ilusão Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

ilusão

Lá vem a conversa de refinaria de novo…

Por Wanfil em Ceará

23 de junho de 2016

Tá vendo algum indício concreto de refinaria aí? Não? Nem eu.

Tá vendo algum indício concreto de refinaria aí? Não? Nem eu.

O governador Camilo Santana voltou a falar sobre uma possível refinaria para o Ceará, a ser construída por chineses. Está na edição do jornal O Povo desta quinta.

Em tempos difíceis, a ansiedade pelo anúncio de boas notícias é compreensível. Não obstante, falar em nova refinaria agora é a melhor forma de tentar esquecer os prejuízos milionários causados aos cofres estaduais pelo cancelamento da refinaria prometida por Lula, Dilma e seus aliados no Ceará.

Por falar nisso, quando é que o Governo do Estado pedirá ressarcimento à Petrobras do que foi investido com dinheiro dos cearenses para receber o projeto?

Fica o registro. Dar muita atenção a essa conversa de nova refinaria é correr o risco de construir, isso sim, e novamente, outra ilusão. Melhor mudar de assunto.

Publicidade

A alma do negócio

Por Wanfil em Política

10 de Fevereiro de 2016

“A propaganda é a alma do negócio”, reza o ditado. Adaptado às conveniências da política brasileira, o conceito foi alterado com a substituição do termo “propaganda” por “ilusão”: A ilusão é a alma do negócio. Deu certo nos últimos anos para vencer eleições, quando conexões entre promessas e realidade são construídas na base da emoção.

No Ceará o caso mais emblemático de anúncio de intenções vazias foi o golpe da refinaria da Petrobras, que dispensa maiores comentários. Os grupos responsáveis pela presepada estão aí no poder. Mas de tanto usarem o artifício, perderam a mão e exageraram na dose, prometendo crescimento quando já colhiam recessão. Flagrados no truque, insistem na fórmula que tanto sucesso lhes rendeu em passado recente.

Assim, o governo federal agora divulga campanha contra a o mosquito aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e vírus zika, com a seguinte mensagem: “um mosquito não é mais forte que um país inteiro”, procurando se valer do apelo à emoção coletiva, ao sentimento patriótico, à luta contra o inimigo comum e outros clichês.  No mundo real, o Comitê Olímpico dos EUA liberou seus atletas que não quiserem participar dos jogos do Rio de Janeiro por causa do vírus zika. Em resposta, as autoridades brasileiras buscaram tranquilizar os americanos, dizendo que “em agosto é baixa a circulação do mosquito”, fator que “reduz muito os riscos de contágio”. Azar de quem mora aqui e precisa passar pelos meses de alta circulação do inseto.

Em outra frente, o Partido dos Trabalhadores levou ao ar desde a noite de terça um comercial em que diz o seguinte: “tá na hora de mudar o enredo. Vamos deixar de lado o pessimismo”. Como se o pessimismo fosse causa e não consequência das crises econômica, moral e política que o país vive; como se não estivessem em dívida e sob suspeitas mil.

O difícil é saber quando a mentira é deliberada ou quando expressa devaneios de quem não quer ver a realidade. O problema aí é que uma dia, cedo ou tarde, toda propaganda tem que prestar contas aos fatos. E esses, por sua vez, insistem em desmoralizar os anúncios de que as coisas não são tão ruins e de que tudo vai melhorar logo, logo, por obra desses mesmo vendedores de ilusões.

Publicidade

Eita! SSPDS diz que assaltos diminuíram 45% no Ceará. Mágica?

Por Wanfil em Segurança

05 de Fevereiro de 2014

Quando assumiu a Secretaria de Segurança do Ceará (SSPDS), em setembro do no passado, Servilho Paiva disse que os altos índices de criminalidade no Estado não seriam reduzidos com mágica. Diante da pressão geral por resultados, o secretário buscava ganhar tempo, dentro do pouco tempo que resta à gestão Cid Gomes.

No início do ano, Paiva anunciou um plano de ações que dividia o Estado em áreas de policiamento e prometia prêmios para policiais. Pois bem, a assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança divulgou agora no começo de fevereiro, boletim com a seguinte notícia:

Ceará registra queda de 45% em Crimes Violentos Contra o Patrimônio.

A comparação é entre janeiro de 2013, quando foram registrados 5005 casos, e janeiro de 2014, com 2745 casos. De acordo com a SSPDS, a criação de 18 Áreas Integradas de Segurança (AIS), cada uma com três responsáveis (um policial militar, um policial civil e um bombeiro), foi o principal motivo para a redução.

Parece ou não parece mágica? Quem diria que uma simples reorganização faria o que milhões e milhões de investimento, especialmente em luxuosas Hilux, não conseguiu ao longo de sete anos. O problema da mágica, todos sabem, é que ela não passa de ilusão. Nesse ritmo de 45% ao mês, em março não haverá mais registro de assaltos no Ceará…

Não estou dizendo que os dados são falsos. Mas tudo parece simples demais e talvez haja uma certa pressa em divulgar algo positivo para uma área demasiadamente carente de boas novas. Ao ler esses dados, algumas dúvidas me vieram à mente:

1 – As prisões por esse tipo de crime aumentaram (subindo consideravelmente a população carcerária) ou foram os bandidos desistiram de agir nessa modalidade?

2 – Teriam os assaltantes abandonado a prática de crimes diante da nova organização policial, ou depois de um ano lucrativo, teriam resolvido, bem no ano eleitoral, tirar férias?

3 – Outros tipos de crime também tiveram os índices reduzidos?

4 – Não seria mais apropriado dizer que não foram os crimes em si que caíram, mas seus registros oficiais? Até que ponto as vítimas simplesmente não deixaram de comunicar os assaltos por absoluta certeza de que nada será investigado? O sujeito que tem, por exemplo, o celular roubado, sem perder os documentos, ainda faz um Boletim de Ocorrência?

Eu acredito no secretário Servilho Paiva: não existe mágica. Por isso, é preciso uma certa dose de ceticismo ao analisar estatísticas. Não tanto por desconfiança, mas por segurança.

Para encerrar ilustrando o perigo das ilusões, publico uma singela imagem. Mire no ponto vermelho, sem piscar os olhos, por alguns segundos. A faixa azul desaparecerá, mas não se engane. Ela continua lá.

Ilusão de Ótica

Publicidade

Eita! SSPDS diz que assaltos diminuíram 45% no Ceará. Mágica?

Por Wanfil em Segurança

05 de Fevereiro de 2014

Quando assumiu a Secretaria de Segurança do Ceará (SSPDS), em setembro do no passado, Servilho Paiva disse que os altos índices de criminalidade no Estado não seriam reduzidos com mágica. Diante da pressão geral por resultados, o secretário buscava ganhar tempo, dentro do pouco tempo que resta à gestão Cid Gomes.

No início do ano, Paiva anunciou um plano de ações que dividia o Estado em áreas de policiamento e prometia prêmios para policiais. Pois bem, a assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança divulgou agora no começo de fevereiro, boletim com a seguinte notícia:

Ceará registra queda de 45% em Crimes Violentos Contra o Patrimônio.

A comparação é entre janeiro de 2013, quando foram registrados 5005 casos, e janeiro de 2014, com 2745 casos. De acordo com a SSPDS, a criação de 18 Áreas Integradas de Segurança (AIS), cada uma com três responsáveis (um policial militar, um policial civil e um bombeiro), foi o principal motivo para a redução.

Parece ou não parece mágica? Quem diria que uma simples reorganização faria o que milhões e milhões de investimento, especialmente em luxuosas Hilux, não conseguiu ao longo de sete anos. O problema da mágica, todos sabem, é que ela não passa de ilusão. Nesse ritmo de 45% ao mês, em março não haverá mais registro de assaltos no Ceará…

Não estou dizendo que os dados são falsos. Mas tudo parece simples demais e talvez haja uma certa pressa em divulgar algo positivo para uma área demasiadamente carente de boas novas. Ao ler esses dados, algumas dúvidas me vieram à mente:

1 – As prisões por esse tipo de crime aumentaram (subindo consideravelmente a população carcerária) ou foram os bandidos desistiram de agir nessa modalidade?

2 – Teriam os assaltantes abandonado a prática de crimes diante da nova organização policial, ou depois de um ano lucrativo, teriam resolvido, bem no ano eleitoral, tirar férias?

3 – Outros tipos de crime também tiveram os índices reduzidos?

4 – Não seria mais apropriado dizer que não foram os crimes em si que caíram, mas seus registros oficiais? Até que ponto as vítimas simplesmente não deixaram de comunicar os assaltos por absoluta certeza de que nada será investigado? O sujeito que tem, por exemplo, o celular roubado, sem perder os documentos, ainda faz um Boletim de Ocorrência?

Eu acredito no secretário Servilho Paiva: não existe mágica. Por isso, é preciso uma certa dose de ceticismo ao analisar estatísticas. Não tanto por desconfiança, mas por segurança.

Para encerrar ilustrando o perigo das ilusões, publico uma singela imagem. Mire no ponto vermelho, sem piscar os olhos, por alguns segundos. A faixa azul desaparecerá, mas não se engane. Ela continua lá.

Ilusão de Ótica