Noticiário Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Noticiário

As velhas novidades da semana no Ceará

Por Wanfil em Noticiário

18 de setembro de 2015

Sabe aquela sensação de que você já viu isso antes?

Sabe aquela sensação de que você já viu isso antes?

A semana chega ao fim repleta de novas notícias velhas na política cearense. Seguem abaixo alguns acontecimentos que marcaram o noticiário dos últimos dias e que até parecem novidades, mas que, por enquanto, não passam de mais do mesmo:

Ciro Gomes muda de partido para tentar nova candidatura presidencial
(Sobre o ingresso do ex-ministro no PDT, seu sétimo partido);

Governador do Ceará e presidentes da Assembleia e da Câmara de Fortaleza prestigiam Ciro Gomes
(Ainda sobre a filiação do ex-governador ao PDT, tal como já aconteceu no PROS, no PSB…);

Assembleia Legislativa anuncia CPI do DPVAT
(Sobre comissão anunciada para o mesmo fim dois meses atrás, confirmando que o objetivo é deixar a pauta trancada e assim postergar a CPI do Acquario);

Obra de empresa no Ceará deverá ter investimento de bilhões, com milhares de empregos e grande salto no PIB estadual
(Sobre o leilão disfarçado que a empresa TAM faz para definir a escolha do local onde irá construir um terminal particular e os releases oficiais cheios de expectativa);

Governador e prefeito vão mais uma vez a Brasília em busca de verbas
(Não é notícia dos anos 80, é de 2015 mesmo);

Heitor Férrer diz que saíra do PDT se Cid se filiar
(Declaração semanal que se repete há meses).

Sabe aquela sensação de que você já viu isso tudo antes? Pois é.

Publicidade

O estilo Cid Gomes e o incidente da BR-116

Por Wanfil em Noticiário

18 de outubro de 2014

Cid Gomes protagoniza mais uma vez um episódio inusitado nos noticiários locais e nacionais. É que por causa de um incidente de trânsito sem gravidade envolvendo um carro de dois ônibus na BR-116, em Fortaleza, o governador do Ceará tentou, sem sucesso e de modo intempestivo, desobstruir a parte da via interditada pelo pequeno acidente.

Filmado por populares, Cid se ofereceu, com impaciência, para pagar o prejuízo, desde que os carros saíssem do local; ameaçou retirar os veículos sem a autorização dos proprietários (“vou tirar agora”); usou o cargo como argumento: “eu sou o governador”; discutiu com anônimos e com militantes do PMDB. Com a chegada da imprensa, o governador ficou mais comedido e passou a orientar, no meio da rua e sem necessidade alguma, os carros que passavam ao lado. Jornais e sites de todo o país destacaram a atuação de Cid Gomes como “agente de trânsito” ou “dono da rua”, a maioria em tom de deboche.

O caso não tem relevância política ou administrativa imediata, pois em nada contribui para a solução, por exemplo, de problemas de mobilidade urbana em estradas federais nos perímetros urbanos. E, convenhamos, todos estamos sujeitos ao estresse, a uma discussão de trânsito ou a um desatino momentâneo. No entanto, por se tratar de autoridade constituída e pessoa pública, situações assim acabam atingindo a imagem do gestor e da própria gestão. Ainda mais quando o incomum passa a ser algo recorrente. O governador cearense já mergulhou em tanque de adutora, caiu ao andar de skate, andou de moto sem capacete, atravessou correndo pista de aeroporto e foi a uma delegacia em Sobral defender aliado preso por crime eleitoral. São atos que, não raro, chegam a ofuscar ações da administração.

Com efeito, todo político tem um estilo. Cid Gomes é discreto nas articulações de bastidores e espalhafatoso em suas aparições públicas. Para alguns, esse modo de agir reflete uma personalidade simples e autêntica, para outros denota deslumbramento e arrogância. Aí é da interpretação de cada um.

O certo é que, em período eleitoral, bater boca no meio da rua não é o tipo de iniciativa que ajuda seu candidato à sucessão estadual. Nesse caso em particular, pode até ter efeito contrário, pois a forma de interpelar as pessoas foi deselegante e inadequada, quase autoritária, postura que deixa dúvidas sobre o nível de autonomia que seu indicado terá, caso seja eleito. Mas, fazer o quê? Como me disse um assessor dele, comentando sobre as declarações intempestivas do governador no Facebook, “Cid é assim, é o jeito dele mesmo”.

Publicidade

Racismo nos estádios é covardia de indivíduos escondidos na multidão

Por Wanfil em Noticiário

01 de setembro de 2014

Uma reportagem do UOL nesta segunda mostra que familiares e amigos da torcedora gremista flagrada ao proferir insultos racistas contra o goleiro “Aranha”, do Santos, na última quinta-feira  (28), estão surpresos com o caso. Garantem que o comportamento de Patrícia Moreira, de 23 anos, é diferente na vida privada, sem nada que lembre a postura preconceituosa manifestada no estádio. Alguns especulam que o ato repulsivo se deu no calor do momento, instigado pelo conjunto de torcedores que também ofendiam o goleiro. Caso a polícia instaure inquérito, Patrícia pode responder a processo por injúria racial, cuja pena varia de um a três anos de reclusão.

De certa forma, seus conhecidos parecem ter razão. O vídeo em que a jovem aparece mostra a típica cena em que torcedores de um time procuram desestabilizar jogadores da equipe adversária ou mesmo os juízes da partida. No entanto, além do time, o racismo como arma de constrangimento serviu para aquelas pessoas como instrumento de identidade e coesão. Sabiam que ofendiam e enxergam na própria condição racial, sinais de superioridade diante de um atleta negro. Assim, naquelas condições específicas e emocionais, foi que a jovem se manifestou. Acredito que, muito provavelmente, ela jamais chamasse o goleiro de “macaco” fora dali, mas isso não justifica o ocorrido. Uma vez inserida na torcida, protegida pelo anonimato e diluída na multidão, deu vazão ao preconceito que nutria intimamente. Ela apenas não imaginava estar sendo filmada. É mais ou menos o que acontece com os Black Blocs, mascarados que, em bando, saqueiam e depredam. Acreditam que, estando em grupo e defendendo uma causa particular, são especiais e imunes aos limites da lei. É o complexo de inferioridade transformado em cultura política.

Escrevo isso após ler a seguinte passagem da escritora liberal americana Ayn Rand, sobre esse aspecto do preconceito racial:

“O racismo é a forma mais baixa e mais cruelmente primitiva de coletivismo. É a noção de atribuir significado moral, social ou político à linhagem genética de um homem – é a noção de que os traços caracterizadores e intelectuais de um homem são produzidos e transmitidos por sua química corporal interna. O que quer dizer, na prática, que um homem deve ser julgado, não por sua índole ou ações, mas pelas índoles e ações de um coletivo de antepassados.”

É isso aí! Patrícia deve ser julgada por sua índole e ações. Os demais torcedores envolvidos, se identificados, também. Se existe algo com que simpatizo no pensamento liberal é a noção de que o indivíduo tem primazia sobre o coletivo. Não se trata de renegar o social, mas de compreender que o todo é feito de partes, de sujeitos dotados de livre arbítrio. Ninguém é criminoso ou virtuoso exclusivamente por causa da condição econômica ou racial. Assim não haveria responsabilidade sobre o que fazemos. Questões econômicas, políticas e culturais certamente agem sobre o indivíduo, mas é ele, sozinho, em rápido ou longo exame de consciência, quem decide o que fazer. Choques e tensões acontecem, claro, mas existem regras para expor opiniões e mediar impasses. No Brasil, ficou estabelecido, com justiça, que racismo é crime.

No caso da torcedora do Grêmio, é possível até entender que o grupo acabou por influenciar-lhe o comportamento, mas isso não serve como desculpa para eximi-la da devida reparação. A responsabilidade pelos atos praticados é sempre, no final, e ainda que acompanhada de eventuais atenuantes ou agravantes externos, inerente ao indivíduo.

Publicidade

Compra de helicópteros sem licitação pelo governo do Ceará é alvo de suspeitas

Por Wanfil em Ceará, Noticiário, Sem categoria

25 de agosto de 2013

O site do jornal O Globo publicou matéria assinada por Maria Lima: Sem licitação, Cid Gomes gasta R$ 78 milhões com helicópteros. Segundo o jornal, o governo estadual adquiriu quatro helicópteros “equipados com o que há de mais moderno” valendo-se de artifícios para dispensa de concorrências. Um desses aparelhos, “de padrão luxo”, é utilizado pelo governador Cid Gomes desde 2010 e os demais começaram a chegar ao Ceará na semana passada.

Um programa da Secretaria de Ciência e Tecnologia que autoriza a compra de “equipamentos” (sem especificar helicópteros) sem licitação é utilizado para adquirir as aeronaves. Depois os aparelhos são cedidos para a Secretaria de Segurança. Valor do negócio: 78 milhões.

O deputado estadual Heitor Férrer (PDT), informa a matéria, deverá pedir informações detalhadas ao governo sobre a compra, os valores pagos e a destinação das aeronaves, uma vez que, segundo o parlamentar, a Lei 8.666 prevê a participação de empresas em concorrências e a escolha do menor preço para o fornecimento desses equipamentos.

Em resposta à reportagem de O Globo, a assessoria de comunicação do governo afirmou que tudo foi realizado dentro dos trâmites legais, com a devida aprovação da Assembleia Legislativa e do Senado Federal. A respeito do helicóptero que seria de uso exclusivo do governador, o governo afirma que sua utilização é para o monitoramento e fiscalização de obras pelas secretarias do estado e ocasionalmente transporta autoridades.

Entretanto, o extrato de inexigibilidade de licitação para a aeronave que serve ao próprio governador informa que o Eurocopter EC-135P2+, prefixo PR-GCE, foi oficialmente comprado “para fins de operação junto à Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior e Superintendência Estadual de Meio Ambiente”, e no Diário Oficial, a aquisição está registrada como ““equipamentos e instrumentos técnico-científicos e educacionais”.

Publicidade

Notas soltas: Niemeyer amava curvas e Fidel as retas; inflação sobe e PIB cai; faculdades reprovadas e cotas raciais

Por Wanfil em Noticiário

07 de dezembro de 2012

Uma olhada no noticiário com breves comentários.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONFERE NOTA MÁXIMA PARA APENAS 27 INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E 27% SÃO REPROVADAS

Bom, se as universidades são ruins agora, como ficarão com a substituição do mérito pela política de cotas raciais? Sejamos, entretanto, otimistas. Se o problema da má qualidade do ensino superior no Brasil piorar, pelo menos teremos um país menos desigual: a educação será de má qualidade para alunos do ensino básico, médio e superior, sem distinção.

INFLAÇÃO SOBE 0,6% EM NOVEMBRO E CHEGA A 5% EM 2012, DIZ IBGE

Quando o IBGE admite que a pressão inflacionária é uma realidade no Brasil perfeito de hoje (inflação é uma média cuja escolha dos produtos pode interferir no resultado final), é porque na prática (e no bolso), a coisa está ruim. Lembrando ainda que o PIB do ano foi um fiasco, fica claro que o repique não é resultado de excesso de demanda dos consumidores. Mas nem tudo está perdido. Inflação é imposto sobre os pobres. A vantagem, para o governo, é que os pobres não sabem disso até que lhes falte dinheiro para pagar os carnês de eletrodomésticos comprados em 36 vezes. Empurrar com a barriga, como vimos no PAC, é a essência do estilo Dilma de administrar. Se foi assim que ela chegou lá, por que haveria de fazer diferente agora?

CASTELÃO ESTÁ QUASE PRONTO PARA A INAUGURAÇÃO

Nem tudo é notícia ruim. O estádio Castelão está aí para provar e é preciso reconhecer o mérito de quem tornou esse sonho maravilhoso possível: eu e você, caro leitor. Sim, o difícil para a construção de uma obra dessas – cujo retorno me é difícil de ver – é o dinheiro. Como pagamos impostos pesados (voar de São Paulo para o Ceará é mais caro do que voar para a Argentina por causa do ICMS ), há dinheiro em caixa. E os gestores? Não fizeram mais do que a obrigação, não é?

FIDEL MANDA COROA DE FLORES PARA ENTERRO DE NIEMEYER

O que curvas e retas separam, a ideologia comunista reúne. Oscar Niemeyer – segundo clichê publicado em todos os textos jornalísticos sobre a morte do arquiteto – preferia “a beleza das curvas” em oposição à “linha reta, dura, inflexível criada pelo homem”. Já Fidel sempre preferiu a trajetória das linhas retas, que perfazem a eficiência dos pelotões de fuzilamento com os quais eliminou milhares de adversários. Apesar disso, eram amigos que se admiravam, que cultivavam o mesmo sonho da utopia em que retas e curvas poderiam viver em igualdade, a despeito das naturais diferenças entre os homens. Em Cuba, 18 mil criaturas que discordaram disso, morreram.

Publicidade

Fortaleza aparece entre as capitais menos endividadas do país: rigor fiscal ou falta de projetos?

Por Wanfil em Fortaleza, Noticiário

01 de setembro de 2012

Quem me acompanha sabe que os meus artigos sempre estiveram entre os mais críticos em relação a gestão da prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins. No entanto, quando alguma realização merece reconhecimento, anoto por questão de justiça, sem receio de patrulhamento contra ou a favor. Análises devem se abster das questões pessoais. A crítica não deve ser confundida com campanha sistática contra alguém, assim como o elogio eventual não significa adesão incondicional a algo. De toda ação entendida como positiva ou negativa, podemos fazer reflexões construtivas. Dito isso, vamos ao que interessa.

Matéria da Folha de São Paulo deste sábado sobre o endividamento da capitais brasileiras mostra que Fortaleza tem um dos melhores quadros nessa área. Enquanto São Paulo possui uma dívida que chega a 200% de sua receita anual, Fortaleza aparece com uma dívida que corresponde a apenas 0,5% do que sua prefeitura arrecada. Menos do que Salvador, com 51,2%; Belo Horizonte, que chega a 33%; e Curitiba, com 3,3%.

Antes de comemorar, porém, é preciso avaliar algumas considerações. Primeiro, do ponto de vista político na forma de montar a equipe de uma administração; segundo, das causas para esse baixo endividamento.

Indicações técnicas X indicações politiqueiras

A Secretaria das Finanças está sob o comando do economista Alexandre Cialdini, técnico com experiência em gestão pública e que não é candidato a nada, o que reduz as chances de uso político da máquina . Políticos de carreira, aspirantes ou técnicos indicados por políticos, costumam a trabalhar para seus padrinhos e seus partidos, cedendo a pressões indevidas, alimentando relações de apoio eleitoral e financeiro, e por fim deixando a população em segundo plano. Acabam transformando os órgãos onde atuam em meros trampolins para postulações de aspirantes a prefeito ou vereador.

Que fique a lição para o próximo prefeito. Entre perder um amigo ou um aliado circunstancial e fazer uma indicação correta, fique com a segunda opção, a única que gera resultados para a cidade.

Rigor fiscal ou falta de crédito?

Ao saber da notícia, um leitor amigo fez a indagação fundamental pelo Twitter: “Isso é bom ou ruim?” Para em seguida responder: “Nesse caso o baixo endividamento é ruim, mostra a inabilidade gerar projetos credíveis, no sentido político e financeiro.” O alerta é pertinente. Nem todo endividamento significa inadimplência ou crise, pelo contrário. Ter crédito e usá-lo de forma responsável é condição indispensável para realizar obras. Leia mais

Publicidade

Refinaria não vem e cearenses são tapeados mais uma vez

Por Wanfil em Noticiário

26 de junho de 2012

A notícia que se repete ano após ano: Refinaria do Ceará não consta no plano de investimentos da Petrobras. Alguma novidade? Não. Mais uma vez o plano de negócios da empresa não faz previsão, até 2016, para a construção da refinaria “Premium 2” no Ceará.

Factoide

Desculpas não faltam: burocracia estatal, crise internacional, complexidade técnica, tudo muito difícil, mas nada que impeça, por exemplo, as obras superfaturadas da refinaria Abreu e Lima, no vizinho Pernambuco. É constrangedor observar como o ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, político matreiro disfarçado de técnico, usou a estatal para criar um factoide eleitoreiro dessa dimensão.

Se a refinaria não era uma certeza, então que não fosse prometida, especialmente em troca de votos. Não tenho dúvida de que na próxima campanha presidencial – e estadual – o empreendimento constará como promessa encaminhada, em vias de execução para transformar a realidade, gerar empregos e mudar radicalmente a realidade. Tudo estelionato eleitoral.

Filme repetido

Em 2010, faltando apenas dois dias para o fim de seu segundo mandato, ex-presidente Lula esteve no Ceará para lançar a pedra fundamental da refinaria cujas obras não existem. É um acinte, mas não faltaram louvores e manchetes favoráveis para a promessa não cumprida, nem sequer iniciada, muito menos com orçamento previsto.

Um ano antes, escrevi um artigo para o jornal O Estado com o seguinte título: A refinaria não vem para o Ceará. O que mais falta acontecer para isso ficar claro? Reproduzo um trecho, em azul:

O caso da prometida refinaria de petróleo para o Ceará já não pode ser visto apenas como uma certeza constantemente adiada por causa de contratempos técnicos. Não cola mais. (…) Nunca um governo tão carente de realizações concretas foi tão popular. E o segredo não é apenas  o populismo assistencialista. Falta cobrança. A oposição é fraca a ponto de não conseguir explorar uma realidade que salta aos olhos. A base aliada de Lula no Ceará sabe bater palmas como poucas, mas seu entusiasmo febril é inversamente proporcional aos investimentos. Sobra discurso e falta ação. O resultado colhido é mais desprezo e mais promessas.

Pois é. Não mudo uma vírgula do que disse no passado. Só o que muda constantemente é a data para o início das obras da refinaria.

Cobrar a promessa ou denunciar o embuste

O fato é que o governo federal percebeu que para conseguir votações expressivas no Ceará basta o bolsa família. Enquanto que para outros estados, mais exigentes, são necessárias ações de maior substância. No ano passado, o governador Cid Gomes denunciou, com razão, a situação das estradas federais no estado. Fez bem e o ministro, enrolado com corrupção, caiu. É hora de fazer o mesmo em relação a Petrobras, que sistematicamente exclui o Ceará em seu plano de investimentos. É preciso denunciar o embuste, explicando aos cearenses que o ex-presidente Lula e a presidente Dilma souberam vir aqui pedir votos, mas que na hora de entregar o que prometeram, deixam a Petrobras tergiversar.

Muitos podem pensar que estou exagerando, uma vez que a instalação de uma refinaria é algo realmente demorada, coisa e tal. Publico então um vídeo institucional do próprio Governo do Ceará. Nele não constam dúvidas ou empecilhos, só vantagens maravilhosas de uma realidade indiscutível. Quem um dia acreditou no que aparece no vídeo, sinto muito dizer, foi enganado.

 

Publicidade

Lei de Acesso à Informação em órgãos públicos começa a valer na quarta

Por Wanfil em Noticiário

13 de Maio de 2012

A partir da próxima quarta-feira (16), todos os órgãos dos  três Poderes da União, Estados e municípios, deverão ter salas de atendimento ao público, com acesso a informações públicas e sigilosas. É o que determina a Lei 12.527, chamada de Lei de Acesso à Informação, sancionada em 18 de novembro de 2011.

Pela legislação, cada órgão deverá criar o Serviço de Informações ao Cidadão (SIC), dotado das condições necessárias para receber, orientar e encaminhar pedidos sobre informações que venham a ser solicitadas pelo público.

Eventualmente, um pedido poderá ser indeferido, dentro de prazo determinado e com a devida justificativa, cabendo recurso ao solicitante.

Algumas dúvidas ainda precisam de esclarecimento, como o procedimento sobre a divulgação de folhas de pagamento de servidores públicos. Para isso, aguarda-se um decreto da presidente Dilma Rousseff regulamentando os SICs, sem data para acontecer.

Teste

Jornalistas bem sabem como algumas informações de interesse público são difíceis – até impossíveis  – de se obter, quando solicitadas a órgãos da administração pública.

Além dos cansativos labirintos da burocracia brasileira e da desorganização administrativa, existe ainda uma cultura de aversão contra a transparência. Governantes costumam tomar essas solicitações como ofensas pessoais.

Pois bem, caso venha a funcionar, o serviço pode ser de extrema valia. O atraso na regulamentação da lei contrasta com o discurso de apoio às medidas de transparência da presidente. De qualquer forma, já tenho uma lista de solicitações. Quarta-feira eu mesmo farei alguns testes e volto ao assunto.

Publicidade

CPI, consignados, Ficha Limpa, aquário, juros, eleições… E as velhas novidades de sempre

Por Wanfil em Noticiário

20 de Abril de 2012

As notícias são novas, mas o teatro é velho: a ilusão de que as coisas agora vão mudar

Resumo do noticiário da quinzena:

Criaram uma CPI em Brasília; sobre o rumoroso caso dos empréstimos consignados no Ceará, sabemos agora que o contrato com a empresa que cuidava das operações será cancelado; aliados que prometeram sintonia para servir melhor a população de Fortaleza brigam excitados pelo calendário eleitoral, a Assembleia Legislativa aprovou uma nova lei para barrar fichas-sujas ocuparem cargos públicos na administração estadual, os juros caíram, o Ministério Público Federal no Ceará recomendou a suspensão das obras do “Acquário Ceará”.

Parece uma agenda positiva, não é mesmo? Mas um olhar mais atento mostra que a coisa não é bem assim. Leia mais

Publicidade

CPI, consignados, Ficha Limpa, aquário, juros, eleições… E as velhas novidades de sempre

Por Wanfil em Noticiário

20 de Abril de 2012

As notícias são novas, mas o teatro é velho: a ilusão de que as coisas agora vão mudar

Resumo do noticiário da quinzena:

Criaram uma CPI em Brasília; sobre o rumoroso caso dos empréstimos consignados no Ceará, sabemos agora que o contrato com a empresa que cuidava das operações será cancelado; aliados que prometeram sintonia para servir melhor a população de Fortaleza brigam excitados pelo calendário eleitoral, a Assembleia Legislativa aprovou uma nova lei para barrar fichas-sujas ocuparem cargos públicos na administração estadual, os juros caíram, o Ministério Público Federal no Ceará recomendou a suspensão das obras do “Acquário Ceará”.

Parece uma agenda positiva, não é mesmo? Mas um olhar mais atento mostra que a coisa não é bem assim. (mais…)