Cid e Luizianne sobem o tom e roubam a cena na reta final da campanha 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Cid e Luizianne sobem o tom e roubam a cena na reta final da campanha

Por Wanfil em Eleições 2012, Fortaleza

22 de outubro de 2012

Foto da campanha de 2008: Unidos por interesses circunstanciais, Cid e Luizianne dividiam o mesmo palanque. De repente, na eleição seguinte, do riso fez-se o pranto…

A aliança entre o governador Cid Gomes se desfez formalmente às vésperas das eleições municipais. Na prática, foi de altos e baixos, mas sempre reafirmada em períodos eleitorais. Da união instável mas vitoriosa na urnas, restou, ironicamente, duas candidaturas adversárias: Roberto Cláudio a representá-lo e Elmano de Freitas a representá-la.

No primeiro momento, uma gélida distância sugeria que os dois não interfeririam demasiadamente no processo. No entanto, o calor da disputa no 2º turno em Fortaleza fez emergir no noticiário ressentimentos guardados e um indisfarçável desejo de vencer o antigo parceiro.

Em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira em que anunciou pedido de licença do cargo para entrar de vez na campanha, Cid afirmou que Luizianne é personalista, vaidosa, arrogante e emendou dizendo que a prefeita não gosta de trabalhar. No mesmo dia ela respondeu em outra entrevista acusando-o de desrespeitar os cearenses que sofrem com a estiagem, de ser preconceituoso, de estar desesperado por causa das eleições e de confundir Fortaleza com Sobral.

Quem haverá de dizer que eles estão errados? Afinal, dado o histórico, os dois se conhecem intimamente enquanto líderes políticos e administradores públicos. Foram sócios para o bem e para o mal. E por último, em que tais declarações ajudariam seus respectivos candidatos? A meu ver, essas demonstrações mais atrapalham.

Revelações

A decisão de Cid e as alfinetadas recíprocas entre os ex-aliados acabam por revelar alguns pontos interessantes que etavam adormecidos, guardados numa camada mais interna da política, encoberta pela camada superficial das propagandas eleitorais. Ressalto dois:

1) O que todos já sabiam ganhou contorno público: esta eleição é uma disputa entre Luizianne e Cid, cabendo aos candidatos Elmano de Freitas e Roberto Cláudio o papel de prepostos sem luz própria, cabendo-lhes apenas refletir a liderança projetada por seus padrinho e madrinha;

2) A aliança entre PSB e PT se desfez em função de sua única e verdadeira razão de existir: as conveniências eleitorais do momento. Se alguém votou em algum candidato majoritário dessas siglas apostando no discurso de convergência de projetos, resta provado ter sido enganado.

Incoerências

Outro ponto intrigante da ruptura entre os ex-aliados de outrora é a falta de um mea culpa. Os dois querem passar a impressão de que estavam certos no passado quando trocavam juras de apoio um ao outro e também agora quando a renegam.

Como Cid pode pedir voto para um candidato dizendo que ele é a melhor opção ao mesmo tempo em que diz que a última candidata para quem pediu votos não presta mais?

Como pode Luizianne, por sua vez, dizer que Cid não apoia bons candidatos se ela fez questão de apresentá-lo como um de seus fiadores em sua campanha a reeleição?

Metáfora

Diante desse caminho que vai da exaltação ao rompimento e depois à intriga, lembrei-me do famoso Soneto de Separação, de Vinícius de Moraes. São versos de amor, claro, mas a correlação que faço nasce da natureza fugaz de certos relacionamentos. Descontados os exageros, serve como metáfora para um processo que nasceu fadado ao fracasso.

SONETO DA SEPARAÇÃO

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Publicidade aqui

Cid e Luizianne sobem o tom e roubam a cena na reta final da campanha

Por Wanfil em Eleições 2012, Fortaleza

22 de outubro de 2012

Foto da campanha de 2008: Unidos por interesses circunstanciais, Cid e Luizianne dividiam o mesmo palanque. De repente, na eleição seguinte, do riso fez-se o pranto…

A aliança entre o governador Cid Gomes se desfez formalmente às vésperas das eleições municipais. Na prática, foi de altos e baixos, mas sempre reafirmada em períodos eleitorais. Da união instável mas vitoriosa na urnas, restou, ironicamente, duas candidaturas adversárias: Roberto Cláudio a representá-lo e Elmano de Freitas a representá-la.

No primeiro momento, uma gélida distância sugeria que os dois não interfeririam demasiadamente no processo. No entanto, o calor da disputa no 2º turno em Fortaleza fez emergir no noticiário ressentimentos guardados e um indisfarçável desejo de vencer o antigo parceiro.

Em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira em que anunciou pedido de licença do cargo para entrar de vez na campanha, Cid afirmou que Luizianne é personalista, vaidosa, arrogante e emendou dizendo que a prefeita não gosta de trabalhar. No mesmo dia ela respondeu em outra entrevista acusando-o de desrespeitar os cearenses que sofrem com a estiagem, de ser preconceituoso, de estar desesperado por causa das eleições e de confundir Fortaleza com Sobral.

Quem haverá de dizer que eles estão errados? Afinal, dado o histórico, os dois se conhecem intimamente enquanto líderes políticos e administradores públicos. Foram sócios para o bem e para o mal. E por último, em que tais declarações ajudariam seus respectivos candidatos? A meu ver, essas demonstrações mais atrapalham.

Revelações

A decisão de Cid e as alfinetadas recíprocas entre os ex-aliados acabam por revelar alguns pontos interessantes que etavam adormecidos, guardados numa camada mais interna da política, encoberta pela camada superficial das propagandas eleitorais. Ressalto dois:

1) O que todos já sabiam ganhou contorno público: esta eleição é uma disputa entre Luizianne e Cid, cabendo aos candidatos Elmano de Freitas e Roberto Cláudio o papel de prepostos sem luz própria, cabendo-lhes apenas refletir a liderança projetada por seus padrinho e madrinha;

2) A aliança entre PSB e PT se desfez em função de sua única e verdadeira razão de existir: as conveniências eleitorais do momento. Se alguém votou em algum candidato majoritário dessas siglas apostando no discurso de convergência de projetos, resta provado ter sido enganado.

Incoerências

Outro ponto intrigante da ruptura entre os ex-aliados de outrora é a falta de um mea culpa. Os dois querem passar a impressão de que estavam certos no passado quando trocavam juras de apoio um ao outro e também agora quando a renegam.

Como Cid pode pedir voto para um candidato dizendo que ele é a melhor opção ao mesmo tempo em que diz que a última candidata para quem pediu votos não presta mais?

Como pode Luizianne, por sua vez, dizer que Cid não apoia bons candidatos se ela fez questão de apresentá-lo como um de seus fiadores em sua campanha a reeleição?

Metáfora

Diante desse caminho que vai da exaltação ao rompimento e depois à intriga, lembrei-me do famoso Soneto de Separação, de Vinícius de Moraes. São versos de amor, claro, mas a correlação que faço nasce da natureza fugaz de certos relacionamentos. Descontados os exageros, serve como metáfora para um processo que nasceu fadado ao fracasso.

SONETO DA SEPARAÇÃO

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.