Datafolha Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Datafolha

Datafolha: Joaquim Barbosa, mesmo sem fazer campanha, embola o jogo com Alckmin e Ciro

Por Wanfil em Pesquisa

16 de Abril de 2018

Joaquim Barbosa, sem viagens, palestras, vídeos ou redes, aparece empatado ou à frente de candidatos profissionais. Por quê?

O Instituto Datafolha divulgou nova pesquisa para a corrida presidencial, a primeira depois da prisão de Lula. Foram testados vários cenários.

Com Lula na disputa:

Lula (PT) – 31%
Bolsonaro (PSL) – 15%
Marina Silva (Rede) – 10%
Joaquim Barbosa (PSB) – 8%
Geraldo Alckmin (PSDB) – 6%
Ciro Gomes (PDT) – 5%

A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. De todo modo, não deixa de ser uma surpresa ver Joaquim Barbosa embolado com candidatos que estão em campanha há muito tempo. Seu nome já havia sido cogitado em levantamentos anteriores (tinha 5% em janeiro), mas sem muito destaque. Bastou o anúncio de sua filiação ao PSB, na semana passada, para que ele subisse na pesquisa.

No cenário sem Lula:

Bolsonaro (PSL) – 17%
Marina Silva (Rede) – 15%
Ciro Gomes (PDT) – 9%
Joaquim Barbosa (PSB) – 9%
Geraldo Alckmin (PSDB) – 7%
Álvaro Dias (Podemos) – 5%
Fernando Haddad – 2%

Mesmo com a ausência de Lula, Barbosa segue em terceiro, em empate numérico com Ciro e empate técnico com Alckmin. Ciro tem no Ceará sua base e o tucano em São Paulo. Possuem partidos com história e bancadas fortes no Congresso. Joaquim é silêncio, é memória da época em que atuou no julgamento do Mensalão.

É sinal de que a imagem de um candidato de fora do meio política – os outsiders como dizem os especialistas –, continua com considerável potencial. Especialmente se tiverem tempo de TV e acesso ao fundo eleitoral. Essa condição, por si, não garante que sejam bons candidatos ou bons gestores, ou que não venham a sê-los, isso é óbvio. Não é imperativo moral. Em certos casos, pode ser um tiro no escuro. Porém, se isso pode dar destaque a um determinado candidato, é porque reafirma a existência de uma demanda: a dos eleitores cansados, decepcionados, desconfiados e irritados com os mesmos candidatos de sempre.

Publicidade

Pesquisa Datafolha: Lula na frente, Bolsonaro empatado com Marina e Ciro Gomes muito atrás

Por Wanfil em Pesquisa

26 de junho de 2017

Lula, Marina e Bolsonaro se distanciam de Ciro. Ainda falta muito, as imagens do futuro ainda estão sem foco, mas expectativas fazem parte do jogo

A pesquisa Datafolha publicada nesta segunda pelo jornal Folha de São Paulo mostra os seguintes números para o primeiro turno da disputa presidencial do próximo ano:

30% – Lula (PT) – (tinha 22% em dezembro/2016)
16% – Bolsonaro (PSC) – (tinha 5%, subiu 11 pontos)
15% – Marina (Rede) – (liderava com 24% no mesmo período)
8%  – Geraldo Alckmin (PSDB) – (tinha 14%)
5%  – Ciro Gomes (PDT) – (com 7%, estava à frente de Bolsonaro)
2%  – Luciana Genro (PSOL) – (manteve os 2%)

Com João Doria
Em outro cenário, com João Doria como candidato do PSDB, as coisas não mudam muito. O prefeito paulistano, menos conhecido e sem recall de outras eleições presidenciais, aparece com 10%.

Sem Lula
Se a disputa se der apenas entre nomes não citados na Lava Jato, Marina assume a dianteira com 27%, seguida por Bolsonaro (18%), Doria (14%) e Ciro (12%).

Observações
Pesquisas feitas a mais de um ano para as eleições falam mais do presente do que do futuro. Outros nomes e fatos poderão surgir e a dinâmica típica dos processos eleitorais ainda não interfere nas decisões. De todo modo, é possível perceber algumas tendências:

1 – O PT não tem nome alternativo a Lula. Outro problema para o ex-presidente – além da possibilidade de ser preso – é a alta rejeição de 46% dos eleitores;

2 – Sem Lula e o PT, Marina surge como opção de esquerda mais conhecida. Ciro cresce, mas ainda fica longe dela. No entanto, pelo menos entraria na briga;

3 – Doria mostra potencial de crescimento muito superior ao de Alckmin;

4 – Bolsonaro já se consolida como fenômeno pré-eleitoral. Ciro já disse que o deputado divide os votos anti-PT, o que seria bom para candidatos de esquerda. Faz sentido;

5 – a candidatura de Ciro ainda não decolou, apesar de seus esforços midiáticos, com declarações fortes e críticas direcionadas, por exemplo, a Doria. Não funcionou. Como já foi candidato outras vezes, é adversário de um governo impopular e tem recall, era de se esperar melhor desempenho do ex-governador;

6 – no que diz respeito ao Ceará, a candidatura de Ciro é fundamental para manter aliados locais em torno de um projeto de poder viável e com a possibilidade de transferência de votos. Mas, para isso acontecer, é preciso que sua candidatura tenha o mínimo de competitividade, pois a maioria dos eleitores, por pragmatismo, tende a restringir suas opções entre aqueles que têm reais chances de vitória.

No momento, as expectativas não parecem promissoras, mas, como diz o clichê, ainda é muito cedo e tudo pode acontecer.

Publicidade

Suspense: Ibope e Datafolha projetam resultados diferentes em Fortaleza. Um deles está errado!

Por Wanfil em Pesquisa

30 de outubro de 2016

Gostaria de saber quem será o próximo prefeito. Dá pra ver?

Gostaria de saber quem será o próximo prefeito. Dá pra ver?

Hoje é o Dia D das eleições para a Prefeitura de Fortaleza e como diria o colunista esportivo: ninguém é de ninguém! Imprevisibilidade reforçada por duas pesquisas divulgadas na véspera deste domingo eleitoral.

Segundo previsão do Datafolha/O Povo Roberto Cláudio (PDT) tem 56% dos votos válidos contra 44% do Capitão Wagner (PR). Resultado igual ao captado pelo mesmo instituto no dia 22 passado. A margem de erro é de dois pontos. Nesse caso, a parada já estaria resolvida.

Já o Ibope/Verdes Mares aponta para um empate técnico. Com margem de erro de três pontos, RC tem 52% contra 48% de Wagner. Neste cenário, o risco de uma virada de última hora é uma realidade.

Quem tem razão? Temos acomodação nas intenções de voto ou intensa movimentação de uma das candidaturas? Os eleitores dirão logo mais. Fortaleza tem um histórico de resultados que constrangem e em alguns casos até desmoralizam institutos de pesquisa. De todo modo, diferenças à parte, as duas amostras mostram um eleitorado dividido. A disparidade entre as previsões só aumenta a expectativa que caracteriza disputas eleitorais. Lembrando que não é apenas o resultado final que dirá qual instituto mais se aproximou da realidade, mas a diferença de votos entre os concorrentes.

Publicidade

Datafolha: Wagner cresce e embola disputa na última semana

Por Wanfil em Eleições 2016

23 de outubro de 2016

O segundo turno em Fortaleza caminha para um final emocionante, conforme indicam os números da pesquisa Datafolha/O Povo divulgados no sábado (22). Na comparação com o levantamento anterior, feito entre os dias 7 e 8 de outubro, Capitão Wagner (PR) subiu de 34% para 36%, enquanto Roberto Cláudio (PDT) que recuou de 48% para 45%.

Mais importante do que os números em si, é o movimento captado pela pesquisa o que interessa. O republicano não apenas interrompeu o fluxo de crescimento do pedetista, que era constante, mas inverteu essa tendência. Obviamente, isso é resultado da estratégia de comunicação de Wagner, que há pelos duas semanas passou a veicular propagandas mais críticas (que já demandaram mediação da Justiça Eleitoral) em relação a Roberto Cláudio e sua gestão.

Essas alterações nos humores do eleitorado, é importante anotar, não são estáticos e acontecem dentro de uma onda cujo deslocamento é de difícil apreensão. Pesquisas captam um breve instante de um fenômeno que é contínuo e de velocidade variável. Entre a captação, a publicação e a análise dos índices, as flutuações continuam ocorrendo.

Na guerra de imagens que é uma campanha, a coligação do prefeito buscou desconstruir o adversário com a pecha da inexperiente, que pareceu funcionar entre o final do primeiro e o início do segundo turnos. Agora, os estrategistas de Wagner miram na desconfiança do público em relação aos políticos, acusando o prefeito de não cumprir o que promete. Pelo Datafolha, surtiu efeito.

Falta uma semana para a eleição. É pouco tempo para alterações na comunicação de ambos. A se confirmar a tendência de redução na distância entre os dois candidatos, que caiu de 14 para nove pontos, o desafio é saber se a intensidade dessa propensão será suficiente para uma mudança de posições.

Agora, tudo será fundamental. Especialmente o debate do Sistema Jangadeiro, na próxima terça (25), que pelo horário – às 12:20 – tem grande alcance junto aos eleitores que não podem acompanhar debates em outros horários.

Publicidade

Datafolha mostra como largam RC e Wagner no 2º turno: nova corrida, novas estratégias

Por Wanfil em Pesquisa

10 de outubro de 2016

Segundo turno é nova corrida. RC larga com 48% e Wagner com 34%, segundo o Datafolha. O desafio agora é dosar a energia, a agressividade e o oxigênio

Segundo turno é nova corrida. RC larga com 48% e Wagner com 34%, segundo Datafolha.

A primeira pesquisa Datafolha feita após o início do segundo turno em Fortaleza, encomendada pelo jornal O Povo, mostra Roberto Cláudio (PDT) com 48% das intenções e Capitão Wagner (PR) com 34%. Ao  longo da campanha, os dois só fizeram crescer, com o candidato à reeleição mantendo no primeiro turno uma distância mais ou menos constante em relação ao principal adversário, ali na casa dos 10%.

A propaganda de Roberto Cláudio, que tem maior recall por já ter disputado a prefeitura em 2012, repetiu as campanhas do grupo político liderado pela família Ferreira Gomes: obras, imagens aéreas, as cores de sempre, ilustrando o perfil realizador do candidato. Já a campanha de Wagner, que possui menor recall, centrou esforços para apresentá-lo, com ênfase no apelo à emoção, com enfoque na segurança pública para colocá-lo no centro do debate e, ao mesmo tempo, com gravações do candidato como professor na sala de aula e cidadão que anda nas ruas, para ampliar a dimensão de sua imagem.

Deu certo para ambos. Na prática, suas campanhas priorizaram uma abordagem de autoafirmação, com menos espaço para a desconstrução de adversários. Agora deve ser diferente. É comum dizer que segundo turno é nova eleição. Assim, o que funcionou antes não garante sucesso agora. Nesse sentido, a pesquisa Datafolha registra o posicionamento inicial para uma corrida de velocidade, disputada após um corrida de fundo. Os competidores agora traçam suas estratégias a partir dessa condição.

A vantagem, evidentemente, é de Roberto Cláudio, que conseguiu ampliar a distância de largada para Wagner. É sobre  o candidato do PR, portanto, que a pressão pela desconstrução – leia-se ataque – do concorrente é maior, afinal, não basta conseguir mais votos: é necessário tirar votos dele. Acertar o tom e a intensidade desse ataque é fundamental, porém, difícil. Para RC, o risco é a acomodação, a mesmice, uma vez que sua liderança não é incontornável e Wagner já não é o desconhecido do primeiro turno.

Como a propaganda eleitoral voltou a ser veiculada somente na última sexta-feira, seu impacto ainda não foi captado pelo Datafolha. E imagem é tudo, como diz o bordão. Será preciso esperar pelo menos uma semana para ver como ela pode interferir junto aos eleitores. Assim, para os candidatos, é hora de controlar os nervos e, principalmente, os aliados mais afoitos. Qualquer erro agora, pode ser fatal, pois não haverá tempo para corrigi-lo. Agora a corrida é de velocidade.Nada de poupar energia.

Publicidade

Fortaleza e a eleição dos padrinhos tímidos

Por Wanfil em Pesquisa

12 de setembro de 2016

Pesquisa Datafolha divulgada no final de semana pelo O Povo mostra que a campanha em Fortaleza tende a se polarizar entre Roberto Cláudio (PDT), que aparece com 32%, e Capitão Wagner (PR), com 24%. Em terceiro está Luizianne Lins (PT), que tem 16%.

Um dos fatos mais interessantes nestas eleições é a ausência de padrinhos políticos nas propagandas. Desde já faço aqui uma distinção: quando falo em padrinho (ou madrinha), não me refiro aos apoiadores que exercem ou já exerceram cargos importantes nos governos e partidos, mas àquela liderança que, segura de seu prestígio e posição, lança um “afilhado” sem sem força própria para a disputa. Via de regra, a presença dos padrinhos nas campanhas de seus escolhidos é intensa, pois o seu sucesso depende justamente na transferência de votos do criador para a criatura.

As eleições de 2012 foram a expressão perfeita dessa forma de controle. Luizianne Lins e Cid Gomes travaram uma batalha por meio da disputa entre seus protegidos, Elmano de Freitas e Roberto Cláudio, dois nomes de pouca densidade eleitoral na cidade. E todos suplicavam pelas bênçãos de Dilma e Lula.

Agora é diferente. O capital político dos principais padrinhos não é o mesmo. Lula e Dilma lutam para não serem presos. O presidente Temer é odiado pelos ex-aliados e não tem, obviamente, a simpatia de quem não votou na chapa Dilma/Temer. O governador Camilo Santana, do PT, apoia o candidato do PDT contra a candidata do PT, o que inviabiliza sua participação direta na propaganda. Curiosamente, Cid e Ciro também não deram notícias em Fortaleza.

A opção por, digamos assim, esconder os padrinhos certamente é baseada em pesquisas. Roberto Cláudio, que na sua primeira eleição precisou muito da chancela dos seus líderes, agora aparece sozinho, buscando, certamente, mostrar que tem liderança própria.

O Capitão Wagner conta com o apoio dos senadores Eunício Oliveira (PMDB) e Tasso Jereissati (PSDB), mas esses entram como apoiadores, pois o candidato surgiu por conta própria e não depende deles para continuar na política. Nesse caso, eleitores de Eunício e Tasso podem se juntar aos eleitores que já se identificam com o próprio candidato.

Luizianne tem liderança própria e eleitoralmente é o maior nome do PT no Ceará, mas sofre nitidamente com o peso do impeachment dos escândalos que abateram o partido. Aliás, candidatos petistas em outras capitais apresentam desempenho bem abaixo ao dela e Fortaleza.

É a eleição dos padrinhos sumidos.

Publicidade

Datafolha: Roberto Cláudio larga na frente, mas metade do eleitorado quer outro nome

Por Wanfil em Pesquisa

22 de agosto de 2016

A primeira pesquisa para a corrida eleitoral em Fortaleza neste ano, feita pelo Datafolha e encomendada pelo jornal O Povo, mostra o seguinte cenário:

Roberto Cláudio (PDT) – 27%
Capitão Wagner (PR) – 20%
Luizianne Lins (PT) – 17%
Heitor Férrer (PSB) – 9%
Ronaldo Martins (PRB) – 4%
João Alfredo (Psol) – 1%
Tin Gomes (PHS) – 1%
Branco/nulo – 12%
Indecisos – 9%

Após três anos e meio anos de mandato, com apoio da presidente afastada Dilma Rousseff, do ex-governador Cid Gomes e do atual Camilo Santana, o prefeito candidato à reeleição larga na frente com pouco mais de 1/4 das intenções de voto. Pouco para quem tem a máquina e maior exposição, muito quando se observa o contexto. A soma dos três principais adversários da gestão chega a 46%. Se considerarmos os demais concorrentes, esse número sobe para 52% dos eleitores.

Não se trata de uma soma absoluta, de transferência automática, pois existem divergências a ser consideradas entre as candidaturas de oposição e entre o próprio eleitorado, que possui perfis variados. Eleitores de um candidato oposicionista podem rejeitar outro nome crítico ao governo, anulando o voto em caso de segundo turno ou mesmo votando pela continuidade da gestão. A dinâmica é complexa e tudo é muito volátil. De todo modo, fica evidente neste início de campanha que boa parte do eleitorado quer um novo prefeito, mas se divide na hora de escolher um nome. Dispersão que aponta para a confirmação de um segundo turno. Nesse caso, ficar perto dos 30% dos votos costuma ser o suficiente para avançar na disputa.

Ganha a parada quem conseguir levar os votos dos que ficarem pelo caminho no primeiro turno e dos indecisos. O desafio é chegar lá.

Publicidade

Datafolha 2018: brancos, nulos e indecisos lideram; Bolsonaro bate Ciro

Por Wanfil em Pesquisa

18 de julho de 2016

Pesquisa Datafolha divulgada no final de semana para o jornal Folha de São Paulo mostra que a soma das intenções para votos brancos, nulos e indecisos, variando entre 25% e 27% a depender do cenário, supera os percentuais alcançados pelos principais nomes que aprecem como possíveis candidatos para a disputa presidencial de 2018.

Lula e Aécio
Em seguida, no cenário com Marina (17%) e Aécio (14%), Lula aparece com até 22% das intenções. No entanto, o ex-presidente tem a maior rejeição (46%) e perde em todas as simulações de 2º turno (até para Geraldo Alckmin). Aécio é o segundo mais rejeitado, com 29%, índice alto, porém bem abaixo do petista.

Ciro e Bolsonaro
A surpresa é ver Ciro Gomes (PDT), aparecer com 6%, atrás de Jair Bolsonaro (PSC), que 7%. Como a margem de erro é de 2%, os dois estão tecnicamente empatados. Surpresa porque Ciro já é conhecido do eleitorado de outras disputas. Por outro lado, sua rejeição é baixa, de 13%, contra 19% de Bolsonaro.

Conclusão
Os brasileiros estão à procura de um candidato novo. Conjuntura ideal para surpresas, boas ou ruins.

Publicidade

Pesquisa mostra que maioria dos deputados federais apoia impeachment de Dilma. E o seu deputado, o que pensa disso?

Por Wanfil em Política

21 de dezembro de 2015

Uma pesquisa Datafolha realizada entre os dias 7 e 18 de dezembro mostra que 42% dos deputados federais são favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, contra 31% que ainda a apoiam. Outros 27% estão indecisos.

O fato de estarem indecisos indica, naturalmente, um sentimento de desconfiança. Ou de medo… De quê? Ora, das urnas, claro. Dilma encerra 2015 como a presidente mais rejeitada do Brasil desde a redemocratização, com 65% de desaprovação, segundo o mesmo Datafolha. Como a tendência da economia é piorar (o boletim Focus do Banco Central divulgado nesta segunda mostra piora acentuada na expectativa do mercado para 2016, com alta de juros e inflação, com recessão), estar ao lado de uma presidente nessa situação é assumir um pesadíssimo ônus eleitoral. Deputados federais não disputam nada no ano que vem, mas suas bases estarão em processo de reconfiguração, o que poderá ser determinante para seus projetos. Que candidato a prefeito irá querer um deputado dilmista ao seu lado nos santinhos ou na propaganda de TV?

Sem contar com a continuidade da operação Lava Jato, revelando mais e mais corrupção, e o julgamento no TSE das contas de campanha do PT, com gravíssimas suspeitas de que dinheiro roubado da Petrobras tenha abastecido o caixa do partido para eleger e reeleger Dilma.

E o seu deputado?
A pergunta por aqui é simples: e a bancada cearense? Bom, a maioria dos 23 deputados federais do estado foi eleita garantindo que Dilma é grande gestora e parceira do Ceará. Quantos manterão o discurso diante do atual quadro? Em 2015 o Ceará ficou sem refinaria, uma tapeação sem igual na crônica política estadual. A transposição, atrasadíssima, virou caso de polícia. A população, que volta a sentir no bolso o que é a inflação, quer ver a presidente pelas costas.

Taí uma boa pauta.

Publicidade

Atenção, base aliada: mais da metade dos nordestinos reprova a gestão Dilma, aponta Datafolha. E agora?

Por Wanfil em Pesquisa

18 de Março de 2015

Pesquisa do instituto Datafolha publicado nesta quarta-feira pelo jornal Folha de São Paulo dá números ao que todos já sabiam: a popularidade da presidente Dilma Rousseff, do PT, desabou neste início de segundo mandato. Nada menos do que 62% dos brasileiros consideram a gestão ruim ou péssima e somente 13% entendem que é boa ou ótima.

Quem quer seguir Dilma?
Agora vejam esse gráfico, também publicado na Folha:

Datafolha Dilma regiões

Olha aí a região Nordeste com 55% de reprovação ao governo Dilma. Mais da metade da população, o que significa dizer que é um sentimento que não se reduz a um estrato social (ver o próximo gráfico).

Se até o ano passado a presidente era bajulada por políticos da região como ativo eleitoral, agora as coisas mudaram. E a perspectiva é de que essa rejeição aumente na proporção que os efeitos da crise econômica se intensificarem. Nesses casos, via de regra, o instinto de sobrevivência de políticos sugere distância de quem é mal visto pelos eleitores. E agora base aliada, o que fazer? E agora deputado que corria para tirar fotos ao lado da presidente, a quem apelar? E agora prefeito ou candidato a prefeito, que parcerias serão prometidas nas eleições do ano que vem?

Camilo Santana e petistas em geral estão obrigados a defender a correligionária. Cid Gomes, do PROS, até agora parceiro de Dilma, já percebeu a fria em que se meteu: desgastado por ser obrigado a cortar verbas do Ministério da Educação, isolado após criticar a Câmara dos Deputados, só tem a perder estando ao lado da “presidente mais ágil que já houve”. Vamos ver se o PROS do Ceará continua ardente aliado da presidente sem apoio popular. Já o PMDB está em pé de guera com o PT, o que libera seus filiados a adotar uma postura mais independente, sem esquecer que o partido é especialista em pressentir naufrágios eleitorais, para mudar de lado quando preciso.

Essa elite!
Agora um segundo gráfico, publicado pela Folha, com base na pesquisa do Datafolha:

Datafolha Dilma rendaPois é. Você que viu nas redes sociais governistas e simpatizantes menosprezando os protestos de domingo como coisa da elite, da Aldeota, dos eleitores da oposição chateados com a ascensão da classe C, olhe aí os números: 60% dos que ganham até dois salários mínimos reprovam Dilma. Essa é a elite dos cegos que não querem ver.

Publicidade

Atenção, base aliada: mais da metade dos nordestinos reprova a gestão Dilma, aponta Datafolha. E agora?

Por Wanfil em Pesquisa

18 de Março de 2015

Pesquisa do instituto Datafolha publicado nesta quarta-feira pelo jornal Folha de São Paulo dá números ao que todos já sabiam: a popularidade da presidente Dilma Rousseff, do PT, desabou neste início de segundo mandato. Nada menos do que 62% dos brasileiros consideram a gestão ruim ou péssima e somente 13% entendem que é boa ou ótima.

Quem quer seguir Dilma?
Agora vejam esse gráfico, também publicado na Folha:

Datafolha Dilma regiões

Olha aí a região Nordeste com 55% de reprovação ao governo Dilma. Mais da metade da população, o que significa dizer que é um sentimento que não se reduz a um estrato social (ver o próximo gráfico).

Se até o ano passado a presidente era bajulada por políticos da região como ativo eleitoral, agora as coisas mudaram. E a perspectiva é de que essa rejeição aumente na proporção que os efeitos da crise econômica se intensificarem. Nesses casos, via de regra, o instinto de sobrevivência de políticos sugere distância de quem é mal visto pelos eleitores. E agora base aliada, o que fazer? E agora deputado que corria para tirar fotos ao lado da presidente, a quem apelar? E agora prefeito ou candidato a prefeito, que parcerias serão prometidas nas eleições do ano que vem?

Camilo Santana e petistas em geral estão obrigados a defender a correligionária. Cid Gomes, do PROS, até agora parceiro de Dilma, já percebeu a fria em que se meteu: desgastado por ser obrigado a cortar verbas do Ministério da Educação, isolado após criticar a Câmara dos Deputados, só tem a perder estando ao lado da “presidente mais ágil que já houve”. Vamos ver se o PROS do Ceará continua ardente aliado da presidente sem apoio popular. Já o PMDB está em pé de guera com o PT, o que libera seus filiados a adotar uma postura mais independente, sem esquecer que o partido é especialista em pressentir naufrágios eleitorais, para mudar de lado quando preciso.

Essa elite!
Agora um segundo gráfico, publicado pela Folha, com base na pesquisa do Datafolha:

Datafolha Dilma rendaPois é. Você que viu nas redes sociais governistas e simpatizantes menosprezando os protestos de domingo como coisa da elite, da Aldeota, dos eleitores da oposição chateados com a ascensão da classe C, olhe aí os números: 60% dos que ganham até dois salários mínimos reprovam Dilma. Essa é a elite dos cegos que não querem ver.