incêndio Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

incêndio

Morre cobrador queimado em ataque ordenado por facções e nada muda nos presídios. E ninguém responde por nada. É a banalidade da insegurança

Por Wanfil em Segurança

09 de Maio de 2017

Hannah Arendt falava da banalidade do mal para estudar o Holocausto; hoje, no Ceará, vivemos a banalidade da insegurança

Morreu ontem o cobrador José Nunes de Sousa Neto, queimado num ataque a ônibus em Fortaleza, na tarde do dia 19 de abril passado. Em nota, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará mostrou indignação e disse que “José Nunes de Sousa Neto, vítima da prática criminosa e recorrente de incêndios a ônibus e que tem colocado em risco a vida de trabalhadores do transporte e cidadãos”. Não adianta. O poder público é incapaz de impedir esse tipo de ação, planejado por fações criminosas que atuam nos presídios. Essa é a verdade e a palavra “recorrente” da nota diz tudo.

O secretário de Segurança, André Costa, afirmou que ninguém merece morrer assim. Ninguém discorda, por certo. Lembrou que 16 pessoas foram presas por causa dos ataques. Como e de quem os bandidos receberam as ordens? São os mesmo que atearam fogo ao ônibus de José Nunes. Ninguém parece saber.

Aqui no Ceará é assim, o que é ruim é tratado sempre como mera fatalidade, pois não há autoridade ou gestor que assuma a responsabilidade pela soma de erros que fizeram dos presídios o centro de coordenação do crime organizado. Dá-se por barato que as coisas sejam como são, que dezenas de cearenses morram assassinados todos os finais de semana, que tenhamos cercas elétricas nos muros das nossas casas, que o Ceará seja o terceiro mercado brasileiro para carros blindados.

“Ah, Wanderley, esse é um problema que acontece em todo o Brasil”. Verdade. Mas não é o que dizem nas campanhas eleitorais, não é mesmo? Além do mais, a morte de José Nunes não resultou de um assalto comum, mas de um atentado organizado por presos. E então? Ninguém responde por essas falhas? Fica tudo por isso mesmo? A resposta é sim. José Nunes virou, como tantos outros, estatística. Hannah Arendt falava da banalidade do mal para estudar o Holocausto; hoje, vivemos nestes trópicos a banalidade da insegurança.

O Ceará, assim como o Rio de Janeiro, está a mercê de ataques contra o transporte público e até contra delegacias. Nos dois casos, a presente situação é mais grave por causa de políticas de segurança ruins e equivocadas. Por aqui, centenas de milhões de reais foram gastos na reforma do Castelão para uns poucos jogos e no projeto de um aquário parado, tudo sob o entusiasmado aplauso da maioria dos eleitores, enquanto presos tomavam conta do sistema penitenciário e transformavam o estado no mais violento do País.

Escolhas têm consequências.

Publicidade

Tragédia em boate no RS: Quanto vale uma vida no Brasil?

Por Wanfil em Brasil

27 de Janeiro de 2013

O incêndio que vitimou centenas de pessoas em uma boate no Rio Grande do Sul é mais uma daquelas tragédias que comovem a todos. Pessoas saudáveis, com a vida inteira pela frente, de uma hora para a outra, perecem, deixando nos que ficam uma sensação de incredulidade.

A dor dos familiares desconcerta a gente, que engole seco ao ver as imagens e ao ler as notícias sobre o caso. De certa forma, as grandes catástrofes nos obrigam a contemplar a fragilidade da vida.

As primeiras informações dizem que a boate Kiss, onde ocorreu o trágico incêndio, não tinha alvará para funcionar.  O caso choca também pela soma de circunstâncias que a potencializaram. A falta de saídas de emergência adequadas e de extintores de incêndios, segundo relatos de sobreviventes, contribuíram para aumentar o desespero dos morreram queimados, pisoteados e asfixiados tentando escapar do fogo e da fumaça que se alastraram rapidamente no local.

Evidentemente, é preciso aguardar o inquérito para apurar as devidas responsabilidades. De qualquer forma, casos assim nos fazem pensar. Como é feita a fiscalização nesses estabelecimentos? A cobrança de IPTU nunca falha, por que o mesmo não acontece com as medidas de prevenção? O Corpo de Bombeiros tem condições de avaliá-los? Até onde sei, a instituição sofre com carências absurdas.

O Brasil vive o absurdo obsceno de contar 50 mil vítimas de homicídios e 40 mil mortos em acidentes de trânsito TODOS OS ANOS. De alguma forma, nos acostumamos a isso, afinal, são casos diluídos no tempo e no espaço. Mas com as grandes tragédias é diferente. Essas têm o poder de nos perturbar, por mostrar, na marra, diante do choro de centenas de famílias, o quanto é valiosa a vida, o quanto é importante preservá-la.

Quando o assunto é a segurança das pessoas, o exagero nunca é demais. Riscos devem sempre ser medidos, possibilidades devem ser cogitadas e negligências punidas severamente ANTES que as tragédias aconteçam. O preço de uma vida não pode ser o da imprevidência generalizada.

Publicidade

Tragédia em boate no RS: Quanto vale uma vida no Brasil?

Por Wanfil em Brasil

27 de Janeiro de 2013

O incêndio que vitimou centenas de pessoas em uma boate no Rio Grande do Sul é mais uma daquelas tragédias que comovem a todos. Pessoas saudáveis, com a vida inteira pela frente, de uma hora para a outra, perecem, deixando nos que ficam uma sensação de incredulidade.

A dor dos familiares desconcerta a gente, que engole seco ao ver as imagens e ao ler as notícias sobre o caso. De certa forma, as grandes catástrofes nos obrigam a contemplar a fragilidade da vida.

As primeiras informações dizem que a boate Kiss, onde ocorreu o trágico incêndio, não tinha alvará para funcionar.  O caso choca também pela soma de circunstâncias que a potencializaram. A falta de saídas de emergência adequadas e de extintores de incêndios, segundo relatos de sobreviventes, contribuíram para aumentar o desespero dos morreram queimados, pisoteados e asfixiados tentando escapar do fogo e da fumaça que se alastraram rapidamente no local.

Evidentemente, é preciso aguardar o inquérito para apurar as devidas responsabilidades. De qualquer forma, casos assim nos fazem pensar. Como é feita a fiscalização nesses estabelecimentos? A cobrança de IPTU nunca falha, por que o mesmo não acontece com as medidas de prevenção? O Corpo de Bombeiros tem condições de avaliá-los? Até onde sei, a instituição sofre com carências absurdas.

O Brasil vive o absurdo obsceno de contar 50 mil vítimas de homicídios e 40 mil mortos em acidentes de trânsito TODOS OS ANOS. De alguma forma, nos acostumamos a isso, afinal, são casos diluídos no tempo e no espaço. Mas com as grandes tragédias é diferente. Essas têm o poder de nos perturbar, por mostrar, na marra, diante do choro de centenas de famílias, o quanto é valiosa a vida, o quanto é importante preservá-la.

Quando o assunto é a segurança das pessoas, o exagero nunca é demais. Riscos devem sempre ser medidos, possibilidades devem ser cogitadas e negligências punidas severamente ANTES que as tragédias aconteçam. O preço de uma vida não pode ser o da imprevidência generalizada.