comparação Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

comparação

E aí, quem foi melhor: Tasso ou Cid?

Por Wanfil em Política

08 de agosto de 2014

Quem foi melhor governador: Tasso Jereissati ou Cid Gomes? Quem fez mais? Quem construiu melhor? Quem tem mais liderança e autoridade? São questões que servem para atiçar paixões e mobilizar admiradores, que verão no seu preferido o nome certo para respondê-las. Na prática, aos olhos do historiador mais distante, tem pouca serventia.

De qualquer modo, chama a atenção o fato de que o apelo à comparação tem sido feito, de forma reiterada, pelo atual governador do Ceará, Cid Gomes, do Pros. O mais recente episódio com essa característica aconteceu após críticas feitas por Tasso, hoje candidato ao Senado pelo PSDB, em bate-papo com jovens pela internet na última quarta-feira (6). No dia seguinte, Cid anunciou em sua página pessoal no Facebook que comentaria as declarações e assim o fez.

Em linhas gerais, Tasso havia dito que faltou melhor planejamento e mais gente preparada nas ações de segurança pública, combate à seca e saúde. É perfeitamente normal e desejável que opositores façam críticas aos governos, sobretudo, quando fazem isso sem descambar para ataques pessoais ou acusações infundadas.

Por outro lado, é compressível que o governador Cid Gomes procure defender as ações o legado de sua gestão, especialmente quando pontos dele são questionados por um ex-governador.

Cid Gomes evitou adjetivos depreciativos ao ex-governador, no que acertou, pois as críticas de Tasso foram colocadas sem ofensas ou coisas do tipo. Mesmo assim, em alguns momentos, ficou a impressão de que aqueles questionamentos incomodam o governador de forma peculiar.

Logo de partida, Cid classificou as críticas de “ranzinzas”, deixando escapar que, para ele, somente alguém desprovido de bom humor pode ver defeitos em sua gestão. Fica parecendo que existe certa dificuldade em lidar com contestações. Imagine se o PT fosse oposição ao seu governo.

Em outro momento, ao defender suas ações na Segurança, o governador optou por comparar fotos antigas do Ciops (criado por Tasso), onde servidores operam computadores típicos dos anos 90, com imagens recentes, nas quais o aparato tecnológico é (não poderia ser diferente), mais moderno. Sobre dados e índices, nada. No fim, uma boa oportunidade de falar sobre o tema com seriedade acabou, infelizmente, perdida.

Fora isso, existe ainda um problema de natureza lógica. Ao tentar desmerecer a gestão de Tasso, Cid esquece que ele mesmo e seu grupo fizeram parte daquele momento. Tasso, a rigor, fez uma ruptura com a estrutura política que o antecedeu. Cid deu continuidade aos governos que lhe precederam. Isso não desmerece ninguém, apenas situa cada gestão.

É inegável que ambos foram governadores que deixaram suas marcas e fizeram história. Isso a maioria reconhece. Mas o que está em jogo não é a vaidade de saber quem fez mais ou fez menos, até porque foram momentos distintos, cada um com suas singularidades. Como ficou claro nos comentários feitos por internautas no Facebook do governador, as pessoas não estão lá muito interessadas nesse tipo de querela estéril. Elas querem é discutir o presente para fazerem suas escolhas de olho no futuro.

Publicidade

E aí, quem foi melhor: Tasso ou Cid?

Por Wanfil em Política

08 de agosto de 2014

Quem foi melhor governador: Tasso Jereissati ou Cid Gomes? Quem fez mais? Quem construiu melhor? Quem tem mais liderança e autoridade? São questões que servem para atiçar paixões e mobilizar admiradores, que verão no seu preferido o nome certo para respondê-las. Na prática, aos olhos do historiador mais distante, tem pouca serventia.

De qualquer modo, chama a atenção o fato de que o apelo à comparação tem sido feito, de forma reiterada, pelo atual governador do Ceará, Cid Gomes, do Pros. O mais recente episódio com essa característica aconteceu após críticas feitas por Tasso, hoje candidato ao Senado pelo PSDB, em bate-papo com jovens pela internet na última quarta-feira (6). No dia seguinte, Cid anunciou em sua página pessoal no Facebook que comentaria as declarações e assim o fez.

Em linhas gerais, Tasso havia dito que faltou melhor planejamento e mais gente preparada nas ações de segurança pública, combate à seca e saúde. É perfeitamente normal e desejável que opositores façam críticas aos governos, sobretudo, quando fazem isso sem descambar para ataques pessoais ou acusações infundadas.

Por outro lado, é compressível que o governador Cid Gomes procure defender as ações o legado de sua gestão, especialmente quando pontos dele são questionados por um ex-governador.

Cid Gomes evitou adjetivos depreciativos ao ex-governador, no que acertou, pois as críticas de Tasso foram colocadas sem ofensas ou coisas do tipo. Mesmo assim, em alguns momentos, ficou a impressão de que aqueles questionamentos incomodam o governador de forma peculiar.

Logo de partida, Cid classificou as críticas de “ranzinzas”, deixando escapar que, para ele, somente alguém desprovido de bom humor pode ver defeitos em sua gestão. Fica parecendo que existe certa dificuldade em lidar com contestações. Imagine se o PT fosse oposição ao seu governo.

Em outro momento, ao defender suas ações na Segurança, o governador optou por comparar fotos antigas do Ciops (criado por Tasso), onde servidores operam computadores típicos dos anos 90, com imagens recentes, nas quais o aparato tecnológico é (não poderia ser diferente), mais moderno. Sobre dados e índices, nada. No fim, uma boa oportunidade de falar sobre o tema com seriedade acabou, infelizmente, perdida.

Fora isso, existe ainda um problema de natureza lógica. Ao tentar desmerecer a gestão de Tasso, Cid esquece que ele mesmo e seu grupo fizeram parte daquele momento. Tasso, a rigor, fez uma ruptura com a estrutura política que o antecedeu. Cid deu continuidade aos governos que lhe precederam. Isso não desmerece ninguém, apenas situa cada gestão.

É inegável que ambos foram governadores que deixaram suas marcas e fizeram história. Isso a maioria reconhece. Mas o que está em jogo não é a vaidade de saber quem fez mais ou fez menos, até porque foram momentos distintos, cada um com suas singularidades. Como ficou claro nos comentários feitos por internautas no Facebook do governador, as pessoas não estão lá muito interessadas nesse tipo de querela estéril. Elas querem é discutir o presente para fazerem suas escolhas de olho no futuro.