Boechat Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Boechat

Boechat e o jornalismo opinativo

Por Wanfil em Crônica

11 de Fevereiro de 2019

Ricardo Boechat em ação: a opinião como diálogo com o público. Foto: divulgação

Lembro de uma palestra do jornalista Ricardo Boechat na inauguração da Tribuna BandNews (Fortaleza) sobre o jornalismo e o rádio. Isso foi em 2013. Boechat defendeu que apresentadores – ou âncoras – pudessem opinar. Seria uma forma de aproximar o veículo (e a própria atividade jornalística) do público. Obviamente, as opiniões precisariam ter o respaldo da experiência profissional e embasamento nos fatos.

Quem faz jornalismo opinativo de verdade (assumindo posicionamentos) sabe as responsabilidades que assume e os riscos que corre: por um lado, checar e checar insistentemente as informações, contribuir no aprofundamento dos temas de interesse geral, por outro, criar antipatias, desagradar grupos, errar o tom, cometer injustiças, ser processado. Riscos que valem, pois muitas vezes a opinião é o complemento da notícia.

Boechat conseguiu unir essa disposição a credibilidade do apresentador. O segredo para isso ele mesmo revelou nesse evento que mencionei: priorizar os cidadãos e não as autoridades. Saber ouvir para dar voz. Não só isso. Quem o escutava com frequência percebia que sua crítica não se confundia com ressentimentos, torcida, panfletagem, causas particulares, nem se limitava a um determinado grupo político.

Por isso tudo a partida trágica do jornalista apresentador que opinava sem se omitir jamais tocou a tantas pessoas que manifestaram na imprensa e nas redes a tristeza de perder alguém que lhes parecia, mesmo à distância, próximo como um amigo com quem conversassem regularmente.

A saudade se manifestou instantânea, prova de que Boechat estava certo quando defendia a interação honesta com o público. Seu silêncio prematuro é difícil de ser assimilado.

Publicidade

Ricardo Boechat mostra escombros do aeroporto de Fortaleza

Por Wanfil em Ceará

26 de Maio de 2015

Veja a foto abaixo, publicada na segunda-feira (25 de maio de 2015), na página do jornalista Ricardo Boechat, no Facebook.

"Obras" de ampliação do Aeroporto de Fortaleza, para a Copa do Mundo. Foto: Ricardo Boechat

“Obras” de ampliação do Aeroporto de Fortaleza, para a Copa do Mundo. Foto: Ricardo Boechat

Síria? Nepal? Nada disso! São as “obras” de ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza, para a Copa do Mundo de 2014. Eu sei, eu sei, a Copa já acabou, afinal, foi organizada pela Fifa… O legado do evento, que ficou por conta dos governantes brasileiros, bom, aí está a foto.

Escombros assim pelo mundo costumam ser resultado de terremotos ou bombardeios; por aqui, a edificação foi atingida pela incompetência do governo federal, em parceria com as gestões estadual e municipal. Exagero? Quem diz é o Portal da Transparência da União (grifo meu):

“Este projeto foi adicionado via Termo Aditivo à Matriz de Responsabilidades em 19 de julho de 2010, celebrado entre o Ministério do Esporte, o Governo do Estado do Ceará e Prefeitura Municipal de Fortaleza.”

Em 2010, os responsáveis por essas esferas de poder eram respectivamente Lula da Silva (com Dilma Rousseff no papel de “mãe do PAC), Cid Gomes e Luizianne Lins.

E o dinheiro?
Como vivemos no Brasil, a corrupção nunca pode ser descartada como causa desse estado de abandono de uma obra financiada com dinheiro público. Problemas podem acontecer, claro. Atrasos, idem. Mas tudo tem limite. Ou deveria ter. A Infraero responsabiliza a empresa contratada para a reforma. Se é assim, que cobre o que foi gasto e a processe por quebra de contrato. Como nada é feito, a suspeita de que essa história está mal contada fica no ar.

Quem paga?
Como me disse um amigo, o que mais causa admiração, ou melhor, indignação, é que ninguém responde por isso. Ninguém é demitido, afastado, responsabilizado ou processado. Nada acontece. Fica o desperdício e o prejuízo por conta dos pagadores de impostos.

No Facebook, Ricardo Boechat, que esteve em Fortaleza para comemorar os 10 anos da BandNews FM, arrematou: “E a gente triste por causa do 7×1…”.

Publicidade

Ricardo Boechat mostra escombros do aeroporto de Fortaleza

Por Wanfil em Ceará

26 de Maio de 2015

Veja a foto abaixo, publicada na segunda-feira (25 de maio de 2015), na página do jornalista Ricardo Boechat, no Facebook.

"Obras" de ampliação do Aeroporto de Fortaleza, para a Copa do Mundo. Foto: Ricardo Boechat

“Obras” de ampliação do Aeroporto de Fortaleza, para a Copa do Mundo. Foto: Ricardo Boechat

Síria? Nepal? Nada disso! São as “obras” de ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza, para a Copa do Mundo de 2014. Eu sei, eu sei, a Copa já acabou, afinal, foi organizada pela Fifa… O legado do evento, que ficou por conta dos governantes brasileiros, bom, aí está a foto.

Escombros assim pelo mundo costumam ser resultado de terremotos ou bombardeios; por aqui, a edificação foi atingida pela incompetência do governo federal, em parceria com as gestões estadual e municipal. Exagero? Quem diz é o Portal da Transparência da União (grifo meu):

“Este projeto foi adicionado via Termo Aditivo à Matriz de Responsabilidades em 19 de julho de 2010, celebrado entre o Ministério do Esporte, o Governo do Estado do Ceará e Prefeitura Municipal de Fortaleza.”

Em 2010, os responsáveis por essas esferas de poder eram respectivamente Lula da Silva (com Dilma Rousseff no papel de “mãe do PAC), Cid Gomes e Luizianne Lins.

E o dinheiro?
Como vivemos no Brasil, a corrupção nunca pode ser descartada como causa desse estado de abandono de uma obra financiada com dinheiro público. Problemas podem acontecer, claro. Atrasos, idem. Mas tudo tem limite. Ou deveria ter. A Infraero responsabiliza a empresa contratada para a reforma. Se é assim, que cobre o que foi gasto e a processe por quebra de contrato. Como nada é feito, a suspeita de que essa história está mal contada fica no ar.

Quem paga?
Como me disse um amigo, o que mais causa admiração, ou melhor, indignação, é que ninguém responde por isso. Ninguém é demitido, afastado, responsabilizado ou processado. Nada acontece. Fica o desperdício e o prejuízo por conta dos pagadores de impostos.

No Facebook, Ricardo Boechat, que esteve em Fortaleza para comemorar os 10 anos da BandNews FM, arrematou: “E a gente triste por causa do 7×1…”.