presente Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

presente

A abolição no Ceará e as novas formas de escravidão

Por Wanfil em Ceará, História

25 de Março de 2013

Comentário que fiz para a minha coluna na Tribuna BandNews FM 101.7 sobre o dia da abolição no Ceará.

São fortes as correntes do atraso, da miséria, das drogas e da corrução, que escravizam milhões de cearenses, ansiosos pela liberdade celebrada neste 25 de março.

São fortes as correntes do atraso, da miséria, das drogas e da corrupção, que escravizam milhões de cearenses, ansiosos pela liberdade celebrada neste 25 de março.

No dia 25 de março de 1884 o Ceará tornou-se a primeira província brasileira a abolir a escravatura. A importância do feito pode ser medida comparando-o com a própria Lei Áurea, que libertaria os escravos no resto do país somente 4 anos depois, no dia 13 de maio de 1888.

Além de ser feriado estadual, a lembrança deste 25 de março pode ainda servir para reforçar a noção do princípio da igualdade racial na legislação brasileira, que recentemente sofreu um retrocesso por causa da criação de cotas nas universidades federais orientadas, justamente, pelo critério da cor da pele.

A data pode ainda ajudar a lembrar que o Ceará tem uma tradição liberal e pioneira na cultura política nacional, fruto de um certo espírito irrequieto do seu povo. O feriado da abolição no estado abre ainda a oportunidade para refletirmos sobre o nosso presente. Será que realmente estamos livres da escravidão ou será que ela sobrevive entre nós com outros formatos?

Os escravos do presente

Não são escravos os jovens viciados no crack, essa droga que toma de conta de Fortaleza e das cidades do interior?

Não vivem na escravidão aqueles que vivem não conseguem ter trabalho digno para conquistar sua emancipação financeira e sair da lista do Bolsa Família?

Quantos ainda não estão presos, em pleno século 21, ao velho drama da seca, dependentes de carros pipa e da caridade alheia, enquanto verbas para obras de abastecimento d’água são desviadas?

Temos ainda os escravos do medo, que vivem trancados em suas casas cercadas por muros eletrificados e que sonham com carros blindados, acuados pela violência crescente.

Alforria

Assim como no passado, cada escravidão tem seus patrocinadores, ou seja, aqueles que se beneficiam da indigência alheia. Hoje, os senhores de escravos são os corruptos e os chefes do crime organizado, que obviamente não querem mudar nada porque é nesse ambiente que eles prosperam.

Portanto, que a comemoração deste dia possa servir de reflexão e de inspiração para que novos movimentos abolicionistas aconteçam no Ceará. São muitos ainda os que precisam de alforria.

Publicidade

A abolição no Ceará e as novas formas de escravidão

Por Wanfil em Ceará, História

25 de Março de 2013

Comentário que fiz para a minha coluna na Tribuna BandNews FM 101.7 sobre o dia da abolição no Ceará.

São fortes as correntes do atraso, da miséria, das drogas e da corrução, que escravizam milhões de cearenses, ansiosos pela liberdade celebrada neste 25 de março.

São fortes as correntes do atraso, da miséria, das drogas e da corrupção, que escravizam milhões de cearenses, ansiosos pela liberdade celebrada neste 25 de março.

No dia 25 de março de 1884 o Ceará tornou-se a primeira província brasileira a abolir a escravatura. A importância do feito pode ser medida comparando-o com a própria Lei Áurea, que libertaria os escravos no resto do país somente 4 anos depois, no dia 13 de maio de 1888.

Além de ser feriado estadual, a lembrança deste 25 de março pode ainda servir para reforçar a noção do princípio da igualdade racial na legislação brasileira, que recentemente sofreu um retrocesso por causa da criação de cotas nas universidades federais orientadas, justamente, pelo critério da cor da pele.

A data pode ainda ajudar a lembrar que o Ceará tem uma tradição liberal e pioneira na cultura política nacional, fruto de um certo espírito irrequieto do seu povo. O feriado da abolição no estado abre ainda a oportunidade para refletirmos sobre o nosso presente. Será que realmente estamos livres da escravidão ou será que ela sobrevive entre nós com outros formatos?

Os escravos do presente

Não são escravos os jovens viciados no crack, essa droga que toma de conta de Fortaleza e das cidades do interior?

Não vivem na escravidão aqueles que vivem não conseguem ter trabalho digno para conquistar sua emancipação financeira e sair da lista do Bolsa Família?

Quantos ainda não estão presos, em pleno século 21, ao velho drama da seca, dependentes de carros pipa e da caridade alheia, enquanto verbas para obras de abastecimento d’água são desviadas?

Temos ainda os escravos do medo, que vivem trancados em suas casas cercadas por muros eletrificados e que sonham com carros blindados, acuados pela violência crescente.

Alforria

Assim como no passado, cada escravidão tem seus patrocinadores, ou seja, aqueles que se beneficiam da indigência alheia. Hoje, os senhores de escravos são os corruptos e os chefes do crime organizado, que obviamente não querem mudar nada porque é nesse ambiente que eles prosperam.

Portanto, que a comemoração deste dia possa servir de reflexão e de inspiração para que novos movimentos abolicionistas aconteçam no Ceará. São muitos ainda os que precisam de alforria.