Fortaleza Archives - Página 3 de 15 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Fortaleza

Debate Jangadeiro é marcado por duelo de imagens entre Wagner e RC

Por Wanfil em Eleições 2016

25 de outubro de 2016

O debate promovido pelo Sistema Jangadeiro entre os pretendentes a Prefeitura de Fortaleza nesta terça-feira (25) foi marcado pela por um duelo de imagens cuidadosamente planejadas por seus estrategistas.

Desde o início Capitão Wagner (PR) buscou ocupar uma posição ofensiva, alternando críticas à gestão do oponente e referências à própria trajetória humilde. Pontuou diversas vezes que o prefeito seria um político tradicional, amarrado por acordos com aliados. Já Roberto Cláudio (PDT), que tenta a reeleição, procurou trabalhar o perfil de candidato propositivo e moderado, reagindo ao concorrente acusando-o de ser despreparado para o cargo e agressivo por não ter propostas.

Cada aposta com seus riscos. Wagner de parecer demasiadamente negativo ou soar arrogante, o que gera antipatias; Roberto Cláudio de afigurar-se muito passivo diante de acusações diretas, condição que prejudica a imagem de líder para quem procurar brilhar por conta própria. Em apenas um momento o prefeito foi mais incisivo na defesa, na maior parte do tempo, limitou-se a lamentar a postura do republicano.

Um dos clichês mais conhecidos do marketing político é o que o desafio do debate é não errar, não cometer uma gafe ou ser surpreendido por um fato novo desconcertante. Sem isso, não há ganhadores e perdedores, No entanto, como eu disse no post anterior (Presença e ausência de aliados nas propagandas revela estratégias opostas na reta final), uma vez que a disputa está apertada, todo detalhe agora pode ser determinante.

Publicidade

Segundo turno: presença (e ausência) de aliados nas propagandas revela estratégias opostas na reta final

Por Wanfil em Eleições 2016

25 de outubro de 2016

Na reta final do segundo turno em Fortaleza o candidato Capitão Wagner (PR) levou ao seu programa eleitoral seus apoiadores Tasso Jereissati, do PSDB, na semana passada, e Eunício Oliveira, do PMDB, nesta semana. Já nas peças de Roberto Cláudio (PDT) as figuras do governador Camilo Santana (PT) e dos ex-governadores Ciro e Cid Gomes (PDT) curiosamente ainda não apareceram.

Não obstante as qualidades e defeitos dos candidatos e de toda a comunicação feita até o momento, a presença ou a ausência de aliados nas propagandas pode ser determinante, uma vez que a disputa será decidida pelos indecisos. Todo detalhe agora é mais importante do que nunca.

Daí a opção de apresentá-los ou não, de associar imagens ou de evitar essas associações, na expectativa de agregar votos ou de evitar perdê-los. São decisões tomadas, claro, com base em pesquisas internas. Bem observadas as escolhas feitas neste segundo turno, há muito nelas que dizem respeito às próximas eleições, em 2018.

Publicidade

Datafolha: Wagner cresce e embola disputa na última semana

Por Wanfil em Eleições 2016

23 de outubro de 2016

O segundo turno em Fortaleza caminha para um final emocionante, conforme indicam os números da pesquisa Datafolha/O Povo divulgados no sábado (22). Na comparação com o levantamento anterior, feito entre os dias 7 e 8 de outubro, Capitão Wagner (PR) subiu de 34% para 36%, enquanto Roberto Cláudio (PDT) que recuou de 48% para 45%.

Mais importante do que os números em si, é o movimento captado pela pesquisa o que interessa. O republicano não apenas interrompeu o fluxo de crescimento do pedetista, que era constante, mas inverteu essa tendência. Obviamente, isso é resultado da estratégia de comunicação de Wagner, que há pelos duas semanas passou a veicular propagandas mais críticas (que já demandaram mediação da Justiça Eleitoral) em relação a Roberto Cláudio e sua gestão.

Essas alterações nos humores do eleitorado, é importante anotar, não são estáticos e acontecem dentro de uma onda cujo deslocamento é de difícil apreensão. Pesquisas captam um breve instante de um fenômeno que é contínuo e de velocidade variável. Entre a captação, a publicação e a análise dos índices, as flutuações continuam ocorrendo.

Na guerra de imagens que é uma campanha, a coligação do prefeito buscou desconstruir o adversário com a pecha da inexperiente, que pareceu funcionar entre o final do primeiro e o início do segundo turnos. Agora, os estrategistas de Wagner miram na desconfiança do público em relação aos políticos, acusando o prefeito de não cumprir o que promete. Pelo Datafolha, surtiu efeito.

Falta uma semana para a eleição. É pouco tempo para alterações na comunicação de ambos. A se confirmar a tendência de redução na distância entre os dois candidatos, que caiu de 14 para nove pontos, o desafio é saber se a intensidade dessa propensão será suficiente para uma mudança de posições.

Agora, tudo será fundamental. Especialmente o debate do Sistema Jangadeiro, na próxima terça (25), que pelo horário – às 12:20 – tem grande alcance junto aos eleitores que não podem acompanhar debates em outros horários.

Publicidade

Wagner e RC: ataque como estratégia eleitoral funciona?

Por Wanfil em Eleições 2016

17 de outubro de 2016

O clima esquentou de vez no segundo turno da disputa eleitoral pela Prefeitura de Fortaleza. Desde o final de semana propagandas veiculadas pela coligação do Capitão Wagner (PR) apresentam ataques e denúncias contra o rival Roberto Cláudio (PDT), cuja campanha, por sua vez, revidou.

Apesar do tom emotivo para mobilizar o eleitorado, existe uma lógica racional a orientar esse acirramento. Não se trata de ser bom ou mal, vermelho ou azul, rico ou pobre: é estratégia, ainda que se possa, naturalmente, discordar de seu conteúdo e eficácia.

O fato é que Roberto Cláudio encerrou o primeiro turno à frente de seu concorrente, Wagner. Se ambos mantivessem as mesmas abordagens de comunicação, o resultado provavelmente se repetiria. Aliás, isso tem sido constatado nas pesquisas. Situação que interessa ao pedetista, óbvio. Nesse caso, a pressão por mudança pesa mais sobre o candidato republicano.

Não significa dizer, porém, que vale tudo, seja do ponto de vista legal ou da conveniência eleitoral. Apontar eventuais erros ou desvios do concorrente, ou supostos erros e desvios, faz parte do jogo. Mas sempre existe o risco do excesso e do feitiço virar contra o feiticeiro. Na ponta inversa, é preciso ainda saber como reagir: ignorar, mostrar-se superior, posar de vítima ou partir para o enfrentamento? Vai depender do potencial de estrago.

Há nisso tudo uma boa dose de cálculo, para definir a intensidade da propaganda de desconstrução. O certo é que ninguém fica indiferente a essa nova situação, o que mostra que a esperança de um lado e o temor de outro por seus resultados são uma realidade.

Se vai dar certo,isso é impossível dizer, pois depende de inúmeras variáveis. Pode gerar desconfiança contra o alvo dos ataques em certos segmentos do eleitorado, ao tempo em que junto a outros grupos pode criar antipatia em relação a quem os desfere.

Uma decisão liminar da Justiça Eleitoral suspendeu, temporariamente, algumas propagandas do PR contra o candidato do PDT. Os advogados de Wagner prometem recorrer. A difícil missão de arbitrar uma disputa que envereda por esse caminho pede pressa e muito cuidado. Pressa porque o tempo é curto, cuidado porque críticas ou denúncias fazem parte da política, desde que amparadas nos fatos e colocadas em termos adequados.

De resto, caberá ao eleitor decidir sobre a conveniência e a eficácia dessa estratégia.

Publicidade

Eleições 2016: O Ceará na primeira eleição pós-impeachment

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

As primeiras impressões a respeito das eleições 2016 no Ceará ainda estão sendo processadas. A troca de ideias e informações ajuda a delinear as formas do quadro político no Estado. Para tanto, é preciso levar em conta o cenário e as circunstâncias que agiram sobre o pleito.

Abaixo, faço considerações sobre alguns resultados que me parecem significativos para a construção desse entendimento.

Primeiras considerações (clique nos links para ler os textos)

1 – Fortaleza: a disputa continua, mas já existem um derrotado e um vencedor

2 – Sobral e o preço de uma hegemonia

3 – Barbalha e o escândalo da compra de votos

4 – Massapê e Tauá, casos de família

5 – Quixadá como alento para o PT

6 – Crato frustra o PSDB

Outras considerações

As análises não se encerram aqui. Outras cidades ou disputas importantes merecem um olhar mais de perto. Nos próximos dias, mais resultados e o segundo turno em Fortaleza e Caucaia serão avaliados aqui no blog. Conto com sua divulgação nos seus municípios.

Abraço,

Wanderley Filho.

Publicidade

Eleições 2016: Fortaleza já tem um derrotado e um vencedor

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

A eleição para a Prefeitura de Fortaleza será decidida no próximo dia 30 de outubro, em segundo turno. Continuam na disputa o prefeito Roberto Cláudio (PDT), que terminou o primeiro turno com 40% dos votos, e Capitão Wagner (PR) com 31%.

Evidentemente, tudo pode acontecer. De todo modo, se por um lado a disputa continua, por outro é possível dizer que o maior derrotado na capital foi o PT, que ainda viu sua bancada na Câmara reduzir de quatro para dois vereadores. Para ser justo, a terceira posição de Luizianne Lins, com 15,06% dos votos válidos, foi resultado que superou a maioria dos candidatos petistas em outras capitais, mas insuficiente para avançar ao segundo turno.

Assim, paradoxalmente, o grande vencedor na capital pode ser o governador Camilo Santana, que pode ampliar sua influência na sigla no momento em que José Guimarães e Luizianne estão enfraquecidos, desde que haja disposição e apetite para isso. A sorte, como dizia Napoleão, sorri para os audazes.

Muito se especula a respeito de uma possível saída de Camilo do PT para o PDT. Parece lógico, dada a sua proximidade com os Ferreira Gomes. Porém, no PDT, o governador nunca será uma liderança, pois esse papel atualmente cabe aos irmãos Ciro e Cid. Já o PT no Ceará, mais do que nunca, precisa de Camilo. Mas para tanto, a vitória do aliado Roberto Cláudio é fundamental, pois fortalece a parceria entre petistas e cidistas, contra a qual Luizianne lutou.

Por ironia, para que isso se confirme de vez, é preciso conquistar os eleitores da ex-prefeita.

Publicidade

Debate Jangadeiro em Fortaleza mostra ansiedade e cautela nos ataques

Por Wanfil em Eleições 2016

27 de setembro de 2016

Candidatos à prefeitura de Fortaleza debatem, trocam farpas, mas evitam o vale-tudo. Foto: Emílio Moreno/Tribuna do Ceará

Candidatos à prefeitura de Fortaleza trocam farpas em debate, mas evitam o vale-tudo. Foto: Emílio Moreno/Tribuna do Ceará

O debate entre candidatos à Prefeitura de Fortaleza realizado pela TV Jangadeiro nesta terça-feira, foi ao mesmo tempo vibrante e cauteloso, à semelhança das partidas nas quais os jogadores guardam prudência na hora de atacar, para não abrir os flancos a contra-ataques do adversário.

Não significa, porém, que os embates não tenham acontecido. Pelo contrário, afinal, é da essência da disputa a necessidade de desconstruir o oponente. O clima foi tenso especialmente entre Roberto Cláudio (PDT), Capitão Wagner (PR) e Luizianne Lins (PT), que lideram as pesquisas, os dois primeiros tecnicamente empatados, seguidos pela ex-prefeita.

Em muitos momentos os candidatos buscaram atingir seus adversários nos temas em que estes se mostraram mais atuantes durante a campanha. Críticas pessoais foram disparadas, algumas mais duras, com afirmações sobre promessas não cumpridas ou inexperiência, mas sem agressões pessoais, xingamentos e baixarias do gênero. (Confira os detalhes na matéria da repórter Jéssica Welma: Roberto Cláudio e Capitão Wagner partem para o ataque mútuo durante debate na TV Jangadeiro).

O limite entre a disputa desejável e o vale-tudo é mérito dos candidatos, que se mostraram maduros, mas também do formato do debate, bem planejado e mediado, e sobretudo, das circunstâncias. Com uma eleição muito acirrada numa capital famosa pela imprevisibilidade dos eleitores, os participantes perceberam que excesso de agressividade pode lhes custar votos agora ou no segundo turno. Pelo menos por enquanto, a artilharia pesada foi contida.

Melhor para cidade.

Publicidade

Datafolha também sinaliza cheirinho de segundo turno em Fortaleza

Por Wanfil em Pesquisa

26 de setembro de 2016

Pelas pesquisas, eleitores adiarão o fim das eleições em Fortaleza

Pelas pesquisas, eleitores devem adiar o fim das eleições em Fortaleza para 30 de outubro. Pelas pesquisas…

Pesquisa Datafolha em Fortaleza, contratada pelo jornal O Povo e divulgada no final de semana, mostra Roberto Cláudio (PDT) e Capitão Wagner (PR) isolados na liderança, com 34% e 28% respectivamente.

Luizianne Lins (PT) marca 15% e Heitor Férrer (PSB) tem 6%. Ronaldo Martins (PRB) aparece com 3% e João Alfredo (PSOL) com 1%. Francisco Gonzaga (PSTU) e Tin Gomes (PHS) não pontuaram. Brancos e nulos representam 6%; não sabem ou não responderam, também 6%.

Assim como o Ibope, a segunda pesquisa do Datafolha para a capital nesta campanha mostra um cenário que converge para a realização de um segundo turno entre Roberto Cláudio e Capitão Wagner. Significa então que haverá segundo turno? Não. Além de estarmos pisando no terreno das probabilidades, o eleitorado de Fortaleza é dado a mudanças de última hora.

De todo modo, as campanhas precisam estar preparadas para essa contingência, sobretudo quando ela se mostra bastante possível. Implica dizer que o planejamento financeiro das campanhas precisa ter fôlego até o dia 30 de outubro e que as estrategistas políticos deverão pensar nos eleitores daqueles candidatos que não passarem para o eventual segundo turno.

Nesse sentido, dificilmente RC e Wagner atacarão Luzianne Lins ou Heitor Férrer nessa reta final, para não criar ressentimentos. O momento é de afiar armas estudando tendências, curvas, abstenção, rejeição, histórico, entre outros, na tentativa de enxergar para onde esses votos podem ir e formas de conquistá-los ou, pelo menos, de impedir que migrem para o adversário.

Como fazer isso fica para um próximo texto. Não vamos colocar  o carro à frente dos bois. Por enquanto, aguardemos o desenrolar desta última semana. Pelos números, Roberto Cláudio pode tentar um esforço final para resolver a parada no primeiro turno, o que parece muito difícil de acontecer. Já Wagner precisa manter o ritmo de crescimento para forçar um novo turno, já que uma virada agora também soa improvável. Mas como eu já disse, Fortaleza é imprevisível, especialmente nas 48 horas que antecedem a votação.

Publicidade

Lula, o réu, faz campanha no Ceará: onde estarão seus antigos aliados?

Por Wanfil em Política

20 de setembro de 2016

O juiz Sérgio Moro aceitou nesta terça-feira (20) denúncia do Ministério Público Federal contra o ex-presidente Lula, acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no escândalo da Petrobras. Por coincidência, o agora réu na Lava Jato tem compromissos de campanha marcados para esta quarta em Fortaleza, Barbalha e Iguatu, com candidatos do PT. Até o momento, a participação de Lula está confirmada.

Com a reputação manchada pelos crimes que lhes são atribuídos, o ex-presidente tem poucas chances de virar o jogo eleitoral para qualquer candidato. De todo modo, será interessante ver como aliados de outrora, aqueles que disputavam os afagos de Lula quando este elegia até postes, irão agir.

Lembra dos deputados, prefeitos e ex-governadores dos mais variados partidos que subiam alegres nos palanques de Lula prometendo refinarias e batendo palmas para o populismo? Pois é. Tenho a impressão de estes sumirão, sem fazer alarde, sem romper ou dar explicações a ninguém, motivados pelo mesmo oportunismo que um dia os uniu à “propinocracia” lulista, expressão que consta na denúncia feita pelos procuradores da Lava Jato.

Publicidade

Candidatos mudam estratégias na reta final em Fortaleza

Por Wanfil em Eleições 2016

19 de setembro de 2016

As pesquisas realizadas após o início desta curta campanha eleitoral indicam quais campanhas conseguiram emplacar suas estratégias e quais precisam mudá-la para tentar chegar a um provável segundo turno em Fortaleza. É o que está acontecendo.

Do ponto de vista do marketing eleitoral, o Capitão Wagner (PR) conseguiu definir a segurança pública como tema central do debate. Como saiu do empate técnico com Luizianne Lins (PT) para chegar ao empate técnico com o prefeito Roberto Cláudio (PDT), os demais concorrentes se viram obrigados a abordar o assunto, na tentativa de anular a vantagem tática do candidato do PR.

Para o prefeito, que também cresceu nas pesquisas e praticamente está garantido no segundo turno, pequenos ajustes foram introduzidos, como a lembrança de que o investimento em creches é uma ação que visa também a segurança das crianças. Provavelmente não fará ataques agora, pela razão que explico a seguir.

O cenário das pesquisas forçou mudanças na estratégia de Luizianne, que agora procura desconstruir o discurso de Wagner para a segurança pública. No início da campanha ela mirou a gestão Roberto Cláudio, apostando na polarização da disputa. No entanto, sem emplacar nas pesquisas, a petista percebeu que atacar a gestão do pedetista acabou por beneficiar Wagner, que sem contraponto, avançou tranquilo.

É uma situação delicada para Luizianne e o PT. Se bater muito no Capitão e conseguir ultrapassá-lo, corre o risco de perder os eleitores de Wagner em caso de segundo turno, o que ajudaria na reeleição de Roberto Cláudio, aliado de Cid e Ciro Gomes, adversários de Luizianne.

Outra mudança, menos importante, mas significativa como ilustração de uma forma de fazer política, é na campanha de Tin Gomes (PHS), deputado estadual e primo dos Ferreira Gomes. O candidato, que não tem chance alguma e com desempenho pífio, de neutro passou a criticar Wagner indiretamente, mostrando mais preocupação com os concorrentes da atual gestão do que com a própria condução dessa mesma gestão que ele, por algum motivo, acha que merece ser interrompida, caso contrário, por suposto, não seria candidato.

A não ser que aceitasse ser usado por terceiros, especialmente nos debates, hipótese que ninguém pode acreditar, não é mesmo?

Publicidade

Candidatos mudam estratégias na reta final em Fortaleza

Por Wanfil em Eleições 2016

19 de setembro de 2016

As pesquisas realizadas após o início desta curta campanha eleitoral indicam quais campanhas conseguiram emplacar suas estratégias e quais precisam mudá-la para tentar chegar a um provável segundo turno em Fortaleza. É o que está acontecendo.

Do ponto de vista do marketing eleitoral, o Capitão Wagner (PR) conseguiu definir a segurança pública como tema central do debate. Como saiu do empate técnico com Luizianne Lins (PT) para chegar ao empate técnico com o prefeito Roberto Cláudio (PDT), os demais concorrentes se viram obrigados a abordar o assunto, na tentativa de anular a vantagem tática do candidato do PR.

Para o prefeito, que também cresceu nas pesquisas e praticamente está garantido no segundo turno, pequenos ajustes foram introduzidos, como a lembrança de que o investimento em creches é uma ação que visa também a segurança das crianças. Provavelmente não fará ataques agora, pela razão que explico a seguir.

O cenário das pesquisas forçou mudanças na estratégia de Luizianne, que agora procura desconstruir o discurso de Wagner para a segurança pública. No início da campanha ela mirou a gestão Roberto Cláudio, apostando na polarização da disputa. No entanto, sem emplacar nas pesquisas, a petista percebeu que atacar a gestão do pedetista acabou por beneficiar Wagner, que sem contraponto, avançou tranquilo.

É uma situação delicada para Luizianne e o PT. Se bater muito no Capitão e conseguir ultrapassá-lo, corre o risco de perder os eleitores de Wagner em caso de segundo turno, o que ajudaria na reeleição de Roberto Cláudio, aliado de Cid e Ciro Gomes, adversários de Luizianne.

Outra mudança, menos importante, mas significativa como ilustração de uma forma de fazer política, é na campanha de Tin Gomes (PHS), deputado estadual e primo dos Ferreira Gomes. O candidato, que não tem chance alguma e com desempenho pífio, de neutro passou a criticar Wagner indiretamente, mostrando mais preocupação com os concorrentes da atual gestão do que com a própria condução dessa mesma gestão que ele, por algum motivo, acha que merece ser interrompida, caso contrário, por suposto, não seria candidato.

A não ser que aceitasse ser usado por terceiros, especialmente nos debates, hipótese que ninguém pode acreditar, não é mesmo?