ameaça Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

ameaça

A desconfiança mútua entre comandantes e comandados só piora a crise de segurança no Ceará

Por Wanfil em Segurança

13 de Maio de 2013

Os problemas atualmente constatados na área de Segurança Pública no Ceará já configuram, para análises futuras de historiadores, uma página de constrangedora ironia para um governo que ascendeu ao poder justamente prometendo um policiamento mais eficaz e humano, o que pressupõe uma relação harmônica entre o Estado e as suas forças policiais. Apesar dos investimentos e das boas intenções, aconteceu o contrário: as relações entre as partes degeneraram a ponto de não haver mais tempo hábil para uma conciliação até o final da atual gestão, isso num ambiente onde os índices de criminalidade registram inédito aumento na criminalidade.

Canais obstruídos

A situação é de tal maneira inusitada que o governador Cid Gomes se comprometeu a receber um grupo formado por esposas de policiais militares para uma audiência de reivindicações, após elas terem realizado mais um protesto em Fortaleza. Cid as receberá, contudo, desde que novas manifestações não aconteçam e com a ressalva de que qualquer menção a uma nova greve da polícia será devidamente tratada como motim, o que me parece lógico.

Por outro lado, e em sentido contrário, o deputado Capitão Wagner, eleito após se notabilizar na greve da PM em 2012, diz que os militares não são recebidos pelo secretário Francisco Bezerra e já fala em possibilidade de nova paralisação, o que soa, por mais que ele negue, uma ameaça.

É evidente que o canal de diálogo entre comandados e comandantes está obstruído, de tal modo que é preciso se valer das esposas dos membros da categoria para tentar alguma conversação. Ora, elas não constam dos quadros das forças policiais e não são servidoras do Estado, portanto, qualquer acordo fechado com elas necessita não possuirá validade legal. Mais do que isso, a situação revela que a autoridade do governo sobre as forças policiais não existe mais, o que abre as portas para o imprevisível.

O preceito do interesse público

Nesse imbróglio, existem questões pertinentes que devem ser observadas, mas que demandariam um texto mais longo, o que não é o caso agora. Temas como hierarquia militar, planejamento orçamentário, eficácia gerencial, doutrina de segurança estabelecida em metas, legislação, condições de trabalho para o efetivo policial, entre outros. Tudo, no entanto, é bom lembrar, deve estar subordinado a um preceito elementar: o interesse público na preservação da ordem e da segurança da população.

O governo deveria desobstruir os canais de diálogos e se mostrar aberto a ouvir críticas e sugestões, mas se fecha desconfiado. Da mesma forma, policiais deveriam ir para a mesa de negociação desarmados (no sentido figurado), dispostos a entender eventuais limitações do poder público, cientes ainda de que, na condição de militares, existem limites legais para suas formas de reivindicação. Sobretudo, as partes precisam se respeitar para que a situação da segurança pública, que é responsabilidade de ambos, não deteriore ainda mais.

O inaceitável é a aposta, dos dois lados, de que o medo das pessoas possa servir de instrumento de pressão política.

Publicidade

José Guimarães acusa a imprensa e avisa: “Vamos tomar uma medida: A regulamentação da comunicação”

Por Wanfil em Imprensa

24 de setembro de 2012

Imagem: Frame de vídeo em que o parlamentar defende a regulamentação da imprensa para evitar acusações contra Lula, tudo em nome da democracia.

O deputado federal José Guimarães (PT) reagiu à movimentação dos partidos de oposição, que anunciam a pretensão de solicitar uma investigação sobre a participação do ex-presidente Lula no caso do mensalão.

Em vídeo gravado para o Partido dos Trabalhadores, o parlamentar sustenta que está em curso uma “ação orquestrada” em que a mídia agiria com interesses políticos: “A mídia não pode ser partido político. E passadas as eleições, nós do PT vamos tomar uma medida, quer queira, quer não queira: a regulamentação da questão da comunicação no país. (…) O Lula pertence a um patrimônio da democracia brasileira. Criminalizar o Lula é criminalizar a democracia brasileira.

O título do vídeo informa que o protesto é direcionado contra “as mentiras da revista Veja”, em referência à recente publicação de supostas declarações atribuídas a Marcos Valério acusando Lula de ser o verdadeiro chefe do mensalão. Entretanto, apesar do título, Guimarães não cita nenhum veículo em particular. Sobre Valério, também não faz comentários.

A diferença entre mensagem e mensageiro

A revista Veja aborda esse tema na Carta ao Leitor da edição desta semana e vai direto ao ponto: “Quem se sentiu prejudicado pela divulgação das informações do homem do dinheiro do mensalão tem a possibilidade de interpelá-lo publicamente ou procurar reparação na Justiça. Marcos Valério está vivo e tem endereço conhecido. A mensagem é de Marcos Valério. VEJA foi a mensageira”.

É isso! Se José Nobre Guimarães e o PT entendem que Lula não sabia de nada sobre o mensalão, o que é legítimo, a solução é buscar a interpelação judicial contra Valério. A ideia de que Lula seria praticamente inimputável por encarnar a quintessência da democracia brasileira, além de exagero, beira à mistificação personalista. É claro que Lula é uma espécie de símbolo do petismo, daí ser natural a reação que procura o ataque como defesa. Estranho é ela ser dirigida contra os mensageiros, e não contra os autores das mensagens.

Liberdade de imprensa e democracia

Guimarães cumpre o papel que lhe cabe nesse cenário de embate político. Não nega o mensalão, nem diz que o STF errou. Essa etapa já passou. Seu foco agora é a atuação da imprensa, ou da mídia, como ele diz. Leia mais

Publicidade

José Guimarães acusa a imprensa e avisa: “Vamos tomar uma medida: A regulamentação da comunicação”

Por Wanfil em Imprensa

24 de setembro de 2012

Imagem: Frame de vídeo em que o parlamentar defende a regulamentação da imprensa para evitar acusações contra Lula, tudo em nome da democracia.

O deputado federal José Guimarães (PT) reagiu à movimentação dos partidos de oposição, que anunciam a pretensão de solicitar uma investigação sobre a participação do ex-presidente Lula no caso do mensalão.

Em vídeo gravado para o Partido dos Trabalhadores, o parlamentar sustenta que está em curso uma “ação orquestrada” em que a mídia agiria com interesses políticos: “A mídia não pode ser partido político. E passadas as eleições, nós do PT vamos tomar uma medida, quer queira, quer não queira: a regulamentação da questão da comunicação no país. (…) O Lula pertence a um patrimônio da democracia brasileira. Criminalizar o Lula é criminalizar a democracia brasileira.

O título do vídeo informa que o protesto é direcionado contra “as mentiras da revista Veja”, em referência à recente publicação de supostas declarações atribuídas a Marcos Valério acusando Lula de ser o verdadeiro chefe do mensalão. Entretanto, apesar do título, Guimarães não cita nenhum veículo em particular. Sobre Valério, também não faz comentários.

A diferença entre mensagem e mensageiro

A revista Veja aborda esse tema na Carta ao Leitor da edição desta semana e vai direto ao ponto: “Quem se sentiu prejudicado pela divulgação das informações do homem do dinheiro do mensalão tem a possibilidade de interpelá-lo publicamente ou procurar reparação na Justiça. Marcos Valério está vivo e tem endereço conhecido. A mensagem é de Marcos Valério. VEJA foi a mensageira”.

É isso! Se José Nobre Guimarães e o PT entendem que Lula não sabia de nada sobre o mensalão, o que é legítimo, a solução é buscar a interpelação judicial contra Valério. A ideia de que Lula seria praticamente inimputável por encarnar a quintessência da democracia brasileira, além de exagero, beira à mistificação personalista. É claro que Lula é uma espécie de símbolo do petismo, daí ser natural a reação que procura o ataque como defesa. Estranho é ela ser dirigida contra os mensageiros, e não contra os autores das mensagens.

Liberdade de imprensa e democracia

Guimarães cumpre o papel que lhe cabe nesse cenário de embate político. Não nega o mensalão, nem diz que o STF errou. Essa etapa já passou. Seu foco agora é a atuação da imprensa, ou da mídia, como ele diz. (mais…)