cueca Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

cueca

Novo vice-presidente nacional do PT, Guimarães recebeu R$ 250 mil do velerioduto em 2003

Por Wanfil em Política

12 de dezembro de 2013

O deputado federal José Guimarães assume a 1ª vice-presidência do PT. Foto: Blog do Augusto Nunes/Veja

O deputado federal José Guimarães assume a 1ª vice-presidência do PT e é cotado para coordenar a campanha de Dilma em 2014. Foto: Blog do Augusto Nunes/Veja

O deputado federal pelo Ceará José Nobre Guimarães assume nesta quinta-feira (12) o cargo de 1º vice-presidente na Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores.

O parlamentar, que é líder do PT na Câmara Federal e irmão de José Genoíno, ex-presidente do partido recentemente preso por corrupção no caso do mensalão, é cotado ainda para ser um dos coordenadores à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Em 2010, o petista foi coordenador da campanha no Nordeste.

Como todos sabem, Guimarães ficou nacionalmente conhecido quando um de seus assessores, José Adalberto Vieira, foi preso pela Polícia Federal no aeroporto de Congonhas com 100 mil dólares na cueca, em 2005.

No entanto, outro episódio menos famoso mas não menos polêmico  pode constranger a sigla em 2014, ano eleitoral. Quando estourou o escândalo do mensalão e todos souberam das ações do empresário Marcos Valério, o operador do esquema condenado à prisão pelo STF na ação penal 470, José Guimarães admitiu ter recebido R$ 250 mil ilegais do valerioduto em 2003 para quitar dívidas da campanha eleitoral de José Airton Cirilo para o governo estadual, disputada no ano anterior, por intermédio do tesoureiro Delúbio Soares, outro condenado.

Vale dizer que Guimarães não foi condenado em nenhum dos casos. Alegou que nada sabia das atividades do assessor (que disse que a grana foi o apurado da venda de legumes), nem da origem dos recursos enviados por Marcos Valério. Houve um processo de cassação na Assembleia Legislativa por quebra de decoro, mas com o apoio do próprio partido e de deputados do grupo cirista liderados por Ivo Gomes, o petista manteve o mandato.

O resto é história. Guimarães deu a volta por cima, consolidando a posição de nome influente nos círculos de Brasília e junto a órgãos federais, como o Banco do Nordeste.

O risco disso tudo, para a presidente (que tem evitado referências a Dirceu, Genoíno e Delúbio)  é ter como coordenador de campanha alguém que se notabilizou por escândalos ligados “recursos não contabilizados”.

Publicidade

Novo vice-presidente nacional do PT, Guimarães recebeu R$ 250 mil do velerioduto em 2003

Por Wanfil em Política

12 de dezembro de 2013

O deputado federal José Guimarães assume a 1ª vice-presidência do PT. Foto: Blog do Augusto Nunes/Veja

O deputado federal José Guimarães assume a 1ª vice-presidência do PT e é cotado para coordenar a campanha de Dilma em 2014. Foto: Blog do Augusto Nunes/Veja

O deputado federal pelo Ceará José Nobre Guimarães assume nesta quinta-feira (12) o cargo de 1º vice-presidente na Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores.

O parlamentar, que é líder do PT na Câmara Federal e irmão de José Genoíno, ex-presidente do partido recentemente preso por corrupção no caso do mensalão, é cotado ainda para ser um dos coordenadores à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Em 2010, o petista foi coordenador da campanha no Nordeste.

Como todos sabem, Guimarães ficou nacionalmente conhecido quando um de seus assessores, José Adalberto Vieira, foi preso pela Polícia Federal no aeroporto de Congonhas com 100 mil dólares na cueca, em 2005.

No entanto, outro episódio menos famoso mas não menos polêmico  pode constranger a sigla em 2014, ano eleitoral. Quando estourou o escândalo do mensalão e todos souberam das ações do empresário Marcos Valério, o operador do esquema condenado à prisão pelo STF na ação penal 470, José Guimarães admitiu ter recebido R$ 250 mil ilegais do valerioduto em 2003 para quitar dívidas da campanha eleitoral de José Airton Cirilo para o governo estadual, disputada no ano anterior, por intermédio do tesoureiro Delúbio Soares, outro condenado.

Vale dizer que Guimarães não foi condenado em nenhum dos casos. Alegou que nada sabia das atividades do assessor (que disse que a grana foi o apurado da venda de legumes), nem da origem dos recursos enviados por Marcos Valério. Houve um processo de cassação na Assembleia Legislativa por quebra de decoro, mas com o apoio do próprio partido e de deputados do grupo cirista liderados por Ivo Gomes, o petista manteve o mandato.

O resto é história. Guimarães deu a volta por cima, consolidando a posição de nome influente nos círculos de Brasília e junto a órgãos federais, como o Banco do Nordeste.

O risco disso tudo, para a presidente (que tem evitado referências a Dirceu, Genoíno e Delúbio)  é ter como coordenador de campanha alguém que se notabilizou por escândalos ligados “recursos não contabilizados”.