manifestação Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

manifestação

Manifestação em Fortaleza destaca deputados que que votaram pela punição de juízes e procuradores

Por Wanfil em Política

05 de dezembro de 2016

Manifestantes em Fortaleza em apoio à Lava Jato. Foto: Instituto Democracia e Ética

Manifestantes em Fortaleza em apoio à Lava Jato. Foto: Instituto Democracia e Ética

A Praça Portugal, em Fortaleza, mais uma vez foi o palco de manifestações apartidárias no Ceará, desta vez, em defesa da Operação Lava Jato. Nada de sindicatos ou bandeiras vermelhas. Muito verde, azul e amarelo. Seis mil pessoas estiveram no local, segundo organizadores. As imagens condizem com essa projeção.

O ponto alto do encontro foi quando os nomes dos deputados federais cearenses que votaram, na semana passada, a favor da punição de juízes e procuradores que investigam corruptos por abuso de autoridade, foram anunciados, uma a um, devidamente acompanhados de vaias.

Na votação, a bancada do Ceará deixou de lado diferenças políticas e se posicionou pela emenda, apelidada de Lei da Intimidação. Tucanos e petistas, peemedebistas e pedetistas, governistas e oposicionistas, todos buscando limites para a justiça.

Relembre aqui, mais uma vez, quem foram os representantes cearenses que votaram a favor da Lei da Intimidação:

Chico Lopes (PCdoB)
André Figueiredo (PDT)
Leônidas Cristino (PDT)
Aníbal Gomes (PMDB)
Moses Rodrigues (PMDB)
Vitor Valim (PMDB)
Macedo (PP)
Cabo Sabino (PR)
Gorete Pereira (PR)
Ronaldo Martins (PRB)
Danilo Forte (PSB)
Domingos Neto (PSD)
Raimundo Gomes de Matos (PSDB)
José Airton Cirilo (PT)
José Guimarães (PT)
Luizianne Lins (PT)
Arnon Bezerra (PTB)
Genecias Noronha (SD)

Publicidade

Sindicato convoca servidores para ato na hora do expediente: eles ainda não entenderam

Por Wanfil em Política

30 de Março de 2016

Não bastasse a reitoria da UFC fazer proselitismo no site da instituição, agora o Sindicato dos Servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará “convida todos os colegas servidores e todos os trabalhadores, em geral, a participar, nesta quinta-feira, 31/3, às 14h, na Praça do Carmo, da manifestação “Em Defesa da Democracia – A Saída pela Esquerda”. Na verdade, explicam os organizadores, o ato é contra o impeachment de Dilma Rousseff. Até aí, nenhuma surpresa.

Entidades sindicais podem protestar como quiserem, desde que de acordo com seus filiados. Mas reparem apenas no horário do evento acima: 14h. É revelador. De largada, impede a participação dos “trabalhadores em geral”. Em relação aos próprios servidores do IFCE, caso compareça algum que desempenhe suas funções nesse turno, deverá ter o ponto cortado, do contrário, a administração da instituição incorrerá em improbidade.

Parece que os dirigentes do sindicato ainda não entenderam a situação. É fundamental separar o que é sindicato, entidade privada, do que é Instituto, órgão público. Vejamos: a hora de trabalho de cada servidor que tem expediente à tarde e que foi convidado para o tal ato é paga pelos contribuintes, brasileiros que, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (30), reprovam a presidente Dilma (82%). Os idealizadores do manifesto governista podem alegar que o chamado se destina apenas aos funcionários que não estiverem de serviço, embora isso não fique claro no texto. De todo modo, convenhamos, seria injusto com aqueles que, estando nessa condição, desejassem ir.

Minha sugestão amiga: façam seus eventos à noite ou no sábado. Optar por horário de expediente em dia de semana prejudica o serviço prestado pela instituição, o que leva, indiretamente, a desperdício de dinheiro público. Entendam: ninguém aguenta mais ver grupos, quaisquer que sejam, não importam os argumentos, usando bens ou cargos públicos como se fossem coisa particular. Dessa distorção é que nasceu o petrolão.

Publicidade

O que eu vi na manifestação do Fortaleza Apavorada

Por Wanfil em Segurança

13 de junho de 2013

Grupo Fortaleza Apavorada mobiliza multidão em frente ao Palácio da Abolição. Foto: Wanderley Filho

Grupo Fortaleza Apavorada mobiliza multidão em frente ao Palácio da Abolição. Foto: Wanderley Filho

O movimento Fortaleza Apavorada, criado no mundo virtual da internet, se materializou em protesto que reuniu milhares de pessoas contra a onda de violência no Ceará, realizado em frente ao Palácio da Abolição, sede do governo estadual, em Fortaleza.

Horas antes, o secretário de segurança, Francisco Bezerra, havia dito em entrevista coletiva que o grupo poderia estar sendo usado com fins políticos, tese que o governo insiste em repetir. Afirmou ainda que tanto ele como o governador Cid Gomes apoiariam o movimento se fosse algo bem intencionado.

Bom, eu estive presente no local e o que vi foi uma manifestação ordeira e pacífica, destituída de intenções que não as anunciadas desde o início. As pessoas lá reunidas estavam sintonizadas no desejo de anunciar o legítimo descontentamento com os alarmantes índices de violência do estado. Não havia bandeiras ideológicas ou partidárias, tão comuns em manifestações organizadas por governos, sindicatos e outras entidades. Aliás, supreende como uma ação feita sem o apoio dessas estruturas tenha conseguido mobilizar tanta gente e gerar tamanha repercussão.

Não conheço os organizadores do movimento e não falo em nome de ninguém. Falo apenas do que vi: homens, mulheres, jovens, velhos, professores, alunos, artistas, gente comum que se dispôs a comparecer ao protesto num dia de semana, doando seu próprio tempo em nome de uma causa coletiva.

Naturalmente,  o direito à critica foi exercido. Palavras de ordem e faixas cobraram respostas do governador do Estado para o problema da insegurança, mas sem agressões ou ofensas. Uma veradeira aula de cidadania.

Infelizmente, nenhuma autoridade se ofereceu para receber representantes do fortaleza apavorada. O máximo que se viu foram agentes do governo filmando os manifestantes. Cid gomes não estava no palácio em função de outros compromissos marcados, quanta coincidência!, para o momento do protesto. Mas o recado foi dado.

Agora, resta torcer para prevalecer o bom senso. Que o alardeado receio do governo de que o movimento seja aparelhado por grupos políticos siva alerta aos seus organizadores. E que o governo, por sua vez, possa refletir sobre o protesto de forma serena, sem rancor ou arrogância. É hora de desarmar os espíritos em nome de uma solução ou pelo menos de novas propostas para a área de segurança. A disposição para o diálogo pode gerar resultados construtivos, sintonizando finalmente a gestão com o anseios populares.

É revigorante ver que ainda existem pessoas dispostas a agir, dentro da lei e da ordem, pelo bem comum.

Publicidade

O que eu vi na manifestação do Fortaleza Apavorada

Por Wanfil em Segurança

13 de junho de 2013

Grupo Fortaleza Apavorada mobiliza multidão em frente ao Palácio da Abolição. Foto: Wanderley Filho

Grupo Fortaleza Apavorada mobiliza multidão em frente ao Palácio da Abolição. Foto: Wanderley Filho

O movimento Fortaleza Apavorada, criado no mundo virtual da internet, se materializou em protesto que reuniu milhares de pessoas contra a onda de violência no Ceará, realizado em frente ao Palácio da Abolição, sede do governo estadual, em Fortaleza.

Horas antes, o secretário de segurança, Francisco Bezerra, havia dito em entrevista coletiva que o grupo poderia estar sendo usado com fins políticos, tese que o governo insiste em repetir. Afirmou ainda que tanto ele como o governador Cid Gomes apoiariam o movimento se fosse algo bem intencionado.

Bom, eu estive presente no local e o que vi foi uma manifestação ordeira e pacífica, destituída de intenções que não as anunciadas desde o início. As pessoas lá reunidas estavam sintonizadas no desejo de anunciar o legítimo descontentamento com os alarmantes índices de violência do estado. Não havia bandeiras ideológicas ou partidárias, tão comuns em manifestações organizadas por governos, sindicatos e outras entidades. Aliás, supreende como uma ação feita sem o apoio dessas estruturas tenha conseguido mobilizar tanta gente e gerar tamanha repercussão.

Não conheço os organizadores do movimento e não falo em nome de ninguém. Falo apenas do que vi: homens, mulheres, jovens, velhos, professores, alunos, artistas, gente comum que se dispôs a comparecer ao protesto num dia de semana, doando seu próprio tempo em nome de uma causa coletiva.

Naturalmente,  o direito à critica foi exercido. Palavras de ordem e faixas cobraram respostas do governador do Estado para o problema da insegurança, mas sem agressões ou ofensas. Uma veradeira aula de cidadania.

Infelizmente, nenhuma autoridade se ofereceu para receber representantes do fortaleza apavorada. O máximo que se viu foram agentes do governo filmando os manifestantes. Cid gomes não estava no palácio em função de outros compromissos marcados, quanta coincidência!, para o momento do protesto. Mas o recado foi dado.

Agora, resta torcer para prevalecer o bom senso. Que o alardeado receio do governo de que o movimento seja aparelhado por grupos políticos siva alerta aos seus organizadores. E que o governo, por sua vez, possa refletir sobre o protesto de forma serena, sem rancor ou arrogância. É hora de desarmar os espíritos em nome de uma solução ou pelo menos de novas propostas para a área de segurança. A disposição para o diálogo pode gerar resultados construtivos, sintonizando finalmente a gestão com o anseios populares.

É revigorante ver que ainda existem pessoas dispostas a agir, dentro da lei e da ordem, pelo bem comum.