PSD Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

PSD

Deputados cearenses estão entre os autores do requerimento para a CPI da Lava Jato

Por Wanfil em Política

19 de junho de 2018

O pedido para a instalação de uma CPI na Câmara Federal para investigar suposta manipulação de delações premiadas por um escritório de advocacia, gerou uma grande confusão no meio político.

Para ser aprovado, o requerimento 43/2018 precisava de 171 assinaturas. Ao todo, 190 foram colhidas, mas quando a notícia de que o alvo da CPI são juízes e procuradores da Operação Lava Jato se espalhou, pelo menos 35 deputados pediram para retirar seus nomes da lista, alegando que terem sido enganados.

Diante da repercussão, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que já trabalhava para indicar o presidente e o relator da comissão, deverá indeferir o pedido.

No requerimento original, 16 deputados aparecem como autores; destes, três são do Ceará: Domingos Neto, líder do PSD na Câmara – o mesmo que pretende mudar o nome oficial do açude Castanhão de Padre Cícero para Paes de Andrade; André Figueiredo, líder do PDT – aliado de Cid Gomes e Antonio Balhmann, dois citados na delação da JBS; e José Guimarães, do PT, líder da Oposição, que dispensa apresentações.

Juízes e procuradores devem ser fiscalizados, eventuais abusos precisam ser corrigidos. Isso ninguém discute. A questão é que essa CPI da Lava Jato, em ano eleitoral, proposta por partidos investigados pela Lava Jato – MDB, PT, PP; apoiados por PSOL, PCdoB, PDT e PSB – levanta dúvidas sobre o uso de um dos poderes da República para retaliar e intimidar seus investigadores. Todos negam, mas que parece, parece.

Ainda que as razões tenham sido as mais sublimes e desinteressadas possíveis, a imagem do corporativismo que visa a impunidade é tudo que o eleitor cansado de corrupção mais condena.

Confira aqui a íntegra do requerimento.

Publicidade

Eleições: partidos mobilizados para o que der e vier

Por Wanfil em Partidos

10 de junho de 2016

Os diretórios estaduais do Partido Social Democrático (PSD)  e do Partido da Mulher Brasileira (PMB), que formam um bloco, digamos, familiar, realizara encontro para discutir questões de interesse eleitoral, de olho na formação das coligações para a disputa de outubro. Em seus quadros, uma penca de políticos que mudam de sigla como quem muda de roupa. O Partido Republicano da Ordem Social (PROS), que até outro dia era o maior partido o Ceará, agendou reuniões com o mesmo propósito.

São três das dezenas de partidos de aluguel que existem no Brasil mostrando que estão aí para o que der e, principalmente, para o que vier.

leia tudo sobre

Publicidade

Descrente. Ou: Já nasce velho o novo que nos chega para 2014

Por Wanfil em Partidos

21 de outubro de 2013

Durante muito tempo acreditei que o tempo e a experiência acumulada poderiam melhorar a cultura política no Brasil. Somos uma democracia jovem e tal, ainda com a primeira geração de líderes que despontou após a ditadura atuando sob as luzes da ribalta.

Acontece que é difícil manter a esperança quando as “novidades” que aparecem não conseguem inspirar inovações, ainda que fosse um leve sopro de modernização técnica na gestão pública ou no estabelecimento de alguns limites legais, morais e éticos, para negociações políticas. É velho o novo que nos chega. Basta ver a movimentação recente dos partidos e de alguns dos seus possíveis pré-candidatos ao governo do Ceará.

PMDB

O senador Eunício Oliveira, do condomínio viciado em poder chamado PMDB, faz campanha aberta, e cara, dizem, para o governo. A assessoria de Eunício gosta de trabalhar a imagem de “self-made man” como homem  de negócios, mas ingressou na política pelas mãos de seu sogro, Paes de Andrade, que no passado foi influente no PMDB e nos bastidores de Brasília, onde coincidentemente atuam algumas das empresas do genro empresário.

Que novidade ele representa para a política? Nenhuma. É mais do mesmo, é o PMDB de sempre, entoando a promessa surrada de “continuar avançando no projeto”.

PROS

O PROS é um dos mais novos partidos de aluguel do Brasil, casa do governador Cid Gomes e sua turma depois que foram colocados para correr do PSB. Existe apenas como mero instrumento de acesso ao poder.

Em encontro realizado em Sobral no último final de semana, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, um dos vários nomes do partido que constam no menu de pré-candidatos de Cid Gomes, jovem promessa da política local, agradeceu ao “arrastão” nas eleições que venceu na capital e tascou:  “Não tinha uma sessão eleitoral que não tivesse um sobralense empunhando uma bandeira”. Foi aplaudido. Agradecer gente de uma cidade por ter sido eleito em outra cidade não é bem uma renovação de costumes…

PT

Adotou no poder, em nome de um pragmatismo realista, práticas que prometia combater. No Brasil, se aliou a Sarney, Collor e Renan. No Ceará, compõe a base de Cid, junto com Eunício, abdicando de um projeto estadual próprio. Mesmo que a ex-prefeita Luizianne Lins consiga emplacar uma candidatura própria do PT à sucessão local, ainda assim, de um ponto de vista mais amplo, isso não seria uma ruptura, mas só um rearranjo, afinal, se ela e o governador hoje estão rompidos, foram parceiros durante sete anos.

PSDB

A sigla entra aqui como registro simbólico. Foi grande enquanto esteve no poder. Fora dele, esgotou-se. Leia mais

Publicidade

Descrente. Ou: Já nasce velho o novo que nos chega para 2014

Por Wanfil em Partidos

21 de outubro de 2013

Durante muito tempo acreditei que o tempo e a experiência acumulada poderiam melhorar a cultura política no Brasil. Somos uma democracia jovem e tal, ainda com a primeira geração de líderes que despontou após a ditadura atuando sob as luzes da ribalta.

Acontece que é difícil manter a esperança quando as “novidades” que aparecem não conseguem inspirar inovações, ainda que fosse um leve sopro de modernização técnica na gestão pública ou no estabelecimento de alguns limites legais, morais e éticos, para negociações políticas. É velho o novo que nos chega. Basta ver a movimentação recente dos partidos e de alguns dos seus possíveis pré-candidatos ao governo do Ceará.

PMDB

O senador Eunício Oliveira, do condomínio viciado em poder chamado PMDB, faz campanha aberta, e cara, dizem, para o governo. A assessoria de Eunício gosta de trabalhar a imagem de “self-made man” como homem  de negócios, mas ingressou na política pelas mãos de seu sogro, Paes de Andrade, que no passado foi influente no PMDB e nos bastidores de Brasília, onde coincidentemente atuam algumas das empresas do genro empresário.

Que novidade ele representa para a política? Nenhuma. É mais do mesmo, é o PMDB de sempre, entoando a promessa surrada de “continuar avançando no projeto”.

PROS

O PROS é um dos mais novos partidos de aluguel do Brasil, casa do governador Cid Gomes e sua turma depois que foram colocados para correr do PSB. Existe apenas como mero instrumento de acesso ao poder.

Em encontro realizado em Sobral no último final de semana, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, um dos vários nomes do partido que constam no menu de pré-candidatos de Cid Gomes, jovem promessa da política local, agradeceu ao “arrastão” nas eleições que venceu na capital e tascou:  “Não tinha uma sessão eleitoral que não tivesse um sobralense empunhando uma bandeira”. Foi aplaudido. Agradecer gente de uma cidade por ter sido eleito em outra cidade não é bem uma renovação de costumes…

PT

Adotou no poder, em nome de um pragmatismo realista, práticas que prometia combater. No Brasil, se aliou a Sarney, Collor e Renan. No Ceará, compõe a base de Cid, junto com Eunício, abdicando de um projeto estadual próprio. Mesmo que a ex-prefeita Luizianne Lins consiga emplacar uma candidatura própria do PT à sucessão local, ainda assim, de um ponto de vista mais amplo, isso não seria uma ruptura, mas só um rearranjo, afinal, se ela e o governador hoje estão rompidos, foram parceiros durante sete anos.

PSDB

A sigla entra aqui como registro simbólico. Foi grande enquanto esteve no poder. Fora dele, esgotou-se. (mais…)