Fortaleza Archives - Página 2 de 15 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Fortaleza

Wagner e Camilo trocam insultos enquanto bandidagem segue firme

Por Wanfil em Segurança

22 de Abril de 2017

No rastro de fumaça deixado pelos ataques e incêndios em Fortaleza e Região Metropolitana, o deputado Capitão Wagner (PR) e o governador Camilo Santana (PT), possíveis adversários nas eleições do ano que vem, trocaram farpas que em nada ajudam na solução do problema. É fogo sem calor.

Wagner chamou Camilo de “frouxo” acusando-o de não concordar com a estratégia adotada pela Secretaria de Segurança para normalizar a situação. Já o governador rebateu chamando o deputado de “moleque”, dizendo que o parlamentar busca tirar proveito político do momento.

É papel da oposição criticar, função tanto mais importante nos momentos de crise, como é o caso. Por outro lado, é compreensível que governos façam a defesa de suas atuações e abordagens, mesmo quando pressionados pelos fatos.

Ocorre que a substituição de critérios objetivos relacionados a políticas públicas pelo mero insulto tem efeito prático nulo, sobressaindo-se apenas seu teor emocional. Na verdade, impede o debate sobre as causas do problema e atrapalha a avaliação sobre a eficiência as medidas emergenciais adotadas. Sem isso, casos como o que assistimos se repetirão toda vez que facções criminosas assim decidirem.

É preciso que o governo seja cobrado, afinal, não é normal que o crime organizado faça o que fez. Wagner faz o que a oposição deixou de fazer há muito tempo no Ceará: cutucar e chamar a discussão. Camilo, por sua vez, precisa explicar sem subterfúgios como o governo foi pego de surpresa e como pretende evitar que novos ataques aconteçam. Isso é normal, pelo menos, deveria ser.

Não precisam concordar, é óbvio, mas podem discordar um do outro de forma construtiva, trazendo informações, apresentando alternativas e opções. Para isso, entretanto,é necessário que passem a comunicar suas ideias em outro nível.

Publicidade

“Espero muita solidariedade de Eunício”, diz Roberto Cláudio

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

02 de Fevereiro de 2017

Roberto Cláudio, prefeito de Fortaleza, em entrevista à rádio TBN, do Sistema Jangadeiro

O prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT) concedeu entrevista à rádio Tribuna Band News FM (101.7), na manhã desta quinta-feira. Perguntei ao prefeito como ele vê a eleição de Eunício Oliveira (PMDB) para a presidência do Senado, ocorrida ontem. Lembrei, mais para os ouvintes, que cabe ao Senado aprovar operações financeiras externas – como empréstimos e financiamentos – para a União, estados e municípios.

Polido e conciso, Roberto Cláudio desejou sorte ao senador e disse esperar “muita solidariedade com o Ceará e com Fortaleza”. A respeito de eventuais implicações na articulação política aqui no Estado, com desdobramentos nas eleições de 2018 – perguntei feita pela jornalista Jéssica Welma, do portal Tribuna do Ceará -, o prefeito saiu pela tangente, afirmando que as demandas administrativas da prefeitura exigem toda sua atenção e energia, deixando questões políticas em segundo plano.

A resposta combina com o estilo pessoal de Roberto Cláudio, mas também revela o cuidado do gestor com as necessidades e obrigações institucionais sob sua responsabilidade. Resta saber se o restante do PDT seguirá essa mesma linha de cautela.

Publicidade

Reinventando a UNE

Por Wanfil em Política

27 de Janeiro de 2017

A UNE e o desafio de reinventar um discurso desgastado com base em desculpas esfarrapadas. (Divulgação)

A União Nacional dos Estudantes, entidade controlada pelo PC do B, que por sua vez é controlado pelo PT, realiza encontro em Fortaleza com o tema “Feira da Reinvenção”.

O evento acontece entre os dias 29 de janeiro e 1º de fevereiro. Para debater a “Reinvenção da economia e as saídas para a crise” foram anunciados do exg0vernador Ciro Gomes, da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)  e da ex-deputada federal Luciana Genro (PSOL), filha do petista Tarso Genro.

Assunto não falta. Nesta semana, por exemplo, o TCU suspendeu repasses para a Transnordestina após constatar “sério descompasso entre os investimentos e o cronograma físico-contábil”. Ciro Gomes, que entre 2015 e 2016 presidiu a subsidiária da CSN responsável pela obra, pode abordar a reinvenção do financiamento para grandes obras de infraestrutura.

Já Vanessa Grazziontin é a pessoa ideal para falar sobre a reinvenção da privatização de presídios, uma vez que a senadora do Amazonas recebeu pelo menos R$ 2,890 milhões de empresas privadas gestoras de presídios quando concorreu à prefeitura de Manaus, em 2012.

Luciana Genro, que foi contra o impeachment de Dilma, mas que no velório de Teori Zavascki defendeu a Operação Lava Jato, pode comentar sobre a prisão do marqueteiro da ex-presidente e sobre os três processos em que Lula figura como réu.

Diante disso, a UNE poderia incluir na programação um debate sobre a Reinvenção da Corrupção no Brasil na última década. Mas, pensando bem, para que isso fosse possível, seria preciso antes reinventar a própria UNE.

Publicidade

Imagens de elevador que leva a lugar nenhum em escola de Fortaleza ganham projeção nacional

Por Wanfil em Fortaleza

17 de Janeiro de 2017

Elevador em Fortaleza agora nacionalmente famoso (Foto: MPCE)

A Prefeitura de Fortaleza conseguiu sua primeira notícia de repercussão nacional em 2017. A edição desta terça-feira (17) do Jornal Hoje, da Rede Globo, apresentou, com direito a imagens exclusivas, denúncia do MP sobre a instalação de um elevador que não leva a lugar nenhum na Escola Municipal Professor Denizard Macedo.

O apresentador Evaristo Costa apresentou a obra como mau exemplo de ação pública:

Uma escola municipal de Fortaleza ganhou um elevador, ao custo de R$ 50 mil. Isso deveria ser um bom exemplo, mas não foi o que aconteceu.

Segundo a matéria, o relatório dos gestores municipais escondeu o fato: “A parte de cima não tem acesso a nada, mas isso não aparece na foto do relatório da obra encaminhado ao Ministério Público”. Ainda de acordo com o Jornal Hoje, a prefeitura responsabiliza a construtora que realizou a obra pela situação inusitada. Esta, por sua vez, responde afirmando que fez o que o projeto determinava.

A notícia foi devidamente coberta com farto material de imagens e amplo acesso ao local com exclusividade -, de modo que todos os brasileiros pudessem ver melhor a “qualidade” do planejamento das obras nas escolas municipais de Fortaleza.

O caso foi mostrado pelo portal Tribuna do Ceará no último dia 12.

Publicidade

Manifestação em Fortaleza destaca deputados que que votaram pela punição de juízes e procuradores

Por Wanfil em Política

05 de dezembro de 2016

Manifestantes em Fortaleza em apoio à Lava Jato. Foto: Instituto Democracia e Ética

Manifestantes em Fortaleza em apoio à Lava Jato. Foto: Instituto Democracia e Ética

A Praça Portugal, em Fortaleza, mais uma vez foi o palco de manifestações apartidárias no Ceará, desta vez, em defesa da Operação Lava Jato. Nada de sindicatos ou bandeiras vermelhas. Muito verde, azul e amarelo. Seis mil pessoas estiveram no local, segundo organizadores. As imagens condizem com essa projeção.

O ponto alto do encontro foi quando os nomes dos deputados federais cearenses que votaram, na semana passada, a favor da punição de juízes e procuradores que investigam corruptos por abuso de autoridade, foram anunciados, uma a um, devidamente acompanhados de vaias.

Na votação, a bancada do Ceará deixou de lado diferenças políticas e se posicionou pela emenda, apelidada de Lei da Intimidação. Tucanos e petistas, peemedebistas e pedetistas, governistas e oposicionistas, todos buscando limites para a justiça.

Relembre aqui, mais uma vez, quem foram os representantes cearenses que votaram a favor da Lei da Intimidação:

Chico Lopes (PCdoB)
André Figueiredo (PDT)
Leônidas Cristino (PDT)
Aníbal Gomes (PMDB)
Moses Rodrigues (PMDB)
Vitor Valim (PMDB)
Macedo (PP)
Cabo Sabino (PR)
Gorete Pereira (PR)
Ronaldo Martins (PRB)
Danilo Forte (PSB)
Domingos Neto (PSD)
Raimundo Gomes de Matos (PSDB)
José Airton Cirilo (PT)
José Guimarães (PT)
Luizianne Lins (PT)
Arnon Bezerra (PTB)
Genecias Noronha (SD)

Publicidade

Mesmo com tatuzões, metrô avança apenas 1% em três anos. De quem é a culpa?

Por Wanfil em Ceará

07 de novembro de 2016

O atraso nas obras do metrô de Fortaleza (Linha Leste), que após três anos conclui apenas 1% do projeto, ganhou destaque nacional com uma matéria do O Globo, publicada no domingo (6).

“Um dos emblemas do fracasso da empreitada é a imagem dos quatro ‘tatuzões’ adquiridos pelo governo do Ceará”, explica o jornal, que cita o caso como exemplo da “megalomania empreendedora que tomou conta do país até o estouro da crise econômica”.

O Globo informa que Cid Gomes, “então governador e mentor da empreitada”, não quis comentar o assunto, mas ressalta que “aliados dos irmãos Ferreira Gomes admitem a frustração com a paralisação das obras e o custo de manutenção do equipamento”. Parece que o anonimato desperta nesses um tímido senso crítico. Oficialmente, porém, ainda segundo a matéria, o governo cearense responsabiliza a legislação e uma empresa privada que abandonou o consórcio responsável pela obra pelo atraso.

É sempre assim. Foi a mesma coisa com a segurança pública, com os hospitais superlotados e com o Acquário Ceará, outra obra milionária parada. Ninguém admite a mínima falha, preferindo acusar a Lei de Licitações ou a legislação ambiental, o preço do dólar, o TCU, os médicos, os policiais, a oposição ou a imprensa.

É bem verdade que existe uma antipatia da imprensa fora do Ceará em relação a Ciro Gomes, pré-candidato do PDT à Presidência, mas isso não muda os fatos em relação ao metrô e aos tatuzões. Fica evidente que os responsáveis não conseguem aprender com seus próprios erros porque são incapazes de admiti-los e até mesmo de enxergá-los.

Publicidade

Desocupados, uni-vos!

Por Wanfil em Ideologia

04 de novembro de 2016

Na falta de trabalhadores e de uma revolução...

Na falta de trabalhadores e de uma revolução…

Uma minoria de estudantes da Universidade Federal do Ceará anunciou greve e decidiu ocupar prédios da instituição, em protesto contra medidas de ajuste fiscal do governo Michel Temer.

Minoria? Mas, Wanderley, tinha uma multidão na Reitoria! Bom, de fato era um bocado de gente. Manifestantes falam em duas mil pessoas. Não se sabe, porém, quantos eram estudantes mesmo. E de onde eram. De todo modo é minoria, uma vez que existem uns 30 mil alunos nos cursos de graduação e pós-graduação na UFC.

Trata-se, vamos ser claros, de uma manifestação de viés ideológico esquerdista, que reuniu movimentos sociais, militantes partidários e simpatizantes (ah, os jovens) usados como massa de manobra, aquela fauna que ama a cor vermelha e os ambientes esfumaçados, que grita emocionada palavras de ordem contra o capitalismo e contra a opressão da sociedade judaico-cristã enquanto dança.

Não há nada de errado nisso, muito menos em protestar contra um governo. O problema é quando resolvem “ocupar” prédios públicos, no sentido de invadir e restringir o uso de um espaço que não lhes pertence. Arbitrariedade que nas democracias ganha o ranço de expressão autoritária. Notem a diferença: milhões de pessoas protestaram contra a ex-presidente Dilma Rousseff sem violência alguma.

No fundo, as lideranças dessa presepada sabem que nada conseguirão além de algumas entrevistas e atrapalhar a vida de quem quer e precisa estudar de verdade. Sem contar os estudantes que precisam fazer o Enem. De todo modo, estão ali os “rebeldes” marcando posição enquanto brincam de revolução, fingindo não saber que a insustentável trajetória dos gastos públicos levou o país à maior recessão de sua história.

Pensam ser a vanguarda, mas são o passado. Foi-se o tempo em que a esquerda se inspirava na conclamação de Marx e Engels: “trabalhadores do mundo, uni-vos!” Sobrou-lhe estudantes sem ocupação (no sentido de ter aula), já que os trabalhadores lutam mesmo é para manter seus empregos ou conseguir um. E todos sabem de quem é a culpa.

Publicidade

Ídolos finados

Por Wanfil em Ideologia

02 de novembro de 2016

Referências para uns, assombrações para outros

Referências para uns, assombrações para outros

A ex-prefeita de Fortaleza Luizianne Lins (PT) tinha em sua sala no Paço um retrato de Che Guevara, ídolo das esquerdas e administrador do campo de concentração La Cabaña (pesquisem, jovens). É um finado que vive como símbolo.

O atual prefeito reeleito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), tem em sua sala um retrato da ex-presidente Dilma Rousseff, ídolo (sem flexão de gênero, é claro) da esquerda nacional e administradora responsável pela maior recessão da História do Brasil. É uma finada política condenada ao ostracismo.

São imagens extraoficiais que ilustram referências históricas e ideológicas. Parafraseando Carlos Drummond no célebre poema sobre Itabira, não passam de fotografias na parede que para alguns representam inspiração e para outros servem como lembranças de assombrações perversas.

Publicidade

Roberto Cláudio repete resultado de 2012 e é reeleito em Fortaleza. Sem máquinas, Wagner valoriza oposição

Por Wanfil em Eleições 2016

30 de outubro de 2016

Com 53,6% dos votos válidos, Roberto Cláudio (PDT) foi reeleito para a Prefeitura de Fortaleza, em segundo turno, derrotando Capitão Wagner (PR), que conseguiu 46,4%. A diferença de apenas sete pontos de diferença é muito semelhante ao resultado das eleições de 2012, quando o prefeito conseguiu os mesmos 53%, contra 47% de Elmano de Freitas (PT).

Significa dizer que a capital cearense continua politicamente polarizada. Porém, as circunstâncias que possibilitaram esse resultado agora são diferentes, o que requalifica os números. A começar pela crise econômica. Conseguir uma reeleição diante de um cenário de aperto fiscal, sendo ainda aliado dos responsáveis pela recessão, é sem dúvida um feito que exalta qualidades próprias da gestão.

Por outro lado, para ter êxito, o prefeito contou com a rara conjunção de ações das máquinas estadual e municipal, da Câmara e da Assembleia Legislativa, todos empenhados na sua reeleição. Discrepância de forças que valoriza muito o desempenho de Wagner, que pelos resultados de suas campanhas, passa a ser apontando como possível candidato ao governo estadual em 2018.

Passadas as comemorações de praxe, Roberto Cláudio tem a missão de manter o ritmo de trabalho que apresentou em seus programas e de buscar diálogo com setores da sociedade não endossaram sua administração e que quase lhe custou a reeleição. Concluir o IJF 2 em 2018, por exemplo, é tarefa complexa.

De modo geral, o eleitor fez a sua parte. Elegeu gestores para os próximos quatro anos, com o cuidado de não dar a nenhum grupo político no Estado, uma maioria expressiva. Continua, portanto, desconfiado. Não é sem razão.

Publicidade

Suspense: Ibope e Datafolha projetam resultados diferentes em Fortaleza. Um deles está errado!

Por Wanfil em Pesquisa

30 de outubro de 2016

Gostaria de saber quem será o próximo prefeito. Dá pra ver?

Gostaria de saber quem será o próximo prefeito. Dá pra ver?

Hoje é o Dia D das eleições para a Prefeitura de Fortaleza e como diria o colunista esportivo: ninguém é de ninguém! Imprevisibilidade reforçada por duas pesquisas divulgadas na véspera deste domingo eleitoral.

Segundo previsão do Datafolha/O Povo Roberto Cláudio (PDT) tem 56% dos votos válidos contra 44% do Capitão Wagner (PR). Resultado igual ao captado pelo mesmo instituto no dia 22 passado. A margem de erro é de dois pontos. Nesse caso, a parada já estaria resolvida.

Já o Ibope/Verdes Mares aponta para um empate técnico. Com margem de erro de três pontos, RC tem 52% contra 48% de Wagner. Neste cenário, o risco de uma virada de última hora é uma realidade.

Quem tem razão? Temos acomodação nas intenções de voto ou intensa movimentação de uma das candidaturas? Os eleitores dirão logo mais. Fortaleza tem um histórico de resultados que constrangem e em alguns casos até desmoralizam institutos de pesquisa. De todo modo, diferenças à parte, as duas amostras mostram um eleitorado dividido. A disparidade entre as previsões só aumenta a expectativa que caracteriza disputas eleitorais. Lembrando que não é apenas o resultado final que dirá qual instituto mais se aproximou da realidade, mas a diferença de votos entre os concorrentes.

Publicidade

Suspense: Ibope e Datafolha projetam resultados diferentes em Fortaleza. Um deles está errado!

Por Wanfil em Pesquisa

30 de outubro de 2016

Gostaria de saber quem será o próximo prefeito. Dá pra ver?

Gostaria de saber quem será o próximo prefeito. Dá pra ver?

Hoje é o Dia D das eleições para a Prefeitura de Fortaleza e como diria o colunista esportivo: ninguém é de ninguém! Imprevisibilidade reforçada por duas pesquisas divulgadas na véspera deste domingo eleitoral.

Segundo previsão do Datafolha/O Povo Roberto Cláudio (PDT) tem 56% dos votos válidos contra 44% do Capitão Wagner (PR). Resultado igual ao captado pelo mesmo instituto no dia 22 passado. A margem de erro é de dois pontos. Nesse caso, a parada já estaria resolvida.

Já o Ibope/Verdes Mares aponta para um empate técnico. Com margem de erro de três pontos, RC tem 52% contra 48% de Wagner. Neste cenário, o risco de uma virada de última hora é uma realidade.

Quem tem razão? Temos acomodação nas intenções de voto ou intensa movimentação de uma das candidaturas? Os eleitores dirão logo mais. Fortaleza tem um histórico de resultados que constrangem e em alguns casos até desmoralizam institutos de pesquisa. De todo modo, diferenças à parte, as duas amostras mostram um eleitorado dividido. A disparidade entre as previsões só aumenta a expectativa que caracteriza disputas eleitorais. Lembrando que não é apenas o resultado final que dirá qual instituto mais se aproximou da realidade, mas a diferença de votos entre os concorrentes.