Facebook Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Facebook

A diferença da segurança pública cearense no Facebook e no mundo real

Por Wanfil em Segurança

23 de agosto de 2017

No Facebook

Todas as terças o governador Camilo Santana interage com internautas via Facebook. A ideia é bacana e naturalmente as ações de governo são apresentadas ao público. No que diz respeito a segurança pública, Camilo cita investimentos e faz declarações sobre o combate contra a criminalidade.

Disse em abril passado que deseja”botar o bandido na cadeia ou botar o bandido pra correr do estado do Ceará“. Ontem anunciou novidades: “Já foram entregues nove batalhões fixos, regionalizados, com equipes de até 35 homens. A ação do Raio tem sido tão eficiente, positiva, que tomamos a decisão de implantar o sistema em todos os municípios com mais de 50 mil habitantes”.

Essa é a segurança pública do Ceará no Facebook: um prodígio de ações e determinação.

No mundo real

Os homicídios aumentaram 6,8% no Brasil, na comparação entre o primeiro semestre de 2016 e deste ano. Pernambuco – com aumento de 38%; Ceará – com alta de 32%; e Rio Grande do Norte – com 26%, puxaram os índices para cima. A informação foi divulgada pelo Estadão, a partir de dados fornecidos pelas secretarias estaduais de segurança. 

Para quem diz que o problema é nacional, insinuando que se repete em todo o país com a mesma intensidade, vale destacar que em Tocantins os assassinatos caíram 42%. E no próprio Nordeste há bons resultados, como em Sergipe, que reduziu os assassinatos em 12% e na Paraíba, com recuo de 10%.

Confira a tabela do Estadão:

Os investimentos existem, assim como acontecia no governo Cid Gomes, com resultados desastrosos. O Raio sozinho não pode compensar as deficiências de planejamento e gestão da Segurança e da Justiça. Como podemos ver, não são os bandidos que estão correndo, mas os homicídios.

A distância entre o virtual e o real pode ser explicada pela necessidade de se construir um discurso político e também eleitoral para a segurança.

Publicidade

Camilo Santana, agora oficialmente na oposição, lamenta impeachment de Dilma

Por Wanfil em Política

31 de agosto de 2016

O governador do Ceará, Camilo Santana, do PT, lamentou, em sua página no Facebook, o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, também do PT, consumado em sessão realizada no Senado Federal nesta quarta-feira, 31 de agosto. Reproduzo trecho:

“A deposição da presidenta Dilma Rousseff teve hoje seu ato final no Senado Federal. (…) Não poderia deixar de dizer que considero o desfecho do mais injusto processo da história democrática deste país, quando uma mulher honrada, honesta, foi punida da forma mais severa, extirpada da cadeira da Presidência. A resposta para a insatisfação com um governo deve ser a voz democrática das urnas; jamais a imposição da vontade dos opositores como uma espécie de eleição indireta. O que está em jogo não é apenas o mandato de uma presidenta, mas o direito sagrado conquistado pelos brasileiros de escolher seus representantes democraticamente pelo voto direto.

Hoje é um dia muito triste para a democracia brasileira. A história haverá de julgar este momento. Quero prestar a minha solidariedade à presidenta Dilma pela sua resistência, força, decência e convicção nos seus ideais democráticos. Sai deste processo deixando uma lição de coragem e firmeza.”

É compreensível a solidariedade do governador cearense, não obstante o fato de Dilma ter atrasado as obras de transposição do São Francisco e cancelado a refinaria da Petrobras. Vale destacar ainda a postura discreta do governador durante o impeachment, processo naturalmente carregado de emoção, priorizando as obrigações de gestor. Porém, sobre manifestação a respeito da cassação de Dilma por crimes de responsabilidade, faço rápidas considerações:

1) Michel Temer foi eleito com os mesmos votos diretos de Dilma, tal como vice-governadora Izolda Cela recebeu os mesmos votos de Camilo Santana. Portanto, assume segundo as regras de nossa democracia. Aliados cearenses, gostem ou não, pediram votos para Temer também;

2) O impeachment tem previsão constitucional e foi presidido pelo chefe do Poder Judiciário, Ministro Ricardo Lewandowski, tudo dentro da legalidade;

3) Além da “lição de coragem e firmeza”, Dilma deixa também uma taxa de desemprego de 11,6% (o sétimo maior do mundo) e PIB em queda de 3,8%, inflação de 9% nos últimos doze meses, juros de 14,25% e queda de 20% nos repasses do Fundo de Participação dos Estados para o Ceará.

Publicidade

O candidato esconde, mas o Facebook entrega

Por Wanfil em Eleições 2016

18 de agosto de 2016

Chego ao trabalho e abro o email. Destaque para mensagens de dois candidatos à Prefeitura de Fortaleza. São as assessorias de imprensa fazendo a sua parte.

Na primeira, fico sabendo que Heitor Férrer (PSB) “dedicará a quinta-feira a reuniões internas com a equipe de campanha”. Ou seja, o candidato não tem agenda. Na segunda, recebo um release com fotos de uma pequena carreata de Roberto Cláudio em Messejana. Entre as imagens, reparei nesta em particular:

17.08 - mini Carreata em Messejana - Roberto Cláudio (1)

Como a imagem do carro ficou distante, fiquei curioso. Quem é esse ao lado do prefeito? Fui ao Facebook do candidato à reeleição para ver se outras fotos da carreata teriam sido publicadas. Foram, sim. Encontrei essas:

RC carreata Messejana 2

RC carreata Messejana

Novamente, não foi possível identificar quem, afinal, seria o sujeito de camisa amarela. A posição de destaque no carro que leva o prefeito sugere proximidade política entre os dois, no entanto, seu rosto não aparece.

Como a carreata foi em Messejana, procurei páginas de políticos do bairro, até que o mistério foi elucidado no Facebook de um ex-vereador que, após ser afastado do cargo por decisão da justiça no ano passado, renunciou para não ser cassado. O nome dele é… suspense… Leonelzinho Alencar!

Leonelzinho RC carreata Messejana

Esse Facebook.

 

Publicidade

Indignação seletiva: silêncio para a refinaria, Facebook para o Acquário

Por Wanfil em Política

03 de Março de 2015

Quando a política confirma a ciência: para alguns assuntos, ouvidos apurados; para outros, ouvidos moucos.

Quando a política confirma a ciência: para alguns assuntos, ouvidos apurados; para outros, ouvidos moucos.

Em 1953 o britânico Colin Chery desenvolveu uma pesquisa chamada de cocktail party effect, que deu origem a inúmeros outros estudos sobre a famosa “audição seletiva”. Em linhas gerais bem resumidas, a teoria afirma que em ambientes com muitos estímulos auditivos – muita gente conversando, por exemplo -, as pessoas captam e reagem aos que lhes causam interesse, ignorando ou atenuando os demais.

Em 2015, o ex-governador do Ceará reagiu, pelo Facebook, ao estímulo das recentes polêmicas envolvendo a Construção do Acquário Ceará, cujos pagamentos para a empresa responsável pelo projeto foram suspensos pela justiça estadual na semana passada, reforçando críticas de opositores.

Disse Cid: “Os ideólogos da mediocridade mancomunados com desonestos medíocres teimam em se opor a implantação do Acquario Ceará. Tenho fé que a verdade e o bom senso prevalecerão e afirmo que todos os atos para a contratação da sua construção obedeceram a rigorosos procedimentos legais. Estarei sempre à disposição para o debate. Tudo o mais é pusilanimidade!”.

É perfeitamente natural que o atual ministro da Educação venha a público defender o legado de sua administração. O problema são as generalizações e a agressividade. Quer dizer então que críticos do projeto, desde sempre polêmico, são todos medíocres, desonestos, teimosos e pusilânimes? Ou são apenas a Justiça, o MP e a oposição? Não ficou claro. Além do mais, contestações são naturais nas democracias. Em essência, debate significa confronto de ideias, não concordância.

De qualquer modo, a reação foi rápida e contundente, contrastando com o silêncio sobre o caso do golpe da refinaria da Petrobras, que apesar de ter sido aplicado por Lula e Dilma, também constam como parte do legado de Cid, afinal, o governo estadual foi avalista e financiador da promessa não cumprida.

Em 1950 Cherry deu início aos estudos da famosa “audição seletiva”, fenômeno inconsciente. Em 2015, Cid amplia esse conceito para a performance política, com a “indignação seletiva”, ação bem calculada. É o Ceará mostrando como é que se faz!

Collin Cherry não previu que sua descoberta - a audição seletiva - poderia ser utilizada na política - a indignação seletiva. É o Ceará mostrando como se faz!

Collin Cherry não previu que seu estudo sensorial sobre “percepções seletivas” poderia inspirar aplicações morais e políticas como a “indignação seletiva” de Cid.

Publicidade

Cid: “Não estou apoiando um partido, estou apoiando um jovem”

Por Wanfil em Eleições 2014

22 de julho de 2014

Diálogo publicado no Facebook do governador Cid Gomes, no último dia 20 de julho, no qual ele comenta com um internauta (cuja identidade prefiro preservar) sobre a filiação partidária de Camilo Santana, seu candidato à sucessão estadual:

Cid-acebook-partido

Vez por outra, o governador conversa com internautas no Facebook, iniciativa que o ajuda a criar uma imagem de gestor aberto ao diálogo com a população. A vantagem é que ele só responde o que quiser; a desvantagem é que uma resposta revela que aquele assunto foi selecionado como prioridade.

Cid poderia ter dito que o PT é um partido que possui história, com qualidades e defeitos como todos os demais, mas que conta com grandes quadros, conteúdo programático, e que, além do mais, conhece bem o candidato, que já foi seu secretário, e por aí vai. Mas não disse. Preferiu desconsiderar a questão partidária e apelar ao personalismo, aos atributos individuais do candidato. A mensagem ficou mais ou menos assim, ainda que não tenha sido essa a intenção: “Ele é do PT mas, apesar disso, o que importa é que ele é um jovem esforçado e gente boa. É por isso que eu o apoio”.

O ruim para Camilo Santana é que esse é o tipo de declaração que pode fustigar a militância petista, já que o PT entra na história como mais um partido a serviço de um projeto particular. O comitê do candidato, não custa observar, não será na Av. da Universidade, tradicional reduto do PT no Ceará. Será na Av. Sebastião de Abreu, no espaço que já serviu à candidatura de Roberto Cláudio (então no PSB e hoje no Pros) à Prefeitura de Fortaleza. Olhe lá se o vermelho não sumir da campanha… Fica a estranha situação de haver um candidato do PT cuja candidatura, na verdade, é do Pros.

Por fim, não deixa de ter coerência com a trajetória política do governador e seu grupo, marcada por recorrentes trocas de partido.

Publicidade

Cid critica Tasso e repercute propaganda da oposição

Por Wanfil em Política

07 de novembro de 2013

Na última segunda-feira (4), na propaganda partidária do PSDB cearense veiculada em rádio e televisão, o ex-senador Tasso Jereissati, sem citar nomes, deu o mote da crítica que a sigla deverá explorar em 2014: “Não dá pra ficar brincando de política. O Ceará merece respeito”. Dois dias depois, o governador Cid Gomes respondeu em sua página no Facebook: “Penso, sinceramente, e é o que farei até o final do meu governo, que alguém na condição de ex-Governador (sic) como Tasso deveria se dar ao respeito”. Por fim, o governador fez alusão depreciativa às privatizações da Coelce e do BEC (que, na verdade, foi privatizado por Lula e Antônio Palocci).

Não fica claro por qual motivo Tasso estaria impedido de criticar a atual gestão, coisa natural nas democracias. Também não se sabe porque isso seria falta de respeito. Aliás, os questionamentos na propaganda do PSDB focam temas administrativos, sem enveredar nas searas dos escândalos, das questões particulares ou das acusações de corrupção. Se fosse com o PT na oposição, aí sim o negócio seria pesado, com direito a adjetivações contundentes.

Pois bem, em sua resposta aparentemente intempestiva, Cid interpreta essa oposição comedida como agressão, o que é uma forma pouco tolerante de enxergar as divergências. Entre pedir respeito ao Ceará e mandar alguém se dar ao respeito, onde está a agressão?

O governador também desafiou Tasso a comparar suas respectivas gestões: “O desafio vale para qualquer área: Educação, Saúde, Emprego, Estradas, Habitação, Saneamento, Aeroportos, Recursos Hídricos, etc.”. Ainda que tenha feito mais – e não estou concordando ou discordando, pois essas comparações são arriscadas porque tratam de conjunturas distintas –, isso não invalida os questionamentos de opositores sobre, por exemplo, segurança pública, item que não foi relacionado por Cid no texto.

Tiro no pé ou esperteza?

No que tange às consequências desse, digamos assim, desabafo, com as informações disponíveis até o momento, tanto é possível dizer que a abordagem foi um tiro no pé, na medida em que jogou uma lente de aumento nas críticas do PSDB, como também é permitido suspeitar que existam outras motivações nas declarações, como a intenção de pautar o debate eleitoral na área de infra-estrutura, evitando, naturalmente, questões espinhosas, como a explosão da criminalidade no Ceará. Na prática, a oposição quer discutir resultados, o governo quer falar de investimentos. Se a intenção é mudar o foco do debate, a isca foi lançada.

O fato é que a propaganda eleitoral do PSDB cearense dispõe de apenas 10 minutos de inserção, diluídos em 20 comerciais de 30 segundos a serem exibidos no mês de novembro. Sem deputados estaduais ou vereadores para repercutirem seu conteúdo, faltava aos tucanos alguém que pudesse chamar a atenção geral para o seu discurso. Foi exatamente o que Cid Gomes fez: jogou luz no que carecia de iluminação própria. O resultado da estratégia do governador é de difícil avaliação, pois o fato é recente, mas já é considerável a quantidade de comentários negativos no Facebook do governador com referências aos problemas da administração.

Especulações

É preciso ainda considerar subjetividades no episódio. Não é do estilo de Cid agir ou reagir de forma açodada. Assim, o tom de orgulho ferido da resposta deixa transparecer o que parece ser uma contrariedade de caráter pessoal. São as emoções que fazem da política uma atividade imprevisível.

Outra frente de interpretações nos bastidores sugere que a reação desproporcional não se resume a uma resposta ao programa do PSDB, mas a uma articulação de várias frentes contra o governo estadual, que envolveria, além de Tasso, Eduardo Campos (governador de Pernambuco), os senadores Aécio Neves (PSDB) e  Eunício Oliveira (PMDB), e membros do Centro Industrial do Ceará (CIC). Nada confirmado. Tudo ao sabor das especulações da hora, de olho nas eleições do ano que vem.

Publicidade

Enquanto isso, no Ceará…

Por Wanfil em Ceará

30 de outubro de 2013

Em sua página pessoal na rede social Facebook, o governador Cid Gomes apresentou, na última terça-feira (29), imagens de obras e projetos no Ceará. Uma maquete eletrônica dá uma ideia de como deverá ficar o antigo Centro de Convenções após reforma feita em parceria com uma universidade privada; e fotos mostram parte das obras do VLT da Avenida Aguanambi, também na capital, e o início do 1º trecho do Cinturão das Águas.

Veja as fotos:

VLT Fortaleza - Divulgação
Cinturão das Águas - Divulgação
Centro de Convenções Maquete - Divulgação
Maquete do Centro de Convenções 2 - Divulgação

Enquanto isso…

Algumas horas antes, no mesmo dia, cerca de 10 homens fortemente armados assaltaram uma agência do Bradesco em Paraípaba, no litoral oeste do Estado. Na ação, renderam a delegacia da cidade, metralharam a viatura e fizeram um policial de refém. Humilhante.

De acordo com o Sindicato dos Bancários, este foi o o 123º ataque a banco no Ceará somente em 2013 (levando-se em conta casos de saidinhas e chegadinhas bancárias, quando são registrados). Na última sexta-feira (25), um grupo de 15 homens explodiu um caixa eletrônico do Banco do Brasil em Penaforte. No início do mês, uma ação semelhante aconteceu em Frecheirinha.

Informalmente, agente estaduais afirmam que os criminosos não assaltam agências da Caixa Econômica para evitar confronto com a Polícia Federal.

Confira as imagens:

Assalto ao Bradesco de Paraipaba (CE)
Assalto ao Banco do Brasil em Penaforte - Foto Carlinhos
Assalto ao BB de Frecheirinha FOTO Marcos Mesquita
Assalto ao BB de Frecheirinha 2 - FOTO Marcos Mesquita

Contraste

Nada pode expressar melhor a nossa realidade do que esse descompasso: enquanto o governador mostra, de boa fé e com visível entusiasmo, obras e maquetes, literalmente o pau canta no Ceará, com o estabelecimento desse “novo cangaço”.

Ninguém em sã consciência é contra obras, desde que estas sejam feitas de forma transparente e casem com as necessidades da população. Eu poderia aplaudi-las e fechar os olhos para isso ou aquilo, só para mostrar otimismo. É fácil, gera simpatia e amigos no governo. Mas ocorre que as pessoas comuns, essas que não possuem cargo comissionado em secretarias ou prefeituras, estão mesmo aflitas é com a insegurança no Ceará. Esse é o ponto.

Reconhecer o que se faz não resolve o que se falta fazer

As ações mostradas no Facebook do governador são boas notícias, sem dúvida. Nos últimos dias, aliados do governo e o próprio Cid passaram a ironizar os que supostamente “não deixam fazer” ou “reclamam quando se faz”. É uma boçalidade compreensível, pois todo governo tem algo para mostrar e fica ansioso com isso. Mas fazer é obrigação e cobrar que seja bem feito não é reclamar, é fiscalizar. Não se trata de um jogo entre contentes e descontentes, mas de definição de prioridades, o que gera, naturalmente, debates.

No fim, fazer é melhor do que não fazer, e eu quero mesmo é que se faça mais. Sou sincero quando parabenizo a iniciativa do Cinturão das Águas, ainda que a promessa comece a ser cumprida somente no penúltimo ano da atual gestão. (A obra será concluída somente para a próxima seca, mas coincide com o calendário eleitoral. Olha aí eu reclamando quando fazem, ô coisa).

O fato é que por mais que muito seja feito ou sonhado, a impotência do governo na área de segurança pública é uma realidade que embaça qualquer outra ação. Que venha agora, portanto, o cinturão da paz. E urgente!

Publicidade

Cid Gomes no Facebook: é página pessoal ou oficial?

Por Wanfil em Ceará

16 de setembro de 2013

Cid FacebookNo dia 26 de agosto passado, Cid Gomes lançou uma fanpage no Facebook, a exemplo do que fazem outros gestores, moda disseminada pelo presidente Barack Obama, referência de autopromoção política no uso das redes sociais, com o devido apoio, claro, de uma equipe de profissionais.

Em sua página, o próprio Cid publica fotos pessoais, como a que em aparecia ao volante de um carro com um bebê ao colo, causando polêmica sobre uma possível infração de trânsito.  A foto foi retirada logo em seguida. O governador também faz comentários sobre diversos assuntos e apresenta informações do governo e interage com internautas. Para promover o espaço, Cid decidiu sortear ingressos para um show da cantora Beyoncé.

Apesar já ter afirmado se tratar de uma página pessoal, foi nela que o governador anunciou a minirreforma do secretariado, no último dia 5. E agora, nos dias 13 e 15, o governador Cid Gomes voltou a suar sua página pessoal no Facebook, dessa vez para criticar o Ministério Público Federal.

Nesses casos, sua assessoria de comunicação parece alheia ao que acontece. Nas gafes e polêmicas, limita-se a dizer que não comenta pois o uso da ferramenta é pessoal.

Sobre as declarações dirigidas ao Ministério Público, sem entrar no mérito, o fato é as críticas do governador foram publicadas numa página pessoal do cidadão Cid Gomes. Olha aí confusão entre a figura pública e o sujeito privado. Por isso fica estranho dizer que o pedido de explicações sobre viagens particulares do governador são inadequadas por se tratarem de assunto pessoal.

Definitivamente, o Facebook não é o canal adequado para manifestações (diretas ou indiretas) de caráter institucional por parte de autoridades. Isso vale tanto para o governador como para os procuradores da República. No caso em questão, as divergências há muito banalizaram seus órgãos de origem ao ganharem nítidos contornos de briga pessoal.

Publicidade

Cid Gomes no Facebook: é página pessoal ou oficial?

Por Wanfil em Ceará

16 de setembro de 2013

Cid FacebookNo dia 26 de agosto passado, Cid Gomes lançou uma fanpage no Facebook, a exemplo do que fazem outros gestores, moda disseminada pelo presidente Barack Obama, referência de autopromoção política no uso das redes sociais, com o devido apoio, claro, de uma equipe de profissionais.

Em sua página, o próprio Cid publica fotos pessoais, como a que em aparecia ao volante de um carro com um bebê ao colo, causando polêmica sobre uma possível infração de trânsito.  A foto foi retirada logo em seguida. O governador também faz comentários sobre diversos assuntos e apresenta informações do governo e interage com internautas. Para promover o espaço, Cid decidiu sortear ingressos para um show da cantora Beyoncé.

Apesar já ter afirmado se tratar de uma página pessoal, foi nela que o governador anunciou a minirreforma do secretariado, no último dia 5. E agora, nos dias 13 e 15, o governador Cid Gomes voltou a suar sua página pessoal no Facebook, dessa vez para criticar o Ministério Público Federal.

Nesses casos, sua assessoria de comunicação parece alheia ao que acontece. Nas gafes e polêmicas, limita-se a dizer que não comenta pois o uso da ferramenta é pessoal.

Sobre as declarações dirigidas ao Ministério Público, sem entrar no mérito, o fato é as críticas do governador foram publicadas numa página pessoal do cidadão Cid Gomes. Olha aí confusão entre a figura pública e o sujeito privado. Por isso fica estranho dizer que o pedido de explicações sobre viagens particulares do governador são inadequadas por se tratarem de assunto pessoal.

Definitivamente, o Facebook não é o canal adequado para manifestações (diretas ou indiretas) de caráter institucional por parte de autoridades. Isso vale tanto para o governador como para os procuradores da República. No caso em questão, as divergências há muito banalizaram seus órgãos de origem ao ganharem nítidos contornos de briga pessoal.