Arialdo Pinho Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Arialdo Pinho

Abre o olho Arialdo, fica ligado Balhmann

Por Wanfil em Corrupção, Sem categoria

24 de Maio de 2017

Arialdo e Balhmann: únicos responsáveis por arrecadar junto a JBS, segundo Cid

O escritor Mário Quintana dizia que “as reticências são os três primeiros passos do pensamento que continua por conta própria”.

Na coletiva em que buscou rebater a delação de Wesley Batista, o ex-governador Cid Gomes falou sobre o dinheiro recebido da JBS para a campanha de 2014, enfatizando os nomes dos atuais secretários estaduais do Turismo, Arialdo pinho, e de Assuntos Internacionais, Antonio Balhmann. Ênfase carregada de reticências nas entrelinhas.

Confira esses três momentos (grifos meus):

1 – Os responsáveis

“Realmente o Balhmann e o Arialdo, licenciado do cargo, e mais algumas outras pessoas, cumpriram a tarefa de buscar financiamento para a campanha, coisa que é legal.”

2 – Cid não autorizou

“Em nenhum momento, em tempo algum, em nenhuma campanha, eu sugeri, eu permiti que alguém fizesse vínculo de doações para campanha a qualquer tipo de benefício por parte do estado. Quero afirmar isso categoricamente: nem eu, nem ninguém com minha autorização ou conhecimento, e com a minha recomendação explícita, de que não vinculasse, não fizesse qualquer tipo de vinculação a qualquer doação que possa ter sido feita em alguma campanha.”

3 – Wesley não fala de Cid

“Repito, se for ler o depoimento, ele [Wesley] não fala de mim não, depois ele fala, atribui ao Balhmann e ao Arialdo, que não são ocupantes de cargos públicos, o Balhmann deputado, isso não é impedimento, o Arialdo licenciado da secretaria, cumpriam uma missão, legal, de procurar financiamento legítimo para uma campanha eleitoral.”

Resumindo: Cid nega; Cid não tinha responsabilidade pelos pedidos de doações; Cid acredita que seus aliados agiram corretamente; Cid não autorizou ninguém a vender facilidades no governo para conseguir dinheiro. Por essa versão, a JBS doou nada menos que R$ 20 milhões para seu candidato em 2014 em troca de nada, apenas atendendo aos pedidos de inocentes arrecadadores.

Para bom entendedor, meia palavra basta. As reticências na fala de Cid deixam o caminho aberto para responsabilizar apenas seus emissários, caso as coisas se compliquem. Abre o olho Arialdo, fica ligado Balhmann.

Publicidade

Delação JBS 1 – Nota de Cid não responde ao que realmente interessa

Por Wanfil em Corrupção

22 de Maio de 2017

Em resposta às delações da JBS, o ex-governador Cid Gomes divulgou nota em que afirma nunca ter recebido “um centavo” da empresa. E para reforçar o argumento, Cid informa que após 34 anos ocupando cargos públicos, possui um patrimônio de R$ 782 mil reais, valor impressionantemente pequeno para os altos salários quem já foi prefeito, deputado, ministro e governador.

Acontece que não é essa a acusação. Wesley Batista, dono da JBS, não disse ter pago diretamente ao ex-governador, como pessoa física. A questão é saber se o ex-governador, no uso do cargo, pediu ou não pediu dinheiro para financiar campanhas eleitorais ao governo estadual em 2010 e 2014, em torca do pagamento de créditos de ICMS para a empresa.

Resumindo, o delator disse uma coisa e Cid respondeu outra. A nota, portanto, não responde às principais dúvidas levantadas pela delação:

1 – Cid esteve reunido ou não com os irmãos Batista em São Paulo nas datas apontadas? 

2 – As doações da JBS foram ou não foram feitas logo após os pagamentos dos referidos créditos de ICMS? 

3 – Os secretários Arialdo Pinho e Antônio Balhmann estiveram na sede da JBS ou não? Pediram contribuição? Negociaram pagamentos de créditos de ICMS? Sim ou não?

4 – A JBS diz ter emitido notas frias para justificar parte dos pagamentos de propina. Há como comprovar a efetivação dos serviços ou compras dessas notas?

5 – Algum secretário ou assessor de Cid recebeu dinheiro da JBS?

6 – Cid processará os delatores?

É claro que o ônus da prova cabe ao acusador. No entanto, por se tratar de liderança política influente, por tudo o que representa no Ceará, pelas funções públicas que ocupou, é fundamental para Cid que tudo seja esclarecido o quanto antes. E tergiversar não é a melhor forma de fazer isso.

PS. Cid dará uma entrevista coletiva na Assembleia Legislativa, ao meio dia desta segunda, sobre o caso. È uma boa oportunidade de ser assertivo sobre o que realmente dizem os delatores.

Leia mais sobre as delações da JBS nos links abaixo:
Delação JBS 3 – As informações de Camilo 
Delação JBS 2 – Nota de Eunício nega acusação. De novo…
Delação JBS 1 – Nota de Cid Não responde ao que realmente interessa
Na mesma delação em que acusa Temer, JBS diz que propina abasteceu projeto de Cid no Ceará
JBS está entre os maiores doadores de campanha também no Ceará

Publicidade

Delação JBS 1 – Nota de Cid não responde ao que realmente interessa

Por Wanfil em Corrupção

22 de Maio de 2017

Em resposta às delações da JBS, o ex-governador Cid Gomes divulgou nota em que afirma nunca ter recebido “um centavo” da empresa. E para reforçar o argumento, Cid informa que após 34 anos ocupando cargos públicos, possui um patrimônio de R$ 782 mil reais, valor impressionantemente pequeno para os altos salários quem já foi prefeito, deputado, ministro e governador.

Acontece que não é essa a acusação. Wesley Batista, dono da JBS, não disse ter pago diretamente ao ex-governador, como pessoa física. A questão é saber se o ex-governador, no uso do cargo, pediu ou não pediu dinheiro para financiar campanhas eleitorais ao governo estadual em 2010 e 2014, em torca do pagamento de créditos de ICMS para a empresa.

Resumindo, o delator disse uma coisa e Cid respondeu outra. A nota, portanto, não responde às principais dúvidas levantadas pela delação:

1 – Cid esteve reunido ou não com os irmãos Batista em São Paulo nas datas apontadas? 

2 – As doações da JBS foram ou não foram feitas logo após os pagamentos dos referidos créditos de ICMS? 

3 – Os secretários Arialdo Pinho e Antônio Balhmann estiveram na sede da JBS ou não? Pediram contribuição? Negociaram pagamentos de créditos de ICMS? Sim ou não?

4 – A JBS diz ter emitido notas frias para justificar parte dos pagamentos de propina. Há como comprovar a efetivação dos serviços ou compras dessas notas?

5 – Algum secretário ou assessor de Cid recebeu dinheiro da JBS?

6 – Cid processará os delatores?

É claro que o ônus da prova cabe ao acusador. No entanto, por se tratar de liderança política influente, por tudo o que representa no Ceará, pelas funções públicas que ocupou, é fundamental para Cid que tudo seja esclarecido o quanto antes. E tergiversar não é a melhor forma de fazer isso.

PS. Cid dará uma entrevista coletiva na Assembleia Legislativa, ao meio dia desta segunda, sobre o caso. È uma boa oportunidade de ser assertivo sobre o que realmente dizem os delatores.

Leia mais sobre as delações da JBS nos links abaixo:
Delação JBS 3 – As informações de Camilo 
Delação JBS 2 – Nota de Eunício nega acusação. De novo…
Delação JBS 1 – Nota de Cid Não responde ao que realmente interessa
Na mesma delação em que acusa Temer, JBS diz que propina abasteceu projeto de Cid no Ceará
JBS está entre os maiores doadores de campanha também no Ceará