bancada cearense Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

bancada cearense

Veja como votaram os deputados cearenses nos principais destaques do pacote “anticorrupção”

Por Wanfil em Corrupção

30 de novembro de 2016

A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada da quarta-feira o pacote anticorrupção, iniciativa do Ministério Público Federal. Como todos sabem, 13 medidas alteraram o projeto, descaracterizando seu objetivo original.

Pela bancada do Ceará, todos votaram pela aprovação do projeto, claro, acompanhando os demais. Mas, e nos destaques? Vejamos como se posicionaram em três propostas que causaram polêmica.

1 – Retirada da tipificação do crime de enriquecimento ilícito e da previsão de confisco dos bens relacionados ao crime. Autores: PP, PTB e PSC.

Contra a retirada:
Moses Rodrigues (PMDB)
Vitor Valim (PMDB)
Cabo Sabino (PR)
Ronaldo Martins (PRB)
Raimundo Gomes de Matos (PSDB)

A favor da retirada:
Chico Lopes (PCdoB)
André Figueiredo (PDT)
Leônidas Cristino (PDT)
Aníbal Gomes (PMDB)
Macedo (PP)
Gorete Pereira (PR)
Domingos Neto (PSD)
José Guimarães (PT)
Arnon Bezerra (PTB)
Genecias Noronha (SD)

2 – Retirada do trecho que condicionava a progressão do regime de cumprimento de pena ao ressarcimento de danos causados por crime contra a administração pública. Autor: PT

Contra a retirada:
Ronaldo Martins (PRB)
Domingos Neto (PSD)
Raimundo Gomes de Matos (PSDB).

A favor da retirada:
Chico Lopes (PCdoB),
André Figueiredo (PDT)
Leônidas Cristino (PDT)
Aníbal Gomes (PMDB)
Moses Rodrigues (PMDB)
Macedo (PP)
Cabo Sabino (PR)
Gorete Pereira (PR)
José Guimarães (PT)
Luizianne Lins (PT)
Arnon Bezerra (PTB).

3 – Cria a punição para juízes e membros do Ministério Público Federal por abuso de autoridade. Autor PDT

Contra a medida: NENHUM

A favor da medida:
Chico Lopes (PCdoB)
André Figueiredo (PDT)
Leônidas Cristino (PDT)
Aníbal Gomes (PMDB)
Moses Rodrigues (PMDB)
Vitor Valim (PMDB)
Macedo (PP)
Cabo Sabino (PR)
Gorete Pereira (PR)
Ronaldo Martins (PRB)
Danilo Forte (PSB)
Domingos Neto (PSD)
Raimundo Gomes de Matos (PSDB)
José Airton Cirilo (PT)
José Guimarães (PT)
Luizianne Lins (PT)
Arnon Bezerra (PTB)
Genecias Noronha (SD).

PS. A Força-tarefa da Operação Lava Jato chamou essa última medida de Lei da Intimidação. Segundo os procuradores, trata-se de uma retaliação às investigações contra corruptos. Os deputados, alguns deles investigados, negam. Pois é. A questão é saber em quem você confia.

Publicidade

Os deputados cearenses e a PEC 241

Por Wanfil em Política

27 de outubro de 2016

Parafraseando Woody Allen, o pessimista afirma que já chegamos no fundo do poço, o otimista acha que dá pra gastar mais

Parafraseando Woody Allen, o pessimista afirma que já chegamos no fundo do poço, o otimista acha que dá pra gastar mais

Na madrugada da última quarta-feira a Câmara dos Deputados aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que limita, pelos próximos 20 anos, o aumento dos gastos federais ao índice de inflação registrado no ano anterior. A oposição diz que a medida congelará investimentos na saúde e educação, o que não é verdade, basta ler o texto do projeto.

A falsa polêmica desvia a questão do verdadeiro cerne: anos de frouxidão no controle da inflação e de gastos descontrolados durante as gestões do PT levaram o país para a maior recessão de sua História. São 12 milhões de desempregados, segundo o IBGE e a arrecadação federal de setembro é a pior desde 2009, informam os jornais desta quinta-feira.

Nesse cenário de destruição a PEC 241 acena com a arrumação das contas públicas e com o resgate a credibilidade perdida. Em estado crítico, os remédios para estabilizar o paciente tem efeitos colaterais, mas sem isso não há chance de recuperação.

Deputados cearenses

Segue o registro do posicionamento dos integrantes da bancada federal do Ceará.

Votaram a favor de colocar as contas públicas em ordem: Aníbal Gomes (PMDB), Arnon Bezerra (PTB), Danilo Forte (PSB), Domingos Neto (PSD), Gorete Pereira (PR), Macedo (PP), Moses Rodrigues (PMDB), Raimundo Gomes de Matos (PSDB), Ronaldo Martins (PRB) e Vitor Valim (PMDB).

Lavaram as mãos na votação mais importante do ano para a economia nacio0nal: Moroni Torgan (DEM), Cabo Sabino (PR), Adhail Carneiro (PHS) e Genecias Noronha (SD).

Votaram contra a medida que impede a gastança irresponsável dos recursos federais: André Figueiredo (PDT), Chico Lopes (PCdoB), José Airton Cirilo (PT), José Guimarães (PT), Leônidas Cristino (PDT), Luizianne Lins (PT), Odorico Monteiro (PROS) e Vicente Arruda (PDT).

Fundo do poço

A discussão sobre a PEC faz lembrar a máxima de Woody Allen: O pessimista afirma que já chegamos no fundo do poço, o otimista acha que dá para cair mais. Pois é. Nesse caso, os pessimistas querem o teto de gastos, enquanto os otimistas do PT, PDT , PCdoB e companhia apostam que dá para gastar mais ainda, mesmo depois de quebrarem o caixa do País.

Publicidade

Câmara elege Rodrigo Maia. Dois deputados cearenses não votaram no segundo turno

Por Wanfil em Política

14 de julho de 2016

Dos 22 deputados cearenses, 20 votaram no 2º turno da eleição para a Presidência da Câmara

Dos 22 deputados cearenses, 20 votaram no 2º turno da eleição para a Presidência da Câmara

O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito, em dois turnos de votação, presidente da Câmara dos Deputados na madrugada desta quinta-feira (14), contra Rogério Rosso (PSD-DF), aliado do ex-presidente da Casa, Eduardo Cunha.

No entanto, o maior derrotado foi Marcelo Castro (PMDB-PI), que não passou do primeiro turno, apesar do apoio de PT e PDT (ver post anterior). Com os petistas fora do jogo, restou-lhes o voto útil contra o candidato de Cunha.

Na primeira votação, os nomes dos 22 deputados da bancada cearense estavam registrados no plenário. Já no segundo turno, os de Luizianne Lins (PT) e Mauro Benevides (PMDB) não constaram na lista de presença. Dada a diferença folgada a favor de Maia (foram 285 votos contra 170), a ausência da dupla cearense não fez falta para nenhum dos lados.

Na prática, mudam os interlocutores nas negociações entre parlamentares e governo. No que diz respeito a problemas de ordem política e criminal, dificilmente alguém poderá superar Eduardo Cunha. Ainda assim, é pouca, muito pouca, a esperança de ver a qualidade dessas negociações respeitarem, como desejam os brasileiros, as boas práticas da ética e da moral. Afinal, mesmo com a mudança dos protagonistas desse roteiro, o elenco continua o mesmo de sempre.

Publicidade

Confira os deputados federais cearenses que votaram a favor do arrocho e contra direitos trabalhistas

Por Wanfil em Política

07 de Maio de 2015

A Câmara dos Deputados, em Brasília, aprovou na noite de ontem, quarta-feira, a Medida Provisória 665, com a qual o governo federal pretende cortar gastos e reduzir custos com direitos trabalhistas. Agora, por exemplo, para ter direito ao seguro-desemprego, o trabalhador precisará ter pelo menos 12 meses de carteira assinada (o governo queria 18 meses). Antes, eram seis. Isso em meio a uma crise econômica fabricada pelos erros do próprio governo, que já faz crescer o desemprego.

Confira quais deputados federais do Ceará votaram a favor da MP 665, por ordem alfabética:

Anibal Gomes (PMDB);
Antonio Balhmann (Pros);
Chico Lopes (PCdoB);
Domingos Neto (Pros);
Gorete Pereira (PR);
José Airton (PT);
José Arnon (PTB);
José Guimarães (PT);
Leônidas Cristino (Pros);
Macedão (PSL);
Odorico Monteiro (PT).

A deputada federal Luizianne Lins (PT), não votou, contribuindo assim para aprovar o projeto contra os trabalhadores.

Votaram contra a MP 665 os seguintes deputados:

Adail Carneiro (PHS);
André Figueiredo (PDT);
Cabo Sabino (PR);
Danilo Forte (PMDB);
Genecias Noronha (SD);
Moroni Torgan (DEM);
Moses Rodrigues (PPS);
Raimundo Gomes de Matos (PSDB);
Ronaldo Martins (PRB);
Vitor Valim (PMDB).

Ações valem mais do que palavras
Os deputados que votaram a favor são os mesmos que até o momento não disseram nada contra o aumento na conta de luz, contra as pedaladas fiscais de Dilma, contra o golpe da refinaria ou contra os cortes na saúde, porque estão mais empenhados em defender o governo federal do que os interesses dos cearenses. Nenhum cobrou da presidente corte no escandaloso (e custoso) número de 39 ministérios que empregam os amigos do poder, nenhum exigiu cortes nos gastos com embaixadas inúteis em países irrelevantes, nenhum condicionou apoio à redução de cargos comissionados que servem para alocar apadrinhados. Contra a corrupção é que não falam nada mesmo.

Os deputados favoráveis à MP 665 também contribuíram para cobrir e encobrir – essa é a essência do ajuste fiscal – a responsabilidade de Dilma Rousseff pelo rombo nas contas públicas. E pior: endossam a ideia de que na hora de pagar a conta, quem deve ser sacrificado primeiro é o trabalhador.

Guarde esta lista para as próximas eleições. Eles estarão lá pedindo o seu voto, dizendo que atuaram em defesa dos trabalhadores.

Publicidade

Líder da bancada federal do Ceará foi o único a defender ex-deputado preso pela Lava Jato

Por Wanfil em Corrupção

13 de Abril de 2015

Lembram dele? José Airton, do PT. É Lula-lá e Zé Airton-cá!

Lembram dele? José Airton, do PT. É Lula-lá e Zé Airton-cá! (Agência Câmara)

Na última sexta-feira (10) o ex-deputado André Vargas foi preso durante mais uma fase da Operação Lava Jato, por suspeita de tráfico de influência junto ao Ministério da Saúde. Depois de fazer carreira pelo Partido dos Trabalhadores e chegar à vice-presidência da Câmara dos Deputados, Vargas caiu em desgraça quando sua ligação com o  doleiro Alberto Youssef, operador e um dos delatores do esquema de corrupção na Petrobras, foi descoberta.

Para não prejudicar a campanha à reeleição da presidente Dilma, Vargas deixou o PT, para ser cassado alguns meses depois por quebra de decoro parlamentar. O caso lembra o do ex-senador Demóstenes Torres: parlamentar coloca o mandato a serviço de criminosos.

Solidário

André Vargas (sem partido): rolo com Youssef no Ministério da Saúde. Agência Brasil

André Vargas (sem partido): rolo com Youssef no Ministério da Saúde. (Agência Brasil)

Foram 359 votos a favor da cassação de André Vargas. Além das seis abstenções, houve apenas um único voto pela absolvição. Adivinhem de quem? Adivinhem de onde? Adivinhem de qual partido? Foi do deputado federal pelo PT do Ceará, José Airton. Aquele do bordão “É Lula-lá e Zé Airton-cá”. Pois é. Como a votação foi aberta, o petista tem o mérito de ter deixado clara aos eleitores, sua crença na inocência de Vargas, preso pela Polícia Federal e amigo de Alberto Youssef, parceiros de negociatas no Ministério da Saúde, segundo a PF. Ministério da Saúde, de novo…

Bem, o tempo passou, a Lava Jato prossegue, Dilma foi reeleita e José Airton, também reeleito, foi recentemente escolhido por seus colegas parlamentares como coordenador da bancada federal do Ceará. É o homem certo, no lugar certo, na hora certa, devem ter concluído ,os representantes cearenses.

Publicidade

Confira quais foram os parlamentares cearenses que não apoiaram a CPMI do Cachoeira

Por Wanfil em Política

21 de Abril de 2012

Alguns congressitas são comos os gatos do famoso provérbio: no escuro, todos são pardos...

Publico abaixo lista com os nomes dos parlamentares cearenses que não votaram pela criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), aprovada na última quinta-feira (19), para investigar as relações entre agentes públicos e privados e o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Como a comissão é mista, formada por um colegiado feito de membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, a votação foi realizada em conjunto pelas duas casas.

Seguem os nomes, em ordem alfabética.

Senador

Eunício Oliveira (PMDB)

Deputados

Aníbal Gomes (PMDB)

Arnon Bezerra (PTB)

Eudes Xavier (PT-CE)

José Linhares (PP)

Manoel Salviano (PSD)

Mauro Benevides (PMDB)

Vicente Arruda (PR)

Lista completa Leia mais

Publicidade

Confira quais foram os parlamentares cearenses que não apoiaram a CPMI do Cachoeira

Por Wanfil em Política

21 de Abril de 2012

Alguns congressitas são comos os gatos do famoso provérbio: no escuro, todos são pardos...

Publico abaixo lista com os nomes dos parlamentares cearenses que não votaram pela criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), aprovada na última quinta-feira (19), para investigar as relações entre agentes públicos e privados e o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Como a comissão é mista, formada por um colegiado feito de membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, a votação foi realizada em conjunto pelas duas casas.

Seguem os nomes, em ordem alfabética.

Senador

Eunício Oliveira (PMDB)

Deputados

Aníbal Gomes (PMDB)

Arnon Bezerra (PTB)

Eudes Xavier (PT-CE)

José Linhares (PP)

Manoel Salviano (PSD)

Mauro Benevides (PMDB)

Vicente Arruda (PR)

Lista completa (mais…)