intriga Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

intriga

Quem ganha com a troca ofensas entre Ciro e Eunício?

Por Wanfil em Política

11 de Abril de 2017

O senador Eunício Oliveira chamou Ciro Gomes de “batedor de carteira” durante evento do PMDB no Ceará. É mais uma resposta as acusações que Ciro vez por outra faz contra Eunício.

Ao permitir que animosidades extrapolem a crítica política e descambem para o ataque pessoal, Eunício busca revidar na mesma moeda de Ciro, o que é um risco óbvio, em razão famosa capacidade retórica do ex-governador.

Como política é estratégia, a pergunta a ser feita é: quem ganha com isso? E a resposta é fácil. O governo Camilo sai no lucro quando um de seus principais adversários se enreda nesse jogo onde a ofensa acaba ofuscando o debate sobre tantos problemas que pedem a atenção no Ceará.

No mesmo encontro, Eunício censurou ações do Governo do Estado nas áreas da saúde e da economia, mas tudo ficou em segundo plano, encoberto por mais um round contra Ciro. Camilo, candidato à reeleição, agradece.

A tática diversionista com base no argumentum ad hominem (argumento contra a pessoa) que funcionou nas últimas três ou quatro eleições no Ceará, continua a dar resultados.

Publicidade

O mundo contra Cid Gomes

Por Wanfil em Política

17 de dezembro de 2013

O governador Cid Gomes acusou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, de ter vazado para a imprensa um relatório do Tribunal de Contas da União, de agosto passado, informando que a capacidade de pagamento do Ceará “inspira cuidados”, conforme análise da Secretaria do Tesouro Nacional, órgão subordinado ao Ministério da Fazenda. Segundo o documento, um empréstimo feito pelo Ceará junto do Banco Mundial foi liberado, em caráter de excepcionalidade, somente depois de um pedido do próprio ministro.

Sobre o suposto vazamento para os jornais, o governador foi taxativo: “Esse Guido Mantega vem procurando retaliar o Estado do Ceará. Isso é uma posição pessoal em relação a mim”.

Questão pessoal

A reação é estranha e fere o decoro institucional que se espera das autoridades. O tratamento “esse Guido”, mais do que um arroubo de indignação, remete a uma tentativa de desqualificação pessoal que leva para o campo da intriga, o que deveria ser um debate técnico: afinal, como anda a capacidade de endividamento do Estado?

História mal contada

Existe ainda nesse imbróglio um lacuna lógica. Se Guido atuou para liberar um empréstimo desaconselhado pelo Tesouro Nacional, seria de seu interesse ocultar a operação e não o contrário. Nesse sentido, a conta não fecha.

Tanto é assim que a resposta do ministro procura justificar a operação, afirmando que o Ceará tem baixo endividamento, contrariando análises técnicas do próprio ministério. Algo aconteceu entre o mês de agosto, quando Mantega quebrou o galho da gestão Cid, e dezembro.

O fato é que o documento atinge a imagem de gestor de Cid e foi parar na imprensa nacional. A reação imediata, ao que tudo indica, foi buscar um bode expiatório: Guido Mantega.

Eterno complô

O apelo ao emocional, a vitimização, a personificação do Ceará na própria imagem (críticas à gestão viram ações contra os cearenses), a espetacularização das divergências e a transformação de problemas em ações de inimigos pessoais, constituem uma espécie de recurso padrão para situações que constrangem os interesses do governador. Uma rápida busca no Google basta para conferir isso: Leia mais

Publicidade

O mundo contra Cid Gomes

Por Wanfil em Política

17 de dezembro de 2013

O governador Cid Gomes acusou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, de ter vazado para a imprensa um relatório do Tribunal de Contas da União, de agosto passado, informando que a capacidade de pagamento do Ceará “inspira cuidados”, conforme análise da Secretaria do Tesouro Nacional, órgão subordinado ao Ministério da Fazenda. Segundo o documento, um empréstimo feito pelo Ceará junto do Banco Mundial foi liberado, em caráter de excepcionalidade, somente depois de um pedido do próprio ministro.

Sobre o suposto vazamento para os jornais, o governador foi taxativo: “Esse Guido Mantega vem procurando retaliar o Estado do Ceará. Isso é uma posição pessoal em relação a mim”.

Questão pessoal

A reação é estranha e fere o decoro institucional que se espera das autoridades. O tratamento “esse Guido”, mais do que um arroubo de indignação, remete a uma tentativa de desqualificação pessoal que leva para o campo da intriga, o que deveria ser um debate técnico: afinal, como anda a capacidade de endividamento do Estado?

História mal contada

Existe ainda nesse imbróglio um lacuna lógica. Se Guido atuou para liberar um empréstimo desaconselhado pelo Tesouro Nacional, seria de seu interesse ocultar a operação e não o contrário. Nesse sentido, a conta não fecha.

Tanto é assim que a resposta do ministro procura justificar a operação, afirmando que o Ceará tem baixo endividamento, contrariando análises técnicas do próprio ministério. Algo aconteceu entre o mês de agosto, quando Mantega quebrou o galho da gestão Cid, e dezembro.

O fato é que o documento atinge a imagem de gestor de Cid e foi parar na imprensa nacional. A reação imediata, ao que tudo indica, foi buscar um bode expiatório: Guido Mantega.

Eterno complô

O apelo ao emocional, a vitimização, a personificação do Ceará na própria imagem (críticas à gestão viram ações contra os cearenses), a espetacularização das divergências e a transformação de problemas em ações de inimigos pessoais, constituem uma espécie de recurso padrão para situações que constrangem os interesses do governador. Uma rápida busca no Google basta para conferir isso: (mais…)