê tudo certo, não é mesmo? Porém, por motivos óbvios, é bom ter cuidado com o otimismo. Quando a promessa eleitoreira da refinaria da Petrobras começou a ficar insustentável, apesar dos estudos, da pedra fundamental, do plano de investimentos, das renúncias fiscais e das garantias dos governistas da época, a Assembleia Legislativa do Ceará patrocinou em 2013 uma campanha pelo interior para mostrar a importância da refinaria para o Estado. A cobrança feita pelos aliados locais da ex-presidente Dilma, parceiros da promessa, foi solenemente ignorada e nada aconteceu.

Pelo visto, se o internacional Antonio Balhmann  estivesse no grupo liderado por Zezinho Albuquerque, a história da refinaria da Petrobras no Ceará poderia ter ido além dos repetitivos anúncios de  intenções publicados rotineiramente pelo governo do Estado. Ou não, afinal, o assessor, na condição de deputado federal, foi também um dos defensores e entusiastas das promessas impossíveis feitas por Lula e Dilma.

Publicidade

Muito anúncio, pouco resultado: agora são os iranianos que podem construir uma refinaria no Ceará

Por Wanfil em Ceará

19 de Janeiro de 2017

Lembra dela?

Em viagem oficial ao Oriente Médio nesta semana, o governador Camilo Santana (ainda no PT, apesar do noticiário) conversou com investidores do Irã sobre a instalação de uma refinaria no Ceará.  E Dubai, nos Emirados Árabes, visitou “a maior usina de dessalinização do planeta”, empresa italiana que “demonstrou interesse em instalar unidade no Ceará”.

Em novembro do ano passado Camilo assinou um memorando de estudos para avaliar condições para uma refinaria, desta vez chinesa, aqui no Estado. Não faz muito tempo, o assessor especial para assuntos internacionais do governo cearense, Antonio Balhmann, conversou com fabricantes de tratores na Bielorrússia.

Naturalmente, o governo acerta quando procura investimentos, mas se arrisca ao alimentar expectativas com base em tratativas tão iniciais. Não se trata de ser otimista ou pessimista, mas de guardar prudência para não confundir desejo com realização. É preciso tratar prospecção como prospecção e não como missão cumprida. Nesse sentido, o alarde sobre possibilidades pode gerar ilusões que mais à frente gerem constrangimento. Quanto maior a esperança atiçada, maior pode ser a decepção, como no caso da refinaria da Petrobras que seria construída no Ceará.

Publicidade

Lá vem a conversa de refinaria de novo…

Por Wanfil em Ceará

23 de junho de 2016

Tá vendo algum indício concreto de refinaria aí? Não? Nem eu.

Tá vendo algum indício concreto de refinaria aí? Não? Nem eu.

O governador Camilo Santana voltou a falar sobre uma possível refinaria para o Ceará, a ser construída por chineses. Está na edição do jornal O Povo desta quinta.

Em tempos difíceis, a ansiedade pelo anúncio de boas notícias é compreensível. Não obstante, falar em nova refinaria agora é a melhor forma de tentar esquecer os prejuízos milionários causados aos cofres estaduais pelo cancelamento da refinaria prometida por Lula, Dilma e seus aliados no Ceará.

Por falar nisso, quando é que o Governo do Estado pedirá ressarcimento à Petrobras do que foi investido com dinheiro dos cearenses para receber o projeto?

Fica o registro. Dar muita atenção a essa conversa de nova refinaria é correr o risco de construir, isso sim, e novamente, outra ilusão. Melhor mudar de assunto.

Publicidade

Rachel Marques, não seja pessimista!

Por Wanfil em Política

09 de junho de 2016

O site da Assembleia Legislativa informa que a deputada estadual Rachel Marques (PT) cobrou, nesta quinta, “que não haja retrocesso do Governo Federal em relação à criação de faculdade de Medicina no município de Quixadá”.

A parlamentar cumpre seu papel de oposição ao governo interino. Nada contra. É preciso apenas não confundir promessa com obra em andamento ou concluída. Basta lembrar a refinaria da Petrobras, que teve até lançamento de pedra fundamental. Em 2014, ano da reeleição de Dilma, a deputada Rachel Marques garantia que a refinaria seria construída, pois o empreendimento constava na carteira de projetos em licitação da estatal. E criticava quem cobrava a demora no início das obras: “É lamentável, há gente que fica trabalhando no pessimismo”. Deu no que deu.

No caso da faculdade de medicina em Quixeramobim, anunciado pelo então ministro da Educação Aloísio Mercadante  às vésperas do impeachment de Dilma, é fundamental cobrar do governo interino não a execução da obra às cegas, mas a transparência na informação sobre a existência ou não de previsão orçamentária e de dinheiro em caixa para sua realização. Se houver, que seja construída; se não, tudo não terá passado, mais uma vez, de promessa inconsequente.

Sejamos otimistas.

Publicidade

O saldo da passagem de Lula pelo Ceará

Por Wanfil em Política

06 de Abril de 2016

Estive afastado do blog por alguns dias e agora, ao retornar, não posso deixar passar em banco o comício que Lula fez no Ceará, contra o impeachment de sua cria política Dilma Rousseff, no último sábado (2). Foi até melhor, pois com a poeira sentada fica mais fácil ver o que aconteceu.

Pois bem, passados quatros dias, qual o saldo do evento? Faço aqui uma listagem:

1 – Lula ainda não é ministro da Casa Civil – Ao dizer que tomaria posse até quinta (7), deu a entender, mais uma vez, que poderia ter informação antecipada sobre decisão do STF. Resultado: a liminar que o impede de assumir não será analisada nesta semana;

2 – O processo de impeachment contra Dilma continua tramitando – Segue conforme o rito definido pelo Supremo, com direito à ampla defesa da presidente na comissão que trata o assunto na Câmara, feita pelo titular da Advocacia Geral da União, José Eduardo Cardozo, revelando que, na prática, o governo sabe que o processo é legal, não obstante o discurso de golpe;

3 – O PDT cearense sumiu do palanque – Pois é. Nem Ciro (que recentemente xingou Lula de “merda”), nem Cid, nem André Figueiredo, muito menos o prefeito Roberto Cláudio quiseram acompanhar Lula na “defesa da democracia”. No palanque restaram Camilo Santana e Luizianne Lins, ambos do próprio PT. A liderança do PDT não foi por quê? Estava muito ocupada? Discorda de algo? Não quer ver a imagem do prefeito ligada a um investigado por corrupção, no caso, Lula? Ninguém sabe. Assim fica difícil convencer o PT a apoiar a reeleição de um pedetista na capital;

4 – A volta da refinaria – No momento mais surreal da passagem, mais revelador de uma moral e de uma forma de fazer política, o ex-presidente disse que retomaria o projeto da refinaria da Petrobras para o Ceará. Isso mesmo, aquele que mudaria a economia do Ceará, que seria um divisor de águas, que estava garantido, que teve pedra fundamental lançada pelo próprio Lula, mas que era desconhecido pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), porque não existia projeto. Golpe mesmo, materializado, consumado, foi este, eleitoreiro, contra os cearenses. A mentira torna-se ainda mais deslavada pelo fato de que a Petrobras foi arruinada pelos governos Lula e Dilma, pelas razões que todos já conhecem agora.

Saldo
Para o Ceará o saldo foi zero. Até o momento, o comício serviu apenas para manter acesa a disposição dos 10% que apoiam a presidente Dilma, contra os 70% que desejam o impeachment da presidente.

leia tudo sobre

Publicidade

Petrobras enrola o Ceará mais uma vez, agora com ajuda do governo estadual

Por Wanfil em Ceará

29 de Maio de 2015

No último dia 25 de maio o Ministério Público do Ceará entrou com uma Ação Civil Pública para que as empresas Raizen Combustíveis S/A e Petrobras Distribuidora S/A suspendessem as atividades de armazenamento e distribuição de combustíveis no Porto do Mucuripe, em Fortaleza. A ação pedia ainda que o Estado usasse de “todas as medidas necessárias” para que as empresas não dessem continuidade às suas atividades no local (confira mais no site do MPCE).

É que em 2012, o próprio Governo do Ceará, na gestão Cid Gomes, estabeleceu como limite para a saída o dia 31 dezembro de 2014, conforme o decreto 31.034 daquele ano. O mandato de Cid acabou e nada. O de Camilo Santana começou e nada. Como sempre nesses últimos anos, a Petrobras continuou a ignorar solenemente as autoridades cearenses.

Ágil quando interessa
Depois de cinco meses, a inércia do Executivo estadual acabou no dia 26 de maio deste ano, ou seja, um dia após a ação do MPCE, quando o Governo do Ceará rapidamente expediu o decreto 31.726, publicado na edição de 27  de maio do Diário Oficial, com o seguinte enunciado:

RESTABELECE PRAZO PARA QUE AS SOCIEDADES EMPRESÁRIAS INSTALADAS NA ÁREA DO PORTO DO MUCURIPE, EM FORTALEZA – CE, COM ESTABELECIMENTOS DE BASE PARA RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E EXPEDIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS CLAROS E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO – GLP, TRANSFIRAM SEUS ESTABELECIMENTOS PARA A ÁREA ADEQUADA QUE INDICA.

Parceria sem resultado
Pronto! O novo prazo agora é o dia 31 de dezembro de 2015. A Petrobras, empresa usada por Lula, Dilma e seus aliados para aplicar nos eleitores cearenses o golpe da refinaria, ganhou mais tempo para fazer o que já deveria ter sido feito, não apenas em razão do primeiro decreto do governo estadual, mas também em obediência à legislação ambiental.

Vale ressaltar que a Petrobras não pode alegar problemas para encontrar outro lugar adequado para seus tanques de combustível, pois o governo estadual disponibilizou um terreno no Porto do Pecém, em São Gonçalo do Amarante, para esse fim. Talvez os gestores cearenses não quisessem se indispor com o comando da Petrobras, na esperança de iniciar a refinaria. Deu no que deu: nem mel, nem cabaça. Sobram especulações e desculpas, faltam resultados, com o contribuinte e a população cearense sempre no prejuízo.

Resumo: submissão humilhante
No final temos o seguinte: os aliados do governo federal no Ceará engoliram calados e submissos o golpe da refinaria. O novo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine já disse que a refinaria não será construída de jeito nenhum e que a empresa poderia “compensar” o Ceará com a transferência dos tanques. Querer vincular agora esses projetos não passa de uma malandragem, pois a questão dos tanques já estava prevista muito antes do cancelamento da refinaria de araque.

Ao ver que o Ministério Público agiu no sentido de cobrar a Petrobras, o Governo do Ceará prorrogou o prazo para permitir que a mudança dos tanques, caso seja feita, possa ser apresentada como uma compensação. Por essas e outras o Ceará o Ceará virou um cemitério de obras inacabadas. Nem uma simples reforma do aeroporto concluíram. É aquela história: quem muito se oferece, acaba sem valor.

Publicidade

Petrobras confessa que refinaria no Ceará não saiu por causa de roubo e incompetência

Por Wanfil em Corrupção

23 de Abril de 2015

A Petrobras divulgou seu balanço de 2014. A partir do que se constata dos números apresentados, a conclusão é incontornável: a empresa foi assaltada e submetida a decisões tresloucadas que arruinaram suas contas. No que diz respeito ao Ceará, qualquer dúvida sobre a inviabilidade da refinaria prometida por Lula e Dilma, junto com seus parceiros locais, foram dissipadas, diante do roubo e da imperícia administrativa dos últimos anos. Foi, na prática, uma confissão. Uma confissão torta, cheia de eufemismos, mas ainda assim, um registro público e oficial.

Vale lembrar que o balanço foi auditado por empresa internacional, conforme exigência do mercado. Ninguém acredita no que dizem os dirigentes da Petrobras, escolhidos pelos mesmo políticos que a levaram ao desastre.

Rombo
As perdas com corrupção foram de R$ 6,194 bilhões. A má gestão custou  R$ 21 bilhões em 2014.  O valor dos ativos da empresa caiu R$ 44 bilhões. A dívida da Petrobras no mercado atingiu novo recorde: R$ 351 bilhões de reais.

Em condições normais, a decisão de construir quatro refinarias (Pernambuco, Rio de Janeiro, Maranhão e Ceará), seria muito difícil de ser concretizada, pelo volume de recursos a serem investidos simultaneamente. Mas a empresa, controlada pelo governo brasileiro, estava sujeita ao discurso eleitoreiro de seus ocupantes.

E agora, governistas?
Agora os aliados de Lula e Dilma no Ceará estão numa dessas condições: 1) cúmplices conscientes do golpe que custou R$ 600 milhões de reais aos cearenses; 2) otários enrolados pelo governo federal e que, por esse motivo, estão na obrigação de romper com a gestão. Não há terceira opção:  tertium non datur.

O que não dá mais é ouvir as viúvas da refinaria no Ceará culpar a crise internacional, a desvalorização cambial ou o azar: a obra, que nem sequer tinha projeto registrado na Agência Nacional de Petróleo, não veio pela conjunção de trapaça eleitoral, corrupção e incompetência. Não sou eu quem diz, é o balanço da Petrobras!

Como é que ficam agora Cid Gomes, Zezinho Albuquerque, Camilo Santana, José Guimarães, José Pimentel e Roberto Cláudio?

Publicidade

Opa! Eduardo Cunha não ofendeu os cearenses. Desrespeito foi o golpe da refinaria!

Por Wanfil em Sem categoria

27 de Março de 2015

A Assembleia Legislativa do Ceará e a Câmara Municipal de Fortaleza aprovaram moções de repúdio contra Eduardo Cunha (PMDB), presidente da Câmara dos Deputados, em Brasília. Foi ele quem expulsou autoridades cearenses do plenário do parlamento durante convocação do ex-governador Cid Gomes.

Tomado de indignação, o presidente da Assembleia, deputado estadual Zezinho Albuquerque (Pros), disse que o povo cearense foi desrespeitado, pois ali estavam representantes eleitos pelo estado. O ressentimento é compreensível, mas não é bem assim.

Não estava em pauta ali nenhuma matéria de interesse do Ceará. Quem foi lá fazer plateia para aplaudir o ex-ministro, acabou exposto a um constrangimento desnecessário, é verdade, mas que, repito, nada tem a ver com o estado. Aliás, o que houve entre Cunha e Cid foi um desentendimento entre aliados da presidente Dilma. Problema deles.

Desrespeito foi a presepada da refinaria que nunca existiu nem mesmo como projeto. Ofensa é a própria tropa governista na Assembleia rejeitar o pedido da oposição para que o governo explique os gastos com a tal casa em que o ex-ministro Cid se hospedou, às expensas de dinheiro do tesouro estadual. Dinheiro público, dinheiro do…. povo cearense! A respeito desses casos, não se vê indignação dos deputados que dizem defender os cearenses contra Eduardo Cunha. Nada de moção de repúdio contra os presidentes da Petrobras ou Lula e a própria Dilma. Nada de moção de repúdio contra gastos exorbitantes com luxos desnecessários. É a indignação seletiva.

Só quando interessa é que eles se lembram que representam, ou deveriam representar, os cearenses.

 

Publicidade

Era uma refinaria muito engraçada, não tinha projeto, não tinha nada…

Por Wanfil em Ceará

13 de Março de 2015

Lula e Cid apresentam projeto da refinaria da Petrobras no Ceará. Um show!

Lula e Cid apresentam projeto da refinaria da Petrobras no Ceará, inspirado em Vinícius de Moraes. Um show!

Os cearenses ficaram sabendo nesta semana que o projeto da refinaria da Petrobras prometida por Lula, Dilma, Cid e companhia em diversas campanhas eleitorais nunca foi submetido à Agência Nacional de Petróleo. Ou seja, a obra existiu somente nos discursos de palanque e nas propagandas eleitorais de governistas. A refinaria não foi uma iniciativa bem planejada que depois, por circunstâncias externas, não vingou. Como resta claro e inequívoco, foi desde o início uma tapeação.

Por não existir no mundo real, o empreendimento remete à famosa música infantil A Casa, do poeta Vinícius de Moraes.

Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha teto
Não tinha nada
Ninguém podia
Entrar nela, não
Porque na casa
Não tinha chão…

O resto todos conhecem. Parece ou não parece a refinaria prometida aos cearenses? Dá até para imaginar uma versão adaptada:

Era uma refinaria
Muito engraçada
Não tinha projeto
Não tinha nada
Ninguém podia
Refinar nela, não
Porque a obra
Era enrolação
Ninguém podia
Assentar tijolo
Porque o ouro
Era de tolo
Ninguém podia
Imaginar o mal
Daquela pedra fundamental
Lançada em festa
Pra comemorar
Aqueles dos votos
No Ceará

Falando sério
Vale reforçar que no caso da refinaria de araque as vítimas são os cearenses e o Estado do Ceará, que não deve ser confundido de forma alguma com seus governantes e aliados. Esses tinham a obrigação de saber que não havia nem sequer um pedido de autorização na ANP para a obra.

Assim, além de terem sido parceiros de Lula e Dilma no estelionato eleitoral, no que diz respeito às suas obrigações, os gestores foram incompetentes, omissos, negligentes ou imprudentes, ao torrarem cerca de 650 milhões de reais dos cearenses em um negócio que só existiu nos palanques e nas propagandas eleitorais.

As vítimas, evidentemente, têm que ser ressarcidas não só pela Petrobras, mas também pelos agentes públicos que contribuíram para gerar esse prejuízo, nos termos do Artigo 37 da Constituição Federal.

Publicidade

Era uma refinaria muito engraçada, não tinha projeto, não tinha nada…

Por Wanfil em Ceará

13 de Março de 2015

Lula e Cid apresentam projeto da refinaria da Petrobras no Ceará. Um show!

Lula e Cid apresentam projeto da refinaria da Petrobras no Ceará, inspirado em Vinícius de Moraes. Um show!

Os cearenses ficaram sabendo nesta semana que o projeto da refinaria da Petrobras prometida por Lula, Dilma, Cid e companhia em diversas campanhas eleitorais nunca foi submetido à Agência Nacional de Petróleo. Ou seja, a obra existiu somente nos discursos de palanque e nas propagandas eleitorais de governistas. A refinaria não foi uma iniciativa bem planejada que depois, por circunstâncias externas, não vingou. Como resta claro e inequívoco, foi desde o início uma tapeação.

Por não existir no mundo real, o empreendimento remete à famosa música infantil A Casa, do poeta Vinícius de Moraes.

Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha teto
Não tinha nada
Ninguém podia
Entrar nela, não
Porque na casa
Não tinha chão…

O resto todos conhecem. Parece ou não parece a refinaria prometida aos cearenses? Dá até para imaginar uma versão adaptada:

Era uma refinaria
Muito engraçada
Não tinha projeto
Não tinha nada
Ninguém podia
Refinar nela, não
Porque a obra
Era enrolação
Ninguém podia
Assentar tijolo
Porque o ouro
Era de tolo
Ninguém podia
Imaginar o mal
Daquela pedra fundamental
Lançada em festa
Pra comemorar
Aqueles dos votos
No Ceará

Falando sério
Vale reforçar que no caso da refinaria de araque as vítimas são os cearenses e o Estado do Ceará, que não deve ser confundido de forma alguma com seus governantes e aliados. Esses tinham a obrigação de saber que não havia nem sequer um pedido de autorização na ANP para a obra.

Assim, além de terem sido parceiros de Lula e Dilma no estelionato eleitoral, no que diz respeito às suas obrigações, os gestores foram incompetentes, omissos, negligentes ou imprudentes, ao torrarem cerca de 650 milhões de reais dos cearenses em um negócio que só existiu nos palanques e nas propagandas eleitorais.

As vítimas, evidentemente, têm que ser ressarcidas não só pela Petrobras, mas também pelos agentes públicos que contribuíram para gerar esse prejuízo, nos termos do Artigo 37 da Constituição Federal.