oposição Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

oposição

Ciro Gomes ocupa vazio deixado por Fernando Haddad

Por Wanfil em Política

25 de Fevereiro de 2019

Ciro Gomes na Tribuna Bandnews: a polêmica como estratégia – (Foto – divulgação)

Entrevista com Ciro Gomes é garantia de boas manchetes e de audiência. Não tem mistério. Claro que nesta segunda (25), na Tribuna Bandnews e com minha singela participação (de branco na foto), não foi diferente.

Como quase sempre também a repercussão na internet destacou sobretudo o estilo polêmico do entrevistado, pródigo em criar frases de efeito. Por causa disso, muitas vezes, a estratégia que orienta o discurso fica em segundo plano ou acaba ignorada nas avaliações feitas sobre o que foi dito.

Críticas disparadas contra a gestão do presidente Jair Bolsonaro e suas disputas internas, o vice Hamilton Mourão, a reforma da Previdência, a crise na Venezuela e o Partido dos Trabalhadores, formam uma superfície agitada que encobre objetivos mais profundos. Se repararmos bem, aos poucos Ciro vai ocupando – na imprensa e na opinião pública – o espaço que naturalmente deveria ser do petista Fernando Haddad, adversário de Bolsonaro no segundo turno.

Tudo isso, não se enganem, é feito, de forma legítima, com método. Ciro procura discordar do governo a partir de ações ou medidas específicas e potencialmente desgastantes, evitando assim o campo retórico de discussões como as que tratam do aborto ou da educação sexual nas escolas. E ao insistir nos ataques ao PT, reforça junto a uma grande parte do eleitorado de esquerda que o partido perdeu as condições de ser a referência desse campo ideológico.

Concordando ou discordando das leituras colocadas por Ciro – e isso é o de menos agora -, o fato há um imenso vazio de voz na oposição que ele procura preencher. Se vai conseguir é outra conversa, mas até o momento parece ser o único se movimentando nesse sentido. Na política, como todos sabem, não existe vácuo.

Publicidade

Antes tarde do que nunca

Por Wanfil em Segurança

14 de Janeiro de 2019

Os esforços em conjunto feitos pelo governo do Ceará e o governo federal mostram que certas  responsabilidades devem mesmo pairar acima de divergências políticas e até mesmo ideológicas. Crises agudas pedem ações imediatas.

Na Assembleia Legislativa do Ceará, situação e oposição se uniram em sessão extraordinária para aprovar (e ampliar) mensagens do Executivo estadual. Apoio irrestrito.

Tudo isso sinaliza a construção de uma maturidade política que, como toda e qualquer maturidade, leva tempo para ser consolidada, resultante de aprendizados colhidos na observação de erros e acertos no tempo. Por isso, é importante não deixar que grupos políticos tentem reescrever (ou apagar) erros e acertos conforme suas conveniências.

Nos últimos dez anos poucas vozes no parlamento e na imprensa apontaram para os equívocos nas políticas de segurança pública, que apesar de serem evidentes e gritantes, eram solenemente ignorados ou mesmo desprezados pelos governistas, que agora se apresentam como vigilantes infalíveis.

A verdade é que ao longo desses anos, deputados e ex-deputados estaduais como Heitor Férrer, Tomás Filho, Ely Aguiar e Capitão Wagner, que cito de memória, foram duramente criticados por apontarem discrepâncias entre os altos investimentos e a piora nos índices de violência. Foram acusados de alarmismo irresponsável, de torcerem contra os cearenses, de inveja e oportunismo. A maioria preferia aplaudir tudo o que sucessivos governos anunciavam. Deu no que deu.

Se hoje o governo e sua base aliada na Assembleia Legislativa tomam às pressas medidas corretas no enfrentamento ao crime organizado, é porque no passado insistiram teimosamente no que não estava dando certo. Mesmo sem a devida a autocrítica, antes tarde do que nunca.

Publicidade

Cid mostra como fazer oposição

Por Wanfil em Política

19 de novembro de 2018

Cid Gomes – (Foto: Fabio Pozzebom/Agência Brasil)

Em entrevista ao jornal o Estado de São Paulo, o senador eleito Cid Gomes (PDT) falou sobre a formação de uma frente de partidos que não sejam “nem oposição sistemática nem situação automática”.

Por oposição sistemática, entenda-se PT, que de acordo com Cid, tem “posição histórica” nesse sentido “quando não são eles no governo”. A proposta, resumindo, é criar um centro de oposição responsável, programática e suprapartidária, para fiscalizar e analisar as propostas e projetos do novo governo.

Sobre isso, dois pontos a observar. Primeiro, o PDT continua a bater mais no PT do que em Bolsonaro; segundo, a ideia deveria ser vir de inspiração para a oposição no Ceará, esvaziada na última legislatura pela cooptação descarada promovida pelos aliados PT e PDT (ainda parceiros no estado). De 14 deputados estaduais opositores eleitos na primeira gestão de Camilo Santana (PT), restaram apenas seis nessa condição ao final do mandato. MDB, PR e SD mudaram de lado. Agora, para a segunda gestão, foram eleitos oito para a oposição.

É isso. Sem uma estratégia para sobreviver, sem um plano de atuação que mantenha vivo o debate político, a oposição tende a ser engolida pela agenda oficial. Cid Gomes aponta um caminho para mobilizar atenções no Congresso. Por aqui, a oposição pode propor uma frente parlamentar que não seja “oposição sistemática” e que possa contar, eventualmente, com nomes que não sejam “situação automática”.

Se isso é bom para o Brasil, por que não seria para o Ceará?

Publicidade

Eleições Ceará: vitória do acordão e nova chance para a oposição

Por Wanfil em Eleições 2018

08 de outubro de 2018

Divulgação/Facebook

Reeleito com o recorde de 79% dos votos válidos, o governador  Camilo Santana (PT) superou até mesmo a votação dos seus seus padrinhos políticos Cid e Ciro Gomes. Apesar disso, a oposição também conseguiu alguns êxitos que ajudam a compor – lá vem o clichê! – o recado das urnas.

Eduardo Girão, do Pros, surpreendeu ao derrotar Eunício Oliveira (MDB), preside08nte do Senado que contava com o apoio pessoal do governador com a maior votação proporcional do País. Tem mais. Capitão Wagner (Pros) e André Fernandes (PSL) foram respectivamente os deputados federal e estadual mais votados no Ceará.

Como avaliar o bom desempenho de candidatos contrários a um governo com ampla aprovação? “O homem é o homem e suas circunstâncias” disse Ortega Y Gasset. Pois é, o estilo cordato de Camilo se casou perfeitamente com algumas das fragilidades e contradições da nossa cultura política. O pendor para a conciliação encontrou terreno fértil na tradição adesista da política cearense. O avanço sobre grupos regionais sem identidade ideológica clara foi tranquilo. Até lideranças e partidos de oposição mudaram de lado e para aderir em troca de apoio eleitoral, cargos e verbas.

Na verdade, essa disposição para a superação de divergências que noutros países parecem insuperáveis, é uma espécie de tradição brasileira, muito bem demonstrada na obra do historiador Paulo Mercadante, especialmente em “A consciência conservadora no Brasil”. Por um lado, evita conflitos diretos como guerras civis (Mercadante cita como exemplo a Guerra de Secessão americana, no Séc. 19); por outro, enfraquece valores, sempre acabam relativizados em nome do pragmatismo. No fim, as negociatas prevalecem sobre os princípios, que com o tempo, perdem o sentido e viram apenas pretextos para justificar as idas e vindas de grupos políticos para permanecer próximo ao poder. Mercadante viu tudo isso nas articulações de grupos conservadores na início da República no Brasil. Hoje, isso é notório, a esquerda assimilou a prática.

No Ceará, as virtudes da gestão Camilo conseguiram conter e reduzir desgastes causados por seus erros. Isso não é pouco. Mas o acordão que reuniu 24 partidos na sua base eleitoral, reunindo até desafetos recentes, e a cooptação de parte da oposição foram fundamentais para evitar percalços no caminho da reeleição. A oposição, por sua vez, ganhou de eleitores a chance de se reorganizar

Por fim, resta ver para onde soprarão os ventos da eleição presidencial. Isso pode mudar a relação de forças no estado, mas isso fica para outro texto.

(Texto publicado originalmente no Portal Tribuna do Ceará)

Publicidade

Por que (quase) todos querem subir no palanque de Camilo?

Por Wanfil em Eleições 2018

23 de Maio de 2018

Palanque recorde no Ceará? Nelson Rodrigues explica: “As unanimidades decidem por nós”

Com a volta de Domingos Filho (PSD) para a base aliada de Camilo Santana (PT), já são 24 partidos no palanque governista.

Alianças eleitorais num sistema pluripartidário são normais, especialmente se resultam de afinidades programáticas e ideológicas. Eventualmente, partidos com orientações diferentes podem encontrar pontos em comum para firmar parcerias estratégicas. Raramente, partidos com mais diferenças que semelhanças se juntam por força das circunstâncias, como a necessidade de reformas diante de uma crise econômica, uma ameaça externa ou mesmo um adversário político comum.

Agora, quando partidos teoricamente incompatíveis celebram alianças, é sinal de que valores, ideias e programas foram subjugados por outros interesses. Quando esse tipo de anomalia contamina praticamente todo o sistema de representação, como ocorre no Ceará, quando a hegemonia governista é quase absoluta, é sinal de que além de interesses fisiológicos, outras questões se impuseram a esse cenário.

As perguntas que se impõem são óbvias e naturais: Como é que  o governo consegue seduzir tantos partidos? O que explica tamanha força de atração? A distribuição de cargos explica apenas parte das adesões. Ter cargos e verbas não basta para comprar apoio incondicional, como bem sabem Dilma e Temer. E se pensarmos bem, o inchaço governista no Ceará chegou a um estágio em que fica evidente que temos pouco Estado para tantos clientes (sim, de clientelismo).

E o qual seria então o amálgama capaz de reunir um grupo tão diverso de demandas e interesses? Talvez a melhor explicação esteja no mais básico instinto de autopreservação política.

Em um cenário de rejeição generalizada aos políticos tradicionais, a melhor forma de reduzir o perigo de não ser eleito é juntar forças e deixar o eleitor com menos opções para dar vazão a um possível desejo de mudança. O empenho em busca da quase unanimidade partidária é tão grande que, do alto do seu favoritismo eleitoral, deixa escapar uma pontinha de insegurança.

Por falar nisso, Nelson Rodrigues dizia que toda unanimidade é burra, mas nesse caso, ela tenta ser mesmo é ser esperta. Esquerda, direita e centro misturados. Diferenças ideológicas e programáticas, traições, ofensas e humilhações são esquecidas em nome do maior acordão da história cearense em busca de um lugar no palanque governista.

Citando novamente Nelson, “as unanimidades decidem por nós”.  É isso. Querem decidir no lugar do eleitor.

Publicidade

O general tem chance?

Por Wanfil em Eleições 2018

14 de Maio de 2018

É a pergunta que mais tenho escuto há pelo menos duas semanas. Amigos, leitores, colegas jornalistas, ouvintes e até mesmo políticos querem saber um pouco mais sobre o general Guilherme Theophilo (PSDB), o pré-candidato surpresa da oposição para o Governo do Ceará.

É difícil, agora, nesse momento, oferecer ao interlocutor uma resposta que o satisfaça. O pesquisador americano Duncan Watts, no livro “Tudo é Óbvio”, explica que previsões exatas são possíveis dentro de sistemas razoavelmente simples. Prever com precisão a órbita de um satélite ou a velocidade para um avião decolar, embora sejam feitos espetaculares, é fácil: basta fazer os cálculos certos. O resto é física. Já adivinhar o valor do dólar no próximo mês ou qual série de televisão terá mais audiência é algo bem mais complexo, pois as variáveis econômicas, sociais e psicológicas envolvidas são muitas.

Só depois que o resultado aparece é que a maioria, olhando em perspectiva, considera-o óbvio. As explicações surgem aos montes, mas prever mesmo que é bom…

O mesmo vale para eleições. No máximo, é possível estabelecer probabilidades a partir de um conjunto de fatores, como base partidária, apoiadores, capacidade financeira, a conjuntura ou a eficácia da propaganda, podem influenciar. Nesse sentido, Camilo Santana (PT) é o favorito, isso ninguém discute. Até porque é mais conhecido e tem a máquina do estado. Em relação ao general Teophilo ainda existem muitas dúvidas, mas algumas condições pré-estabelecidas já podem ajudar na avaliação de perspectivas.

Seu perfil profissional combina com segurança pública e eficiência administrativa. Há uma parcela do eleitorado indisposta em relação a candidatos indicados pela família Ferreira Gomes, basta conferir os resultados das últimas eleições. Algo ali na casa dos 35%. É um outsider que conta com apoio de políticos experientes. É uma base que pode lhe dar alguma competitividade. As variáveis, repito, são muitas.

Por fim, a curiosidade dos que acompanham a política no dia a dia sobre é um indicativo interessante. Quando o candidato não tem potencial de crescimento, a regra é o desinteresse. O general tem chance? Eu diria que tem chance de conferir emoção a uma disputa que se anunciava sem graça. Já é mais do que esperavam, até uns dias atrás, o governo e a própria oposição.

Publicidade

Omissões da oposição pavimentam caminho para a reeleição de Camilo

Por Wanfil em Política

08 de agosto de 2017

Dispersa, oposição deixa caminho livre para o governo

O site do Governo do Ceará informa: “Governador reúne secretários para balanço do semestre e projeta execução de 1.400 obras no Estado“. O texto da matéria reforça o título: No encontro, foram destacadas as mais de 1.400 obras em andamento no Estado. Como ainda estão em andamento, é lítico concluir que as obras ainda por iniciar e as que já foram concluídas não constam dessa lista. E o próprio governador Camilo Santana ressaltou o que isso significa: No momento difícil que o Brasil vive, o Ceará tem ampliado os serviços.

Tudo isso é tão bacana que instiga a curiosidade. Que obras são essas? Onde estão sendo feitas? Qual o impacto delas? Reparo de adutora mal construída é obra em andamento? Conserto de teto de quadra esportiva que desabou é obra em andamento a constar na listagem de ações que demonstram a operacionalidade e competência da gestão? Não se trata de acusar, mas apenas de lembrar que informações oficiais precisam de critérios que possam avaliar a necessidade, a relação custo-benefício e a qualidade dos investimentos feitos com dinheiro público.

Certamente há méritos em muitos projetos, como também existem problemas em muitos outros. Além do mais, é importante saber se existem desequilíbrios na distribuição desses investimentos pelas regiões e municípios do Ceará. Será que a Região Norte, onde brilha Sobral, recebe mais recursos que o Cariri, de Barbalha, terra do governador? E o Sertão Central? Interesses políticos ou ausência de planejamento podem beneficiar uma área em detrimento de outra. Quem sabe, né?

Caberia à oposição fiscalizar isso. Mas com o PMDB rachado, o PSDB quase extinto, e com os deputados Heitor Férrer (PSB) e Capitão Wagner (PR) atuando isolados, no varejo, sem uma ação estratégica para o atacado, a oposição deita em berço esplêndido esperando as eleições do próximo ano. Sem contraponto ao seu discurso, o governo agradece. Ter uma oposição que não incomoda é o caminho mais curto para uma reeleição.

Publicidade

Não basta ser contra Temer, tem que ser diferente dele: eis o problema da oposição

Por Wanfil em Política

02 de agosto de 2017

Dilma e Temer: lembram disso, companheiros? Onde vocês estavam? (Arte sobre foto da Agência Brasil)

Nelson Rodrigues dizia invejar a burrice, que é eterna. Quando o assunto é política, eu invejo a eternidade da hipocrisia. Por ocasião da votação do pedido de investigação contra o presidente Michel Temer, como era de se esperar, a oposição foi a favor da continuidade do processo, em alinhamento, diga-se, com a opinião pública. Até aí tudo bem, é natural.

O problema é quando seus representantes, especialmente nos estados, tentam adornar esse posicionamento com discursos contra, vejam só, a corrupção e a crise econômica, como se seus partidos e lideranças nada tivessem com a maior recessão e o maior escândalo de corrupção da história brasileira. Como se nunca tivessem feito campanha para eleger o próprio Temer, seu aliado até uma dia desses, junto com Dilma. Como se fossem puros. É demais.

Não faltam ao governo Temer defeitos, como a contradição entre a promessa de rigor fiscal e a gastança com emendas parlamentares para garantir apoio no Congresso. Mas falar disso não basta aos adversários do presidente impopular, é preciso tentar ainda apagar as próprias digitais dos problemas que agora dizem combater. E então exageram.

No fim, por falta de correspondência entre discurso e prática no poder, o esforço finda inútil. Toda a indignação fingida de quem nunca fez um mea-culpa por toda essa situação, não passa de jogo de cena. Não enganam ninguém.

Publicidade

Segurança pública: uma dica para o governo, outra para a oposição

Por Wanfil em Segurança

22 de junho de 2017

Tenho dito na coluna que tenho da rádio Tribuna Band News e escrito aqui no blog que o governo do Ceará, diante do recrudescimento dos índices de homicídios, que voltaram a subir vertiginosamente, tem errado na estratégia de comunicação. Ao projetar culpar, com excessiva ênfase, o governo federal, que falha no controle das fronteiras nacionais, a gestão estadual deixa a impressão de que não pode – ou não sabe – reagir mais com recursos próprios.

Dei então uma dica: aceitar o fato de que a raiz do problema está nas facções dos presídios que controlam o crime do lado de fora, para focar ações na restauração de investimentos na Secretaria da Justiça, responsável pelo setor.

Presídios
Talvez por coincidência, o governador Camilo Santana anunciou, nesta semana, que aguarda do Ministério da Justiça a autorização para a construção de um presídios de segurança máxima. Não há data confirmada para a obra, mas em ano pré-eleitoral, tem-se ao menos um novo discurso e finalmente um foco de atuação diferente.

Batalhão de Divisas
Sendo assim, vai que andam lendo o que escrevo e ouçam o que digo, tenho também uma dica para a oposição – ou para opositores, pois o grupo é disperso -, sempre pensado, é claro, em contribuir com o debate. Se um dos problemas apontados pelo governo do Estado é a falta de policiamento nas fronteiras com países produtores de drogas, é razoável perguntar às autoridades locais como anda o trabalho do Batalhão de Divisas da Polícia Militar do Ceará, criada em 2015 com muita expectativa, justamente para combater o tráfico de drogas, de armas e os ataques a banco.

Será que o contingente é suficiente para cobrir as fronteiras estaduais? Quanto policiais atuam no batalhão e quantos seriam necessários? Quais são as áreas mais vulneráveis?

Fiscalizar para melhorar
São informações pertinentes que devem ser cobradas, não como forma de constranger adversários, mas por dever de ofício, afinal, é para isso que a população vota na oposição. Além do mais, verificar a eficiência das ações de segurança em execução hoje, no presente, é a melhor forma de evitar que erros se repitam nas novas ações que estão sendo propostas para o futuro próximo.

Publicidade

Cadê a oposição?

Por Wanfil em Política

07 de Fevereiro de 2017

O governo do Ceará, na gestão Camilo, assim como aconteceu com o ex-governador Lúcio Alcântara, e ao contrário do que foram as gestões de Cid Gomes, é oposição ao governo federal. Condição que, via de regra, dificulta politicamente a vida do governante. Porém, não é o que acontece agora por aqui, em razão de uma série de fatores.

Se por um lado o presidente Michel Temer vem consolidando o poder do PMDB em Brasília, por outro, carece de carisma e apoio da opinião pública. Tudo no Brasil hoje é desconfiança generalizada. E sendo assim, a eventual proximidade com o presidente não é exatamente um trunfo. De todo modo, a máquina federal tem imensa capacidade e meios de dar visibilidade aos seus parceiros nos estados.

Apesar disso, o apoio interno ao governo de Camilo Santana cresce. O DEM, mesmo acusado de golpista pelo PT, aderiu sem maiores constrangimentos a um governo do… PT! Talvez o fato de Camilo ser visto como um futuro ex-petista ajude, mas isso ainda não aconteceu, não é mesmo? Por que então a pressa?

No próprio PMDB a situação não é muito distante. Os deputados Agenor Neto e Audic Mota, eleitos como opositores, racharam e agora são da base de Camilo. O pedetista Sérgio Aguiar, que rompeu para disputar o comando da Assembleia Legislativa no ano passado, voltou ao seu normal e sinaliza que deve voltar a compor com o governo. Até o deputado Heitor Férrer, do PSB, deixou de lado as diferenças, unindo forças com os governistas (e os Ferreira Gomes) para aprovar seu projeto que pede a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios.

Some-se a essas considerações o fato de que a oposição no Ceará acomodou-se na esperança de que suas lideranças – ocupadas com questões nacionais – façam o trabalho local. Despreocupada, não atua em bloco, não articula estratégias, age isolada, pontualmente. Cada um por si. Parece não ter um discurso viável, seja de crítica, seja de proposição de rumos para o Estado.

O governo Camilo, por sua vez, não perde tempo e ocupa o vácuo. Nomeia um nome ligado a oposição para tocar medidas de austeridade e outro de perfil midiático para dividir as atenções com Capitão Wagner na Segurança. Prepara um plano de concessões (privatizações) para se livrar dos elefantes brancos deixados por seu antecessor e padrinho, sem ser minimamente incomodado por seus adversários.

Enquanto isso, a oposição no Ceará espera em berço esplêndido que as coisas (e os votos) lhes caiam do céu.

Publicidade

Cadê a oposição?

Por Wanfil em Política

07 de Fevereiro de 2017

O governo do Ceará, na gestão Camilo, assim como aconteceu com o ex-governador Lúcio Alcântara, e ao contrário do que foram as gestões de Cid Gomes, é oposição ao governo federal. Condição que, via de regra, dificulta politicamente a vida do governante. Porém, não é o que acontece agora por aqui, em razão de uma série de fatores.

Se por um lado o presidente Michel Temer vem consolidando o poder do PMDB em Brasília, por outro, carece de carisma e apoio da opinião pública. Tudo no Brasil hoje é desconfiança generalizada. E sendo assim, a eventual proximidade com o presidente não é exatamente um trunfo. De todo modo, a máquina federal tem imensa capacidade e meios de dar visibilidade aos seus parceiros nos estados.

Apesar disso, o apoio interno ao governo de Camilo Santana cresce. O DEM, mesmo acusado de golpista pelo PT, aderiu sem maiores constrangimentos a um governo do… PT! Talvez o fato de Camilo ser visto como um futuro ex-petista ajude, mas isso ainda não aconteceu, não é mesmo? Por que então a pressa?

No próprio PMDB a situação não é muito distante. Os deputados Agenor Neto e Audic Mota, eleitos como opositores, racharam e agora são da base de Camilo. O pedetista Sérgio Aguiar, que rompeu para disputar o comando da Assembleia Legislativa no ano passado, voltou ao seu normal e sinaliza que deve voltar a compor com o governo. Até o deputado Heitor Férrer, do PSB, deixou de lado as diferenças, unindo forças com os governistas (e os Ferreira Gomes) para aprovar seu projeto que pede a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios.

Some-se a essas considerações o fato de que a oposição no Ceará acomodou-se na esperança de que suas lideranças – ocupadas com questões nacionais – façam o trabalho local. Despreocupada, não atua em bloco, não articula estratégias, age isolada, pontualmente. Cada um por si. Parece não ter um discurso viável, seja de crítica, seja de proposição de rumos para o Estado.

O governo Camilo, por sua vez, não perde tempo e ocupa o vácuo. Nomeia um nome ligado a oposição para tocar medidas de austeridade e outro de perfil midiático para dividir as atenções com Capitão Wagner na Segurança. Prepara um plano de concessões (privatizações) para se livrar dos elefantes brancos deixados por seu antecessor e padrinho, sem ser minimamente incomodado por seus adversários.

Enquanto isso, a oposição no Ceará espera em berço esplêndido que as coisas (e os votos) lhes caiam do céu.