Confusão em Brasília, calmaria no Ceará: o que é pior? - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Confusão em Brasília, calmaria no Ceará: o que é pior?

Por Wanfil em Política

06 de dezembro de 2016

Em Brasília, Renan Calheiros desfia o STF e desestabiliza relação entre poderes. Já aqui no Ceará, todos se entendem...

Renan Calheiros desafia o STF e complica relação entre poderes. Já no Ceará, todos se entendem…

Em Brasília, Renan Calheiros esperneia contra a decisão do STF de afastá-lo da Presidência do Senado. No Ceará, o clima é de calmaria, após uma conturbada eleição para a Presidência da Assembleia Legislativa, marcada por divisões internas e interferências externas, com a vitória de Zezinho Albuquerque sobre Sérgio Aguiar.

No caso de Renan, fala-se em crise institucional. No caso de Zezinho, fala-se, nos corredores da Assembleia, em recompor a base aliada.

No entanto, esses desacertos em Brasília refletem, de certo modo, o clima de cobrança sobre poderes acuados pela crise econômica e pela opinião pública. Já a busca pelo restabelecimento da harmonia por aqui revela, mais uma vez, falta de autonomia do legislativo estadual. A recente disputa não passou de acomodação fisiológica de grupos políticos, até mesmo da oposição. Tanto que bastou um aceno do governo com verbas e cargos, para que parte desta corresse para compor com a base aliada.

Às vezes, conflitos entre poderes podem significar depuração institucional, com cada um estabelecendo seus limites e controles. Às vezes não, é claro. Do mesmo modo, calmaria pode ser sinal de maturidade, ou então, expressão de submissão, omissão ou cumplicidade, no pior sentido da palavra.

Publicidade aqui

Confusão em Brasília, calmaria no Ceará: o que é pior?

Por Wanfil em Política

06 de dezembro de 2016

Em Brasília, Renan Calheiros desfia o STF e desestabiliza relação entre poderes. Já aqui no Ceará, todos se entendem...

Renan Calheiros desafia o STF e complica relação entre poderes. Já no Ceará, todos se entendem…

Em Brasília, Renan Calheiros esperneia contra a decisão do STF de afastá-lo da Presidência do Senado. No Ceará, o clima é de calmaria, após uma conturbada eleição para a Presidência da Assembleia Legislativa, marcada por divisões internas e interferências externas, com a vitória de Zezinho Albuquerque sobre Sérgio Aguiar.

No caso de Renan, fala-se em crise institucional. No caso de Zezinho, fala-se, nos corredores da Assembleia, em recompor a base aliada.

No entanto, esses desacertos em Brasília refletem, de certo modo, o clima de cobrança sobre poderes acuados pela crise econômica e pela opinião pública. Já a busca pelo restabelecimento da harmonia por aqui revela, mais uma vez, falta de autonomia do legislativo estadual. A recente disputa não passou de acomodação fisiológica de grupos políticos, até mesmo da oposição. Tanto que bastou um aceno do governo com verbas e cargos, para que parte desta corresse para compor com a base aliada.

Às vezes, conflitos entre poderes podem significar depuração institucional, com cada um estabelecendo seus limites e controles. Às vezes não, é claro. Do mesmo modo, calmaria pode ser sinal de maturidade, ou então, expressão de submissão, omissão ou cumplicidade, no pior sentido da palavra.