Ciro Gomes Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Ciro Gomes

Pós-eleição: Ciro já não vê fascismo e Camilo quer diálogo com Bolsonaro

Por Wanfil em Política

31 de outubro de 2018

Charles Darwin explica: “Só quem se adapta, sobrevive”. Na política, isso pode ser recuo, adesão ou trégua

Só o petismo fanático vai chamar os 60% do povo brasileiro de fascista. Eu não, de forma nenhuma.Ciro Gomes, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo desta quarta-feira.

É o mesmo Ciro que durante a campanha alertava para “o crescimento do fascismo“. Como o suposto fascismo no país pode crescer sem supostos fascistas é um daqueles mistérios que desafiam a lógica comum, mas que podem perfeitamente conviver com a política.

Parece contradição. Na verdade, é contradição. E mesmo assim, eis o segredo, tem lá a sua lógica. De olho em 2020 e depois em 2022, percebendo a onda conservadora, a hora é de trabalhar estratégias de adaptação para sobreviver. Descolar de forma contundente do petismo e assinalar uma trégua temporária com o novo governo federal são ações alinhadas com o mais puro darwinismo político.

Acredito que nós vivemos em uma federação, e que a relação institucional possa existir entre a Presidência da República e os estados brasileirosCamilo Santana, em matéria do jornal O Povo, antes de reunião com secretários na terça-feira.

Faz bem o governador cearense em pedir sobriedade e consciência institucional. É preciso lembrar, porém, que essa é uma via de mão dupla. Camilo deseja manter a frente de governadores do Nordeste, única região onde Fernando Haddad venceu, para conversar com o novo governo.

Em outras ocasiões, esse grupo de governadores do NE, junto com Minas Gerais, que nunca viu nada de errado com as refinarias de Dilma e com a recessão produzida em seu governo, divulgou cartas criticando a gestão Temer e tentou visitar Lula, para produzir factoide eleitoral. É bom evitar esse tipo de engajamento.

É óbvio que os interlocutores no Ceará com o governo federal irão mudar e isso exigirá habilidade e respeito de todos – situação e oposição. Não é preciso elogiar ninguém gratuitamente, mas convém não criar arestas desnecessárias, preservando o aspecto institucional na relação com a União.

A palavra que melhor lhe servirá de norte não é resistência, mas como apontam as palavras de Ciro, adaptação.

Publicidade

Sem os Ferreira Gomes, Fernando Haddad veste azul no Ceará, mas o vermelho o persegue

Por Wanfil em Eleições 2018

22 de outubro de 2018

A semiótica me fascina e muitas vezes, como é comum em quem a aprecia, quando vejo uma imagem, fico a procurar signos e significantes organizados em sistemas deliberadamente produzidos ou criados ao sabor do acaso. Vejam essa foto de Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência da República, em passagem pelo Ceará no último sábado (20).

Fernando Haddad, de azul, destoa em meio ao “mar vermelho” (FOTO: Ricardo Stuckert/Divulgação)


Azul X vermelho

Como todos sabem, o PT mudou a identidade visual da campanha para o segundo turno, adotando as cores utilizadas pela campanha do adversário, Jair Bolsonaro (PSL), na esperança de conquistar indecisos e moderados.

Pois bem, como é possível constatar na foto, por mais que Haddad tente escapar do vermelho, o vermelho insiste em segui-lo. O que é um pontinho azul em meio a uma multidão de bandeiras e camisas vermelhas na Praça do Ferreira? É Fernando Haddad.

Cadê os Ferreira Gomes?
Outra significação possível de extrair, não apenas dessa imagem, como de outras produzidas durante os eventos de sábado, é uma espécie de solidão, mesmo em meio a tanta gente.  Ciro e Cid Gomes (atualmente no PDT) – líderes do maior grupo político do Ceará e aliados dos governos petistas nas gestões de Lula e Dilma – definitivamente pularam fora da campanha.

Cid ainda distribuiu adesivos de Haddad em Sobral, pedindo votos para, palavras dele, “o menos ruim”. Isso uma semana após ter dito que o PT merecia perder a eleição. A ausência dos Ferreira Gomes preenche uma lacuna, como dizia Stanislaw Ponte Preta.

Antipetismo e autopreservação
Matutar com imagens é bom para estimular conexões. Foi então que li, no mesmo dia, números de uma pesquisa do Datafolha mostrando que o antipetismo é realmente a maior força destas eleições. Basta ver que apenas 1% dos eleitores de Bolsonaro votam nele por rejeitarem Fernando Haddad. Outros 69% são declaradamente contrários ao PT ou a valores relacionados por eles ao petismo, como corrupção.

Esta não é a primeira eleição que Lula e o PT atrapalharam a campanha de Ciro Gomes. Das outras vezes, os Ferreira Gomes não romperam por puro pragmatismo: os petistas tinham alta popularidade e controle da máquina federal. Agora o sinal mudou. Ciro e Cid são hábeis leitores dos movimentos políticos e muito antes de qualquer pesquisa já sentiram as mudanças de humor no eleitorado. Por isso, não foi só por ressentimento que se afastaram do partido, sem tirar nem sequer uma foto com Haddad no Ceará. É também, e principalmente, por senso de autopreservação.

Realmente uma imagem pode dizer mais que mil palavras.

(Texto publicado originalmente para o Portal Jangadeiro – especial eleições)

Publicidade

Cid mira no PT e acerta em Camilo Santana: “Só foi governador porque o PDT apoiou!”

Por Wanfil em Eleições 2018

16 de outubro de 2018

Cid Gomes cobrou o apoio dado para eleger Camilo Santana (FOTO: Reprodução)

O discurso em que Cid Gomes, senador eleito pelo PDT, esculhamba o PT e os petistas durante evento de apoio a Fernando Haddad, em Fortaleza, ganhou repercussão nacional. A cobertura foca o ressentimento dos pedetistas com Lula e o PT (assunto que tratei em outro artigo no final de semana: PT e PDT se estranham: em casa que falta pão, todo mundo briga e ninguém tem razão), deixando escapar um aspecto local de grande relevância para os cearenses. É que ao mirar no PT, Cid humilhou o governador reeleito Camilo Santana, petista e anfitrião do encontro realizado na noite desta segunda-feira (16), no hotel Marina Park.

Depois de dizer que o PT merecia perder por não se desculpar pelas “besteiras” que fez, referência eufemística aos crimes cometidos pelo partido, Cid criticou a natureza hegemônica do petismo e se colocou como contraponto vivo dessa prática: “Nós sempre fomos democratas. Nós nunca quisemos ser hegemônicos. Nós sempre compartilhamos o poder. Quer prova maior? Eu votei no PT em Sobral!”.

Continuando com o que seriam exemplos de renúncia em benefício do PT, disparou:

“O Camilo só foi governador – com todos os méritos que ele tem, porque também não teria escolhido se não tivesse talento, se não tivesse competência, se não fosse amigo do povo – porque o PDT, compreendendo momentos políticos e sem ser partido hegemônico, apoiou a candidatura do Camilo”.

Na verdade, ao cobrar publicamente a eleição e a reeleição de Camilo, diminuindo a autoridade do governador diante da própria base aliada, Cid expressou uma compreensão particular de hegemonia, em que aliados são colocados em cargos eletivos por uma espécie de concessão política do seu grupo familiar. O recado foi claro: quem manda é quem tem voto.

O deputado federal petista José Guimarães disse no Twitter que “acabou a liança no Ceará”. Depois apagou a postagem, mas o registro já estava feito. E Camilo, como reagiu? Cid deixou o palanque sem anunciar formalmente apoio a Haddad. Logo depois o governador foi chamado para discursar e mandou ver:

“Boa noite! Tá um calor danado aqui, não tá. Quem tá com calor aí levanta o braço! (…) Queria cumprimentar e agradecer a presença de todos pedindo uma salva de palmas a todos vocês que estão aqui: prefeitos, prefeitas, vice-prefeitos prefeitos, vereadores, lideranças, deputados estaduais e deputados federais. (…) E queria cumprimentar o nosso senador Cid Ferreira Gomes, o senador mais votado proporcionalmente no País”.

Já imaginou alguém fazendo o mesmo quando Cid era governador? O fato é que agora Camilo terá que decidir entre PT e PDT. Não precisa romper, mas um posicionamento é inevitável. O governador, ao seu estilo conciliador, disse entender Cid, ressaltando que o momento é de união. Não é, definitivamente, o que Cid pensa sobre a relação entre seus partidos. Fingir que nada aconteceu, dizer que nem concorda e nem discorda, fragiliza a posição de quem precisa mostrar, por força do cargo, liderança e brilho próprio.

(Texto publicado originalmente no Portal Tribuna do Ceará)

Publicidade

Boatos, antipetismo e esperança cirista na véspera da eleição

Por Wanfil em Eleições 2018

06 de outubro de 2018

Véspera de eleição. Atenções voltadas para disputa presidencial. Ânimos exaltados entre eleitores, apoiadores, simpatizantes e pragmáticos das candidaturas de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

Liberalismo contra estatismo, petismo contra antipetismo, apoio à Lava Jato contra freio às investigações, corte de gastos contra ampliação de despesas. Notícias falsas de todos os lados, reducionismos, distorções sobre falas e intenções do adversários, boatos e mentiras transitando intensamente nas redes sociais.

O clima não é bom. Os candidatos não ajudam a amenizar seus grupos. Os discursos são de intolerância diante da divergência.

Por fora, correndo contra o tempo, Ciro Gomes (PDT), que apesar de falar em pacificação e união, também busca no alarmismo e no medo o impulso para uma arrancada de última hora.

A palavra da vez é “antipetismo”. Os partidos, é claro, recalibram suas estratégias na esperança de explorar o termo. Bolsonaristas a usam para pregar o voto útil. Petistas falam em manipulação eleitoreira, posando de vítimas. Ciristas garantem que seu candidato estaria imune ao antipetismo, ainda que venha a ser apoiado pelo petismo.

É preciso ter cuidado para não confundir o repúdio de grande parcela da população contra a corrupção e a violência, com uma mera antipatia partidária gratuita. É bom lembrar também que há uma rejeição contra os partidos em geral. Outras siglas, e talvez sejam todas, também sofrem com a perda da credibilidade.

O que pode haver de específico no antipetismo é o contraste entre o discurso messiânico de salvação da política e as práticas reveladas pela Lava Jato e outras investigações. Não só isso. A defesa dos preceitos politicamente corretos priorizou e atendeu a militância de grupos influentes e de minorias organizadas, mas deixou órfã a maioria silenciosa que paga a conta e que não possui canais de mobilização política.

O próprio Ciro avisou que essa polarização estava em curso e que poderia inviabilizar uma candidatura petista. Acabou isolado. O antipetismo cresce mais como reação ao que o petismo fez no poder do que pela ação planejada de adversários.

(Texto publicado originalmente para o Portal Tribuna do Ceará)

Publicidade

Ibope mostra Ciro no jogo contra Marina e o PT

Por Wanfil em Eleições 2018

06 de setembro de 2018

Ciro e Haddad disputam o espólio eleitoral de Lula

A pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (5) mostra que Ciro Gomes está no jogo pela Presidência da República. Sempre esteve, pode argumentar o eleitor que acompanha o noticiário político. Sim, é verdade, mas na montanha russa eleitoral em 2018, Ciro agora está num viés de alta, após ter levado algumas rasteiras de Lula e do PT, que atuaram para impedir que partidos de esquerda compusessem aliança com o PDT, desidratando seu tempo de propaganda.

Após crescer três pontos em relação à pesquisa Ibope do dia 20 de agosto, Ciro agora aparece empatado com Marina Silva (Rede) na segunda posição, com 12% da preferência. Bolsonaro (PSL) subiu dois pontos e lidera com 22%.

Geraldo Alckmin (PSDB), com 9%; Fernando Haddad (PT), com 6%; e João Amoedo (Novo), com 3%, também subiram dois pontos.

No campo da esquerda, no final de julho Ciro parecia liquidado mais uma vez pelo ex-presidente Lula. Por ironia – a política é terreno fértil para ironias do destino – tudo indica que o presidenciável do PDT acabou, por enquanto, herdando  parte dos votos do ex-presidente, inelegível, e que estão se dispersando.

Não há números para medir a influência da proposta de “limpar o nome” dos eleitores que estão no SPC, mas no Brasil, o peso do populismo fiscal nunca pode ser desconsiderado. E o fato é que até o momento essa foi a proposta que pegou na campanha.

Os riscos

Novamente o maior risco para a candidatura de Ciro está na estratégia eleitoral do PT. Se Lula conseguir transferir parte considerável dos seus votos para Fernando Haddad (o vice dos sonhos de Ciro, lembram?), especialmente no Nordeste, a briga por uma vaga no segundo turno será direta entre os dois.

Há também a possibilidade de Alckmin, que tem o maior tempo de propaganda eleitoral, crescer no Sudeste, atraindo eleitores de centro que poderiam optar por Ciro. Marina, como mostram os números, é adversária direta do PDT.

A disputa está embolada e Ciro, definitivamente, está no jogo. Com tantos candidatos e variáveis atuando, a diferença entre os candidatos que podem avançar na eleição deverá ser apertada. Qualquer erro, poderá ser fatal.

(Texto publicado originalmente no portal Tribuna do Ceará).

Publicidade

Camilo Santana ajuda Ciro após pesquisa no Ceará

Por Wanfil em Eleições 2018

20 de agosto de 2018

Em discurso, o petista não poupou elogios ao presidenciável (FOTO: Reprodução/Nordestv)

Vejam o que eu disse na coluna Política, que faço para a rádio Tribuna BandNews (101.7), no sábado passado (18):

“O Ibope [pesquisa divulgada pela TV Verdes Mares na semana passada] mostrou que, para a disputa presidencial, Ciro Gomes (PDT) teria apenas 15% da preferência dos cearenses, contra 56% do ex-presidente Lula (PT), preso por corrupção. Já no cenário sem o petista, Ciro subiria para 39%, desempenho ainda bem inferior ao registrado pelo governador Camilo Santana (PT), que largou com 64% para tentar a reeleição. É bem verdade que os adversários na disputa estadual ainda são desconhecidos, o que facilita as coisas para Camilo neste início, mas, de toda forma, e por isso mesmo, o engajamento do governador na campanha de Ciro seria fundamental para dar uma margem maior ao presidenciável em seu próprio estado. Neste começo, Camilo sinalizou ter optado pela neutralidade entre Lula e Ciro, mas, agora, com vários candidatos podendo ir ao segundo turno, qualquer ponto percentual poderá fazer a diferença no final. Assim, a pressão por aqui pode aumentar muito.”

Pois é, dito e feito. Horas mais tarde, durante evento do PDT, Camilo Santana deixou de lado as costumeiras tergiversações da política e foi direto ao ponto, como registrou a Tribuna do Ceará: Camilo finalmente diz de que lado está: “Ciro, estamos juntos”.

A matéria mostra ainda outra passagem no discurso do governador: “Quero desejar [a Ciro] toda a sorte do mundo, que Deus abençoe a sua missão, para que você possa cumprir essa missão pelo povo brasileiro”.  Por sua missão, entenda-se vencer as eleições, derrotando até mesmo um candidato petista.

Obviamente as falas e as agendas coincidiram com uma ação de aproximação de imagens. Que situação. Resta ver como o PT irá reagir caso Fernando Haddad, o substituto de Lula na chapa presidencial, cresça nas pesquisas mais adiante.

Publicidade

Ciro critica Eunício toda semana, mas seus partidos seguem unidos no Ceará

Por Wanfil em Eleições 2018

14 de agosto de 2018

(FOTOS: Agência Brasil)

Toda semana é a mesma coisa. Ciro Gomes, presidenciável do PDT, critica a aliança branca do PDT e PT no Ceará com o MDB do senador Eunício Oliveira. E nada muda e todos ficam no mesmíssimo lugar: ambos são governistas, dividem colégios eleitorais e compõem a base aliada do governador Camilo Santana. Estão do mesmo lado.

Se as convicções alardeadas por Ciro e o silêncio resignado de Eunício, respectivamente as maiores lideranças do PDT e do MDB no Ceará, não bastam para a promoção de um rompimento com Camilo, é porque no fundo acabam relativizadas pelas circunstâncias. Não são, portanto, convicções.

Na política, é importante analisar se as falas combinam com as ações. Discursos servem muitas vezes para disfarçar razões que a lógica comum desconhece. E o fato que nem Ciro e Eunício conseguem contornar é que apesar toda conversa, das especulações, dos ruídos e fofocas, PT, PDT e MDB estão juntos no Ceará. Um rápido exame disso à luz do método dedutivo basta para concluirmos que se é assim acontece, é por decisão consensual das lideranças desses partidos.

Dizer que tudo é teatro, que tudo é combinado, talvez seja exagero. Há um desconforto, algum ressentimento nessa união, mas nada que não possa ser superado pelo, digamos assim, pragmatismo político de profissionais experientes.

Publicidade

Convenções reúnem sumidos na onda de ataques

Por Wanfil em Eleições 2018

04 de agosto de 2018

Nas últimas semanas, Ceará viveu onda de ataques (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

Termina neste final de semana o prazo para as convenções partidárias. No Ceará, a oposição já lançou seus nomes e, agora, os governistas definirão seus representantes. O desafio é acomodar os pouco mais de vinte partidos que compõe a base de Camilo Santana. O número supera até mesmo a coligação que reelegeu Cid Gomes, que contava com 16 partidos.

Se por um lado tamanha concentração de forças reduz as opções para o eleitorado e acua a oposição, por outro, potencializa o surgimento de contradições e discrepâncias internas. Os choques de interesses dentro do grupo governista são notórios.

Tem de tudo. Candidato ao governo que se coliga com candidato ao Senado de outro partido, que tem outro candidato à Presidência, que por vez sua critica o aliado que no estado apoio seu candidato ao governo estadual e por aí vai.

Na quarta-feira, em entrevista à GloboNews, Ciro Gomes (PDT) disse que Eunício Oliveira (MDB) é corrupto. Dois dias depois, Eunício aparece em evento do PSD – controlado por Domingos Filho, ex-aliado de Cid Gomes, depois adversário, agora ex-adversário, após voltar a ser aliado – e diz que seu candidato é Lula (PT), que isolou Ciro, que reagiu acusando o PT de querer enganar a população. Em comum, o apoio a Camilo, que caminha na corda bamba tensionada por lulistas numa ponta e ciristas na outra.

Neste final de semana todos farão discursos enaltecendo a democracia, falarão de novos amanhãs e de grandes conquistas. Dirão que, em nome do bem comum, superaram diferenças. Nessas horas eles aparecem, em ambientes controlados, festivos. Mas quando as facções por cinco dias tocaram o terror no Ceará, nenhum disse nada. Onde estavam? Negociando apoios. Questão de prioridade.

(Texto produzido originalmente para o portal Tribuna do Ceará)

Publicidade

“A disputa é comigo!”, diz Ciro Gomes sobre Lula e o PT. Bem que eu avisei…

Por Wanfil em Eleições 2018

02 de agosto de 2018

O ex-presidente da República Lula da Silva comandou as articulações para impedir que Ciro Gomes e o PDT conseguissem montar uma coligação com partidos de esquerda, mais precisamente, PSB e PCdoB.

Em entrevista à Globonews, na noite de quarta-feira (1), Ciro disse não entender a razão de ser tratado assim pelo ex-presidente. Tudo leva a crer que Lula não quer arriscar a “hegemonia moral” – para usar uma expressão ao gosto de Ciro – e o controle real sobre a esquerda brasileira.

O próprio Ciro confirma essa linha de análise: “A disputa é comigo. Não querem que eu seja o candidato que vai representar uma renovação do pensamento progressista brasileiro”.

Bem antes da informação de que Lula fechou acordo pela neutralidade do PSB, nesta semana, escrevi aqui no Focus Jangadeiro, no dia 23 de julho passado, o seguinte artigo: O maior inimigo de Ciro é o PT.

Para Lula e o PT, Bolsonaro é o adversário ideal para um eventual segundo turno. Na hipótese de a disputa ser contra Geraldo Alckmin, seria a reedição da polarização com o PSDB. Para isso, claro, é preciso ir ao segundo turno. Nesse caso, o desafio é saber se o candidato que substituirá Lula terá nome e fôlego para representar a esquerda ou se dentro desse campo perderá votos para… Ciro!

Por isso o pedetista virou alvo. Como ele mesmo disse, “cabra marcado pra morrer”.

PS. A conferir, os impactos dessa confrontação direta, aqui no Ceará.

Publicidade

“Tenho sido alvo do PT”, diz Ciro na véspera de encontro petista no Ceará

Por Wanfil em Eleições 2018

27 de julho de 2018

“Sou candidato contra o candidato do PT e tenho sido alvo do PT” palavras de Ciro Gomes a jornalistas em convenção do PDT de São Paulo, quinta-feira passada (26). Para contextualizar, a declaração busca rebater a repercussão negativa causada por uma fala anterior, quando o candidato havia dito que sua eleição seria a melhor chance de tirar Lula da cadeia.

Está certíssimo. Eu mesmo já escrevi que o maior inimigo de Ciro é o PT. Acontece que ressaltar esse antagonismo justamente na véspera do encontro em que o PT definirá se terá ou não candidatura própria ao Senado – tese que contraria o acordo com o PDT de Cid Gomes, dono de uma das vagas na chapa de Camilo Santana – é uma forma de alimentar divergências internas no partido do governador bem no início da campanha.

Tudo o que um governador não precisa, mesmo tendo uma coligação gigantesca, é de uma base dividida. Por enquanto, nada grave, desde que a disputa siga sem sobressaltos, com algum adversário crescendo nas pesquisas.

De toda forma, apesar das divisões no PT do Ceará, tudo continua sob o controle do PDT de Ciro e Cid. Por outro lado, talvez esse talvez seja o problema. O costume de controlar aliados subservientes em casa pode ter criado uma expectativa falsa em relação as lideranças de outros estados na hora de costurar apoios.

Publicidade

“Tenho sido alvo do PT”, diz Ciro na véspera de encontro petista no Ceará

Por Wanfil em Eleições 2018

27 de julho de 2018

“Sou candidato contra o candidato do PT e tenho sido alvo do PT” palavras de Ciro Gomes a jornalistas em convenção do PDT de São Paulo, quinta-feira passada (26). Para contextualizar, a declaração busca rebater a repercussão negativa causada por uma fala anterior, quando o candidato havia dito que sua eleição seria a melhor chance de tirar Lula da cadeia.

Está certíssimo. Eu mesmo já escrevi que o maior inimigo de Ciro é o PT. Acontece que ressaltar esse antagonismo justamente na véspera do encontro em que o PT definirá se terá ou não candidatura própria ao Senado – tese que contraria o acordo com o PDT de Cid Gomes, dono de uma das vagas na chapa de Camilo Santana – é uma forma de alimentar divergências internas no partido do governador bem no início da campanha.

Tudo o que um governador não precisa, mesmo tendo uma coligação gigantesca, é de uma base dividida. Por enquanto, nada grave, desde que a disputa siga sem sobressaltos, com algum adversário crescendo nas pesquisas.

De toda forma, apesar das divisões no PT do Ceará, tudo continua sob o controle do PDT de Ciro e Cid. Por outro lado, talvez esse talvez seja o problema. O costume de controlar aliados subservientes em casa pode ter criado uma expectativa falsa em relação as lideranças de outros estados na hora de costurar apoios.