obras Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

obras

Camilo avisa a deputados que o dinheiro está curto

Por Wanfil em Política

28 de Maio de 2019

Reunião do Executivo cearense com sua imensa base aliada no Legislativo – Foto: divulgação

O governador Camilo Santana se reuniu com deputados e secretários para mostrar o quadro geral das limitações financeiras do Estado: a ordem agora é cortar despesas. Foi divulgado ainda que o governador valoriza o Legislativo e que receberá deputados individualmente para conversas.

É que na semana passada deputados estaduais da gigantesca e heterogênea base aliada no Ceará deixaram de votar matérias de interesse do Executivo, descontentes com a falta de diálogo com o governo e com a demora na liberação do dinheiro para emendas parlamentares. É aquela história: mola que não geme, não ganha óleo.

Resumindo, o Executivo informa com todo o jeitinho que não vai dar para atender a todos, mas que não se trata de nada pessoal, pois se trata de uma contingência orçamentária.

Muito bem. Na tradição clientelista da política brasileira, legisladores são vistos como intermediários de obras e verbas para seus “colégios eleitorais” (eufemismo para os antigos currais eleitorais), além de empregos para apaniguados. É claro que a função do parlamentar não é essa, mas por aqui é assim: quem “leva” a obra para o município é o deputado. O problema é que nos tempos de vacas magras, a falta de obras, de verbas e de empregos é percebida pela clientela (prefeitos, vereadores, lideranças e eleitores) como falta de prestígio do representante da região junto ao governo estadual.

No Ceará, a essa tradição, acrescentou-se mais recentemente uma hegemonia política, com ampla adesão das forças políticas regionais ao governismo. Desse modo, adversários municipais inconciliáveis acabam unidos na base do governo e até disputam, não importa o partido ou a ideologia, para mostrar quem é o mais governista, na esperança de receber apoio e tratamento diferenciado.

Ocorre que num ambiente onde quase todos são da base aliada, essa condição deixa de ser um diferencial e passa a ser o padrão. Como o clientelismo, em seu conceito clássico, funciona a partir da capacidade que o governo tem de distribuir verbas e obras, ou de nomear aliados para cargos chaves, quando essa base é grande demais para ser devidamente incorporada na estrutura da máquina e quando as receitas diminuem, algumas preferências passam a ficar evidentes. Uns serão atendidos mais do que outros.

Daí o descontentamento. Para que isso se transforme em dissidência seria preciso que uma nova liderança surgisse no cenário, acenando com novos arranjos. Como não é o caso, a reclamação, por enquanto, não vai dar em nada. É só beicinho.

Publicidade

Omissões da oposição pavimentam caminho para a reeleição de Camilo

Por Wanfil em Política

08 de agosto de 2017

Dispersa, oposição deixa caminho livre para o governo

O site do Governo do Ceará informa: “Governador reúne secretários para balanço do semestre e projeta execução de 1.400 obras no Estado“. O texto da matéria reforça o título: No encontro, foram destacadas as mais de 1.400 obras em andamento no Estado. Como ainda estão em andamento, é lítico concluir que as obras ainda por iniciar e as que já foram concluídas não constam dessa lista. E o próprio governador Camilo Santana ressaltou o que isso significa: No momento difícil que o Brasil vive, o Ceará tem ampliado os serviços.

Tudo isso é tão bacana que instiga a curiosidade. Que obras são essas? Onde estão sendo feitas? Qual o impacto delas? Reparo de adutora mal construída é obra em andamento? Conserto de teto de quadra esportiva que desabou é obra em andamento a constar na listagem de ações que demonstram a operacionalidade e competência da gestão? Não se trata de acusar, mas apenas de lembrar que informações oficiais precisam de critérios que possam avaliar a necessidade, a relação custo-benefício e a qualidade dos investimentos feitos com dinheiro público.

Certamente há méritos em muitos projetos, como também existem problemas em muitos outros. Além do mais, é importante saber se existem desequilíbrios na distribuição desses investimentos pelas regiões e municípios do Ceará. Será que a Região Norte, onde brilha Sobral, recebe mais recursos que o Cariri, de Barbalha, terra do governador? E o Sertão Central? Interesses políticos ou ausência de planejamento podem beneficiar uma área em detrimento de outra. Quem sabe, né?

Caberia à oposição fiscalizar isso. Mas com o PMDB rachado, o PSDB quase extinto, e com os deputados Heitor Férrer (PSB) e Capitão Wagner (PR) atuando isolados, no varejo, sem uma ação estratégica para o atacado, a oposição deita em berço esplêndido esperando as eleições do próximo ano. Sem contraponto ao seu discurso, o governo agradece. Ter uma oposição que não incomoda é o caminho mais curto para uma reeleição.

Publicidade

Transposição de água não acompanha transposição de votos e verbas

Por Wanfil em Corrupção

20 de Fevereiro de 2017

No sexto ano de seca, todo político no Ceará aproveita qualquer entrevista para mostrar sua solidariedade na torcida para que o volume de chuvas garanta o abastecimento. A maioria prefere fingir não saber que a Transposição do São Francisco está cinco anos atrasada e com o orçamento inicial de 4 bilhões e meio de reais atualizado para… atenção… R$ 9,6 bilhões! Talvez a obra fique pronta no segundo semestre deste ano.

Para que ninguém esqueça, a imprensa é que de vez em quando aborda o assunto. O jornal O Globo desta segunda (20) publicou matéria sobre oito grandes obras investigadas pela Lava-Jato, atrasadas e cujos valores iniciais explodiram de modo obsceno. Entres essas, a Transposição, é claro.

Como a obra não aumentou de tamanho, como os canais continuam a ser feitos de cimento e não de pedras preciosas, fica evidente que as únicas transposições constatadas foram de dinheiro público e de votos. Como todos sabem, a Transposição foi um dos trunfos das propagandas eleitorais desses mesmos políticos (especialmente os do PT, PDT e PMDB) que agora posam rezando por chuva nos jornais.

Publicidade

Roberto Cláudio ou Luizianne Lins: quem é o verdadeiro culpado pelo atraso nas obras da Copa?

Por Wanfil em Partidos

29 de Janeiro de 2014

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros), admitiu o que todos já sabiam desde antes das eleições: parte das obras de responsabilidade do município para a Copa do Mundo não ficará pronta a tempo para o evento. E justificou: “Nós tivemos um ano e meio pra fazer o que deveria ter sido feito em quatro anos”. Trocando em miúdos, a culpa pelo fracasso seria exclusivamente da gestão passada, não obstante o esforço da atual na tentativa de recuperar o tempo perdido.

Com todo respeito, não é bem assim. Se por um lado é verdade que Roberto Cláudio assumiu a administração com cronogramas bem atrasados, o rompimento entre seu padrinho Cid Gomes a ex-prefeita Luizianne Lins (PT) é coisa recente, bem posterior ao anúncio de Fortaleza como sede para os jogos da Copa. O racha resultou de divergência internas na aliança, não de confrontos ideológicos ou programáticos.

Tanto é assim que o PROS e o PT, sigla que comandou a capital por oito anos, continuam aliados no Ceará, por partilharem, digamos assim, uma mesma visão. Essa parceria, desde o tempo em que Cid G0mes e Roberto Cláudio estavam no PSB, foi cantada em verso e prosa desde o primeiro mandato da petista. Não seria essa comunhão a razão maior para o eleitor mantê-los no poder?

Portanto, se existe um culpado pelo atraso, é a aliança política da qual souberam se beneficiar eleitoralmente PT e Pros, cada um a seu tempo.

Não é o caso de isentar a gestão passada. Pelo contrário. O prefeito tem razão quando deixa a entender que Luizianne tem grande parcela de culpa por essa situação vexatória. Mas não pode, de maneira alguma, descolar seu grupo político de uma gestão que foi eleita e reeleita com apoio de seu grupo político.

Padrão Fifa…

Na Matriz de Responsabilidades para as obras da Copa no Ceará, não apenas as que estão a cargo do município estão atrasadas. As federais também estão (a reforma do aeroporto, por exemplo). E as estaduais não estão garantidas.

O Castelão, em Fortaleza, foi o primeiro estádio para a competição a ficar pronto, antes mesmo do prazo previsto. Na ocasião, os responsáveis não cansaram de celebrar a própria competência.

Infelizmente, o que foi vendido como um modelo administrativo “padrão Fifa” não passou de um ponto fora da curva. O que tem predominado é a constante corrida contra o tempo, algo que não combina com a conversa de planejamento, eficiência, compromisso etc., etc.

Na hora de assumir a responsabilidade por esses atrasos, ninguém aparece. A Copa nem começou, mas o jogo de empurra está em pleno andamento.

Publicidade

Enquanto isso, no Ceará…

Por Wanfil em Ceará

30 de outubro de 2013

Em sua página pessoal na rede social Facebook, o governador Cid Gomes apresentou, na última terça-feira (29), imagens de obras e projetos no Ceará. Uma maquete eletrônica dá uma ideia de como deverá ficar o antigo Centro de Convenções após reforma feita em parceria com uma universidade privada; e fotos mostram parte das obras do VLT da Avenida Aguanambi, também na capital, e o início do 1º trecho do Cinturão das Águas.

Veja as fotos:

VLT Fortaleza - Divulgação
Cinturão das Águas - Divulgação
Centro de Convenções Maquete - Divulgação
Maquete do Centro de Convenções 2 - Divulgação

Enquanto isso…

Algumas horas antes, no mesmo dia, cerca de 10 homens fortemente armados assaltaram uma agência do Bradesco em Paraípaba, no litoral oeste do Estado. Na ação, renderam a delegacia da cidade, metralharam a viatura e fizeram um policial de refém. Humilhante.

De acordo com o Sindicato dos Bancários, este foi o o 123º ataque a banco no Ceará somente em 2013 (levando-se em conta casos de saidinhas e chegadinhas bancárias, quando são registrados). Na última sexta-feira (25), um grupo de 15 homens explodiu um caixa eletrônico do Banco do Brasil em Penaforte. No início do mês, uma ação semelhante aconteceu em Frecheirinha.

Informalmente, agente estaduais afirmam que os criminosos não assaltam agências da Caixa Econômica para evitar confronto com a Polícia Federal.

Confira as imagens:

Assalto ao Bradesco de Paraipaba (CE)
Assalto ao Banco do Brasil em Penaforte - Foto Carlinhos
Assalto ao BB de Frecheirinha FOTO Marcos Mesquita
Assalto ao BB de Frecheirinha 2 - FOTO Marcos Mesquita

Contraste

Nada pode expressar melhor a nossa realidade do que esse descompasso: enquanto o governador mostra, de boa fé e com visível entusiasmo, obras e maquetes, literalmente o pau canta no Ceará, com o estabelecimento desse “novo cangaço”.

Ninguém em sã consciência é contra obras, desde que estas sejam feitas de forma transparente e casem com as necessidades da população. Eu poderia aplaudi-las e fechar os olhos para isso ou aquilo, só para mostrar otimismo. É fácil, gera simpatia e amigos no governo. Mas ocorre que as pessoas comuns, essas que não possuem cargo comissionado em secretarias ou prefeituras, estão mesmo aflitas é com a insegurança no Ceará. Esse é o ponto.

Reconhecer o que se faz não resolve o que se falta fazer

As ações mostradas no Facebook do governador são boas notícias, sem dúvida. Nos últimos dias, aliados do governo e o próprio Cid passaram a ironizar os que supostamente “não deixam fazer” ou “reclamam quando se faz”. É uma boçalidade compreensível, pois todo governo tem algo para mostrar e fica ansioso com isso. Mas fazer é obrigação e cobrar que seja bem feito não é reclamar, é fiscalizar. Não se trata de um jogo entre contentes e descontentes, mas de definição de prioridades, o que gera, naturalmente, debates.

No fim, fazer é melhor do que não fazer, e eu quero mesmo é que se faça mais. Sou sincero quando parabenizo a iniciativa do Cinturão das Águas, ainda que a promessa comece a ser cumprida somente no penúltimo ano da atual gestão. (A obra será concluída somente para a próxima seca, mas coincide com o calendário eleitoral. Olha aí eu reclamando quando fazem, ô coisa).

O fato é que por mais que muito seja feito ou sonhado, a impotência do governo na área de segurança pública é uma realidade que embaça qualquer outra ação. Que venha agora, portanto, o cinturão da paz. E urgente!

Publicidade

Enquanto isso, no Ceará…

Por Wanfil em Ceará

30 de outubro de 2013

Em sua página pessoal na rede social Facebook, o governador Cid Gomes apresentou, na última terça-feira (29), imagens de obras e projetos no Ceará. Uma maquete eletrônica dá uma ideia de como deverá ficar o antigo Centro de Convenções após reforma feita em parceria com uma universidade privada; e fotos mostram parte das obras do VLT da Avenida Aguanambi, também na capital, e o início do 1º trecho do Cinturão das Águas.

Veja as fotos:

VLT Fortaleza - Divulgação
Cinturão das Águas - Divulgação
Centro de Convenções Maquete - Divulgação
Maquete do Centro de Convenções 2 - Divulgação

Enquanto isso…

Algumas horas antes, no mesmo dia, cerca de 10 homens fortemente armados assaltaram uma agência do Bradesco em Paraípaba, no litoral oeste do Estado. Na ação, renderam a delegacia da cidade, metralharam a viatura e fizeram um policial de refém. Humilhante.

De acordo com o Sindicato dos Bancários, este foi o o 123º ataque a banco no Ceará somente em 2013 (levando-se em conta casos de saidinhas e chegadinhas bancárias, quando são registrados). Na última sexta-feira (25), um grupo de 15 homens explodiu um caixa eletrônico do Banco do Brasil em Penaforte. No início do mês, uma ação semelhante aconteceu em Frecheirinha.

Informalmente, agente estaduais afirmam que os criminosos não assaltam agências da Caixa Econômica para evitar confronto com a Polícia Federal.

Confira as imagens:

Assalto ao Bradesco de Paraipaba (CE)
Assalto ao Banco do Brasil em Penaforte - Foto Carlinhos
Assalto ao BB de Frecheirinha FOTO Marcos Mesquita
Assalto ao BB de Frecheirinha 2 - FOTO Marcos Mesquita

Contraste

Nada pode expressar melhor a nossa realidade do que esse descompasso: enquanto o governador mostra, de boa fé e com visível entusiasmo, obras e maquetes, literalmente o pau canta no Ceará, com o estabelecimento desse “novo cangaço”.

Ninguém em sã consciência é contra obras, desde que estas sejam feitas de forma transparente e casem com as necessidades da população. Eu poderia aplaudi-las e fechar os olhos para isso ou aquilo, só para mostrar otimismo. É fácil, gera simpatia e amigos no governo. Mas ocorre que as pessoas comuns, essas que não possuem cargo comissionado em secretarias ou prefeituras, estão mesmo aflitas é com a insegurança no Ceará. Esse é o ponto.

Reconhecer o que se faz não resolve o que se falta fazer

As ações mostradas no Facebook do governador são boas notícias, sem dúvida. Nos últimos dias, aliados do governo e o próprio Cid passaram a ironizar os que supostamente “não deixam fazer” ou “reclamam quando se faz”. É uma boçalidade compreensível, pois todo governo tem algo para mostrar e fica ansioso com isso. Mas fazer é obrigação e cobrar que seja bem feito não é reclamar, é fiscalizar. Não se trata de um jogo entre contentes e descontentes, mas de definição de prioridades, o que gera, naturalmente, debates.

No fim, fazer é melhor do que não fazer, e eu quero mesmo é que se faça mais. Sou sincero quando parabenizo a iniciativa do Cinturão das Águas, ainda que a promessa comece a ser cumprida somente no penúltimo ano da atual gestão. (A obra será concluída somente para a próxima seca, mas coincide com o calendário eleitoral. Olha aí eu reclamando quando fazem, ô coisa).

O fato é que por mais que muito seja feito ou sonhado, a impotência do governo na área de segurança pública é uma realidade que embaça qualquer outra ação. Que venha agora, portanto, o cinturão da paz. E urgente!